Publicado por: mvmportugues | outubro 18, 2018

DESAFIANDO A PALAVRA DE DEUS – Levítico 19:28 e 1 Coríntios 6:19-20

O que diz a Bíblia sobre tatuagens e honrar nosso corpo?

A Bíblia nos adverte contra tatuagens em Levítico 19:28 “Não façam cortes no corpo por causa dos mortos, nem tatuagens em si mesmos. Eu sou o Senhor.”

Hoje, a tatuagem se tornou uma prática aceita em nossa sociedade. No entanto, só porque a sociedade aprova algo não temos direito de faze-lo aos olhos de Deus. Nossa sociedade em geral também aprova o aborto e o divórcio; no entanto, a Bíblia deixa claro que Deus não aprova essas coisas.

Há algumas pessoas cristãs dedicadas e sinceras que fizeram tatuagens antes de aceitarem a Cristo como seu Salvador, elas não foram informadas sobre o que a Bíblia diz quando fizeram a tatuagem. Precisamos lembrar que nosso passado está sob o sangue de Jesus e que os pecados e os erros do passado não impedirão que o sirvamos, porque somente um coração duro e impenitente nos mantém presos à velha vida. Portanto, este artigo é para avisar aqueles que estão pensando em adquirir uma tatuagem.

Lembre-se de que só porque algo é popular não significa que esteja certo. Vamos ver porque:

As tatuagens têm suas “raízes” na feitiçaria. Muitos hoje, incluindo os jovens, estão fazendo essas mesmas coisas por causa de algumas influências de feitiçaria malignas em suas vidas que desconhecem. Eles não entendem que participando destas coisas pode abrir a porta para más influências em suas vidas. Vídeos malvados, música rock depravada, jogos satânicos na Internet e filmes violentos estão cheios de tendências malignas para destruir todos que podem. Tatuagens satânicas e outros rituais de culto estão abrindo as portas para muitos de nossos filhos se tornarem demonizados.

As pessoas não compreendem que exibir uma marca ou símbolo satânico pode abrir a porta para o ataque satânico que permite a entrada do inimigo em sua vida.

Muitas tatuagens têm temas malignos e de bruxaria que são retratados como rostos demoníacos, calaveras, sinais satânicos, imagens vulgares, etc. Essas coisas ferem o espírito humano, assim como qualquer das demonstrações satânicas fazem. Muitas tatuagens são obviamente satânicas e tem uma aparência diabólica, enquanto outras podem ser flores ou nomes ou objetos aparentemente inocentes, mas é o espírito por trás deste compromisso que o torna perigoso.

Algumas pessoas se opõem a usar as escrituras do Antigo Testamento como referência às tatuagens, já que o Novo Testamento não fala dessas coisas. No entanto, no Novo Testamento nos é dito para glorificar a Deus em nossos corpos. Isso inclui não marcar nossos corpos com tatuagens, pois os princípios da Bíblia nos dizem claramente que é errado desfigurar nossos corpos. Devemos lembrar que Deus ainda é o mesmo Deus tanto do Antigo como do Novo Testamento e Ele nunca muda.

1 Coríntios 3:16-17 declara: Vocês não sabem que são santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vocês? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que são vocês, é sagrado.

Quando o Senhor criou o homem e a mulher e os colocou no Jardim de Edem junto com Suas outras criações;  “Deus viu tudo o que Ele havia feito, e de fato era muito bom” (Gênesis 1:31). Quando o Senhor criou o corpo humano, Ele declarou que o que Ele criou era muito bom. O Senhor deseja que nossos corpos sejam um reflexo de Sua própria santidade pois Ele disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (Gênesis 1:26). Quando as pessoas tatuam seus corpos, elas estão desafiando o Senhor quando Ele disse que era muito bom o que Ele fez. Nunca devemos marcar nossos corpos, já que como cristãos os nossos corpos são o templo do Espírito Santo e devemos honrá-lo e não profaná-lo.
Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o seu próprio corpo (1 Coríntios 6: 19-20). Como vemos, as tatuagens não honram nem glorificam a Deus.

O que há com os humanos que os deixa insatisfeitos com o modo como o Senhor fez cada um deles? Hoje há muitas pessoas que também estão insatisfeitas com seu gênero sexual e querem mudá-lo de como Deus as criou. Isso é rebelião total contra Deus.

Infelizmente, a maioria das pessoas não estão satisfeitas com a sua aparência e procuram maneiras de fazer com que se sintam melhor ou fazer com que os outros as aceitem fazendo coisas que a Bíblia condena. Muitos em sua atual condição de orgulho um dia vão se arrepender do que fizeram.

No livro do Apocalipse, a Bíblia ensina que pessoas grandes e pequenas, ricas e pobres, livres e escravas, serão forçadas a receber uma marca em suas mãos direitas ou em suas testas, para que possam realizar negócios de compra e venda. Com isso em mente, isso será algum tipo de tatuagem? O mundo está sendo condicionado a aceitar o plano do Anticristo?

A razão pela qual tantas pessoas estão sendo enganadas sobre esta questão, assim como outras, é que há uma falta de conhecimento da Palavra de Deus e uma falta de discernimento no corpo de Cristo. Oséias 4:6 diz: “Meu povo é destruído por falta de conhecimento”.

Muitos não foram ensinados nem fundamentados na Palavra de Deus porque; a igreja falhou em sua responsabilidade de ensinar e permitiu que as influências do mundo moldassem nossa sociedade. Um grande número de “pais cristãos” também falharam em sua responsabilidade, pois eles estiveram envolvidos demais em perseguir seus sonhos, em vez de criarem seus filhos segundo a instrução e o conselho do Senhor, conforme ordenado em Efésios 6:4.

Se você, por ignorância, recebeu uma tatuagem ou permitiu que seus filhos a tenham, você deve orar contra qualquer mal ou feitiçaria que possa ter ocorrido nas circunstâncias em que a tatuagem foi recebida. Algumas pessoas recebem tatuagens antes de serem “nascidas de novo” e depois de serem tocadas pelo Senhor, elas gostariam que nunca tivessem feito isso. O Senhor ama você, então ore e peça ao Senhor para remover quaisquer influências espirituais denotadas pela tatuagem e Ele o fará.

Como cristãos verdadeiramente nascidos de novo, devemos refleti-Lo nesta terra. Jesus não tinha tatuagens em Seu corpo. As únicas cicatrizes em Seu corpo são aquelas colocadas ali por aqueles que O crucificaram. Eles não foram auto-infligidos, mas por causa dos nossos pecados, Ele voluntariamente foi para a cruz e morreu por nós. O ódio por Ele colocou pregos em Suas mãos e perfurou Seu lado. Ele pendurou na cruz e sangrou e morreu, recebendo o castigo dos nossos pecados para que você e eu pudéssemos ser perdoados; Ele foi sepultado e ressuscitou dos mortos para que pudéssemos ter a vida eterna no céu com Ele.

A mensagem para o cristão é que nossos corpos pertencem a Deus, não a nós mesmos, e que devemos honrar e refletir a glória de Deus.

Além disso, tenha cuidado, a Bíblia diz que a rebelião é como feitiçaria. Sua tatuagem ou perfuração é apenas um símbolo externo do que foi plantado em seu coração. A verdade é que a tatuagem ou a perfuração indica um verdadeiro problema espiritual. Pense nisto, qual será o caminho, de Deus ou o seu caminho? Importa o que a Bíblia diz?

