Publicado por: mvmportugues | março 23, 2016

O SIGNIFICADO DE ‘CONFIAR’ NA BÍBLIA – Provérbios 3:5-6

Confiar en la Biblia (P) - Proverbios 3 vs 5-6

“Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e Ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6) 

Confiar significa uma firme crença na confiabilidade, na verdade, na capacidade, ou na força de alguém ou de alguma coisa. 

Na Bíblia “confiar” literalmente significa ‘uma segurança forte, confiante e segura.’ Confiar não é exatamente o mesmo que ter fé, que é o dom de Deus: “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9). Portanto, confiar é o que fazemos por causa da fé que nos foi dada. Confiar quer dizer que acreditamos nas promessas de Deus em todas as circunstâncias, mesmo naqueles em que a evidência parece ser contrária. 

Nosso verso claramente resume o ensino da Bíblia sobre confiar: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” Em primeiro lugar, é o Senhor, em quem devemos confiar, não a nós mesmos ou nossos planos, e certamente não na sabedoria do mundo. Nós confiamos no Senhor, porque somente Ele que é verdadeiramente digno de confiança. Portanto, “bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, e cuja esperança é o Senhor.” (Jeremias 17:7) 

Mateus 6:31-32 nos diz: “Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer?’ ou ‘Que vamos beber?’ ou ‘Que vamos vestir?’ 32 Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas.” 

O capítulo 11 de Hebreus fala sobre a fé, que é aceitar e acreditar a verdade que Deus revela sobre Si mesmo supremamente na pessoa de Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. Assim que, a consequência prática da fé em Deus é confiar, que provamos vivendo a nossa aceitação da promessa de Deus cada dia. Além disso, é por confiar que temos a promessa de paz: “Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia.” (Isaías 26:3) 

Vemos também que Sua natureza é fiel e verdadeira: “Saibam, portanto, que o Senhor, o seu Deus, é Deus; ele é o Deus fiel, que mantém a aliança e a bondade por mil gerações daqueles que o amam e obedecem aos seus mandamentos” (Deuteronômio 7:9). E no Salmo 25:10 lemos que: “Todos os caminhos do Senhor são amor e fidelidade para com os que cumprem os preceitos da sua aliança.” 

Seus planos para nós são perfeitos e intencionais: “Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro” (Jeremias 29:11). Além disso, por causa da natureza de Deus, devemos confiar Nele de todo o coração, comprometendo todos os aspectos de nossas vidas a Ele em total confiança. 

Não devemos confiar em nós mesmos porque nossa compreensão é temporal, finita e infectada por nossa natureza carnal e pecaminosa. Confiando em nós mesmos é como caminhar orgulhosamente através de uma ponte de madeira podre sobre um profundo abismo de muitos metros de profundidade. . . e o desastre inevitavelmente seguirá. 

Uma coisa que pode ser observada quando confiamos na Bíblea é que isto sempre produz ainda mais confiança em nosso Deus. A fé dos crentes pode ser julgada e eles podem tropeçar, mas: “Ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão.” (Salmo 37:24) 

Deus sabe que, embora as provas sobrecarreguem o crente nesta vida, o confiar não deve dispersar porque é baseado na fé das promessas de Deus; tal como a promessa de alegria eterna com o Senhor e a promessa de “uma herança incorruptível e incontaminável, que não desaparece, reservada nos céus para nós.” (1 Pedro 1:4)

Publicado por: mvmportugues | março 7, 2016

SENHOR GUIA-NOS EM COMO PODEMOS MELHOR PROCURÁ-LO – Salmo 31:3

Salmo 31 vs 3 (P)

“Porque Tu és a minha rocha e a minha fortaleza; por isso, por amor do Teu nome guia-me e orienta-me.” (Salmo 31:3) 

Precisamos seguir o que já está claramente revelado nas Sagradas Escrituras, se quisermos conhecer a Sua vontade e orientação nas coisas que Ele ainda não nos divulgou. Deus já nos deu a conhecer a maior parte de Sua vontade por intermédio da Bíblia. Paulo escreveu: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, 17 para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3:16-17) 

A Bíblia está cheia de instruções a respeito de como Deus quer que seu povo viva e O busque. Tudo o que precisamos fazer é ler a Bíblia regularmente, e em oração buscar e obedecer as coisas que Deus nos ensina de Suas Palavras. A grande parte da vontade de Deus já foi esclarecida sobre o que devemos fazer e como devemos honrá-Lo em tudo o que pensamos, dizemos e fazemos, e Deus nos dá o Espírito Santo com o propósito de nos permitir obedecer-Lo. 

O escritor de Provérbios diz: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6). Se exercemos confiança e O reconhecemos em todas as áreas de nossas vidas, Sua promessa é que Ele vai nos guiar. 

Em Isaías diz: “O Senhor o guiará constantemente” (Isaías 58:11). Em outras palavras, se nossos motivos e objetivos estão certos, a orientação é algo que vai acontecer naturalmente. A Bíblia diz que “Sem fé é impossível agradar a Deus.” (Hebreus 11:6) 

Muitas vezes, quando olhamos para trás é quando vemos que Ele estava nos guiando todo o tempo.

