Publicado por: mvmportugues | junho 29, 2015

COMEÇANDO O DIA COM DEUS – Salmo 143:8

Salmo 143 vs 8 (P)

Deixe-me ouvir do Teu amor pela manhã; pois em Ti confio. Mostra-me o caminho que devo seguir, pois a Ti elevo a minha alma. (Salmo 143: 8) 

Nós nunca podemos errar quando começamos o dia com Deus e seguimos a orientação do Seu Espírito Santo. Portanto, à medida que começamos fazer as preparações para o dia, precisamos nos lembrar das palavras de Jesus: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mateus 4:4). As nossas necessidades, em outras palavras, não são meramente físicas, mas espirituais. A nutrição para a alma é tão necessária como a comida é para o corpo. 

Ter tempo com Deus todas as manhãs requer prática e disciplina. Há dezenas de coisas que podem tentar-nos afastar e nos distrair, mas devemos ignorá-las e dar tempo para o Senhor. Muitas vezes, o inimigo tenta se intrometer em nossas vidas, de modo que pensamos que não temos tempo para a oração e a meditação e nós nos enganamos acreditando que vamos reservar um tempo mais tarde para passar com Deus. 

Quando começamos o dia com Deus, Ele nos envia na direção certa, porque Ele sabe o que está esperando por nós. Confiar no Senhor significa tomar tempo com Ele para estabelecer a direção para o dia de acordo com a Sua vontade. 

O salmista sabia que a caminhada com Deus estava inseparavelmente ligada ao trabalho duro de disciplina espiritual: “De manhã SENHOR ouves a minha voz; quando o sol nasce, eu faço a minha oração e espero a Tua resposta.” (Salmo 5:3) 

Isaías escreveu que o Senhor “me acorda manhã após manhã, desperta meu ouvido para escutar como alguém que está sendo ensinado.” (Isaías 50:4) 

Os cristãos, da mesma forma, devem recordar-se regularmente que a piedade não apenas ocorrer. Há uma dimensão sobrenatural na vida cristã, mas, a menos que o crente permanece em Cristo, como um ramo permanece ligado à videira, ele não pode produzir fruto (João 15:4). Em vez de amor, alegria, paz e paciência, a pessoa que não consegue manter um hábito de comunhão com Deus, naturalmente manifestará o egoísmo, o cinismo, os conflitos e a impaciência como as características dominantes da vida. 

Precisamos entender que para enfrentar os desafios, suportar os encargos, resistir às tentações, resolver os problemas e cumprir as responsabilidades a que estamos expostos a cada dia sem primeiro acercar nos à Deus, que estamos destinados ao fracasso. 

Jesus, o Filho de Deus freqüentemente se levantou de madrugada e foi para um lugar solitário para orar (Marcos 1:35). Da mesma forma, o seguidor de Jesus deve fazer um hábito de preparar-se com antecedência para as exigências de cada dia começando-o em comunhão com o Pai, porque Ele se deleita ao ouvir as orações dos justos (Provérbios 15:8). Portanto, devemos regozijar-nos com a oportunidade de se aproximar de Deus. 

No “esconderijo do Altíssimo” (Salmo 91:1), é o lugar onde nós comprometemos as preocupações do dia a Deus, pedindo pela Sua benção, direção e força, para que Ele seja glorificado em nós e através de nós. 

Uma vez que experimentamos o empoderamento de começar nosso dia com Deus, nunca mais vamos querer começar o dia sem Ele, porque quando estamos caminhando em comunhão com Jesus, todos ao nosso redor podem ser abençoado com a presença amorosa do Espírito Santo.

Publicado por: mvmportugues | junho 22, 2015

DEUS PERDOA OS NOSSOS PECADOS – 1 João 1:9

Deus perdoa - 1 João 1 vs 9

“Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1:9) 

A Bíblia ensina claramente que Deus fez provisões para o perdão dos nossos pecados. No entanto, existem muitas pessoas que têm muita dificuldade em acreditar que o perdão está disponível para certos pecados e escolhas que fizeram na vida; assim, elas continuam a viver em um estado compartimentado em que sua consciência mental e seus conhecimentos de coração não coincidem e a pessoa não pode aceitar o perdão de Deus. 

Para restaurar a intimidade com nosso Pai é um aspecto muito importante do perdão, e talvez seja melhor compreendido na relação entre pai e filho. Quando uma criança decide fazer algo errado, um pai amoroso só precisa saber que a criança está sinceramente arrependida por suas ações para a reconciliação e intimidade serem restauradas. 

Da mesma maneira Deus quer que nós assumimos a responsabilidade por nossas ações, admitindo que estávamos errados, mudamos nossa atitude e verbalizamos nossa tristeza, a fim de restaurar a intimidade com Ele. 

