Mateus 13 vs 44-46

44O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e, então, cheio de alegria, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou aquele campo.

45 O Reino dos céus também é como um negociante que procura pérolas preciosas. 46 Encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo o que tinha e a comprou. (Mateus 13:44-46)

Qual é o significado das parábolas do Tesouro Escondido e da Pérola de Grande Valor? 

Jesus tinha acabado de explicar aos discípulos o significado da parábola do trigo e do joio, e essas duas parábolas curtas são uma continuação de Sua discussão do “reino dos céus.” Ele expressou verdades sobre o reino em três pares de parábolas em Mateus 13:3-23. A da semente e do semeador; das ervas daninhas no campo (vv. 24-30); da semente de mostarda (vv. 31-32); do fermento ou levedura (v. 33); do tesouro escondido (v. 44) e da pérola de grande valor (vv. 45-46). 

As semelhanças destas duas últimas pequenas parábolas deixam claro que ensinam a mesma lição; que o reino dos céus é de valor imensurável. Ambas as parábolas envolvem um homem que vendeu tudo o que tinha, para possuir o reino. O tesouro e a pérola representam Jesus Cristo e a salvação que Ele oferece. E apesar que não podemos pagar para a salvação com a venda de todos os nossos bens materiais, uma vez que a encontramos, estamos dispostos a desistir de tudo para possuí-la. – “Mas o que para mim era lucro, passei a considerar como perda, por causa de Cristo. Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por quem perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar Cristo e ser encontrado nele, não tendo a minha própria justiça que procede da Lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus e se baseia na fé.” (Filipenses 3:7-9) 

O reino dos céus é mais valioso do que qualquer outra coisa que podemos ter, e uma pessoa deve estar disposta a desistir de tudo para obtê-lo. 

O homem que descobriu o tesouro escondido no campo foi grandemente abençoado por Deus, não foi um acidente; foi uma expressão do amor de Deus e ele reconheceu o seu valor quando o encontrou. Embora a transação custou tudo para o homem, ele não pagou nada pelo próprio tesouro inestimável. O tesouro veio gratuito com o campo. 

Nada é mais precioso do que o reino dos céus; contudo, Deus nos o dá como um presente. 

Em ambas as parábolas, os tesouros estão escondidos, indicando que a verdade espiritual é ignorada por muitos e não pode ser encontrada pela inteligência, pelo poder ou a sabedoria do mundo.

E Jesus respondeu: “A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos céus, mas a eles não. 12 A quem tem será dado, e este terá em grande quantidade. De quem não tem, até o que tem lhe será tirado. 13 Por essa razão eu lhes falo por parábolas: “‘Porque vendo, eles não vêem e, ouvindo, não ouvem nem entendem’. 14 Neles se cumpre a profecia de Isaías:

“‘Ainda que estejam sempre ouvindo, vocês nunca entenderão; ainda que estejam sempre vendo, jamais perceberão. 15 Pois o coração deste povo se tornou insensível; de má vontade     ouviram com os seus ouvidos, e fecharam os seus olhos. Se assim não fosse, poderiam ver com os olhos, ouvir com os ouvidos, entender com o coração e converter-se, e eu os curaria’.

16 Mas, felizes são os olhos de vocês, porque vêem; e os ouvidos de vocês, porque ouvem. 17 Pois eu lhes digo a verdade: Muitos profetas e justos desejaram ver o que vocês estão vendo, mas não viram, e ouvir o que vocês estão ouvindo, mas não ouviram. (Mateus 13:11-17)

E 1 Coríntios 2:14 deixa claro que os mistérios do reino estão escondidos de alguns que são incapazes de ouvir, ver e compreender essas verdades. “Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente. “ 

Os desobedientes colhem as conseqüências naturais de sua rebelde incredulidade, que é a cegueira espiritual. Aqueles cujos olhos estão abertos pelo Espírito anseiam para discernir a verdade espiritual, como os homens da parábola, eles entendem o seu grande valor. 

A seguinte parábola do reino dos céus é semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas. Em contraste com a parábola anterior, Jesus está agora exibindo um outro aspecto do reino. 

Observe que o comerciante parou de buscar pérolas quando encontrou a pérola de grande valor. A vida eterna, a herança eterna, e o amor de Deus através de Cristo constituem a pérola que, uma vez encontrada, faz a busca adicional desnecessária. Cristo cumpre as nossas maiores necessidades, satisfaz nossos desejos, nos transforma diante de Deus, nos da paz e acalma nosso coração, e nos dá esperança para o futuro. A “grande preço”, é o que foi pago por Cristo para a nossa redenção. Ele se despojou de Sua glória, deixou Seu trono no céu e veio à terra na forma de um homem humilde e derramou Seu precioso sangue na cruz para pagar a pena pelos nossos pecados. 

Você está buscando o tesouro escondido do reino dos céus e encontrando-o? Nossa oração é que você encontre Jesus, para que você também poça compartilhar nessa alegria, e que a sua vida seja transformada para sempre, pelo grande poder do Espírito Santo de Deus.

 

Hebreus 12 vs 14-15 A raiz de amargura

Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, 15 tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem. (Hebreus 12:14-15) 

A amargura é a desconfiança que resulta em um ressentimento intenso ou hostilidade contra outros. A Bíblia nos ensina “Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade.” E continua em seguida ensinando como lidar com tal amargura e seus frutos “sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.” (Efésios 4:31-32) 

A amargura é o estado emocional que uma pessoa está sofrendo e ela tem raiva e quer que todos os outros sintam a dor que ela estão sentindo. É por causa dessa necessidade de fazer as pessoas sentirem a dor que ela acaba atacando de uma maneira passiva ou agressiva. 

O versículo 15 explicitamente diz que a amargura vai nos contaminar. Isso significa que ela nos contaminará no interior. A Bíblia é muito clara que a amargura é algo que deve ser evitada a todo custo, porque ela vai destruir totalmente a relação com a nossa família, nossos amigos e, especialmente com Deus. 

A amargura está ligada à falta de perdão. Você se lembra da parábola do credor incompassivo? (Mateus 18:21-35). Este, mesmo que ele tinha sido perdoado de dever dez mil sacos de ouro, não podia perdoar o servo que lhe devia cem moedas de prata. Isso foi por causa da amargura. Ele estava zangado e consumidos com o fato de que o servo lhe devia algo. As pessoas que guardam amargura no seu coração pensam que os outros lhes deve alguma coisa e eles vão exigir que eles paguem um preço, não importa como. O resultado é que eles se tornam atados e tão enfocados em suas próprias vidas e não podem ver além do que está bem na frente deles. 