Absolutamente: Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Romanos 12:1-2).

Lembre-se, uma das maneiras pelas quais os cristãos aderem a esse mandato é abster-se de identificar-se externamente com quaisquer sinais visíveis que os vinculem ao mundo, suas falsas religiões e comportamento imoral. Um cristão deve viver no mundo, mas não se tornar parte do mundo. Isso inclui sinais ou marcas externas que nos identificariam como sendo do mundo; além de meras impressões físicas no corpo.

Deus disse: “Seja santo, porque eu sou santo” (1 Pedro 1:16). “Santo” significa estar separado, e se refere nas Escrituras a uma separação do pecado e do mundo. Isso inclui nos entregar a Deus em tudo, incluindo o que fazemos com nossos corpos. E, por último, 1 João 2:15 declara: “Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”

Se você é um cristão e você fez uma tatuagem depois que você foi salvo se arrependa, peça perdão a Deus e não faça isso de novo.

 

Anúncios
Publicado por: mvmportugues | outubro 11, 2018

TENDO CONFIANÇA DIANTE DELE NA SUA VINDA – 1 João 2:28

Filhinhos, agora permaneçam nele para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos envergonhados diante dele na sua vinda.” (1 João 2:28)

João indica que há duas possibilidades quando Jesus Cristo voltar: ou teremos confiança quando Ele se manifestar, ou estaremos envergonhados do nosso comportamento quando Ele voltar.

Há muitos que, por um tempo, professaram conhecer Jesus Cristo, mas depois se afastaram, mostrando que sua fé não era uma fé salvadora genuína (1 João 2:19). Eles O negaram Seu lugar de direito como o Senhor Soberano e, em vez disso voltaram, a especulações loucas que os inflam com o orgulho do seu suposto conhecimento. Sua negação de Cristo significa que eles se envergonham Dele, portanto, quando Ele vier, Ele se envergonhará deles (Marcos 8:38). Eles se esconderão de medo e vergonha quando eles O vêem em Sua glória (Apocalipse 6:15-17). Mas, para aqueles que permanecem em Cristo, estes estarão confiantes quando Ele vier.

Permanecer Nele significa viver em retidão e, porque Deus é justo, os que realmente nascerem Dele serão justos no seu modo de viver; porque, quando nascemos Dele, Ele nos concede “tudo relacionado à vida e à piedade” (2 Pedro 1:3).

Efésios 4:22-24 também explica que: “Quanto à antiga maneira de viver, vocês foram ensinados a despir-se do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, a serem renovados no modo de pensar e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade.” Essa nova vida em nós produz piedade, ou viver justo, portanto: Todo aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, porque a semente de Deus permanece nele; ele não pode estar no pecado, porque é nascido de Deus” (1 João 3:9).

Viver com retidão é um processo ao longo da vida de crescimento em obediência a palavra de Deus. Isso não acontece instantaneamente ou sem contratempos e lutas; mas se nascermos de novo, estaremos aprendendo a avaliar cada pensamento, motivo e atitude pela Palavra de Deus. Procuraremos agradar ao Senhor, começando com nossos pensamentos e ações, como Ele nos advertiu em Marcos 7:20-23: “O que sai do homem é que o torna ‘impuro’. Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem ‘impuro’”.

Se você é verdadeiramente nascido de novo, o fruto do Espírito Santo crescerá em seu caráter: “amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio” (Gálatas 5:22-23), e você estará se disciplinando para o propósito da piedade (1 Timóteo 4:7). Naturalmente, tudo isso é feito em dependência do Espírito Santo, mas devemos estar envolvidos ativamente no processo de viver pelo Espírito, e de modo nenhum satisfazer os desejos da carne (Gálatas 5:16).

Devemos permanecer em Cristo tão completamente que seríamos como um ramo que cresce da videira, tornando assim possível o “fruto” (João 15:4-5). Devemos continuar em Sua Palavra tão completamente que nossas orações estarão em sincronia com Sua vontade (João 15:7) e nosso comportamento estará em sincronia com Seus mandamentos (1 João 3:24). Permanecer Nele significa estar em casa com Ele e ser um estrangeiros neste mundo.

“Filhinhos” implica que permanecer em Cristo é simples, não algo que precisamos de um grau de seminário para entender ou praticar. De fato, Jesus disse: “Eu lhes asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no Reino dos céus (Mateus 18:3).

Faça a si mesmo estas perguntas básicas: 

  • Passo um tempo consistente e regular a sós com o Senhor na Palavra?
  • Confio em Deus, aproximando-me em oração de Seu trono de graça em todas as minhas provações?
  • Eu memorizo ​​e medito na Palavra de Deus, aplicando-a à minha vida?
  • Sou fiel como administrador de tudo o que Deus me confiou, mantendo a integridade e recusando ser ganancioso?
  • Estou crescendo em santidade, desenvolvendo o fruto do Espírito ao andar no Espírito?
  • Estou confessando e abandonando o pecado?
  • Estou trabalhando para manter relacionamentos, especialmente com minha família? Isso inclui comunicação sincera e amorosa; ouvindo; sendo bondoso, tendo paciência; perdoando e sendo humilde.

Quando as provações surgem em nossa vida, devemos nos aproximar ativamente do Senhor e depender Dele como nunca tivemos que fazer em outros momentos. Se não fizermos isso ativamente, ficaremos com raiva e amargurados e nos afastaremos de Deus. É por isso que Pedro escreve aos crentes que sofrem: Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que, a seu tempo, vos exalte,  lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo. E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá. A ele seja a glória e o poderio, para todo o sempre. Amém!” (1 Pedro 5:6-11)

Então, você está pronto para o retorno de Jesus Cristo? Se não, por que não começar hoje? Fique sozinho com o Senhor e confesse todo pecado conhecido a Ele. Aceite Seu perdão gratuito. Mude sua agenda diária para dedicar tempo ao seu Criador e Salvador e, à medida que o fizer, você crescerá em confiança antecipando Sua vinda.

Lembre-se de que o estilo de vida de permanecer em Cristo enquanto estamos nesta terra constrói o relacionamento santificado com Cristo que vamos desfrutar para toda a eternidade.

Publicado por: mvmportugues | outubro 5, 2018

HUMILHANDO-NOS DIANTE DE DEUS – 2 Crônicas 7:14

“Se meu povo, que se chama pelo meu nome, humilhar-se e orar, buscar minha presença e afastar-se de seus maus caminhos, eu os ouvirei dos céus, perdoarei seus pecados e restaurarei sua terra.” 2 Crônicas 7:14

Esta promessa foi originalmente dada à nação de Israel. No entanto, o ditado que segue imediatamente a referência a “meu povo” é aquele que abre essa promessa para mais do que o povo judeu, e diz: “que se chama pelo meu nome”. Essa redação é usada para descrever todos que se tornaram parte da família de Deus.

A Bíblia diz em 2 Timóteo 3:16 que “Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça”.

Também temos a garantia em Romanos 15:4 de que tudo o que foi escrito no passado (no Antigo Testamento), foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança.”

Portanto, é importante que nós apliquemos os princípios de 2 Crônicas 7:14 em nosso próprio tempo, nação, igreja e família, como fizeram os antigos israelitas. Precisamos entender que os princípios pelos quais Deus governa permanecem os mesmos; e não mudam.