No entanto, precisamos entender que mesmo que há perdão que também há conseqüências. A Bíblia nos ensina: “o que o homem semeia, isso também colherá” (Gálatas 6:7). Para alguns pode ser um efeito duradouro sobre a saúde das conseqüências do abuso de drogas ou do álcool. Ou pode ser uma doença transmitida sexual que não tem cura. E para outros pode ser algo completamente diferente e muito secreto que está enterrado em sua alma, como tendo tido um aborto do qual nunca ninguém soube. Em qualquer caso, é tentador para a pessoa interpretar consequências duradouras como um sinal de julgamento e rejeição contínua de Deus. Embora em muitos casos as pessoas tem que viver com as conseqüências de sua desobediência, o nosso amoroso Pai Celestial está sempre pronto para nos perdoar de todas as ofensas. 

Deus está sempre chamando os pecadores para buscá-Lo e lhes promete o perdão quando eles realmente se arrependem. É por causa de Sua grande misericórdia e graça que Deus resgata o crente do poder das trevas, que começou no Jardim do Éden. Jesus veio à terra para restaurar a nossa relação com o Pai. Ele estende um convite amoroso para o perdão de pecados que só é possível através de Seu sangue derramado. Ele deu Sua vida para que possamos viver. Somos perdoados por causa de Sua obediência e sacrifício na cruz e por pagar a nossa tremenda dívida de pecado. 

Em Romanos 3:24 lemos que todos nós somos “justificados gratuitamente por Sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus.”

Para demonstrar como nosso Pai celestial nos quer amar, aceitar e nos perdoar quando nos voltamos para Ele, Jesus contou a parábola do filho que desperdiçou a sua herança e viveu uma vida imoral e quando ele não tinha mais nada, nem comida para comer, ele decidiu voltar para casa. Seu pai nunca desistiu dele. “A seguir, levantou-se e foi para seu pai. Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou.”  (Lucas 15:20)

Esta é a forma como o nosso Pai celestial nos vê, nos dá as boas-vindas, nos perdoa e nos ama mesmo depois que pecamos bem feio, e em seguida, voltamos à Ele! Ele é movido de compaixão e nos acolhe de braços abertos. 

Em João 8:3-11, a história é contada de uma mulher que foi surpreendida no ato de adultério e os escribas e os fariseus trouxeram essa mulher diante de Jesus. Eles queriam apedrejá-la, no entanto, Jesus lhes disse: “Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela.” Cada um deles foi condenado em sua própria consciência, e se afastaram. Quando Jesus e a mulher foram os únicos que estavam lá, Ele disse a ela: “Mulher, onde estão eles? Ninguém a condenou?” “Ninguém, Senhor”, disse ela. Então Jesus declarou: “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado.”

E mesmo quando Jesus estava morrendo na cruz, Ele mostrou compaixão para o criminoso que estava pendurado na cruz ao lado Dele quando ele confessou que ele merecia o castigo, e pediu a Jesus que se lembrara dele quando Ele entrara no Seu Reino. E Jesus em toda a Sua misericórdia lhe disse: “Em verdade te digo, ainda hoje estarás comigo no paraíso.” (Lucas 23:43)  

Há tantas belas histórias de perdão na Bíblia, e é o desejo profundo de Deus de ver pecadores voltar para Ele e receber o perdão por seus pecados! Há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende e se dirige a Deus! (Lucas 15:10)  

Precisamos entender que quando nos tornamos filhos de Deus, somos uma nova criação! O nosso passado é limpado, e recebemos uma nova vida! (2 Coríntios 5:17) 

Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus! (Romanos 8:1). Porque Jesus não veio aqui para condenar-nos, mas para nos salvar! (João 3:17) 

Deus não somente perdoa os nossos pecados, mas Ele também se esquece dos nossos pecados! Porque Deus nos ama Ele não se lembra mais de nossos pecados. (Isaías 43:25) 

Quando os nossos pecados são perdoados, eles são removidos de nós como o oriente está longe do ocidente! (Salmos 103:12) 

Nos é dito para não olhar para o passado, mas avançar em direção ao futuro! (Filipenses 3:13) 

O próprio Deus não se lembra dos nossos pecados, então por que nos lembramos deles? Se Ele sentiu que era melhor esquecê-los, então por que continuamos lembrando-nos deles? Deus quer que nós nos perdoemos a nós mesmos e permitimos que o sangue de Jesus nos lave e limpe a nossa consciência de todo o mal que temos feito! (Hebreus 9:14) 

Por favor, lembre-se que quando Deus perdoa, Ele remove o pecado e restaura a alma. 

Devemos lembrar que definitivamente vamos experimentar uma transformação e nossa vida verdadeiramente mudará quando nós entregamos nossa vida a Jesus Cristo, porque, a verdadeira salvação sempre traz TRANSFORMAÇÃO. 

“Deus tornou pecado por nós Aquele que não tinha pecado, para que Nele nos tornássemos justiça de Deus.”  (2 Coríntios 5:21)

 

Publicado por: mvmportugues | junho 15, 2015

O CRISTÃO DEVE ANDAR DIGNO DE SUA VOCAÇÃO – Efésios 4:1

Efésios 4 vs 1 (P)

“Como prisioneiro no Senhor, rogo-lhes que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados.” (Efésios 4:1) 

A chamada do cristão em Cristo é uma alta vocação. Já que somos incentivados a andar de modo digno desta chamada, convém que façamos um estudo cuidadoso da mesma, para que o nosso estilo de vida não traga vergonha para Aquele que nos chamou. 