Uma das razões que a amargura é tão extremamente perigosa é porque ela começa a enraizar-se e começa a crescer e se espalhar e espiritualmente contamina o nosso coração e mente mesmo antes de perceber o que está acontecendo com a gente. A natureza pecaminosa humana faz com que seja muito fácil para racionalizar e justificar-nos por abrigar sentimentos de mágoa ou rancor contra os outros quando nós sentimos que eles fizeram algo mal ou nos maltrataram. 

O mundo está cheio de pessoas que não sabem lidar com uma magoa antiga. Por isso, eles buscam coisas para criticar, para encontrar falhas em pessoas como meios de justificar a forma como eles se sentem. Você já conheceu pessoas que são super-críticas? Geralmente, estas são pessoas que guardam amargura em seu coração. Elas sabem como manipular os eventos até que as pessoas agem da maneira que elas querem, e quando reagimos isto justifica ainda mais a sua amargura e o esforços para nos controlar. 

Quando permitimos voluntariamente que as raízes de amargura cresçam em nossa vida, isto é como abrir a porta para o inimigo. A Bíblia nos diz, “Não deis lugar ao diabo” (Efésios 4:27). E Tiago 4:7 nos diz: “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês.” 

As pessoas que guardam amargura nunca se culpam por qualquer coisa que não da certo; elas estão sempre culpando outras pessoas, semelhante ao hipócrita farisaico que nunca se culpa também. 

A Bíblia é tão prática e clara que se tomarmos o que Deus nos ensina sobre a superação da amargura e o aplicamos, podemos ser libertados desta escravidão. Deus nos encoraja a lidar com isto como Paulo escreveu: “Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade ” (Efésios 4:31). 

Paulo está descrevendo uma série de emoções aqui que se associam com a amargura. Quando a amargura está criando raízes em nosso coração, geralmente a ira também está. O mesmo acontece com a gritaria, a calúnia e a maldade. Uma maneira de acabar com a amargura no nosso coração é orar para o ofensor. 

Como crentes temos o Espírito Santo que habita dentro de nós, portanto, precisamos viver em uma relação de proximidade com Ele para não entristecê-Lo (Efésios 4:30). Devemos ser preenchido e controlado pelo Espírito, que nos capacita a não satisfazer os desejos pecaminosos da carne, mas sim produzir Seu fruto da justiça em nós (Efésios 5:18; Gálatas 5:16). Mas a vida cheia do Espírito não é exclusivamente passiva; temos que desempenhar um papel activo onde lutamos diariamente contra os desejos pecaminosos que nos tentam, e nos rendemos ao Espírito Santo em obediência a Palavra de Deus. Todas as pessoas que guardam a amargura são orgulhosas e o orgulho sempre divide. 

Lembre-se: “Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos. 18 Façam todo o possível para viver em paz com todos. 19 Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor.” (Romanos 12:17-19)

Atos 1 vs 24-25

“E, orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor do coração de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, 25 para que tome parte neste ministério e apostolado, de que Judas se desviou, para ir para o seu próprio lugar.” (Atos 1:24-25) 

Vamos nos concentrar nas três últimas palavras desta passagem, que têm um significado profundo. Embora Judas tinha andado com Cristo e os apóstolos por três anos, ele não era realmente um com eles. Foram os traumáticos eventos da última semana do ministério de Jesus que revelaram seu verdadeiro caráter que ninguém nunca tinha se focado e somente Jesus sabia. 

No momento da morte, cada um vai para o seu próprio lugar, seja o céu ou o inferno. Se nesta vida uma pessoa não gosta de estar na companhia de crentes e se sente desconfortável, e se sente mais em casa com os que não acreditam e duvidam da Bíblia ela estará indo onde ela pertence. Essa pessoa seria mais infeliz no céu do que no seu próprio lugar. As palavras trágicas do último capítulo da Bíblia dizem: “Continue o injusto a praticar injustiça; continue o imundo na imundícia; continue o justo a praticar justiça; e continue o santo a santificar-se.” (Apocalipse 22:11) 

Uma falsa profissão de fé não vai mudar o caráter básico de uma pessoa, mas, mais cedo ou mais tarde, essa pessoa será exposta como Judas foi. No entanto, uma verdadeira transformação, por meio da verdadeira fé em Cristo, mudará a nossa residência eterna, porque Deus “nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado.” (Colossenses 1:13) 

Se você pertence a Cristo, você está reconciliado com Deus, os teus pecados estão perdoados, você pode desfrutar da comunhão com o Senhor todos os dias, e você sabe que, se você fosse morrer hoje, você estaria com Jesus na glória do céu para sempre . 

Então, você pertence a Cristo? Você pode dizer: “Sim, eu convidei Jesus para morar no meu coração na Escola Dominical.” Ou: “Sim, eu orei a oração do pecador e me disseram que se eu orei que eu posso ter a certeza de que eu vou para o céu.” Deixe-me te perguntar … Onde na Bíblia se encontra que fazendo uma oração, você irá para o céu? Você precisa ter certeza de que você pertence a Cristo com base no que a Bíblia diz. 

Jesus disse muito claramente a Nicodemos, um fariseu e uma autoridade entre os judeus.. “Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo.” (João 3:3) E Ele disse uma vez mais “Não te maravilhes de te ter dito: Você deve nascer de novo” (João 3:7). Jesus estava dizendo a Nicodemos que, quando nascemos de novo, o Espírito Santo dá vida nova para nós e passa a residir em nós. Então este é um assunto  muito sério para saber se o Espírito de Deus habita em você ou não. 

Devemos entender que, se o Espírito habita em nós, somos atraídos a Jesus Cristo e temos o desejo de conhecê-Lo e honrá-Lo em tudo o que pensamos, dizemos e fazemos.  