A palavra de Deus diz: “ Eu o instruirei e o ensinarei no caminho que você deve seguir; eu o aconselharei e cuidarei de você. Não sejam como o cavalo ou o burro, que não têm entendimento mas precisam ser controlados com freios e rédeas, caso contrário não obedecem.” (Salmo 32:8-9)

Precisamos ouvir a orientação de Deus, porque está escrito: “A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho.” (Salmo 119:105) 

Ouvir a orientação de Deus começa com nossa mente e coração. A Bíblia nos lembra para “estar quietos” (Salmo 46:10) enquanto nós ouvimos Sua liderança, e “ser transformados pela renovação da sua mente.” (Romanos 12:2) 

As Escrituras estão cheias de orações que podemos usar para pedir a Deus para nos concentrarmos n’Ele, tais como: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações” (Salmo 139:23). Precisamos buscar verdadeiramente o Senhor, e lembrar-nos que: “Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida.” (Tiago 1:5) 

Falando, lendo e pensando na palavra de Deus nos ajuda a vivê-la! A Bíblia promete que podemos “buscar Deus e a Sua vontade em tudo o que fazemos” (Provérbios 3:6) e depender d’Ele para guiar todos os nossos caminhos. 

À medida que buscamos a orientação de Deus para todas as nossas ações, precisamos orar a Deus os pedidos encontrados nos Salmos: “Guia-me, Senhor, na tua justiça”; “Ensina-me o teu caminho, ó Senhor”; “Ensina-me a fazer a tua vontade, meu Deus!” (Salmos 5:8, 86:11, 143:10). Se nós confiamos n’Ele, Deus nos levantará de modo que em função da Sua orientação e liderança isto se tornará uma segunda natureza para nós, porque Ele é a nossa rocha e fortaleza; por isso, por amor do Seu nome, Ele nos guiará e orientará. (Salmo 31:3)

 

Publicado por: mvmportugues | fevereiro 27, 2016

TESTEMUNHANDO CORAJOSAMENTE PARA CRISTO – Atos 4:18-20

João e Pedro

Mas Pedro e João lhes disseram: “Vocês decidam se é certo diante de Deus obedecer a vocês ao invés de obedecer a Ele. 20 Nós não podemos deixar de falar a respeito das coisas que vimos e ouvimos!” (Atos 4:19-20)

Todo cristão sabe que ele deve testemunhar de Cristo, mas a maioria são muito relutantes em falar em Seu nome muito frequentemente. A razão mais óbvia para esta hesitação é a apreensão. Às vezes, podemos ser realmente proibidos assim como foram Pedro e João: E, chamando os dois novamente, mandaram que eles nunca mais dissessem ou ensinassem coisa alguma a ninguém em nome de Jesus. 19 Mas Pedro e João lhes disseram: “Vocês decidam se é certo diante de Deus obedecer a vocês ao invés de obedecer a Ele. 20 Nós não podemos deixar de falar a respeito das coisas que vimos e ouvimos!” (Atos 4:18-20)

Eles foram corajosos na sua testemunha de Cristo e oraram: “E agora, Senhor, ouça as ameaças deles e dê aos seus servos habilidade para falarem a Sua mensagem com toda a coragem.” (Atos 4:29) 

Muitas vezes nossa apreensão vem do medo de perseguição física ou dano pessoal. Também pode haver um medo da zombaria, ou perda de prestígio ou posição. Este tipo de medo não faz parte do caráter de verdadeiros Cristãos, “Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de domínio próprio” (2 Timóteo 1:7). Se amamos o Senhor, precisamos aprender a conquistar o nosso medo dos homens. 

Quantas vezes hoje em dia homens profissionais e até teólogos, comprometem a sua posição por Cristo e por Sua Palavra inerrante por causa do medo da pressão de indivíduos? E, devido à sua posição elevada, eles se recusam a tomar uma posição decidida para Cristo. Assim como está escrito nas Escrituras: “Muitos líderes dos judeus creram nele. Mas, por causa dos fariseus, não confessavam a sua fé, com medo de serem expulsos da sinagoga; 43 pois preferiam a aprovação dos homens do que a aprovação de Deus.” (João 12:42-43) 

Devemos pedir a Deus para nos dar a coragem de Paulo. “Eu não me envergonho do evangelho de Cristo”, escreveu ele, “pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.” (Romanos 1:16) 

Não devemos ter medo de testemunhar, porque o nosso Deus, que provou-se fiel ao longo dos anos está sempre conosco. Porque Seu caráter não muda, podemos dizer com uma voz confiante de fé: “O Senhor Deus é a minha força” (Habacuque 3:19). Portanto, devemos ir e corajosamente testemunhar para Ele. 