Em primeiro lugar, a chamada é “de Deus” e é irrevogável (Romanos 11:29). Somos chamados “por Sua graça” (Gálatas 1:15) e “à graça de Cristo” (Gálatas 1:6). Somos chamados “das trevas” e “para a Sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2:9). Além disso, somos “chamados para ser santos” (Romanos 1:7). Ele “nos chamou com uma santa vocação, não em virtude das nossas obras, mas por causa da sua própria determinação e graça” (2 Timóteo 1:9). Nós somos “participantes do chamado celestial” (Hebreus 3:1), e em resposta, devemos “prosseguir para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3:14). 

Os escritores do Novo Testamento mencionam muitas coisas a que somos chamados. Nós somos “chamados à comunhão com seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor” (1 Coríntios 1:9). Nós somos “chamados à liberdade” (Gálatas 5:13) e agora estamos livres para “servir uns aos outros”, mesmo que isso signifique aceitar a chamada ao sofrimento. Porque,“para isso vocês foram chamados, pois também Cristo sofreu no lugar de vocês, deixando-lhes exemplo, para que sigam os seus passos” (1 Pedro 2:21). A “vida eterna, para a qual também fostes chamados” poderá não vir facilmente, pois envolve o “bom combate da fé” (1 Timóteo 6:12). Nós somos chamados “a glória e virtude” (2 Pedro 1:3), e“para a sua glória eterna em Cristo Jesus” (1 Pedro 5:10), porque nós, como verdadeiro cristãos nascidos de novo somos “chamados filhos de Deus” (1 João 3:1). Portanto, “seja ainda mais diligente para fazer a sua chamada e eleição, pois se agirem dessa forma, jamais tropeçarão” (2 Pedro 1:10). 

Somos ordenados a: “buscar, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça” (Mateus 6:33) 

Jesus muitas vezes expôs os fariseus por sua atitude hipócrita e estilo de vida, já que se consideravam muito “religiosos” no seu comportamento, no entanto, “tudo o que faziam era para serem vistos pelos homens” (Mateus 23:5) e não para a glória de Deus. Jesus e João Batista chamaram os fariseus e doutores da lei, de hipócritas serpentes e raça de víboras! 

A advertência do Senhor em Mateus 6:33 foi dada para enfocar os Seus seguidores além dos desejos e necessidades “normais” de sua existência física. Devemos “fixar os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno” (2 Coríntios 4:18). E quando estamos justamente focados, “todas essas coisas lhes serão acrescentadas” (Mateus 6:33). 

Nós nos tornamos “escravos” daquelas coisas que “obedecemos”. Nós obedecemos ao que nos “rendemos” (Romanos 6:16). Não é possível “servir a dois senhores” (Mateus 6:24). Nossos corpos físicos podem tornar-se ou “instrumentos” (armas) de injustiça ou de justiça (Romanos 6:13). Assim que nós ou “andamos” guiados pelo Espírito ou pela carne (Romanos 8:4). 

Devemos perseguir persistentemente a piedade: “Você, porém, homem de Deus, fuja de tudo isso e busque a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança e a mansidão” (1 Timóteo 6:11). Quando somos verdadeiramente nascidos de novo nossos “homem novo” anseia por justiça, e nós conscientemente cedemos e buscamos para servir o Reino de Deus, porque “com a mente, eu próprio sou escravo da Lei de Deus; mas, com a carne, da lei do pecado.”  Portanto “dou graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor” (Romanos 7:25). 

Nunca devemos nos tornar folgados na nossa diligência, porque “aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia! ” (1 Coríntios 10:12).

 

FOTO DE FUNDO POR 

http://www.swordofthespirit.net/bulwark/man-walking-toward-cross-by-carden.jpg

 

Publicado por: mvmportugues | junho 8, 2015

VERDADEIROS CRISTÃOS OBEDECEM A DEUS – 1 Pedro 1:14-15

1 Pedro 1 vs 14-15 (P)

Sejam obedientes a Deus e não deixem que a vida de vocês seja dominada por aqueles desejos que vocês tinham quando ainda eram ignorantes. 15 Pelo contrário, sejam santos em tudo o que fizerem, assim como Deus, que os chamou, é santo. (1 Pedro 1:14-15) 

A evidência inegável de um verdadeiro cristão é uma vida transformada. Precisamos lembrar, que, se não mudarmos a nossa maneira de viver, o nosso destino eterno também nunca mudará. 

Quando uma pessoa sinceramente vem a Cristo, essa nova relação vai transformar radicalmente a sua vida. A alteração será vista imediatamente em algumas pessoas e em outras levará mais tempo. Para aqueles cujas vidas foram caracterizadas por óbvios maus hábitos e uma notável vida imoral, a mudança no estilo de vida mostrará que algo profundo aconteceu no seu ser. Para outros, que não foram envolvidos em pecados muito evidentes, a mudança pode não ser tão óbvia, mas é igualmente significativa. Lembre-se que todos nós estávamos separados de Deus por causa do pecado (Romanos 3:23), que foi perdoado por Jesus Cristo na cruz. 