Aqui estão algumas das transformações que ocorrerão em nós:

  • Queremos aprender mais sobre a Bíblia e cresceremos para entendê-la mais cada dia.
  • Começamos a dar frutos, e assim provamos ser discípulos de Jesus. (João 15:8)
  • Andamos pelo Espírito, e não temos vontade de satisfazer os desejos da carne. (Gálatas 5:16)
  • Temos uma paixão pela santidade e uma crescente aversão pelo pecado.
  • O nosso desejo de orar e interceder por outros aumenta. (Efésios 6:18)

Se o Espírito de Deus habita em nós,  pertencemos a Cristo; e, embora o nosso corpo físico morre, um dia Deus vai ressuscitar o nosso corpo dos mortos. (1 Coríntios 6:14)

Quando confiamos em Cristo como nosso Senhor e Salvador, não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito.  

Então lembre-se que nunca é tarde demais para ter uma mudança de coração enquanto você ainda está respirando, como se vê no exemplo dos dois malfeitores na cruz: “Um dos criminosos que ali estavam dependurados lançava-lhe insultos: “Você não é o Cristo? Salve-se a si mesmo e a nós!” Mas o outro criminoso o repreendeu, dizendo: “Você não teme a Deus, nem estando sob a mesma sentença? 41 Nós estamos sendo punidos com justiça, porque estamos recebendo o que os nossos atos merecem. Mas este homem não cometeu nenhum mal”. 42 Então ele disse: “Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino”. 43 Jesus lhe respondeu: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso.” (Lucas 23:39-43) 

Um dos dois criminosos na cruz continuou na incredulidade até o momento da sua morte, mas o segundo se arrependeu e creu para a salvação. 

O criminoso arrependido, contemplando Jesus e ouvindo Cristo dizer: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo” (Lucas 23:34), passou a acreditar que Jesus era realmente o Filho de Deus e que Ele poderia, de fato, conceder perdão e salvação. 

O que se arrependeu não teve oportunidade de ser batizado, ou de mudar seu estilo de vida, ou para fazer qualquer coisa, exceto arrepender-se e crer que Jesus era o Filho de Deus. 

Ambos os malfeitores iriam morrer naquele dia, e a alma do que não se arrependeu logo iria descer a Hades “o seu próprio lugar”, aguardando a condenação no futuro dia do julgamento. O outro, por causa de sua confiança em Cristo, iria com Ele para o paraíso. 

A tragédia é que demasiadas pessoas, assegurando-se de que nunca é tarde demais, continuam esperando até que se torna tarde demais! “Não se gabe do dia de amanhã, pois você não sabe o que este ou aquele dia poderá trazer.” (Provérbios 27:1) 

A Bíblia nos ensina: “Eis agora o tempo aceitável; eis agora o dia da salvação” (2 Coríntios 6:2). Por favor, não demore em aceitar o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador pessoal; porque uma vez que você deixa de respirar você vai para o lugar que de antemão você já escolheu pelas suas ações e não haverá mais jeito de voltar. 

Lembre-se, que há, de fato, um maravilhoso “lugar” que Cristo foi “preparar” para todos aqueles que verdadeiramente desejam estar com Ele – no Seu lugar! (João 14:2)

in-my-house-there-are-many-mansions

2 Timotéo 2 vs 24-26Ao servo do Senhor não convém brigar mas, sim, ser amável para com todos, apto para ensinar, paciente. 25 Deve corrigir com mansidão os que se lhe opõem, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento, levando-os ao conhecimento da verdade, 26 para que assim voltem à sobriedade e escapem da armadilha do Diabo, que os aprisionou para fazerem a sua vontade. (2 Timóteo 2:24-26) 

Paulo está dando a Timóteo, que é um jovem pastor, este conselho maravilhoso. “O servo do Senhor” nesta passagem refere-se a um pastor, um ministro da Palavra, como Timóteo era. Portanto, como cristãos nascidos de novo esta qualidade deve ser refletida em todos nós. 

Ao servo do Senhor não convém brigar: O conselho mais importante que vemos Paulo dando a Timóteo é instruir esses falsos mestres briguentos sem se tornar como eles; porque não é o trabalho do servo do Senhor de brigar e iniciar argumentos. Alguns pastores e leigos no entanto, apenas se sentem energizados e motivados quando iniciam e mantém uma disputa. Devemos lembrar que, como o servo do Senhor, devemos aproximar as pessoas briguentas e divisivas de uma maneira diferente. Pastores, bem como todos os crentes devem ser humildes e bondosos a medida que se aproximam às pessoas difíceis, divisivas e abusivas. 

Todo verdadeiro crente é um “sacerdote para Deus” (Apocalipse 1:6) e foi ungido, nomeado e chamado por Deus para humildemente ministrar o amor e a compaixão de Jesus à pessoas feridas ao seu redor. 

O oposto do briguento é o amante da paz. Infelizmente, vemos que muitos líderes religiosos orgulhosos e abusivos elevam seu status para o de um “ditador religioso”, para que eles possam rebaixar a pessoa que se recusa a ser controlada e manipulada por suas teorias inflexíveis e legalistas. Eles são exatamente como os fariseus hipócritas orgulhosos e abusivos a quem Jesus expôs e condenou várias vezes em Mateus capítulo 23. Isto é sobre o que Timóteo está sendo alertado por Paulo. 

Mas, sim, ser amável para com todos: A palavra amável também pode se referir a brando, e é encontrado em outra carta de Paulo: “Antes nos apresentamos brandos entre vós, como uma mãe que acaricia seus próprios filhos” – 1 Tessalonicenses 2:7. Em outras palavras, o nosso ensino não tem que ter uma borda da raiva ou uma atitude na tentativa de marcar pontos contra a oposição. 

Apto para ensinar: Esta próxima característica envolve uma habilidade no ensino. Temos que ser capazes de comunicar eficazmente as verdades nas Escrituras para os outros. Isto refere-se não apenas a capacidade, mas também a vontade de ensinar. Temos que ser capazes de ensinar o que é a verdadeira doutrina para aqueles que estão mal informados ou não entendem. Precisamos ser gentil e disposto a instruir outros na verdade, mas nunca de forma briguenta. Isso vai exigir a preparação e a coragem com a motivação e a prontidão para ir e ensinar. Para fazer isso, primeiro temos que estar claros sobre as verdades bíblicas, e em seguida dispostos a ir com a atitude certa. 

Paciente: Temos que defender a verdade de Deus, mesmo quando sob ataque e mau tratamento. Isso significa que temos que ter paciência na presença da oposição. Não é fácil aceitar críticas injustas; mas como Pedro citou, devemos seguir o exemplo de Cristo: “Porque para isto sois chamados, pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas, 22 o qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano, 23 o qual, quando o injuriavam, não injuriava e, quando padecia, não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente” – (1 Pedro 2:21-23). 