Sim, estas são as palavras de Deus faladas a Salomão, rei de Israel. Da mesma forma, a “terra” referida era a terra de Israel. Quando os israelitas pecaram contra o Senhor, Ele enviava as pragas mencionadas no versículo 13. Mas se eles respondessem humilhando-se, orando, buscando a face de Deus e se voltando de seus maus caminhos, Deus os ouviria do céu, perdoaria seus pecados e curaria sua terra.

Podemos como cristãos encontrar alguma aplicação apropriada deste texto? Absolutamente! Paulo citou exemplos do Antigo Testamento de rebelião na história de Israel que motivaram o castigo de Deus; ele observou que eles também serviam como advertências para os cristãos que viviam sob o novo pacto. Paulo disse: Essas coisas aconteceram a eles como exemplos e foram escritas como advertência para nós, sobre quem tem chegado o fim dos tempos (1 Coríntios 10:11).

O apóstolo Pedro, falando a um grupo de cristãos do primeiro século, disse o seguinte: Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus (1 Pedro 2:10). Hoje, os seguidores de Jesus Cristo são o povo de Deus. Cristãos são aqueles que são “chamados pelo meu nome”. Portanto, é apropriado que nós também apliquemos as verdades atemporais de 2 Crônicas 7:14, porque é crucial para todos os cristãos, humilhar-se, orar, buscar Sua presença e afastar-se de seus maus caminhos, pedindo-lhe que ouça do céu, perdoe nossos pecados e traga cura espiritual para as igrejas ineficazes e enfermas de nossa terra.

Em 2 Crônicas 7:14, observamos três preceitos que são constantemente chamados por Deus ao longo das Escrituras: Humildade, fome e santidade.

O primeiro requisito para tal cura espiritual é a humildade. “Se meu povo, que se chama pelo meu nome, humilhar-se,” porque é vital que o cristão pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu Deus (Miquéias 6:8). Todo ser humano redimido deve dar toda a glória a Jesus pela salvação.

O segundo requisito para a cura espiritual é a fome. “… ore e busque a minha presença.” Jesus exortou Seus seguidores a ter fome e sede de justiça (Mateus 5:6) .Todos os cristãos fariam bem em aumentar sua fome de piedade.

O requisito final para a cura espiritual é a santidade. “… afastar-se de seus maus caminhos.” A santidade vem por meio do arrependimento do pecado. Arrependimento significa confessar nossos pecados e afastar-se deles; o que, por sua vez, leva à verdadeira santidade.

Estas três ênfases de 2 Crônicas 7:14, humildade, fome e santidade, são muito necessárias entre os cristãos hoje, porque precisamos que a harmonia e a saúde espiritual entrem em nossa vida. Só porque 2 Crônicas 7:14 foi escrito para Israel há milhares de anos, não significa que os cristãos não possam se beneficiar de suas advertências, obedecendo seus preceitos.

Lembre-se de que Deus fala com o Seu povo. Que é o crente “Meu povo …”, e não com as pessoas correndo por aí que pensam que são cristãs, mas na verdade não são. De fato, a Bíblia diz: “Examinem a si mesmos. Verifiquem se estão praticando o que afirmam crer. Assim, poderão ser aprovados. Certamente sabem que Jesus Cristo está entre vocês; do contrário, já foram reprovados” (2 Coríntios 13: 5).

Também há muitos que estão vivendo uma vida dupla. Eles fazem um bom desempenho na igreja, e dizem todas as coisas certas. Mas estão vivendo uma vida completamente contraditória ao que a Bíblia diz sobre como um cristão deve viver. Jesus perguntou: “Por que você me chama, ‘Senhor, Senhor’, e não faz o que eu digo?” (Lucas 6:46)

Um despertar espiritual começa com o povo de Deus. Começa com aqueles que são verdadeiramente nascidos de novo e têm fome e sede de justiça.

Buscamos a justiça quando buscamos o caráter de Cristo e desejamos a santidade mais do que o prazer carnal. Evitamos a tentação de nos tornar justos quando entendemos que a verdadeira justiça começa com a humildade divina: Deus guia os humildes no caminho certo e lhes ensina a sua vontade (Salmos 25:90). Lembramos que Jesus disse: “sem mim vocês não podem fazer nada” (João 15:5). Quando passamos tempo na presença de Deus, nos tornamos mais conscientes do nosso próprio pecado e rebelião; entendendo que o orgulho e auto-justiça são impossíveis na presença de um Deus Santo. Perseguir a justiça começa quando um coração humilde busca a presença contínua de Deus (Tiago 4:10; 1 Pedro 5:6).

Como vemos, o coração humilde e crente leva a um estilo de vida de ação justa, aceitável a Deus. Por isso, devemos pedir-lhe para: Criar em mim um coração puro e dá-me uma vontade nova e firme! (Salmos 51:10).

Publicado por: mvmportugues | setembro 27, 2018

AMANDO A DEUS OU O MUNDO? – 1 João 2:16

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” (1 João 2:16)

O mundanismo é uma questão do coração. Se seu coração está fascinado com o mundo, você amará as coisas do mundo. Se o seu coração é cativado pelo amor de Deus, você será atraído para Ele e para as coisas que O agradam. A única maneira, no entanto, que nossos corações podem ser transformados para que amemos a Deus é pelo novo nascimento sobrenatural de se arrepender, crer, obedecer e confiar Nele.

Esta passagem identifica três pontos-chave que, se desmarcados e não protegidos, enredam uma pessoa em um estilo de vida pecaminoso.

Primeiro a concupiscência da carne – em outras palavras, a sensualidade, que é uma reação orientada pelo corpo e pela emoção aos apetites carnais que nunca podem agradar a Deus (Romanos 8:8) e está em guerra constante com o Espírito de Deus: “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que você não faça as coisas que deseja ” (Gálatas 5:17).

Somos instruídos a “fugir também das luxúrias da juventude; mas persegue a justiça, a fé, o amor e a paz com aqueles que invocam o Senhor com um coração puro” (2 Timóteo 2:22).

Portanto, render-se à concupiscência da carne não é amar o Pai, mas o mundo.

Segundo, a concupiscência dos olhos, que é uma estimulação orientada pelo intelecto e pela imaginação do pensamento positivo que assumirá o controle do comportamento se não for cuidadosamente restringido. Jesus disse: “A lâmpada do corpo é o olho. Se, portanto, seu olho for bom, todo o seu corpo estará cheio de luz. Mas se o teu olho for mau, todo o teu corpo se encherá de trevas ” (Mateus 6:22-23).

E, em terceiro lugar, o orgulho da vida que é um desejo auto-orientado e egoísta de dominação que não tem outro fator ético ou limitador além do louvor dos homens, pois eles amavam mais o louvor dos homens do que o louvor de Deus (João 12:43).

Qualquer relacionamento amoroso deve ser cuidado, e isso é verdade no nosso relacionamento com o Pai. Também é verdade que o inimigo está tentando nos atrair do amor do Pai com todas as tentações do mundo.

Se olharmos para Gênesis 3:6, vemos muita similaridade em como Satanás tentou Eva. Ela viu que “o fruto proibido era bom para comer”, o que era um apelo à concupiscência da carne. Ela viu que era um “deleite para os olhos”, apelando para a concupiscência dos olhos. Ela também viu “que a árvore era desejável para tornar se sábio”; isso, por sua vez, atraía o orgulho da vida.