Nossa conversão deve ser demonstrada em ambas as obras e os frutos. Este conceito de “dar frutos” é frequentemente utilizado na Bíblia para descrever os resultados da entrega de uma pessoa a Cristo. Se a pessoa não produz fruto, ela mostra que realmente não foi transformada pela habitação do Espírito Santo e pelo sangue purificador de Cristo, ou que ela fez de Jesus o seu Senhor e Salvador. 

Produzir frutos não é uma opção, é o resultado natural de uma pessoa entrar em união com Deus. Às vezes há uma confusão nesta questão de dar frutos ou de obras. Mas a Bíblia esclarece isso (Romanos 7:4; Efésios 2:10; Mateus 7: 21-23). 

A vida transformada começa com a obediência a Deus. Quando decidimos seguir a Deus, uma mudança fundamental ocorre e há uma enorme alegria (Gálatas 5:22). Devemos entender que embora dores e tristezas ocorrem na vida de um crente, o Espírito Santo vai nos dar uma alegria e paz que não pode ser removida. 

Por exemplo, quando deixamos a nossa conduta pecaminosa, Deus substitui o nosso pecado com o perdão e uma consciência limpa. O objetivo de nossas vidas torna-se para agradar a Deus e honrá-Lo em tudo o que dizemos, pensamos e fazemos. 

Reconhecemos que somos uma nova criação, quando entendemos o que Deus fez em nossas vidas e a obediência torna-se mais em um desejo do que apenas um dever (2 Coríntios 5:14-17). Quando obedecemos a Deus nossos pensamentos efetuam nossas ações (Colossenses 3:1-4). 

Devemos saber que uma vez que somos seguidores de Cristo, Satanás não estará feliz e vai tentar separar-nos da nossa caminhada com Ele, tentando-nos a desobedecer à Palavra de Deus. Temos que lembrar que nós pecamos quando cedemos à tentação, mas Deus prometeu que Ele sempre irá fornecer um escape (1 Coríntios 10:13). 

Quando algumas pessoas pecam e se rebelam contra Deus eles dizem “foi o diabo que me fez fazer isso” – isso é uma mentira – o diabo fez uma sugestão e nossa natureza pecaminosa votou para o diabo e o pecado – aí é quando a justiça perde a eleição. 

Algumas pessoas observam a vida de um cristão e dizem. “Viver dessa maneira é muito difícil!” Sim é verdade, não é fácil ser cristão, de fato, é impossível sem a ajuda do Espírito Santo. 

O verdadeiro cristão tem o desejo de viver cada dia com fé, porque o Espírito Santo nos ajudará a entender as verdades da Escritura e do caráter de Deus (João 16:13-15). E Ele nos dará grande coragem e capacidade de viver e partilhar a nossa fé (Atos 1:8). 

Quando partilhamos nossa fé isto produz alegria. Embora o labor de trazer as pessoas a Cristo é um trabalho árduo, o resultado final nos dará um prazer insondável (João 4:36). 

Como cristão, uma das mudanças mais dramáticas na nossa vida deve ser a forma de como usamos o nosso tempo. Os nossos planos e ambições na vida devem ser diferente. Afinal, já não devemos viver para nós mesmos, mas para Deus. 

Saberemos quais são as nossas prioridades quando nos perguntamos: O que é mais importante para mim? – Sobre o que é que eu penso a maior parte do tempo? – Como invisto o meu tempo? – Em que gasto a maior parte do meu dinheiro? – Quais são as formas e tipos de entretenimento com as quais eu me divirto – vídeos, filmes, música, livros, piadas, etc.? 

Nosso tempo na terra é curto, por isso precisamos pedir a Deus para nos ajudar a investir nossa vida em coisas que vão durar para o tempo e a eternidade (2 Timóteo 4:5-8). 

E, finalmente, como cristãos, é muito importante lembrar que somos um representante de Cristo. Uma das formas mais visíveis em que podemos representar-Lo é pela nossa maneira de falar ou de nossas conversas. Então: 

  • Pense antes de falar. Quando fazemos isto, mostramos que somos indivíduos sábios e vigilantes. (1 Timóteo 4:12) 
  • Devemos controlar a nossa língua. Quando aprendemos a controlar a nossa língua também vamos aprender a controlar outros aspectos da nossa vida. (Tiago 3:1-12) 
  • Devemos conter a conversa tola. Nós somos responsáveis ​​por toda palavra frívola que falamos. (Mateus 12:35-37) 

Como cristãos o Senhor deve ser sempre o centro da nossa atenção. 

“Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.” (2 Coríntios 4:18)

 

 

Efésios 4 vs 32

“Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.” – Efésios 4:32 

Você já foi injustiçado por alguém? Quero dizer que realmente doeu? Isto provavelmente acontece a todos nós no minimo uma vez em nossa vida. A dor é agravada quando alguém perto de nós é o culpado, como um membro da família, um amigo ou um companheiro cristão. 