Lembre-se, Jesus disse: “Deus me deu todo o poder no céu e na terra. 19 Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo 20 e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês.” (Mateus 28:18-20). Deus não pretendia que este comando nos desse sentimentos de medo ou de inadequação. Em vez disso, este comando ilustra o desejo de Deus para nos incluir em Seu plano maravilhoso para redimir a humanidade. 

Por isso, devemos estudar a Palavra, viver a vida cristã, deixar o Espírito Santo fazer Sua obra e procurar oportunidades de compartilhar o evangelho. É um privilégio ser parte de espalhar as boas novas de Deus para o mundo; e quando nós cumprimos a Grande Comissão, temos a maravilhosa promessa de Jesus: “Certamente eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mateus 28:20). Portanto, o que temos a temer? 

Lembre o que Paulo disse: “Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10). Portanto, somos informados de que “Nós devemos obedecer a Deus e não aos homens.” (Atos 5:29)

 

Publicado por: mvmportugues | fevereiro 15, 2016

O PERDÃO – Romanos 12:20

Perdão - Romanos 12 vs 20

“Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. (Romanos 12:20) 

O que significa “amontoarás brasas de fogo” sobre a cabeça de alguém? Isto pode referir-se a uma tradição egípcia de levar uma panela de carvão a brasas na cabeça como um ato público de arrependimento. Referindo-se a este provérbio (Provérbio 25:21-22), Paulo estava dizendo que devemos tratar nossos inimigos com bondade para que eles fiquem envergonhados e se converterem dos seus pecados. 

Recusando-se a perdoar é um pecado. Se recebemos o perdão de Deus, devemos perdoar a outras pessoas que nos feriram. Não podemos guardar rancor ou buscar vingança. Necessitamos confiar em Deus pela justiça e perdoar a pessoa que nos ofendeu. Isso não significa que devemos esquecer a ofensa, já que isto está além do nosso alcance. Perdoar significa libertar o outro da culpa, deixando o evento nas mãos de Deus, e seguir em frente. 

O perdão é uma decisão da vontade. Já que Deus nos manda perdoar, temos que fazer uma escolha consciente para obedecer a Deus e perdoar. O ofensor talves não deseja o perdão e provavelmente nunca vai mudar, mas isso não nega o desejo de Deus que nós possuímos um espírito de perdão. Jesus disse: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem (Mateus 5:44). 

Precisamos realizar que é verdadeiramente impossível esquecer os pecados cometidos contra nós. Não podemos seletivamente “eliminar” eventos da nossa memória. No entanto, a Bíblia diz que Deus não “lembra” a nossa maldade (Hebreus 8:12). Mas Deus é onisciente. Deus se lembra que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Portanto, tendo sido perdoados, somos judicialmente justificados e o céu é nosso, como se o nosso pecado nunca tivesse ocorrido. Se nós pertencemos a Ele através da fé em Cristo, Deus não nos condena por nossos pecados (Romanos 8:1). Nesse sentido Deus “perdoa e esquece.” 

Se por dizer “perdoar e esquecer” nós queremos dizer, “eu escolho perdoar o ofensor por causa de Cristo e vou seguir em frente com minha vida”, então esta é uma ação sábia e piedoso por nossa parte. Tanto quanto possível, devemos esquecer das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de nós (Filipenses 3:13). Devemos perdoar uns aos outros, “assim como Deus em Cristo vos perdoou” (Efésios 4:32). Não podemos permitir que uma raiz de amargura brote em nossos corações (Hebreus 12:15). 

O ideal é perdoar e esquecer como 1 Coríntios 13:5 afirma: O amor não guarda rancor. E 1 Pedro 4:8 diz: Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. No entanto, alterar corações é o negócio de Deus, e, até que um ofensor tenha uma verdadeira mudança no coração, é sábio limitar o nível de confiança que se coloca nessa pessoa. Sendo cauteloso não significa que você não o perdoou. Significa, simplesmente, não somos Deus e não podemos ver o coração dessa pessoa. 

Mesmo se o nosso agressor nunca se arrepende, perdoando-o, vai nos libertar de uma carga pesada de amargura. 

Hebreus 12:14 diz: “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor.” Nós não podemos ser santos, a menos que tenhamos paz com os homens. Algo surpreendente acontece quando perdoamos, temos paz e descobrimos que a vida é mais alegre. Mas, você pode dizer: “Olha o que ele fez! Eu não vou perdoar.” Lembrem-se que quando perdoamos, duas pessoas ficam livres e um delas é nós mesmos. 

Que Deus, nosso Pai, e o nosso Senhor Jesus Cristo lhes dêem graça e paz. (2 Coríntios 1:2)

Publicado por: mvmportugues | fevereiro 8, 2016

NÃO BEBA VINHO, NEM BEBIDA FORTE – Lucas 1:15

Lucas 1 vs 15 P

“Pois ele será grande diante do Senhor, e não beberá vinho nem bebida forte. Ele também será cheio do Espírito Santo já desde o ventre de sua mãe.” (Lucas 1:15) 

Se a Bíblia claramente ordena ou não a abstinência total de álcool para os cristãos, o álcool é cada vez mais reconhecido como a droga mais abusada e perigosa de todas – causando mais acidentes fatais e lesões, mais famílias destruídas, mais promiscuidade sexual, mais absentismo do trabalho, e mais doença do que qualquer outra droga. No entanto, é amplamente promovido socialmente e está cada vez mais sendo aceito entre os cristãos evangélicos. 