Todos combatemos com frequência essas tentações e alguns falham com frequência. Mas o ponto de vista de João é que, se continuarmos cedendo à concupiscência da carne, à concupiscência dos olhos e ao orgulho da vida como nosso estilo de vida, não estamos mantendo o amor pelo Pai; pelo contrário, estamos mantendo amor pelo mundo. Pessoas mundanas chafurdam nessas coisas; e os filhos de Deus lutam com elas muitas vezes.

Então, como mantemos nosso amor pelo Pai? Precisamos obedecer e amar o Pai com nossos olhos na eternidade com Ele e não separados Dele (1 João 2:17). 

O oposto de amar o mundo significa amar o Pai e obedecê-lo; “fazer a vontade de Deus”. A vontade de Deus aqui se refere a obedecer aos Seus mandamentos conforme revelados em Sua Palavra. Como Jesus disse: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (João 14:15). “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor” (João 15:10).

Uma das principais razões para obedecer aos mandamentos de Deus é o conhecimento que obtemos das Escrituras sobre a natureza temporária deste mundo e suas concupiscências, em contraste com a promessa eterna do céu: “E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre” (1 João 2:17)

Se amamos o mundo ou as coisas do mundo, perderemos tudo na morte. Tudo pelo que a pessoa mundana vive desaparece num instante e não significa nada à luz da eternidade. Mesmo que tenhamos alcançado nossos desejos mundanos, que bem eles têm na morte? Mas, se fizermos a vontade de Deus, permaneceremos com Ele no céu por toda a eternidade!

Lembre-se de que ceder a esses poderes “mundanos” pode nos conceder prazeres por “uma temporada” (Hebreus 11:25), e quem quer que seja, portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4:4).

Que nosso Senhor Jesus conceda que permaneçamos armados contra o inimigo, o diabo, com Sua armadura completa, para que possamos nos posicionar contra os esquemas do diabo; e podemos ser capaz de manter nossos pés firmes (Efésios 6:11, 13).

Publicado por: mvmportugues | setembro 20, 2018

EQUIPADO PARA SERVIR A DEUS – Josué 1:1-9

“Depois da morte de Moisés, servo do Senhor, disse o Senhor a Josué, filho de Num, auxiliar de Moisés: “Meu servo Moisés está morto. Agora, pois, você e todo este povo preparem-se para atravessar o rio Jordão e entrar na terra que eu estou para dar aos israelitas.” (Josué 1:1-2)

Aqui vemos Deus encorajando Josué em seu novo papel como líder de Israel. Esses versículos estabelecem um plano para o sucesso de Josué e dos israelitas em tomar a Terra Prometida e prosperar ali.

Como vemos, Deus claramente chamou Josué para essa posição de liderança.

Josué era um dos dois únicos homens da geração mais velha de israelitas ainda vivos, quarenta anos depois da partida de Israel do Egito (Números 14:29-30; Deuteronômio 1: 34-38). Durante esses quarenta anos, ele ganhou muita experiência valiosa como assistente de Moisés.

Nos primeiros dias da viagem, Josué serviu como comandante militar, defendendo seu povo contra os amalequitas, que atacaram os fracos e enfermos na retaguarda das fileiras de Israel (Êxodo 17:8-16; Deuteronômio 25:17-19). Quando Moisés subiu ao Monte Sinai para receber os mandamentos de Deus, Josué o acompanhou parcialmente e não se envolveu no pecado do louvor ao bezerro de ouro (Êxodo 24:13; 32:17). Josué foi um dos doze que exploraram a terra de Canaã (Números 13:8); ele e Caleb foram os dois únicos dos doze a dar um relatório positivo e resistir às exigências do povo de nomear um novo líder e retornar ao Egito (Números 14:1-9). E no final dos quarenta anos no deserto, Deus o escolheu como sucessor de Moisés (Números 27:18-23).

Como vemos, quando os israelitas chegaram às margens do Jordão, Josué havia aprendido algumas lições importantes. E da mesma forma, quando Deus nos escolhe para uma tarefa, Ele nos dá a experiência que necessitaremos para realizá-la; e essa experiência nos ensinam lições valiosas. 

  • Sem a presença de Deus, Josué não seria capaz de ter sucesso e nem nós podemos.
  • No ambiente protetor da presença de Deus, Josué poderia ser “forte e corajoso” como nós podemos.
  • Obedecendo à palavra de Deus, os israelitas poderiam desfrutar da plenitude da bênção que Deus planejou para eles, e nós também podemos.
  • Para cumprir os mandamentos de Deus, os israelitas precisariam estudá-los, memorizá-los e aplicá-los como nós  também deveríamos.

Esses versículos fornecem instrução valiosa para o povo de Deus através dos tempos. Eles nos lembram que Deus nos libertou da escravidão do pecado e nos fez Seus servos. Ele nos deu o dom da salvação e nos designou uma missão a cumprir (Mateus 28:19-20), proporcionando-nos experiências que nos ajudarão a cumprir nossas partes dessa missão. Ao longo do caminho, teremos “rios” para atravessar; no entanto, porque Deus está conosco, podemos atravessar esses rios com coragem e viver vitoriosamente, centrando nossos olhos Nele e no propósito que Ele tem para o Seu reino eterno. Deus diz a Josué várias vezes para ser forte e corajoso. 

Se Deus nos chamou para liderar, isso significa que Ele também nos deu coragem e força para liderar. Quando Deus nos chama à liderança, Ele nos faz uma promessa exatamente como Ele fez com Josué. Ele promete nos dar tudo o que precisamos para ter sucesso e cumprir Sua vontade.

Precisamos entender que o caminho certo para liderar é liderar pela fé. Hebreus 11:1 nos diz que a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos. E Hebreus 11:6 nos mostra a importância da fé com essa verdade, que “sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam.”

A fé nunca é um risco e, certamente, não é um salto para o desconhecido. Fé é acreditar nas promessas de Deus, e é nessa certeza que ganhamos coragem e força.

O Senhor soletrou o que Josué devia fazer para ter sucesso em trazer o povo para a Terra Prometida: Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite (v. 8). A obediência é de extrema importância porque os métodos de Deus nem sempre serão compreendidos até que haja obediência total.

Quando o povo se aproximou de Jericó, o Senhor deu a Josué uma ordem muito estranha; marche pela cidade uma vez por dia durante seis dias, depois sete vezes no sétimo dia. Então grite e as paredes cairão (Josué 6:3-5).

Se Josué não tivesse seguido as instruções de Deus, ele não teria sucedido. Como Josué, devemos confiar no Senhor e obedecer corajosamente, não importando o que Ele possa exigir de nós. Ele nunca nos dará uma abundância de tarefas onde não temos tempo para meditar em Sua Palavra; e à medida que nos concentramos Nele e avançamos em obediência, estaremos equipados para tudo o que Ele nos chama a fazer.

Mas certifique-se de pedir e seguir a direção do Senhor, pois: “Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida. Peça-a, porém, com fé, sem duvidar, … ” (Tiago 1:5–6).  E certifique-se de que você está perguntando no espírito certo, “mostra-me, Senhor, os teus caminhos, ensina-me as tuas veredas” (Salmos 25:4), e Ele o fará.

Certifique-se de que seus motivos estão acima de qualquer reprovação e siga a orientação de Josué: “Quanto a mim e a minha casa, serviremos ao Senhor” (Josué 24:15). 