As reações humanas naturais podem ser a vingança, a raiva, a amargura ou até a decepção. Nós muitas vezes nos protegemos afastando-nos do agressor. 

Muitas vezes, quando a vítima sofreu trauma, abuso e estresse emocional, é importante que a vítima permaneça separada do agressor por longos períodos de tempo e às vezes até permanentemente. 

Esperando que o infrator faça as pazes é geralmente fútil. O ofensor ou não percebe o dano que ele fez por meio de suas palavras ou ações, ou ele simplesmente não se importa. O teu sofrimento não significa nada para o transgressor. Ele não se importa e o ferido acaba carregando a mágoa.  

Jesus advertiu que muitos abusadores têm corações extremamente endurecidos e eles nunca podem experimentar qualquer empatia ou compaixão por suas vítimas. 

O Senhor Jesus nos ensinou por Seu exemplo como perdoar. Ele disse quando Ele estava pendurado na cruz morrendo: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo.” (Lucas 23:34) 

Como cristãos nascidos de novo, temos de abordar aqueles que pecaram contra nós com a atitude de graça, cautela e sabedoria santa que somente o Espírito Santo pode fornecer.  

Deus nos disse para perdoar os agressores, no entanto, Ele nunca nos ordenou a esquecer que eles ainda têm a capacidade e talvez o motivo para nos prejudicar novamente. Somente o Espírito Santo pode revelar-nos quando é seguro para nós expressarmos uma certa medida de confiança para os nossos agressores. Mesmo Jesus não confiava neles, pois os conhecia muito bem. 25 E ninguém precisava falar com Ele sobre qualquer pessoa, pois Ele sabia o que cada pessoa pensava. (João 2:24-25) 

Nós perdoamos os outros porque nós mesmos fomos perdoados. O perdão é a liberação de nossa ira e condenação em favor destas coisas: 

O perdão significa,

  • Orar por aqueles que têm más intenções contra nós (Mateus 5:44),
  • Estar cheio de amor que só é possível quando realmente permanecemos em Cristo (Salmo 86:5),
  • Nunca vingar-nos, mas deixando-o nas mãos capazes de Deus (Romanos 12:18-19). No entanto, temos o divino direito de proteger a nós mesmos, nossas crianças e pessoas inocentes que não podem proteger-se dos agressores.
  • Fazer o bem para aqueles que nunca fazem o bem para nós (Lucas 6:27-28),
  • Observar a nossa própria vida, garantindo que não somos culpados dos mesmos pecados que foram cometidos contra nós (Lucas 17:3).

Embora a Bíblia está cheia de histórias, parábolas e palavras sobre o perdão, o cerne da questão é que não vai ser sempre fácil de perdoar. As pessoas fazem coisas horríveis um ao outro, e às vezes o “perdão” não vai trazer a restauração de um relacionamento. Isso é especialmente verdade se a pessoa não se arrepende e não está disposta a mudar. Assim, embora possa ser difícil perdoar imediatamente, precisamos pensar no fato de que não importa o que tenha sido cometida contra nós, porque é cometido contra Deus mil vezes mais.

Pessoas em todos os lugares, até mesmo cristãos bem intencionados, têm uma maneira de nos ferir com base no que vêem e pensam. Eles olham para nós através de seus olhos e perspectiva, e não através do coração puro de Deus. Às vezes, nós fazemos o mesmo para os outros, também. Nós julgamos alguém por aquilo que ouvimos, o pelo que temos vivido e o que sentimos – mesmo sabendo que todos estes podem facilmente nos enganar. 

Nós nunca podemos caminhar mal quando seguimos o Espírito Santo. Em Deus é onde podemos encontrar o nosso verdadeiro valor e validação. Não podemos permitir que qualquer coisa, até mesmo os nossos próprios pensamentos ou dor, nos separe do amor do Pai. Precisamos perdoar aqueles que tentam nos julgar, aceitar aqueles que tentam nos rejeitar e amar aqueles que tentam nos ignorar. Jesus nos ensinou o que fazer em cada circunstância. Ele é o exemplo e nós somos Seus seguidores. 

A Bíblia nos diz: “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo” (Efésios 4:32). O nosso objetivo como cristãos é imitar a Cristo. Ele nos perdoou, o que significa que podemos perdoar os outros. Podemos fazer isso porque a dívida foi paga. 

Jesus nos lembra de uma outra razão importante para perdoar. “Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. 15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas” (Mateus 6:14-15). O perdão é para o nosso benefício. Nós experimentamos o perdão em proporção direta à nossa vontade de perdoar os outros. O Senhor quer que vivamos uma vida abençoada por meio Dele. Não devemos deixar que essas bênçãos sejam prejudicadas por viver em amargura e ressentimento em relação aos outros. 

Há muitos tipos diferentes de “ofensas” que enfrentamos em nossas vidas, então ao invés de atacar com raiva (Provérbios 29: 11) ou à procura de vingança (Levítico 19:18), devemos compartilhar o amor de Deus e estar disposto a perdoar. 