O exemplo de João Batista vale a pena considerar. O anjo Gabriel testemunhou que ele será grande diante do Senhor e, em seguida, acrescentou que não beberá vinho nem bebida forte, isto implica uma ligação entre os dois. De fato, Cristo disse que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista (Mateus 11:11) – isto quer dizer, maior do que até mesmo Abraão, Moisés, ou Daniel!    

O nosso versículo continua dizendo que João também será cheio do Espírito Santo já desde o ventre de sua mãe, e ele é o único homem de quem isto jamais foi dito. 

Parece haver uma conexão nestes versículos, pois ninguém podia beber simultaneamente vinho ou bebida forte, e também ser cheio do Espírito. O apóstolo Paulo também alertou a respeito deste conflito, quando ele disse: “Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito.” (Efésios 5:18) 

A ingestão de bebidas alcoólicas com moderação pode ou não ser permitido, mas isso não significa que esteja correto. “Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém.” E Paulo continua: “Tudo me é permitido”, mas eu não deixarei que nada me domine.” (1 Coríntios 6:12). Então, aqui vemos que Paulo não iria submeter-se a ser colocado sob o poder de algo que o domine. 

Pelo menos no caso de João Batista, ser grande à vista de Deus e ser cheio do Espírito estavam intimamente associados com a abstinência de álcool. 

O Espírito Santo nos fala através do apóstolo Pedro: “Estejam alertas e vigiem. O Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar.” (1 Pedro 5:8) 

Vamos considerar mais uma coisa. Deus, nosso Pai é o autor das Escrituras Sagradas por inspiração à Seus profetas, portanto, vamos ler o que Ele diz em Sua Santa Palavra: 

Provérbios 31:4-5 diz: “Não convém aos reis, ó Lemuel; não convém aos reis beber vinho, não convém aos governantes desejar bebida fermentada, para não suceder que bebam e se esqueçam do que a lei determina, e deixem de fazer justiça aos oprimidos.” 

Habacuque 2:15 afirma: “Ai daquele que dá bebida ao seu próximo…” 

É o nosso Senhor o Rei dos reis, através do Espírito Santo que escreveu estas palavras inspiradas, então como podemos sequer supor que Jesus bebeu vinho (álcool) ou deu vinho para outros beber, se Ele é o maior Rei que já viveu? Devemos seguir o exemplo de Jesus pela abstenção de vinho (álcool), uma vez que Ele se refere a nós como um sacerdócio santo para Deus. Sim, Jesus bebeu o fruto da videira, mas era suco de uva puro e não fermentado. Ele disse: “de agora em diante, não beberei deste fruto da videira até aquele dia em que beberei o vinho novo com vocês no Reino de meu Pai.” (Mateus 26:29; Marcos 14:25; Lucas 22:18) 

Lembre-se: “… a embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti: Aqueles que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. . . Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos.” (Gálatas 5:21, 24)

 

 

Excertos do Instituto de Pesquisa de Criação – Dr. Henry H. Morris

Publicado por: mvmportugues | janeiro 29, 2016

COMO CONQUISTAR O TEMOR – 2 Timóteo 1:7

“Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de poder, de amor, e de uma mente sã”

Um cristão não precisa ter medo, ficar preocupado ou ansioso. Paulo disse: Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:6-7)

Em vez de um espírito de medo, nos foi dado um Espírito de poder, de amor, e de uma mente sã. Temos medo quando temos certos pensamentos negativos sobre nós mesmos e sobre nossas circunstâncias. Precisamos lembrar que o diabo é mestre em utilizar o nosso medo. No entanto, quando concentramos em Jesus, então não teremos medo, porque confiamos Nele. Tudo posso em Cristo que me fortalece.” (Filipenses 4:13)

Paulo está dizendo a Timóteo que não fomos dado um espírito de medo e que não devemos ter medo do homem e o que vão dizer ou fazer para manter-nos da obra do Senhor e da pregação do Evangelho. Que não devemos ter medo de nos opor aos erros dos falsos mestres e manter-nos firme na verdade, e que nos foi dado o Espírito de poder para resistir às tentações de Satanás, para suportar as dificuldades como bons soldados de Cristo e fazer a vontade e trabalho  de Deus.

O Espírito Santo de Deus confere o Seu amor, dando-nos o poder para obedecer Suas leis em sua plena intenção espiritual. O pecador arrependido é então uma pessoa alterada – seu propósito e visão é mudada quando a pessoa é conduzida pelo Espírito.