Ter paciência não significa que Timóteo nunca deve confrontar aqueles que precisam ser confrontados; mas ele deve fazê-lo com humildade e sob a liderança do Espírito Santo. 

Corrigindo com mansidão os que se lhe opõem: Paulo instrui Timóteo para realizar esse trabalho de ensino com humildade e mansidão, e não com fraqueza. 

A mansidão significa a qualidade de não ser excessivamente impressionado por um sentido da sua auto-importância, mas corrigindo com humildade e mansidão. Precisamos ser muito sensíveis ao Senhor e ter certeza de que quando corrigimos os adversários que o nosso ego não está envolvido. Temos que realizar, que não somos nós que modificamos a pessoa, mas que Deus está nos usando para suavizar corações e mentes através da Sua Palavra. 

Na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento. Confiar em Deus para fazer o trabalho é a característica final que Paulo ensina a Timóteo. Em vez de fazer isso em nossa própria força, devemos ensinar e corrigir “na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento, levando-os ao conhecimento da verdade, 26 para que assim voltem à sobriedade e escapem da armadilha do Diabo, que os aprisionou para fazerem a sua vontade.” (2 Timóteo 2:25-26) 

Todo o verdadeiro arrependimento é a obra de Deus. O propósito de ser bondoso e gentil no ensino e na correção é para conduzir aqueles que estão em oposição à verdade, para que eles possam ser levados a um entendimento correto da Palavra de Deus que resulta em arrependimento; produzindo uma mudança de mentalidade e de direção. 

Nossa motivação em corrigir com mansidão é para que Deus desperte o arrependimento e o desejo de conhecer a verdade na mente das pessoas. 

Levando-os ao conhecimento da verdade. O arrependimento leva as pessoas do seu pecado e engano para um “conhecimento da verdade.” A palavra conhecimento não se refere apenas à informação factual, mas à uma profunda compreensão espiritual sobre a verdade de Deus. Deus é Aquele que dá este tipo de conhecimento e compreensão que todos devemos buscar. Somente a Palavra de Deus vai trazer clareza e verdade a especulações tolas e por isso devemos ter um conhecimento correto das Escrituras e submeter-nos a Ela. 

Para que assim voltem à sobriedade. O resultado desejado seria um retorno ao pensamento sóbrio sobre o que é a verdade. A falsidade e o pecado podem produzir uma espécie de embriaguez espiritual resultando em uma perda de julgamento e controle adequado das nossas faculdades mentais. O efeito destrutivo dos falsos ensinamentos e do pecado é que ele anestesia a nossa consciência, confunde a mente, corrói a convicção e paralisa a vontade. (1) 

E escapem da armadilha do Diabo. Satanás está trabalhando por trás dos bastidores para manipular e seduzir os corações e mentes de homens e mulheres – (Efésios 6:12). A decepção é sempre a armadilha de Satanás. É por isso que é tão importante que os líderes da igreja permaneçam firmes na verdade da Palavra de Deus e gentilmente corrijam os que estão cativos pelo diabo. Desde o início dos tempos, Satanás tem sido inteligente em suas mentiras para aprisionar as pessoas com o engano sutil. O melhor antídoto para o falso ensinamento e um pensamento sólido é encontrado em 2 Timóteo 2:15: “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade.” E Paulo escreveu em 2 Coríntios 11:3: “O que receio, e quero evitar, é que assim como a serpente enganou Eva com astúcia, a mente de vocês seja corrompida e se desvie da sua sincera e pura devoção a Cristo.” Temos que voltar a sobriedade e a verdadeira compreensão que permite que um crente escape do laço do diabo. 

Que os aprisionou para fazerem a sua vontade. Um crente pode ser mantido em cativeiro por Satanás para fazer a sua vontade. É assim que um vaso de honra se torna em um vaso de desonra, e um penhor de Satanás para trabalhar sua má vontade dentro do corpo da igreja através de mentiras e enganos. Devemos sempre lembrar que o Senhor sabe como resgatar os piedosos da tentação se nós retornamos a Ele – (2 Pedro 2:9). Deus é fiel; Ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. – (1 Coríntios 10:13). E se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça – (1 João 1:9). 

Então, o que é que Deus requer daqueles que são encarregados de ensinar e guardar a verdade? Temos que ser persistente, sem ser insensível. Precisamos ser firme sem ser rude; porque quando nós fielmente pregamos e ensinamos a Palavra, este é um dos meio pelo qual Deus nos usa para abrir o coração e transforma a alma daqueles que Ele colocou em nossa vida. 

 

Referências:

(1) MacArthur, John Jr., Comentário MacArthur sobre 2 Timóteo. Moody Press: Chicago, 1998. Pg. 98, 100, 102

Publicado por: mvmportugues | junho 22, 2016

VOCÊ ESTÁ ENSINANDO AO SEUS FILHOS SOBRE JESUS? – João 3:16

Você está ensinado aos seus filhos sobre Jesus

Jesus ensinou que o maior mandamento é: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder.” (Mateus 22:37) 

Este mandamento foi dado por Deus a Moisés no Antigo Testamento. 

“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder. E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.(Deuteronômio 6:5-9) 

Pais precisam entender que, contrariamente à crença popular, o LAR – e não a igreja – tem a responsabilidade principal de ensinar as crianças sobre a Bíblia; e que Deus nos criou para ter um relacionamento com Ele. 

Deus criou o ser humano para ser Seus filhos; portanto, nós nunca seremos normais até que aceitamos Jesus Cristo como nosso Salvador pessoal, para que possamos nos tornar filhos de Deus. 

Muitos pais podem sentir-se sobrecarregados pela responsabilidade de treinar seus filhos porque eles próprios não estão tomando o tempo para ter um relacionamento com Deus e estudar a Sua Palavra diariamente. 

A Bíblia fornece aos pais não somente conselhos confiáveis sobre como estudar e aprender, mas também orientação prática sobre como ensinar seus filhos. Como os versos bíblicos acima (Deuteronômio 6:5-9) indicam, é vital que os pais tomem tempo cada dia para ensinar e falar de Deus aos seus filhos. 

A Bíblia é o manual de Deus para a vida e nos dá instruções básicas antes de deixar esta terra. 