Jesus nos ensina claramente que devemos assumir a responsabilidade para o conflito relacional que causamos. Em primeiro lugar, devemos ser reconciliados. Como podemos nos aproximar de Deus quando temos negligenciado a mágoa entre nós e outros? Deus não recebe a nossa adoração, se Ele sabe que nós não temos nenhuma intenção de amar o nosso próximo. Podemos enganar outros; mas não podemos enganá-Lo. 

Precisamos pedir a ajuda de Deus enquanto buscamos o perdão e, em seguida, procurar fazê-lo de todo o coração, porque não existem relações duradouras sem ele. 

Somente aqueles que foram lavados no perdão de Deus através de Cristo podem realmente começar a desenvolver os hábitos de um coração perdoador. 

Oração: Senhor, você sabe como temos sido ferido por outros, e como temos magoado outros também. Dê-nos o Seu Espírito de perdão para que possamos perdoar assim como você, Senhor tem nos perdoado. Amém.

Publicado por: mvmportugues | maio 25, 2015

COMO RESOLVER CONFLITOS DE UMA MANEIRA PIEDOSA – Tiago 4:7-10

Tiago 4 vs 7-8

“Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês. Aproximem-se de Deus, e ele se aproximará de vocês! Pecadores, limpem as mãos, e vocês, que têm a mente dividida, purifiquem o coração. Entristeçam-se, lamentem-se e chorem. Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza. 10 Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.” (Tiago 4: 7-10) 

O mundo tem muitas maneiras de resolver o conflito, mas, invariavelmente, eles deixam Deus de fora. Deus nos diz que Seus caminhos não são os nossos caminhos (Isaías 55:8-9). Seus caminhos são muito mais elevados do que os nossos caminhos. Se queremos a paz verdadeira e duradoura em nossas relações, então precisamos resolver conflitos da maneira de Deus. 

Seu caminho para a resolução de conflitos é principalmente nossa relação com Ele. Quando nossos caminhos O agradam, então temos uma base para a resolução de conflitos com os outros (Provérbios 16:7). 

Em Tiago 4:1, ele pergunta: “De onde vêm as guerras e contendas que há entre vocês?” E ele mostra que a fonte é o egoísmo. Então, para resolver conflitos devemos nos arrepender do nosso egoísmo pecaminoso e nos humilhar diante de Deus. Portanto, precisamos: 

  • Julgar nossos motivos egoístas (4:1-3).
  • Afastar-nos de todo adultério espiritual e humildemente implorar a graça de Deus (4:4-6).
  • Submeter-nos a Deus, resistir ao diabo e se arrepender de todo o pecado (4:7-10).
  • Parar de julgar os outros e se submeter à palavra de Deus (4:11-12).

Tiago concentra-se especialmente em submeter-se a Deus, resisti ao diabo e se arrepender de todo o pecado. Provérbios 3:34 nos diz, “Deus zomba dos zombadores, mas concede graça aos humildes”. Não devemos abandonar a sabedoria de Deus, porque Ele vai nos proteger (Provérbios 4:6) e Tiago continua dizendo: “Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.” (Tiago 4:10)

O contexto geral de Tiago 4:7-10 é sobre a resolução de conflitos e podemos aprender com ele sobre como resolver conflitos da maneira de Deus, que lida com o nosso coração diante Dele. Nosso conflito com Deus é frequentemente por causa de conflitos com outros. Portanto, a primeira e mais importante ação que precisamos tomar em qualquer conflito é que temos de acertar-nos com Deus. 

Tiago nos diz que devemos nos submeter a Deus incondicionalmente (Tiago 4:7); para nos aproximarmos de Deus (Tiago 4:8); e, para nos humilhar diante de Deus (Tiago 4:10). 

Precisamos submeter-nos humildemente e incondicionalmente a Santa Palavra de Deus e aceitar Sua disciplina sobre nós. A disciplina de Deus pode ser muito intensa sobre as pessoas; e é sempre baseada em quão rebelde e orgulhosos nós permanecemos; mesmo quando confrontados por professores ungidos de Deus. 

Há muitas coisas em nossas vidas que acontecem para nós que não são muito agradáveis ou ao nosso gosto. Pode ser a morte súbita de um ente querido. Pode ser um tratamento injusto no trabalho ou na escola, ou talvez tivemos pais abusivos. No contexto de Tiago 4, também pode ser uma pessoa difícil em nossa vida que está sempre tentando atiçar o conflito. A lista é interminável. 

O orgulho é o cerne de toda a desobediência a Deus e de quase todos os conflitos relacionais. Se “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (Tiago 4:6), então nós queremos ter certeza de que não estamos fazendo de nós mesmos adversário de Deus! – O orgulho sempre divide. 

O tema de Deus, humilhar os orgulhosos, mas exaltar os humildes, se encontra por toda a escritura (1 Samuel 2:4-8; Jó 42:6, 42:10-17; Salmos 34:18; Provérbios 3:34; Isaías 57:15; 66:2; Mateus 23:12; Lucas 18:14; 1 Pedro 5:6). No contexto de lidar com conflitos relacionais, o apóstolo Paul nos diz para imitar o Senhor Jesus, o supremo exemplo de um que se humilhou e foi exaltado por Deus (Filipenses 2:8-9). 