O Espírito de Deus é necessário para produzir uma mente verdadeiramente sólida. Este verso também implica que, quando a mente está desprovida do Espírito de Deus, ela não pode ser considerada verdadeiramente saudável. Qualquer mente que não tem o Espírito Santo será deficiente na capacidade de lidar com a vida de uma forma divina, porque não pode ver as coisas de uma perspectiva adequada, justa ou injusta. Em vez disso, ela terá uma forte tendência a torcer situações em direção ao seu próprio ponto de vista egocêntrico.

Uma vez regenerado pelo Espírito Santo, devemos continuamente ser dirigidos por Ele, produzindo frutos espirituais em toda a nossa vida. Se estamos produzindo o fruto do Espírito, que apresenta uma mente sã, sabemos que Ele está trabalhando em nós. O Espírito é a mente e a essência da natureza divina e, através dele Deus realiza a Sua vontade. Ele habilita e fortalece a mente para compreender as questões espirituais. O Espírito nos dá a força, vontade e fé para superar os nossos pecados.

Vencer o medo não é uma questão de auto-determinação, é uma questão de dependência em Deus no qual podemos confiar e amar. É uma questão de crença em Suas palavras, Suas promessas, e de Seus dons para nós. É uma questão de reconhecer as tentativas patéticas do demônio para nos incapacitar com medo; e saber que a graça majestosa de Deus, nos dá amor, poder e uma mente sã.

Publicado por: mvmportugues | janeiro 10, 2016

ONDE DEUS GUIA, ELE PROVIDENCIA – Provérbios 3:5-6

2 ONDE DEUS GUIA, ELE PROVIDENCIA

“Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento;  reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6) 

Se exercemos confiança e reconhecemos o Senhor em todas as áreas de nossas vidas, Sua promessa é que Ele vai nos guiar. 

Para saber a orientação de Deus, devemos colocar de lado nossa própria vontade e procurar a vontade de Deus. O princípio básico para determinar a vontade de Deus em qualquer situação é esvaziar-nos de nossa própria vontade e comprometer-nos a procurar e obedecer a Sua vontade. 

Se, pretendemos querer saber a vontade de Deus, mas não estamos dispostos a fazê-la, a menos que ela concorde com nossa vontade, estamos nos enganando. Neste caso, tudo que queremos é a aprovação de Deus para nossos planos. Mas nós nunca saberemos a direção de Deus dessa forma, porque Deus revela Sua vontade apenas para aqueles que estão comprometidos a confiar e obedecer-Lhe.

Muitas vezes, não conseguimos experimentar a orientação de Deus porque estamos tão determinados a fazer nossas próprias coisas que não conseguimos parar e pedir ao Senhor para revelar a Sua vontade para nós. Ou entramos na nossa rotina, e uma catástrofe precisa acontecer para Deus chamar a nossa atenção – para que Ele possa revelar o que Ele quer fazer em nossa vida. Portanto, se você deseja a orientação de Deus, pare e peça para Ele, e espere para ouvir o que Ele tenha a dizer. “Eu o instruirei e o ensinarei no caminho que você deve seguir; eu o aconselharei e cuidarei de você. Não sejam como o cavalo ou o burro, que não têm entendimento mas precisam ser controlados com freios e rédeas, caso contrário não obedecem.” (Salmos 32:8-9)

Poderíamos nos perguntar, o que acontece se Deus não diz nada. A resposta é que, quando procuram e esperamos a orientação de Deus e permanecemos submissos ao caminho soberano de Deus, Ele providencialmente orquestra circunstâncias de tal modo que nos dão a confirmação clara de como devemos proceder. 

Se chegarmos a uma porta e ela não abre, talvez Deus está nos pedindo para esperar pois Ele tem mais trabalho a fazer. Ou talvez Ele está nos dirigindo em outra direção. Nós não devemos olhar tão ansiosamente para a porta fechada que não vemos aquela que está aberta. Nossa tarefa é ter fé, obedecer e confiar. 

Quantas vezes já fizemos decisões que desejamos que não havíamos feito. Enquanto que tais experiências não são agradáveis, o Senhor tem lições importantes para nos ensinar, se nós nos submetermos à Seus soberanos caminhos. Mas se pensarmos, “eu vou fazer isto da minha maneira,” somente vamos trazer mais dor e desilusões para a nossa vida. 

Para encontrar a vontade de Deus devemos andar em constante comunhão com o Senhor, levando tudo a Ele em oração. “Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece” (Jeremias 33:3). Temos que realizar que os nossos passos são ordenados pelo Senhor. Quando andamos com Ele e estamos empenhados em Seu objetivo, Ele vai trabalhar em nossa vida orquestrando tudo para a Sua honra e glória. 

Se confiarmos Nele, o processo torna-se uma bela união da fidelidade e soberania de Deus e de nossa confiança obediente Nele. 