Uma vez que o nosso tempo termina, vamos passar a eternidade com o nosso Salvador ou a eternidade no inferno, à parte Dele. A escolha é nossa, mas precisamos dar a todos a oportunidade de ouvir, aprender e escolher; porque a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo. (Romanos 10:17) 

Aqui estão algumas sugestões para pais ensinar seus filhos a respeito de Deus. 

  • Por exemplo, ilustre lições da criação aos seus filhos. O apóstolo Paulo escreveu: “Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis.” (Romanos 1:20)

A criação de Deus nos ensina que Ele existe porque Deus deixou Sua marca por cima de toda a Sua criação.

Através da criação, Deus apontou o caminho para aqueles que desejam saber mais sobre o todo-sábio, todo-poderoso e misericordioso Deus, que merece ser amado e adorado acima de tudo.

Porque Deus deu esta revelação de Si mesmo até os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. (Salmo 19:1)

A criação é como um convite permanente de buscar o Deus de glória e de querer saber mais sobre Ele. Qualquer pessoa que não aceita este convite é indesculpável diante Dele. 

  • Pais podem fazer muita coisa para ajudar seus filhos ver a Deus, como chamando a atenção para as obras criativas de Deus e, em seguida, ajudando os seus filhos a discernir que qualidades de Deus essas criações revelam. 

Ao ensinar seus discípulos Jesus usou este exemplo. Ele disse: “Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas?” (Mateus 6:26)

Jesus mostrou como Deus provê para as aves e enfatizou o quanto mais Ele ama Seus filhos. 

O Rei Salomão, que foi dado muita sabedoria por Deus ensinou sobre como definir objetivos de valor e, em seguida como usar os nossos talentos dados por Deus para alcançá-los. Falando sobre a formiga e quão sabia ela é, ele disse: Ela não tem nem chefe, nem supervisor, nem governante, e ainda assim armazena as suas provisões no verão e na época da colheita ajunta o seu alimento. (Provérbios 6:7-8) 

Como pai, você pode fazer perguntas para suas crianças para agitar o seu interesse sobre a criação de Deus. Por exemplo, você pode se concentrar em uma lagarta e perguntar-lhes “quem você acha que deu para essa lagarta todas essas pernas? 

Você também pode mostrar-lhes que a lagarta é curta, gordinha e que não tem asas. Mas através de passar por uma transformação incrível, chamada “metamorfose”, ela se torna em uma bela borboleta. Quem fez isso acontecer? 

O importante é começar a ensinar uma criança enquanto elas são jovens. O companheiro missionário do apóstolo Paulo Timothy tinha sido ensinado “desde a infância” por sua mãe e sua avó que leiam as escrituras para ele todos os dias; que fizeram Timoteo sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. Elas também ajudaram ele raciocinar sobre as verdades da Palavra de Deus. (2 Timóteo 1:5; 3:14-15) 

Pais podem, com a ajuda do Espírito Santo imitar o ensino eficaz de Jesus. Você pode estar se perguntando. E se meus filhos exibem uma atitude ruim ou são lentos para aprender alguma lição valiosa da Bíblia? Considere o modo como Jesus tratou com os apóstolos. Eles às vezes argumentavam amargamente entre si e eram lentos para aprender os benefícios de ser humilde. No entanto, Jesus se manteve paciente e repetidamente falou sobre a necessidade da humildade (Marcos 9:33-34; Lucas 9:46-48). Os pais que imitam Jesus pacientemente corrigem seus filhos e, se necessário, irão repetir a mesma lição até que as crianças compreenderem plenamente a sua importância. 

Pais precisam ensinar pelo exemplo, e seria bom ler o conselho que o apóstolo Paulo deu aos cristãos que viviam em Roma. Para eles, ele escreveu: “Você ensina aos outros. Por que então não ensina a você mesmo? Você diz aos outros que não se deve roubar. Por que então você rouba?” (Romanos 2:21). Tenho certeza que você já ouviu o ditado – faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço. 

Lembre-se, as crianças são muito mais impressionadas com o que os pais fazem do que pelo que eles dizem. Na verdade, os pais que praticam o que pregam são mais propensos a ter filhos que ouvem o que seus pais ensinam. 

Você ama o seu filho? Tenho certeza de que você o ama, então você está ensinando ao seu filho que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16) 

Que, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para salvar o mundo através dele. (João 3:17) 

Se você ensinar a seu filho sobre Jesus e ele acredita Nele ele não será condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (João 3:18) 

É a sua responsabilidade como pai para introduzir o seu filho a Jesus e cabe a ele para aceitá-lo ou não. 

Aqui estão alguns links úteis que você pode usar para começar a ensinar seus filhos sobre Deus e Sua Santa Palavra. 

https://ccyeshuaemportugues.wordpress.com/historias-de-biblia/ 

https://ccyeshuaemportugues.wordpress.com/estudos-biblicos/

Manipulation in the church (P)

Pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados. Olhem por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não façam isso por ganância, mas com o desejo de servir. Não ajam como dominadores dos que lhes foram confiados, mas como exemplos para o rebanho. (1 Pedro 5:2-3) 

O abuso espiritual pode ser detectado na igreja, já que se manifesta de muitas maneiras. 

Por exemplo, quando um pastor diz à sua congregação que aqueles que desobedecem a sua autoridade ou decidem deixar a sua igreja estão em perigo da ira de Deus, podemos ter certeza de que este homem está operando em um espírito de controle. Ele está tentando semear o medo como um meio carnal de manter as pessoas em sua igreja para que ele possa manipulá-las para seu ganho. 

“Se você deixar essa igreja”, ele pode dizer, “a bênção de Deus será tirada de sua vida, porque você está desobedecendo a vontade de Deus. Você estará em rebelião, e você vai abrir as portas para todo tipo de calamidade. O diabo terá a liberdade para te atacar porque você se afastou de proteção de Deus”, esta “proteção” que vem desta única verdadeira igreja aonde ele é pastor. 

O medo é a motivação estão por trás de tais ameaças, e não o amor. Podemos ter certeza de que este tipo de raciocínio não é de Deus. Medo e culpa falsa são formas de manipulação, que é pecado. Em vez de motivar as pessoas através do amor, servindo o corpo de Cristo e alcançando os perdidos, um ministro espiritualmente abusivo vai tentar motivar através de intimidação e manipulação. 