A chave para desenvolver a humildade bíblica está na frase, “diante do Senhor” (Tiago 4:10). Apenas aqueles com corações endurecidos poderiam orgulhar-se na presença do Senhor! Portanto, o primeiro passo na resolução de conflitos relacionais é submeter-se a Deus, o que inclui aproximar-se Dele e humilhar-nos diante Dele. Não existe tal coisa como a “santidade orgulhosa. 

O próximo passo para resolver conflitos é resistir ao diabo (Tiago 4:7). Embora muitas vezes Satanás não precisa envolver-se, suas forças demoníacas muitas vezes ajudam na agitação de nossos conflitos e nossa carne parece incitá-los sem nenhuma ajuda extra! Enquanto seria presunçoso ver um demônio por trás de cada briga, também não devemos ser ingênuo em pensar que os demônios não estão envolvidos. Muitas disputas são fomentadas por possessão demoníaca, e elas são fundada no orgulho. Pessoas orgulhosas, influenciadas por demônios sempre insistem em que eles estão certos, e todos os demônios do inferno estão ansiosos para reforçar o seu pensamento orgulhoso. 

O diabo, Satanás, que significa “adversário” é um anjo caído que se opõe a Deus e Seu povo, e sempre está prontos para acusar-los ou caluniá-los (Zechariah 3:1-2; Apocalipse 12:10). Enquanto nós não somos páreo para Satanás em nossas próprias forças podemos pedir ajuda ao Senhor como o poderoso Arcanjo Michael o fez: “O Senhor te repreenda!”  Pois, “Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade.” (Salmo 46:1) 

Para resolver conflitos precisamos nos arrepender de todos os pecados. “Aproximem-se de Deus, e ele se aproximará de vocês! Pecadores, limpem as mãos, e vocês, que têm a mente dividida, purifiquem o coração. Entristeçam-se, lamentem-se e chorem. Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza.” (Tiago 4:8-9). Tiago está falando sobre um arrependimento profundo e sincero. 

Aqueles que Tiago confrontou, haviam se tornado amigos com o mundo e muitos eram filhos do diabo. E o mundo encontra prazer e alegria em coisas além de Deus, ignorando, desrespeitando e desobedecendo a Deus. 

As palavras de Tiago mostram que há um elemento emocional ao arrependimento genuíno. Não é somente um desculpa esfarrapada, “Peço desculpa que eu te ofendi.” Ou, “Eu sinto muito que você está chateado” – implicando, “é culpa sua!” Quando estamos verdadeiramente arrependidos, aceitamos toda a responsabilidade por nosso pecado e os danos que nós fizemos. Não justificamos isso como uma omissão. Nós lamentamos sobre a forma de como temos ofendido a Deus, desonrado Seu nome, e ferindo nosso irmão ou irmã em Cristo. 

Para realmente experimentar a alegria dos pecados perdoados, primeiro temos que sentir a dor dos pecados. “Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados.”  (Mateus 5:4) 

Nós não podemos sentar e esperar passivamente para a resolução de um conflito acontecer espontaneamente. Tiago dá dez comandos ativos: Submeta-se a Deus! Resista ao diabo! Aproximem-se de Deus! Limpem as mãos! Purifique seu coração! Entristeçam-se! Lamentem! Chorem! Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza. Humilhem-se! 

O caminho de Deus para resolver conflitos é submeter-se  a Ele, resistir ao diabo, arrepender-se de todo o pecado e fazer a restituição sincera à todas as nossas vítimas e a todos os quais temos ferido.

Publicado por: mvmportugues | maio 18, 2015

ESCOLHEMOS AMIGOS PIEDOSOS OU AMIGOS MUNDANOS? – Tiago 4:4

Tiago 4 vs 4

Vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus. (Tiago 4:4) 

A importância da escolha é esclarecida pela simplicidade das alternativas, e se torna uma questão de saber se queremos a amizade com o mundo ou a amizade com Deus. 

A expressão “um homem é conhecido pela companhia que ele mantém” tem sido utilizada de uma forma ou outra em todo o mundo. Não é apenas baseada na Bíblia, mas é facilmente observável na vida cotidiana. 