Lembrando de: “Não deixar de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem-sucedido. Não fui eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar” (Josué 1:8-9)

Publicado por: mvmportugues | setembro 13, 2018

OS FESTIVAIS DE OUTONO DE ISRAEL – Levítico 23:23-44

Os três festivais de outono de Israel, a Festa das Trombetas, o Dia da Expiação e a Festa dos Tabernáculos, são agrupados dentro de um período de três semanas.

Eles nos proporcionam uma oportunidade anual de ver um retrato tridimensional de nosso Messias, Jesus, enquanto espiamos através dessa janela e O vemos através de olhos crentes.

Há três razões principais para que cada crente, seja judeu ou gentio, estude as Festas de Outono. Primeiro, o estudo dessas festas abre nossos olhos e aprofunda nossa compreensão do Novo Testamento. Como Paulo enfatiza em sua carta aos Colossenses 2:16-17, esses dias sagrados judeus nos apontam para o nosso Messias; e a própria essência de cada festival é ricamente saturada através de, e com Cristo.

Em segundo lugar, esses dias sagrados são muito importantes para Deus. Em Levítico 23, onde o calendário desses festivais é formalmente apresentado a Israel, eles são especificamente referidos como: Estas são as festas que o Senhor estabeleceu e que vocês proclamarão como reuniões sagradas (Levítico 23:2).

De acordo com a Bíblia, o primeiro dos Dias Sagrados de Outono no calendário de Israel, é a Festa das Trombetas, e é simplesmente para ser observada como uma reunião sagrada, uma celebração memorial comemorada com toques de trombeta (Levítico 23:24). O povo judeu tradicionalmente o chama de Rosh Hashaná (literalmente, “cabeça do ano”) e é observado como o Ano Novo judaico. Essa data é o começo dos 10 dias entre Rosh Hashaná e Yom Kipur que são conhecidos como “os 10 dias temíveis”, que conclui com o Dia da Expiação. Para os judeus observantes, este período solene serve como uma ocasião para o auto-exame, introspecção e reflexão, à medida que Deus considera anualmente o destino de cada judeu.

Muitas orações em Rosh Hashaná são recitadas para que Deus se lembre do povo judeu com bondade, misericórdia e salvação com base no mérito armazenado através de Isaque. A oração diz: “Lembrem-se da atadura de Isaac em misericórdia à sua semente.” Os eventos de Gênesis 22 são um excelente exemplo do que as escrituras chamam de sombras da realidade futura, e o próprio Cristo é essa realidade em (Colossenses 2:16-17). Isaque era um tipo profético, uma figura do Messias e ambos Yeshua (Jesus) e Isaac eram os filhos da promessa. Ambos tiveram nascimentos milagrosos. Ambos eram filhos obedientes e dispostos que estavam preparados e prontos a dar a vida a pedido do Pai.

Como vemos, os dois filhos até carregaram a madeira para seu próprio sacrifício. Ambos tinham padres que estavam preparados para matá-los para cumprir um propósito maior. Abraão estava disposto a sacrificar seu único filho; assim também Deus estava disposto a sacrificar Seu único Filho; mas Deus não exigiu de Abraão o que Ele exigia de Si mesmo. O Senhor providenciou um sacrifício substituto para o filho de Abraão, um carneiro preso no matagal. Mas não houve sacrifício alternativo para o Filho de Deus; e Jesus se tornou o obediente Cordeiro de Deus, que morreu pelo pecado do mundo.

Os 10 Dias Temíveis concluem com o Dia da Expiação, Yom Kippur. Este Dia Santo ilumina a missão de Jesus como um sacrifício satisfatório para remover o pecado, e ilustra o Seu ministério de ressurreição como nosso grande Sumo Sacerdote. 

O termo bíblico, Yom Kippur, pode ser traduzido como “O Dia das Coberturas”. Não indica a remoção de pecados, apenas a cobertura dos pecados. Segundo a Escritura, a cobertura do pecado é sangue, o símbolo da vida (Levítico 17:11). Sem sangue, não pode haver expiação. Somente o sumo sacerdote de Israel poderia agir como o representante e levar o sangue sacrificial para a Presença Divina no lugar santíssimo neste dia sagrado.

Deus deu a Israel o sistema sacrificial para restaurar seu relacionamento fraturado pelo pecado; para cobrir o pecado em uma base anual. É claro que essa cobertura anual durou apenas enquanto os indivíduos não pecaram novamente. De fato, após o Dia da Expiação, os sacrifícios levíticos diários e semanais imediatamente recomeçaram.

Sem derramamento de sangue dentro do ritual do sacrifício do Templo, não pode haver expiação, no entanto, a carta do Novo Testamento aos Hebreus retrata Jesus como o cumprimento final do Yom Kippur.

Hebreus 9-10 deixa claro que Jesus é agora nosso grande Sumo Sacerdote. Este Sacerdote não teve primeiro que fazer expiação pelos seus próprios pecados antes de representar o povo, pois Ele era sem pecado. Além disso, os sumo sacerdotes iam e vinham quando eram substituídos ou morreram. Jesus, como o Sumo Sacerdote ressuscitado, ministrará para sempre. Nosso Sumo Sacerdote sem pecado também foi o sacrifício perfeito. O próprio fato de que os sacrifícios de animais eram repetíveis provava que eles eram insuficientes (Hebreus 10: 1-4). O sacrifício de Jesus é uma oferta perfeita sacrificada uma vez para sempre e completa erradicação do pecado.

Com a morte de Jesus, os pecados não são mais apenas encobertos. Agora eles são removidos através do sacrifício do nosso Messias, que criou verdadeira expiação entre Deus e Seu povo, tanto para os judeus como para os gentios.

*****

Agora, a Festa dos Tabernáculos ou Sukkot (cabanas), que dura uma semana, cai cinco dias após o Dia da Expiação. A época mais sombria do ano é rapidamente contrastada com a mais comemorativa.

Biblicamente, foi o terceiro e último período de peregrinação (juntamente com a Páscoa e Pentecostes), quando Israel foi ordenado a se reunir no local central de adoração, o Tabernáculo e depois, o Templo. Foi estabelecido principalmente como um feriado agrícola, um período para reunir pessoas e plantações de Israel. O elemento essencial deste feriado é seu homônimo, a Sucá, a forma singular de Sucot. Esta é a cabana temporária de três paredes que é construída no quintal ou no pátio dos lares judeus. Embora o mandamento bíblico seja viver nessas cabanas durante sete dias, a maioria dos judeus hoje cumpre esse comando comendo pelo menos uma refeição diária dentro da sucá; e alguns judeus, os particularmente observantes também dormem nelas.

A conexão messiânica que derivamos da Festa dos Tabernáculos é que o Messias veio morar com o Seu povo. O capítulo inicial do evangelho de João proclama que “o Verbo se fez carne e habitou entre nós e vimos a sua glória” (João 1:14).

Aqui vemos onde o apóstolo retrata Jesus como “habitando” entre nós, enfatizando o Messias como o Tabernáculo de Deus! E nós lemos no livro de Zacarias, quão crucial será para todas as nações observar adequadamente este dia santo no futuro reino milenar, a era messiânica (Zacarias 14:16-19).