Lembre-se: “No amor não há medo; ao contrário o perfeito amor expulsa o medo.” (1 João 4:18) 

Governando as pessoas com medo, líderes controladores obram de tal maneira, que as pessoas aceitam as suas mentiras e as seguem cegamente. Jesus disse: “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas, porque percorrem terra e mar para fazer um convertido e, quando conseguem, vocês o tornam duas vezes mais filho do inferno do que vocês.” (Mateus 23:15) 

Nós também vemos isto acontecendo em relação aos profetas e sacerdotes no livro de Jeremias. 

Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra: 31 os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; e que fareis no fim disso? (Jeremias 5:30-31) 

Nestes versos os líderes controladores estão focados na sua própria agenda, e as pessoas estão sendo persuadidas e desviadas dos mandamentos de Deus. 

Infelizmente ao redor do mundo, muitos fiéis feridos lutam para ganhar o favor e aprovação dos fariseus modernos, dos falsos profetas e sacerdotes; e pensam que fazendo isto, estão ganhando o favor de Deus. 

Lembrem-se que: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.” (Gálatas 5:1) 

O plano e o propósito de falsos mestres e manipuladores abusivos é sempre de escravizar as vítimas, para aprisioná-las para seu próprio ganho egocêntrico e egoísta. 

A verdade é que, se você está em Cristo, você já tem o favor de Deus! E nenhuma quantidade de trabalho feito para um pastor abusivo vai te dar mais aceitação do que você já tem. O que você precisa fazer, é correr o mais rápido possível, e sair dessa situação abusiva e controladora e encontrar um grupo de verdadeiros crentes que amam estudar a Palavra e querem adorar o Senhor em espírito e em verdade.

Jesus reconheceu a carga que estava sendo colocada nos crentes sinceros em seu tempo, que somente queriam fazer o que era certo. Ele os viu como ovelhas sem pastor, aflitas e desamparadas, e Ele teve compaixão delas. (Mateus 9:36) 

Um líder manipulador irá desencorajar membros de visitar outras igrejas ou receber conselhos de pessoas que não assistem a sua igreja. Se alguém quebra essa regra, ele ou ela é visto como rebelde. 

Muitos líderes manipuladores também são muito racistas. No entanto, quando Cristo retornará para Sua igreja, pessoas de todas as nações serão reunidas ao Senhor. Aqueles que se tornaram irmãos e irmãs aqui na terra através do sangue de Jesus vão ter esta fraternidade duradoura por toda a eternidade. 

Um líder espiritual verdadeiro fornecerá conselhos divinos por motivos altruístas. Ele ou ela vai querer a vontade de Deus para sua vida. Se isso significa que você foi chamado para ministrar em outras partes, eles se alegrão que você está sendo enviado por Deus para ser uma bênção em outro lugar. 

A tarefa do pastor não é de manipular os seus ouvintes. No entanto o líder manipulador utiliza diferentes técnicas no púlpito como o drama, o falar alto e rápido, ele tem sacudidelas emocionais, e pula e dança no palco e faz tudo que ele pode para criar um cenário emocionante. Além disso eles usam a música de fundo, o comando de levantamento das mãos e de bater palmas, e todos os tipos de emocionalismo e pressão para te pressionar ao seu modo de agir e pensar. Isso não é pregar a Palavra, isto é mais como um show secular de Hollywood. 

Os membros de uma igreja tem o direito e a responsabilidade de ver que os líderes religiosos se comportam de uma maneira que honre a dignidade e a santidade de Deus. Por favor lembrem-se que: “tudo deve ser feito com decência e ordem.” (1 Coríntios 14:40) 

Jesus disse: “Mas eu lhes digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado.” (Mateus 12:36) 

A decisão de ceder, se render e depois agir, é entre o ouvinte e Deus, e não entre o ouvinte e o pregador. É a obra do Espírito Santo. Pregar é proclamar a verdade salvadora e santificante, e a verdade fortalecedora da Escritura, o resto é feito por parte do Espírito Santo. 

Portanto, uma relação pastoral saudável deve produzir a paz na vida do crente. Se a mensagem e o conselho que você recebe não está te dando paz e descanso em sua alma, é provavelmente porque não vem do Senhor. 

Temos que ser muito cuidadosos e discernente quando procuramos a orientação de uma pessoa de pretensa “espiritual”, caso contrário, podemos nos estar submetendo à práticas de manipulação de um líder espiritual abusivo. 

Precisamos pedir a Deus para nos dar um espírito de discernimento por meio de Seu Espírito Santo para que possamos detectar e evitar a manipulação espiritual de controle em nossa vida. 

Jesus disse: “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. 32 E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará. (João 8:31-32) 

Portanto: “Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros.” (Filipenses 2:3-4) 

Como é que você sabe quando você está na presença de um homem ou uma mulher segundo o coração de Deus? Jesus sempre será o centro da atenção.

Publicado por: mvmportugues | março 23, 2016

O SIGNIFICADO DE ‘CONFIAR’ NA BÍBLIA – Provérbios 3:5-6

Confiar en la Biblia (P) - Proverbios 3 vs 5-6

“Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e Ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6) 

Confiar significa uma firme crença na confiabilidade, na verdade, na capacidade, ou na força de alguém ou de alguma coisa. 

Na Bíblia “confiar” literalmente significa ‘uma segurança forte, confiante e segura.’ Confiar não é exatamente o mesmo que ter fé, que é o dom de Deus: “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9). Portanto, confiar é o que fazemos por causa da fé que nos foi dada. Confiar quer dizer que acreditamos nas promessas de Deus em todas as circunstâncias, mesmo naqueles em que a evidência parece ser contrária. 

Nosso verso claramente resume o ensino da Bíblia sobre confiar: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” Em primeiro lugar, é o Senhor, em quem devemos confiar, não a nós mesmos ou nossos planos, e certamente não na sabedoria do mundo. Nós confiamos no Senhor, porque somente Ele que é verdadeiramente digno de confiança. Portanto, “bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, e cuja esperança é o Senhor.” (Jeremias 17:7) 

Mateus 6:31-32 nos diz: “Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer?’ ou ‘Que vamos beber?’ ou ‘Que vamos vestir?’ 32 Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas.” 