Nosso Pai celestial deseja o melhor para nós. Ele tem um plano perfeito para as nossa vida. A chave para realizar o Seu plano para nossa vida e estar em sintonia com a Sua vontade, não é apenas crer em Deus, mas é obedecê-Lo também. Devemos ter fé e obedecê-Lo porque, “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hebreus 11:6). 

Lembre-se, onde Deus guia, Ele providencia.

Publicado por: mvmportugues | janeiro 3, 2016

UM NOVO COMEÇO – Efésios 4:22-24

Efésios 4 vs 22-24

“Quanto à antiga maneira de viver, vocês foram ensinados a despir-se do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, 23 a serem renovados no modo de pensar e 24 a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade.” (Efésios 4:22-24). 

À medida que começamos o Ano Novo, é bom lembrar que podemos renovar o nosso compromisso com resoluções que irão glorificar nosso Pai celestial. Podemos fazer isso com a ajuda do Espírito Santo quando nós determinamos a ganhar maiores alturas em nossa jornada espiritual em direção a semelhança de Cristo. Precisamos lembrar que não importa o quanto temos desviado, desobedecido e ficado além das expectativas do Senhor; mas que com Sua ajuda e nossa determinação, podemos começar de novo. 

Como isso pode ser feito? Os versículos 20-21 basicamente dissem que caminhar com o mundo, não é o modo de vida que aprendemos, quando ouvimos a respeito de Cristo e fomos ensinados Nele de acordo com a verdade que está em Jesus. 

Jesus disse: “Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.” (Mateus 11:29) 

Temos que “despir-nos do velho homem “ e “revestir-nos do novo homem, isto está claramente falando da nossa nova maneira de viver. É como trocar de roupa, precisamos deixar os velhos trapos para trás e pôr artigos de vestuário da justiça. “Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus, porque me vestiu de vestes de salvação, me cobriu com o manto de justiça.” (Isaías 61:10) 

Se como crentes estamos ainda agarrados à trapos velhos, que este Ano Novo nos veja obedecer essa passagem como um ato de fé através do Espírito vivo de Deus e “ao invés, revistam-se do Senhor Jesus Cristo, e não pensem em como satisfazer os desejos da carne.” (Romanos 13:14)  

Nós precisam ser “renovados no modo de pensar” (Efésios 4:23). O novo homem é uma nova criação de Deus modelado após a Ele “em justiça e em santidade.” 

“Porque somos obra de Deus, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nela.” (Efésios 2:10) 

Quando precisamos de direção na tomada de decisões, devemos aproximar-nos à Deus e confiar que o Senhor nos dará força para obedecer-Lhe, porque Deus tem um plano para nós. Ele se preocupa sobre nossos dilemas, Ele ouve as nossas petições, e Ele nos responderá de uma forma que irá surpreender-nos, se apenas pararmos e ouvimos. 

“Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês, diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro.” (Jeremias 29:11) 

Qualquer que sejam as decisões que temos de fazer neste Ano Novo – simples, complexas ou difícil, elas devem sempre ser baseadas em nossa decisão de seguir “somente o Senhor, o seu Deus, e temam a ele somente. Cumpram os seus mandamentos e obedeçam-lhe; sirvam-no e apeguem-se a ele.” (Deuteronômio 13:4) 

Que todos nós tenhamos um grande desejo de seguir o nosso Rei dos reis e Senhor dos senhores neste Ano Novo e quando o fazemos “Ele fortalece o cansado e dá grande vigor ao que está sem forças.” (Isaías 40:29) 

QUE SEU ANO NOVO SEJA ABENÇOADO!

Publicado por: mvmportugues | dezembro 24, 2015

AS PROFESIAS DA VINDA DE CRISTO

As profecias da vinda de Cristo

Durante esta época do ano, devemos ser lembrados das profecias notáveis ​​sobre o nascimento de Jesus e como eles fundamentam Sua divindade e a fidelidade de Deus. Vamos dar uma olhada em algumas delas.

O MOMENTO DO NASCIMENTO

O momento do nascimento do Messias havia sido indicado em Gênesis 49:10 nas palavras faladas por Jacó em seu leito de morte a seu filho Judá: “O cetro não se apartará de Judá… até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos.

O termo Siló foi reconhecido pelos rabinos judeus como um título messiânico. O “cetro” refere-se ao poder judicial da nação. Assim, esta profecia diz que o Messias virá num momento em que o poder judicial do país foi removido.

O que os rabinos não sabiam era que Jesus, o Messias havia nascido em torno de cerca de 6 aC, durante os últimos anos de Herodes (Mateus 2:1). Assim, “Siló tinha chegado pouco antes do cetro partir – assim como foi profetizado!

O LUGAR DO NASCIMENTO

O lugar de nascimento do Messias também havia sido precisamente profetizado quinhentos anos antes pelo profeta Miquéias: Mas tu, Belém-Efrata, embora pequena entre os clãs de Judá, de ti virá para mim aquele que será o governante sobre Israel. (Miquéias 5:2).