João também fornece um retrato deslumbrante da grande colheita de Deus no livro do Apocalipse: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles e será o seu Deus (Apocalipse 21:3). A história, como a conhecemos, culminará com o próprio Deus, tornando-se nossa eterna sucá.

Declaro a todos os que ouvem as palavras da profecia deste livro: Se alguém lhe acrescentar algo, Deus lhe acrescentará as pragas descritas neste livro. Se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele a sua parte na árvore da vida e na cidade santa, que são descritas neste livro. (Apocalipse 22:18-19)

Essa séria advertência no último capítulo da Bíblia foi dada pelo glorificado Senhor Jesus; portanto, deve ser levado muito a sério.

Embora a advertência o em Apocalipse 22:18-19 se aplique especificamente ao Apocalipse, seu princípio deve ser aplicado a toda a Palavra revelada de Deus. Devemos ter cuidado para lidar com a Bíblia com cuidado e reverência, de modo a não distorcer sua mensagem. 

Moisés fez uma advertência semelhante em Deuteronômio 4:1-2, onde advertiu os israelitas de que deveriam ouvir e obedecer aos mandamentos do Senhor, sem acrescentar nem tirar sua Palavra revelada. Provérbios 30:5-6 contém uma admoestação similar a qualquer um que acrescente às palavras de Deus, ele será repreendido e provado mentiroso.

No Salmo 119:89 lemos que a palavra de Deus está estabelecida para sempre no céu. Através da história foi gradualmente transmitida aos homens na Terra através dos profetas denominados por Deus, e 2 Timóteo 3:16 declara que: Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça. As palavras de Deus são uma extensão do próprio Deus, são inspiradas por Deus, oferecendo sabedoria perfeita para a vida e as informações necessárias para encontrar a vida eterna em Jesus Cristo (João 3:16; Efésios 2:8-9).

Hebreus 4:12 nos lembra: Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração. Precisamos entender que, se pessoas acreditem ou não, que a Bíblia é a inerrante Palavra de Deus. Em Hebreus 1:1 lemos que: Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas. Eles foram os que Deus escolheu para escrever Seus ensinamentos e mandamentos para o Seu povo naquele tempo e para nós agora.

Este testemunho final e aviso de Cristo para aqueles que professam ser Seus seguidores é um claro mandamento de não adicionar (Apocalipse 22:18) ou tirar as “palavras” inspiradas da Bíblia. Há muitas pessoas em vários cultos seguindo algum líder que acha que recebeu alguma nova palavra inspirada de Deus. Isso é muito imprudente; no entanto, existem muitos falsos profetas, ou seja, sacerdotes, pastores, evangelistas, missionários, etc., em denominações que, presumidamente, eliminam ou explicam os versículos bíblicos que consideram não científicos ou ofensivos de alguma forma. Isso é muito perigoso e muito tolo, pois aqueles cujos nomes não são encontrados “no livro da vida” serão “lançados no lago de fogo” (Apocalipse 20:15).

É verdade que dois cristãos podem interpretar certas passagens de maneiras diferentes. Mas eles não estarão muito distantes se acreditarem que a Bíblia é a inerrante e inspirada Palavra de Deus, especialmente se eles realmente acreditam que Deus é capaz de dizer o que Ele quer dizer. Os autores da Bíblia usam ocasionalmente linguagem figurada, nesse caso, quaisquer símbolos são normalmente explicados no contexto. Quando o escritor claramente pretende ser entendido literalmente, como no primeiro capítulo de Gênesis, por exemplo, é perigoso impor algum significado metafórico à passagem por causa de considerações externas. Isto parece ser o que Paulo chamou de “distorcer a palavra de Deus falsamente” (2 Coríntios 4:2).

Portanto, esta advertência é dada especificamente àqueles que distorcem a mensagem do livro do Apocalipse. O próprio Jesus é o Autor do Apocalipse e o que dá a visão ao apóstolo João (Apocalipse 1: 1). Como tal, Ele conclui o livro com uma confirmação de Seu testemunho da finalidade das profecias contidas em Apocalipse. Estas são Suas palavras, e Ele adverte contra distorcer de qualquer forma, seja através de adições, subtrações, falsificações, alterações ou interpretações errôneas intencionais. O aviso é explícito e terrível. As pragas do Apocalipse virão sobre qualquer um culpado de adulterar de alguma forma as revelações contidas no livro, e aqueles que ousarem fazê-lo não terão parte na vida eterna no céu.

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda consolação, que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados de Deus. (2 Coríntios 1:3-4)

Paulo abre esta carta louvando a Deus que lhe mostrou tanta misericórdia e consolação. Como vemos, Paulo conhece a misericórdia e consolação de Deus em primeira pessoa, porque, como diz Spurgeon:
“Aqui estava um homem que nunca sabia se ele ia morrer no dia seguinte, porque seus inimigos eram muitos, cruéis e poderosos, e, no entanto, ele passou a maior parte de seu tempo louvando a Deus.”

Ele chama Deus de “Pai das misericórdias” e o “Deus de toda consolação”. Em Sua misericórdia e amor, Deus está ansioso para proporcionar consolo a Seus filhos em qualquer e todas as circunstâncias. Qualquer que seja a provação que enfrentamos, nosso Pai Celestial conhece a situação e oferece consolo quando necessário. O fato de que Ele é o Deus de todo o consolo nos ensina que toda a consolação, em última análise, vem Dele. Ele é a nossa fonte de paz, alegria e bênção. 

Como é que Deus nos consola? Ele faz isso quando nós sinceramente O buscamos através da oração, lendo as Escrituras, ouvindo a liderança do Espírito Santo que habita em nós, através de amigos piedosos e algumas vezes até através da ocorrência providencial. 

Uma vez que tenhamos experimentado a compaixão e consolação de Deus no meio de uma provação, estaremos melhor equipados para ministrar esse mesmo consolo aos outros. Sabemos o que é preciso, pela graça de Deus, para ajudar os outros que estão sofrendo; e em consolando aqueles que têm problemas; nós glorificamos a Deus, dando uma idéia de como Ele consola aqueles que estão com problemas.

O encorajamento que recebemos como cristãos flui através de nós para os outros para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados de Deus (2 Coríntios 1: 4). Como a graça, a consolação é uma dádiva ativa e poderosa que não apenas é recebida, mas ativamente compartilhada com os outros, e sobrenaturalmente multiplicada para avançar o reino de Deus.

Paulo se deleitou e teve razão suficiente para considerar Deus como a fonte da verdadeira consolação, como todos os cristãos deveriam. Não há outra fonte real de felicidade além de Deus; e Ele pode e está disposto a dar consolo ao Seu povo. Ele prometeu e enviou o Consolador, o Espírito Santo, para realizar isso em nós.

Por favor, lembre-se que não há quantidade de sofrimento humano que possa ultrapassar ou exceder os recursos no coração de Deus para trazer consolo, sustento e graça para nós suportarmos. Nós nunca precisamos duvidar se Deus está à altura da tarefa de prover o que nossa alma mais precisa para sobreviver, até mesmo prosperar, no meio do pior sofrimento e dificuldades imagináveis. Foi somente porque Paulo estava confiante de que o a consolação de Deus correspondia e excedia seu sofrimento, que ele foi capaz de transmitir esse conforto aos outros quando enfrentavam provações similares, talvez até mais severas, do que as suas. 