O capítulo 11 de Hebreus fala sobre a fé, que é aceitar e acreditar a verdade que Deus revela sobre Si mesmo supremamente na pessoa de Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. Assim que, a consequência prática da fé em Deus é confiar, que provamos vivendo a nossa aceitação da promessa de Deus cada dia. Além disso, é por confiar que temos a promessa de paz: “Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia.” (Isaías 26:3) 

Vemos também que Sua natureza é fiel e verdadeira: “Saibam, portanto, que o Senhor, o seu Deus, é Deus; ele é o Deus fiel, que mantém a aliança e a bondade por mil gerações daqueles que o amam e obedecem aos seus mandamentos” (Deuteronômio 7:9). E no Salmo 25:10 lemos que: “Todos os caminhos do Senhor são amor e fidelidade para com os que cumprem os preceitos da sua aliança.” 

Seus planos para nós são perfeitos e intencionais: “Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro” (Jeremias 29:11). Além disso, por causa da natureza de Deus, devemos confiar Nele de todo o coração, comprometendo todos os aspectos de nossas vidas a Ele em total confiança. 

Não devemos confiar em nós mesmos porque nossa compreensão é temporal, finita e infectada por nossa natureza carnal e pecaminosa. Confiando em nós mesmos é como caminhar orgulhosamente através de uma ponte de madeira podre sobre um profundo abismo de muitos metros de profundidade. . . e o desastre inevitavelmente seguirá. 

Uma coisa que pode ser observada quando confiamos na Bíblea é que isto sempre produz ainda mais confiança em nosso Deus. A fé dos crentes pode ser julgada e eles podem tropeçar, mas: “Ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão.” (Salmo 37:24) 

Deus sabe que, embora as provas sobrecarreguem o crente nesta vida, o confiar não deve dispersar porque é baseado na fé das promessas de Deus; tal como a promessa de alegria eterna com o Senhor e a promessa de “uma herança incorruptível e incontaminável, que não desaparece, reservada nos céus para nós.” (1 Pedro 1:4)

Publicado por: mvmportugues | março 7, 2016

SENHOR GUIA-NOS EM COMO PODEMOS MELHOR PROCURÁ-LO – Salmo 31:3

Salmo 31 vs 3 (P)

“Porque Tu és a minha rocha e a minha fortaleza; por isso, por amor do Teu nome guia-me e orienta-me.” (Salmo 31:3) 

Precisamos seguir o que já está claramente revelado nas Sagradas Escrituras, se quisermos conhecer a Sua vontade e orientação nas coisas que Ele ainda não nos divulgou. Deus já nos deu a conhecer a maior parte de Sua vontade por intermédio da Bíblia. Paulo escreveu: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, 17 para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3:16-17) 

A Bíblia está cheia de instruções a respeito de como Deus quer que seu povo viva e O busque. Tudo o que precisamos fazer é ler a Bíblia regularmente, e em oração buscar e obedecer as coisas que Deus nos ensina de Suas Palavras. A grande parte da vontade de Deus já foi esclarecida sobre o que devemos fazer e como devemos honrá-Lo em tudo o que pensamos, dizemos e fazemos, e Deus nos dá o Espírito Santo com o propósito de nos permitir obedecer-Lo. 

O escritor de Provérbios diz: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6). Se exercemos confiança e O reconhecemos em todas as áreas de nossas vidas, Sua promessa é que Ele vai nos guiar. 

Em Isaías diz: “O Senhor o guiará constantemente” (Isaías 58:11). Em outras palavras, se nossos motivos e objetivos estão certos, a orientação é algo que vai acontecer naturalmente. A Bíblia diz que “Sem fé é impossível agradar a Deus.” (Hebreus 11:6) 

Muitas vezes, quando olhamos para trás é quando vemos que Ele estava nos guiando todo o tempo.

A palavra de Deus diz: “ Eu o instruirei e o ensinarei no caminho que você deve seguir; eu o aconselharei e cuidarei de você. Não sejam como o cavalo ou o burro, que não têm entendimento mas precisam ser controlados com freios e rédeas, caso contrário não obedecem.” (Salmo 32:8-9)

Precisamos ouvir a orientação de Deus, porque está escrito: “A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho.” (Salmo 119:105) 

Ouvir a orientação de Deus começa com nossa mente e coração. A Bíblia nos lembra para “estar quietos” (Salmo 46:10) enquanto nós ouvimos Sua liderança, e “ser transformados pela renovação da sua mente.” (Romanos 12:2) 

As Escrituras estão cheias de orações que podemos usar para pedir a Deus para nos concentrarmos n’Ele, tais como: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações” (Salmo 139:23). Precisamos buscar verdadeiramente o Senhor, e lembrar-nos que: “Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida.” (Tiago 1:5) 

Falando, lendo e pensando na palavra de Deus nos ajuda a vivê-la! A Bíblia promete que podemos “buscar Deus e a Sua vontade em tudo o que fazemos” (Provérbios 3:6) e depender d’Ele para guiar todos os nossos caminhos. 

À medida que buscamos a orientação de Deus para todas as nossas ações, precisamos orar a Deus os pedidos encontrados nos Salmos: “Guia-me, Senhor, na tua justiça”; “Ensina-me o teu caminho, ó Senhor”; “Ensina-me a fazer a tua vontade, meu Deus!” (Salmos 5:8, 86:11, 143:10). Se nós confiamos n’Ele, Deus nos levantará de modo que em função da Sua orientação e liderança isto se tornará uma segunda natureza para nós, porque Ele é a nossa rocha e fortaleza; por isso, por amor do Seu nome, Ele nos guiará e orientará. (Salmo 31:3)

 

Publicado por: mvmportugues | fevereiro 27, 2016

TESTEMUNHANDO CORAJOSAMENTE PARA CRISTO – Atos 4:18-20

João e Pedro

Mas Pedro e João lhes disseram: “Vocês decidam se é certo diante de Deus obedecer a vocês ao invés de obedecer a Ele. 20 Nós não podemos deixar de falar a respeito das coisas que vimos e ouvimos!” (Atos 4:19-20)

Todo cristão sabe que ele deve testemunhar de Cristo, mas a maioria são muito relutantes em falar em Seu nome muito frequentemente. A razão mais óbvia para esta hesitação é a apreensão. Às vezes, podemos ser realmente proibidos assim como foram Pedro e João: E, chamando os dois novamente, mandaram que eles nunca mais dissessem ou ensinassem coisa alguma a ninguém em nome de Jesus. 19 Mas Pedro e João lhes disseram: “Vocês decidam se é certo diante de Deus obedecer a vocês ao invés de obedecer a Ele. 20 Nós não podemos deixar de falar a respeito das coisas que vimos e ouvimos!” (Atos 4:18-20)

Eles foram corajosos na sua testemunha de Cristo e oraram: “E agora, Senhor, ouça as ameaças deles e dê aos seus servos habilidade para falarem a Sua mensagem com toda a coragem.” (Atos 4:29) 

Muitas vezes nossa apreensão vem do medo de perseguição física ou dano pessoal. Também pode haver um medo da zombaria, ou perda de prestígio ou posição. Este tipo de medo não faz parte do caráter de verdadeiros Cristãos, “Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de domínio próprio” (2 Timóteo 1:7). Se amamos o Senhor, precisamos aprender a conquistar o nosso medo dos homens. 