Alguma vez você já se perguntou o que o termo “Efrata”, significa nessa passagem? É uma designação geográfica para indicar com precisão qual Bethlehem está sendo identificado. É como a diferenciação entre uma cidade com o mesmo nome em um estado como de outro estado.

O ponto é que havia uma outra Belém, na terra de Israel na área ao norte, perto do Mar da Galiléia. Ele tinha sido atribuído à tribo de Zabulão.

Especificando a área de Efrata, a profecia de Miquéias deixou claro que a Bethlehem que iria sediar o nascimento do Messias seria a única no sul de Israel, perto de Jerusalém. Em cumprimento desta profecia muito preciso, Mateus nos diz que “Jesus nasceu em Belém de Judéia” (Mateus 2:1).

A NATUREZA DO NASCIMENTO

Também havia sido profetizado que a criança especial que nasceu em Belém seria humano e divino. Daniel enfatizou a humanidade do Messias quando se referiu a ele como “o Filho do Homem” (Daniel 7:13). Isaías sublinhou Sua divindade, quando disse que o Messias seria chamado “Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz” (Isaías 9:6).

Sua natureza divina também foi indicada em outras profecias sobre o Seu nascimento. Por exemplo, a primeira profecia messiânica na Bíblia é pronunciada pelo próprio Deus no Jardim do Éden, quando Ele disse a Satanás que ele iria um dia ser derrotado por Aquele que nasceria da “semente da mulher” (Gênesis 3:15). Esta parece ser uma clara indicação de que o Messias nasceria milagrosamente por uma virgem. Milhares de anos depois, Isaías profetizou especificamente que o nascimento ocorreria da seguinte maneira: “A virgem ficará grávida e dará à luz um filho …” (Isaías 7:14).

Além disso, foi predito por Isaías que o Messias seria dado um nome que significaria Sua divindade. Ele será chamado “Emanuel”, disse Isaías, que significa “Deus conosco” (Isaías 7:14). Seiscentos anos depois, quando o anjo Gabriel apareceu a Maria para lhe dizer que ela seria a mãe do Messias, ele especificou que o nome do bebê seria Yeshua (Lucas 1:31). Esse nome em hebraico significa a “Salvação de Deus” (Mateus 1:21). Outros detalhes profetizados sobre o nascimento do Messias incluem a apresentação de presentes à Ele por reis (Salmo 72:10-11 e Mateus 2:1-12), a matança das crianças no Seu local de nascimento (Jeremias 31:15 e Mateus 2:16), e Sua permanência no Egito (Oséias 11:1 e Mateus 2:11-15).

A CELEBRAÇÃO DO NASCIMENTO

A concepção e o nascimento do Messias foram comemorados em alguns hinos proféticos notáveis. Maria profetizou em uma canção de regozijo que a criança que ela havia concebido eram provas que Sua misericórdia estende-se aos que o temem, de geração em geração (Lucas 1:50). Ela passou a profetizar que Ele depôs dos tronos os poderosos e elevou os humildes; encheu de bens os famintos, despediu vazios os ricos (Lucas 1:52-53).

Seu parente, o sacerdote Zacarias, também cantou uma canção profética de comemoração quando seu filho, João Batista, nasceu. Referindo-se ao bebê no ventre de Maria, ele proclamou que Deus nos levantou uma salvação poderosa(Lucas 1:69). Em seguida, declarou que seu próprio filho seria chamado de “o profeta do Altíssimo”, e ele profetizou que seu filho iria “diante do Senhor, a preparar os Seus caminhos” (Lucas 1:76). Ele concluiu a sua música com uma das mais belas profecias poéticas sobre o Messias que podem ser encontrados em qualquer lugar na Escritura: “Por causa das ternas misericórdias de nosso Deus, pelas quais do alto nos visitará o sol nascente, para brilhar sobre aqueles que estão vivendo nas trevas e na sombra da morte, e guiar nossos pés no caminho da paz.(Lucas 1:78-79)

A próxima canção profética da celebração foi cantada na noite do nascimento do Messias, quando um anjo apareceu aos pastores de Belém e proclamou: “Não tenham medo. Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lucas 2:10-11). Esse anjo foi subitamente acompanhado por uma multidão de anjos que cantava um coro triunfante: Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor. (Lucas 2:13-14).

A canção profética final, relacionada com o nascimento do Messias foi cantada por um homem “justo e piedoso” de Jerusalém pelo nome de Simeão. O Espírito Santo veio sobre ele e lhe havia revelado que ele não morreria antes de ver o Messias (Lucas 2:25-26). Ele foi dado esse privilégio glorioso quarenta dias após o nascimento do Messias, quando os pais de Jesus vieram para o templo em Jerusalém para dedicar seu bebê a Deus. Simeão tomou o menino Jesus em seus braços, agradeceu ao Senhor, e, em seguida, cantou: Pois os meus olhos já viram a tua salvação, que preparaste à vista de todos os povos: luz para revelação aos gentios e para a glória de Israel, teu povo. (Lucas 2:30-32)

O SIGNIFICADO DAS PROFECIAS DO NASCIMENTO

O cumprimento de todas essas profecias na vida de uma pessoa, Jesus de Nazaré, é prova positiva de que Ele era quem Ele disse que era, ou seja, o Messias de Deus (Marcos 14:62 e Lucas 22:70).