Nada na vida de Paulo foi interpretado como existente ou ocorrendo apenas para si mesmo. Foi para ajudar os outros, assim como Cristo deu de Si mesmo, e nós também devemos fazê-lo. 

Que tipo de conforto você recebe da sua fé em Deus? Do seu relacionamento diário pessoal com Deus, como você poderia compartilhar a bênção desse tipo de conforto com um membro da família, um amigo ou um colega de trabalho que está sofrendo atualmente? Que palavras de conforto você pode trazer para outros? 

Aqui estão alguns: 

Não tenha medo nem desanime, pois o próprio Senhor irá adiante de vocês. Ele estará com vocês; não os deixará nem os abandonará.” (Deuteronômio 31:8)

O amor do Senhor não tem fim! Suas misericórdias são inesgotáveis. Grande é sua fidelidade; suas misericórdias se renovam cada manhã. (Lamentações 3:22-23)

E Jesus disse: Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo.” (João 14:27)

Publicado por: mvmportugues | agosto 23, 2018

JESUS CRISTO É O MESMO ONTEM, HOJE E PARA SEMPRE – Hebreus 13:8

Essa declaração de fé tem sido uma fonte de força e encorajamento para os cristãos em todas as gerações por séculos, porque, pessoalmente e espiritualmente, Jesus Cristo é nossa única âncora segura. 

Jesus Cristo é o mesmo por toda a eternidade. Ele é eterno e incontestável! 

O salmista declarou: “Tu, porém, és sempre o mesmo; teus dias jamais terão fim” (Salmos 102:27). 

Jesus Cristo foi o mesmo ontem porque Ele estava ativo na criação. “Por muito tempo Deus falou várias vezes e de diversas maneiras a nossos antepassados por meio dos profetas. E agora, nestes últimos dias, ele nos falou por meio do Filho, o qual ele designou como herdeiro de todas as coisas e por meio de quem criou o universo” (Hebreus 1:1-2). 

Jesus Cristo é o mesmo hoje oferecendo salvação a todos que invocam o Seu nome. Portanto, “hoje, se ouvirem sua voz, não endureçam o coração” (Hebreus 4:7). 

Jesus Cristo é o mesmo para sempre reinando na glória à direita do Pai no céu. “Nosso Sumo Sacerdote, porém, ofereceu a si mesmo como único sacrifício pelos pecados, válido para sempre. Então, sentou-se no lugar de honra à direita de Deus” (Hebreus 10:12). 

Precisamos entender que Jesus Cristo é imutável, como a Bíblia nos diz. Muitos anos atrás, Ele morreu em nosso lugar na cruz para levar nossos pecados. Hoje Ele intercede representando-nos diante do Pai no céu. Ele é para sempre nosso grande Sumo Sacerdote. O escritor de Hebreus declara: “Havia muitos sacerdotes, pois a morte os impedia de continuar a desempenhar suas funções. Mas, visto que Ele vive para sempre, seu sacerdócio é permanente” (Hebreus 7:23-24). Aqui as Escrituras afirmam claramente que Jesus Cristo é o mesmo para sempre. Tudo o que Jesus foi ontem; Ele é hoje e será para sempre. 

Quando lemos as palavras “Jesus Cristo é o mesmo ontem”, pensamos em Seu nascimento em Belém, sim, isso foi quando Ele se fez carne com o propósito de vir à Terra para nos reconciliar com o Pai. Porque, “a morte entrou no mundo por meio de um único homem, agora a ressurreição dos mortos começou por meio de um só homem. Assim como todos morremos em Adão, todos que são de Cristo receberão nova vida (1 Coríntios 15: 21-22).

Precisamos entender que Ele é a segunda pessoa eterna da Santíssima Trindade. “No princípio, aquele que é a Palavra já existia. A Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ele existia no princípio com Deus” (João 1:1-2). Aqui vemos novamente como lemos em (Hebreus 1:1-2), que Cristo estava com Deus e que Jesus Cristo era Deus. “Ele estava no princípio com Deus”.

Quando tudo teve um começo Ele já existia e Ele não teve começo. “Por meio dele Deus criou todas as coisas, e sem Ele nada foi criado. Aquele que é a Palavra possuía a vida, e sua vida trouxe luz a todos” (João 1:3-4).

Jesus Cristo é a mesma pessoa que preexistiu antes de se tornar carne e Ele é o mesmo que percorreu as estradas empoeiradas da Galileia, curou os enfermos, deu visão aos cegos e ressuscitou Lázaro dos mortos; entre muitas outras coisas. 

Em Sua oração maravilhosa na noite antes de sua morte por crucificação, Jesus orou: “Agora, Pai, glorifica-me e leva-me para junto de ti, para a glória que tive a teu lado antes do princípio do mundo” (João 17:5). 

Ele veio da glória e voltou para a glória. Aqui está a verdade mais profunda e relevante na Palavra de Deus. Jesus Cristo veio da glória e se fez carne, e se humilhou para morrer como nosso substituto para pagar nossa pena de morte. Agora Ele voltou para a glória que teve com o Pai na eternidade, e como prometeu em João 14: 1-4, Ele virá para Seus filhos redimidos, todos aqueles que acreditam, confiam e obedecem a Ele. 

Seus discípulos testemunharam Sua ascensão e lhes foi dito: “Esse Jesus, que foi elevado do meio de vocês ao céu, voltará do mesmo modo como o viram subir!” (Atos 1:11). 

Ele voltará do jeito que foi. Jesus foi ferido por causa de nossa rebeldia e esmagado por causa de nossos pecados. Sofreu o castigo para que fôssemos restaurados e recebeu açoites para que fôssemos curados, e clamou, “está consumado”, ressuscitou dos mortos e subiu ao céu, Ele será o mesmo quando voltar a esta Terra em Sua glória triunfante. 

Quando Ele voltar, não usará as vestes de servo, mas as vestes do eterno Rei da glória. Ele estará vestido com as vestimentas do Rei dos reis e Senhor dos senhores. 

“Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente.” Ele veio pela primeira vez para carregar nosso pecado e iniqüidade e morrer como nosso substituto. Hoje Ele está no céu fazendo intercessão por nós como nosso Mediador. E quando Ele vier novamente, “ao nome de Jesus, todo joelho se dobre, nos céus, na terra e debaixo da terra,  e toda língua declare que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai” (Filipenses 2:10-11). 

Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém pode vir ao Pai senão por mim” (João 14:6). E o apóstolo Pedro pregou: “Não há salvação em nenhum outro! Não há nenhum outro nome debaixo do céu, em toda a humanidade, por meio do qual devamos ser salvos” (Atos 4:12). 

“Eu sou o Alfa e o Ômega”, diz o Senhor Deus. “Eu sou aquele que é, que era e que ainda virá, o Todo-poderoso” (Apocalipse 1:8). 

“Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, a fim de dar a cada um segundo o que ele fez. Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o começo e o fim.” Bem-aventurados os que lavam as suas vestes, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar pelas portas no cidade.” (Apocalipse 22:12-14)

Nosso Senhor e Salvador é o eterno e imutável Cristo, o Messias Ungido. Creia Nele e seja salvo hoje, enquanto você ainda tem tempo, porque: “Aquele que dá testemunho destas coisas diz: “Sim, venho em breve!”Amém. Vem, Senhor Jesus! A graça do Senhor Jesus seja com todos. Amém.” (Apocalipse 22:20-21)

Publicado por: mvmportugues | agosto 16, 2018

A ERA DA APOSTASIA – 1 Timóteo 4:1

Apostasia significa o abandono de uma lealdade anterior; é uma deserção consciente, em termos bíblicos, é um ato de se recusar a continuar a obedecer à Palavra de Deus.