Quantas vezes hoje em dia homens profissionais e até teólogos, comprometem a sua posição por Cristo e por Sua Palavra inerrante por causa do medo da pressão de indivíduos? E, devido à sua posição elevada, eles se recusam a tomar uma posição decidida para Cristo. Assim como está escrito nas Escrituras: “Muitos líderes dos judeus creram nele. Mas, por causa dos fariseus, não confessavam a sua fé, com medo de serem expulsos da sinagoga; 43 pois preferiam a aprovação dos homens do que a aprovação de Deus.” (João 12:42-43) 

Devemos pedir a Deus para nos dar a coragem de Paulo. “Eu não me envergonho do evangelho de Cristo”, escreveu ele, “pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.” (Romanos 1:16) 

Não devemos ter medo de testemunhar, porque o nosso Deus, que provou-se fiel ao longo dos anos está sempre conosco. Porque Seu caráter não muda, podemos dizer com uma voz confiante de fé: “O Senhor Deus é a minha força” (Habacuque 3:19). Portanto, devemos ir e corajosamente testemunhar para Ele. 

Lembre-se, Jesus disse: “Deus me deu todo o poder no céu e na terra. 19 Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo 20 e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês.” (Mateus 28:18-20). Deus não pretendia que este comando nos desse sentimentos de medo ou de inadequação. Em vez disso, este comando ilustra o desejo de Deus para nos incluir em Seu plano maravilhoso para redimir a humanidade. 

Por isso, devemos estudar a Palavra, viver a vida cristã, deixar o Espírito Santo fazer Sua obra e procurar oportunidades de compartilhar o evangelho. É um privilégio ser parte de espalhar as boas novas de Deus para o mundo; e quando nós cumprimos a Grande Comissão, temos a maravilhosa promessa de Jesus: “Certamente eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mateus 28:20). Portanto, o que temos a temer? 

Lembre o que Paulo disse: “Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10). Portanto, somos informados de que “Nós devemos obedecer a Deus e não aos homens.” (Atos 5:29)

 

Publicado por: mvmportugues | fevereiro 15, 2016

O PERDÃO – Romanos 12:20

Perdão - Romanos 12 vs 20

“Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. (Romanos 12:20) 

O que significa “amontoarás brasas de fogo” sobre a cabeça de alguém? Isto pode referir-se a uma tradição egípcia de levar uma panela de carvão a brasas na cabeça como um ato público de arrependimento. Referindo-se a este provérbio (Provérbio 25:21-22), Paulo estava dizendo que devemos tratar nossos inimigos com bondade para que eles fiquem envergonhados e se converterem dos seus pecados. 

Recusando-se a perdoar é um pecado. Se recebemos o perdão de Deus, devemos perdoar a outras pessoas que nos feriram. Não podemos guardar rancor ou buscar vingança. Necessitamos confiar em Deus pela justiça e perdoar a pessoa que nos ofendeu. Isso não significa que devemos esquecer a ofensa, já que isto está além do nosso alcance. Perdoar significa libertar o outro da culpa, deixando o evento nas mãos de Deus, e seguir em frente. 

O perdão é uma decisão da vontade. Já que Deus nos manda perdoar, temos que fazer uma escolha consciente para obedecer a Deus e perdoar. O ofensor talves não deseja o perdão e provavelmente nunca vai mudar, mas isso não nega o desejo de Deus que nós possuímos um espírito de perdão. Jesus disse: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem (Mateus 5:44). 

Precisamos realizar que é verdadeiramente impossível esquecer os pecados cometidos contra nós. Não podemos seletivamente “eliminar” eventos da nossa memória. No entanto, a Bíblia diz que Deus não “lembra” a nossa maldade (Hebreus 8:12). Mas Deus é onisciente. Deus se lembra que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Portanto, tendo sido perdoados, somos judicialmente justificados e o céu é nosso, como se o nosso pecado nunca tivesse ocorrido. Se nós pertencemos a Ele através da fé em Cristo, Deus não nos condena por nossos pecados (Romanos 8:1). Nesse sentido Deus “perdoa e esquece.” 

Se por dizer “perdoar e esquecer” nós queremos dizer, “eu escolho perdoar o ofensor por causa de Cristo e vou seguir em frente com minha vida”, então esta é uma ação sábia e piedoso por nossa parte. Tanto quanto possível, devemos esquecer das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de nós (Filipenses 3:13). Devemos perdoar uns aos outros, “assim como Deus em Cristo vos perdoou” (Efésios 4:32). Não podemos permitir que uma raiz de amargura brote em nossos corações (Hebreus 12:15). 

O ideal é perdoar e esquecer como 1 Coríntios 13:5 afirma: O amor não guarda rancor. E 1 Pedro 4:8 diz: Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. No entanto, alterar corações é o negócio de Deus, e, até que um ofensor tenha uma verdadeira mudança no coração, é sábio limitar o nível de confiança que se coloca nessa pessoa. Sendo cauteloso não significa que você não o perdoou. Significa, simplesmente, não somos Deus e não podemos ver o coração dessa pessoa. 

Mesmo se o nosso agressor nunca se arrepende, perdoando-o, vai nos libertar de uma carga pesada de amargura. 

Hebreus 12:14 diz: “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor.” Nós não podemos ser santos, a menos que tenhamos paz com os homens. Algo surpreendente acontece quando perdoamos, temos paz e descobrimos que a vida é mais alegre. Mas, você pode dizer: “Olha o que ele fez! Eu não vou perdoar.” Lembrem-se que quando perdoamos, duas pessoas ficam livres e um delas é nós mesmos. 

Que Deus, nosso Pai, e o nosso Senhor Jesus Cristo lhes dêem graça e paz. (2 Coríntios 1:2)

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 312 outros seguidores