A fidelidade de Deus no cumprimento de cada uma dessas profecias em detalhe também é importante porque nos dá certeza de que Ele vai igualmente cumprir fielmente todas as profecias que Ele deu aos cristãos sobre o breve retorno de Jesus.

Nosso Deus conhece o futuro e Ele O proclama em (Isaías 46:10). Ele também tem o poder de fazer com que o que Ele proclama acontecerá (Isaías 46:11). Mais importante, Ele é fiel (1 Coríntios 1:9), para que possamos descansar em Suas promessas.

Vamos alegrar-nos que o nascimento em Belém há muito tempo é uma prova positiva de que Aquele que nasceu lá em breve voltará em glória como o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Apocalipse 19:16).

Bênçãos para você neste Natal.

 

 

Trechos extraídos do Ministério do Cordeiro e do Leão – Obrigada!

Publicado por: mvmportugues | dezembro 19, 2015

A URGÊNCIA DA SALVAÇÃO – 2 Coríntios 6:2

2 Corinthians 6 vs 2 (Portuguese)

“Ouçam! Agora é o momento bem oportuno; hoje é o dia da salvação”. (2 Coríntios 6:2) 

Talvez o maior pecado mortal do incrédulo é o da procrastinação. Satisfeito com sua vida atual, ele negligencia a sua necessidade espiritual. Mesmo se ele entende o evangelho e realiza sua necessidade de salvação, ele ainda deixa de fazer uma decisão. 

Lembrem-se que é perigoso contar no amanhã. “Vocês não sabem como será a sua vida amanhã, pois vocês são como uma neblina passageira, que aparece por algum tempo e logo depois desaparece.” (Tiago 4:14). O pecado da procrastinação pode facilmente tornar-se o pecado de negligência, em seguida, da indiferença, e, finalmente, o pecado imperdoável de rejeição irrevogável e da incredulidade. “Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem” (Gênesis 6:3). Este aviso foi predicado no mundo antediluviano e certamente é verdadeiro hoje, quando temos muito mais conhecimento e evidência da verdade de Deus e Sua vontade que as pessoas tinham nos dias de Noé. 

“Hoje, se vocês ouvirem a Sua voz,  não endureçam o coração” (Salmo 95:7-8). Este aviso do salmista foi considerado tão importante que o escritor de Hebreus o citou três vezes em (Hebreus 3:7-8, 3:15; 4:7). Tal ênfase sugere que há de fato um grande perigo em resistir ao chamado de Deus para a salvação. Talvez pode haver uma outra oportunidade, mas é presunçoso e perigoso para impor demasiado tempo da misericórdia paciente de Deus. 

Hoje é o dia da salvação. O tempo aceitável é agora! “Quão mais severo castigo, julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés o Filho de Deus, profanou o sangue da aliança pelo qual ele foi santificado, e insultou o Espírito da graça?” (Hebreus 10:29) 

Lembrem-se que: “É uma coisa terrível cair nas mãos do Deus vivo.” (Hebreus 10:31)

Temos que estar cientes de que todos os nossos melhores planos estão sempre sujeitos à vontade de Deus, porque Ele é nosso Criador e Ele dá vida e a tira. Nos foi dado livre arbítrio, portanto, somos mestres do nosso próprio destino eterno. Assim sendo, não sabemos o que o amanhã trará, então é vital para render-nos ao Senhor Jesus Cristo e aceitar o Seu dom gratuito da salvação antes que seja tarde demais.  

Para ser salvo, você precisa se acertar com Deus e depender somente de Sua santa palavra a Bíblia e não em doutrinas e tradições do homem porque a Palavra de Deus é imutável de eternidade a eternidade. Isto é o que a Bíblia nos diz que precisamos fazer: 

  • Admita que você é um pecador“Não há justo, nem sequer um … porque todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus.” (Romanos 3:10, 23) 

Peça perdão a Deus. “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” (Romanos 10:13)  

  • Acredite em Jesus – Coloque a sua confiança Nele como sua única esperança de salvação. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)  

Torne-se um filho de Deus, recebendo a Cristo – “Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.” (João 1:12)  

  • Confesse que Jesus é seu Senhor“Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo; pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.”  (Romanos 10:9-10) 

Clame a Jesus e peça a Ele para salvá-lo(a) antes que seja tarde demais. Jesus prometeu: “Pois todo aquele que pede, recebe; todo aquele que procura, acha; e a porta se abre a todo aquele que bate.” (Mateus 7:8)

Jesus também disse: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono.” (Apocalipse 3:20-21)

Os verdadeiros seguidores de Cristo são transformados  pelo Espírito e suas vidas são marcadas por obediência ao Senhor e amor ao próximo.

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 290 outros seguidores