Ao longo da história da Igreja, temos visto uma partida contínua de pessoas e de igrejas da fé dos apóstolos. Por mais trágico que isso tenha sido, não deveria nos surpreender, porque Paulo nos advertiu que: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé. Eles seguirão espíritos enganadores e ensinos de demônios” (1 Timóteo 4:1).

Pouco depois de nosso Senhor começar a edificar Sua Igreja, o apóstolo João registra uma das primeiras ocorrências de apostasia. Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós (1 João 2:19). Desde então, muitos outros cristãos professos, igrejas, denominações e seminários, que uma vez defenderam a verdade e a autoridade da Palavra de Deus, derivaram para a apostasia. Uma das características interessantes da apostasia é que ela não acontece da noite para o dia e, na verdade, se desenvolve ao longo de um período de tempo. No entanto, aumentou de forma constante a um ritmo alarmante nos últimos 120 anos.

Vamos nos concentrar em alguns sinais bíblicos que mostram claramente que a apostasia está ocorrendo.

Primeiro – A palavra de Deus é negligenciada como a autoridade suprema de nossa fé. As palavras e a sabedoria do homem tornam-se tão importantes quanto a Palavra de Deus. As pessoas começam a seguir personalidades “cristãs” em vez da Palavra de Deus. Os líderes religiosos descartam os planos do Senhor para construir Sua igreja e criam sua própria estratégia. O poder do Evangelho é enfraquecido e está sendo comprometido por líderes religiosos que estão mais preocupado com o crescimento de sua igreja e conquistar um número maior de seguidores do que em pregar a verdade. O evangelismo bíblico é substituído pelos métodos de conversão do homem e, levando falsamente as pessoas a acreditar que, por terem realizado algum ritual, ou dito uma oração, são salvas. As igrejas dão às pessoas o que elas querem em vez do que elas precisam. A busca da santidade e santificação é negligenciada quando Deus diz claramente: “Sede santos porque eu sou santo” (1 Pedro 1:16). Advertências bíblicas para expor os falsos mestres são ignoradas. Os contendores da fé são rotulados como divisivos e intolerantes. As mulheres podem ensinar homens.

Segundo – A Sagrada Escritura é torcida e alterada para agendas de interesse próprio. A verdade se torna subjetiva e relativa. O erro doutrinal e o pecado são tolerados pelos líderes religiosos que negligenciam sua responsabilidade de proteger as ovelhas. Satanás semeia o joio com pouca resistência. O Evangelho se torna mais abrangente para atrair mais pessoas. A pregação expositiva é substituída por mensagens atraentes e piadas.

A ignorância bíblica daqueles que estão sentados nos bancos da igreja oferece um terreno fértil para que os falsos mestres prosperem. A exortação para lutar fervorosamente pela fé é ignorada (Judas 1:3). As pessoas honram a Deus com palavras, mas seus corações estão distantes Dele (Mateus 15:8). Homens “infalíveis” afirmam ser sucessores dos apóstolos e são abraçados como irmãos em Cristo. Homens ímpios entraram sem ser notados e transformam a graça de nosso Deus em licenciosidade (Judas 1:4). Os defensores da fé são expulsos.

Terceiro – O entretenimento ímpio, as apresentações teatrais, a dança e as atividades distrativas substituíram o Senhor Jesus do foco central da adoração. Os líderes religiosos estão mais interessados ​​em entreter as cabras do que alimentar as ovelhas. Mensagens que agradam seus ouvido dão às pessoas o que elas querem em vez do que precisam (2 Timóteo 4:3). A sã doutrina e a verdade são suprimidas em prol da unidade “universal” ecumênica. Corações tornam-se endurecidos e o amor a Deus se esfria (Mateus 24:12). O erro doutrinário floresce e é abraçado com orgulho obstinado. Não há amor pela verdade e não há discernimento. As pessoas não apoiam nada e se apaixonam por tudo. Existe uma aparência de piedade, mas negando a eficácia dela (2 Timóteo 3:5). A idolatria é praticada e encorajada. O pecado e estilos de vida imorais são tolerados. As mulheres são ordenadas como líderes religiosas.

Quarto – O ensino é fortemente influenciado por doutrinas de demônios (1 Timóteo 4:1). Jesus foi removido da igreja. A decepção está completa. Sinais mentirosos e maravilhas, incluindo aparições, são abraçados como mensagens celestiais quando de fato vêm de Satanás. A idolatria e as orações aos mortos são encorajadas. Aqueles que proclamam a verdade do Evangelho são condenados com anátema ou à morte. A graça é transformada em licença para pecar. Não há mais evidência do fruto do Espírito que é amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, e domínio próprio (Gálatas 5:22-23). A graça e o perdão de Deus são vendidos por um preço. O candelabro da igreja foi removido e um certo julgamento aterrador é inevitável.

Talvez você esteja em uma igreja ou denominação que está caindo em apostasia. Jesus Cristo usará você para lutar fervorosamente pela fé e proteger a santidade de Sua Igreja? Nestes últimos dias de crescente apostasia e decepção, todos nós precisamos dar ouvidos ao aviso de Pedro e encorajar a outros a fazerem o mesmo: Portanto, queridos amigos, desde que vocês já sabem destas coisas de antemão, tomem cuidado para não serem levados pelo erro desses homens maus, caindo assim da sua posição segura (2 Pedro 3:17).

A apostasia está ao nosso redor em vários graus. Como cristãos, precisamos ter certeza de que estamos nos apegando à verdade da palavra de Deus e resistindo à Igreja Emergente, à Nova Era, ao Ecumenismo e ao secularismo que está ao nosso redor. Precisamos permanecer firmes na palavra de Deus e nunca nos envergonharmos da verdade do Evangelho: Pois não me envergonho das boas-novas a respeito de Cristo, que são o poder de Deus em ação para salvar todos os que creem, primeiro os judeus, e também os gentios (Romanos 1:16).

Precisamos alertar as pessoas contra a apostasia e a necessidade de avançar na fé, a dar frutos como ramos ligados à videira. Hebreus 3:12-13 nos incita a ter: cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês jamais chegue a ter um coração mau, que se recuse a crer, e que os leve, assim, a se afastar do Deus vivo. Ao contrário, encorajem uns aos outros todos os dias…, a fim de que nenhum de vocês seja enganado pelo pecado, afastando, assim, seu coração de Deus.

A apostasia é um desafio contra Deus porque é uma rebelião contra a verdade; assim defenderás a glória e a honra do nosso grande Deus e Salvador e protegerá a pureza do Seu Evangelho? Que a Palavra de Deus nos exorte e encoraje a combater o bom combate da fé (1 Timóteo 6:12), porque a Bíblia nos adverte que “nos últimos dias virão tempos de dificuldade” (2 Timóteo 3: 1) e muitos terão “a aparência de piedade, mas negando seu poder” (2 Timóteo 3:5). A melhor maneira de evitar a apostasia e rejeitar os ensinamentos dos apóstatas é ler a Palavra de Deus e estudá-la, porque a melhor maneira de identificar a falsificação é conhecer a verdade genuína da Escritura.

Older Posts »

Categorias