Provérbios nos dizem: “Quem anda com os sábios será sábio, mas quem anda com os tolos acabará mal.” (13:20) e que os amigos moldam amigos “assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro.” (Provérbios 27:17) 

Tiago observa que a amizade com o mundo se choca com a verdade e com o coração e a mente de Deus, e que essa amizade está em rebelião contra o plano de Deus para nós andarmos em comunhão ininterrupta com Ele. Portanto, “saiam do meio deles e separem-se”, diz o Senhor. “Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei.” (2 Coríntios 6:17) 

O apóstolo João dá uma razão clara: “Pois tudo que há no mundo, aquilo que é agradável à nossa natureza pecadora, aquilo que é agradável aos nossos olhos e o orgulho pelas coisas desta vida, não vem do Pai, mas sim, do mundo.” (1 João 2:16) 

Tiago escreve com uma forte convicção da gravidade do pecado que a maioria das pessoas não estão dispostas a aceitar. Muitas pessoas vivem vidas de compromisso, pois elas querem ser cristãs, elas querem ir para o céu, para ter a vida eterna, mas elas também querem espremer cada gota de prazer que esta vida oferece; mesmo que Deus o proíbe. Tiago é completamente direto, dizendo: “… a amizade do mundo é inimizade contra Deus …” 

Na verdade, ele escreve com um sentimento de indignação moral. O início deste versículo começa com “Infiéis”. Portanto, devemos aceitar os termos de Tiago, aprender com o seu agudo senso moral do que é certo e errado, e aplicá-lo a nós mesmos com medo do julgamento que vem a qualquer que não é um verdadeiro cristão. Abrigando a inveja e ambição egoísta, com ações de confrontos e brigas, faz de nós pessoas desleais que estão tratando Deus com ódio e inimizade. (Tiago 4:1-4) 

O ponto de referência de Tiago à Escritura em 4:5 e 4:6 é convencer seus leitores para escolher a Deus sem reservas, em vez do mundo, porque o próprio Deus é ciumento, mas Ele também é misericordioso para com aqueles que humildemente entregam suas vidas completamente a Ele. “Deus se opõe aos orgulhosos, mas revela a sua graça aos humildes.” (Tiago 4:6)

Você é cristão? Será que o Espírito habita em você? Se assim for, então você deve submeter-se a vontade do Senhor, e parar de perseguir a sua própria vontade. Ele sabe o que é melhor para nós, e se somos pacientes, então Ele irá realizar Seu plano perfeito para a nossa vida. “Confie em Deus, o Senhor, e faça o bem e assim você habitará na terra e desfrutará segurança. Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração. Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá.” (Salmo 37:3-5)

Em resumo, a pessoa que opta por viver em pecado e entra em um relacionamento com o mundo é declarado inimigo de Deus. O contexto deixa claro o que está envolvido em ser um amigo do mundo. A questão básica é uma vida que gira em torno de si mesmo. Uma determinação egoísta para satisfazer os nossos desejos e anseios, para ter as coisas à nossa maneira, nos identifica como amigos do mundo. 

Devemos observar que se trata de uma escolha deliberada da nossa parte para se envolver com o mundo. Uma pessoa que decide ser amigo do mundo, ao invés de submeter-se a Deus e à Sua Palavra, vai fazer o que ele quer; e vai andar como quer. Essa pessoa não sabe e não quer conhecer Deus, ela só quer receber elogios dos homens e prefere os prazeres e luxúria deste mundo em vez da justiça de Cristo. 

Lembre-se, pessoas piedosas terão amigos piedosos e manterão o foco no Senhor. Eles não serão enganados, porque eles sabem que: “As más companhias corrompem o bom caráter.” (1 Coríntios 15:33) 

Vamos todos estar diante de Cristo, cujos olhos penetram o fundo de nossas almas – porque “Seus olhos são como chama de fogo …” (Apocalipse 19:12) 

Por isso, “os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem imoralidade sexual, os que praticam feitiçaria, os idólatras e todos os mentirosos — o lugar deles será no lago de fogo que arde com enxofre. Esta é a segunda morte.” (Apocalipse 21:8)

 

Publicado por: mvmportugues | maio 9, 2015

COMO SER UMA MÃE PIEDOSA – 2 Timóteo 3:15

UNA MAE PIADOSA - Timóteo 3 vs 15

“E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas, as quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em Cristo Jesus.” (2 Timóteo 3:15). 

Uma das maiores bênçãos da vida é ter uma mãe piedosa. Então, um dos maiores presentes que mulheres podem dar aos seus filhos é ser uma mãe dedicada a Deus. Mas para ser uma mãe piedosa, é preciso ser ensinada tão cedo quanto possível, através do exemplo e a leitura da Palavra de Deus. 

A decisão mais importante que uma mulher cheia do Espírito que deseja ser uma mãe, jamais vai fazer é determinar que ela vai esperar por Deus para lhe proporcionar um marido que deseja viver uma vida pura e santa; um homem humilde que vai ser cheio do Espírito e um sacerdote na casa que ela quer estabelecer.  

Se ela é uma cristã verdadeiramente nascida de novo, que está sendo conduzida pelo Espírito Santo e a Palavra de Deus, ela está plenamente consciente de que sua vida pertence a Deus e que ela deve não deve se casar com alguém que não irá honrar a Deus e construir um lar cristão forte onde eles possam criar crianças santas e tementes a Deus. 

O versículo da Bíblia que domina a vida de uma mulher piedosa é o seguinte: “Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” (1 Coríntios 10:31) 

Mães piedosas são mulheres de fé sincera que estão ansiosas para compartir a verdade da Palavra de Deus, com amor, aos seus filhos (2 Timóteo 1:5). Elas honram a Palavra de Deus e treinam seus filhos nela (2 Timóteo 3:14-17). No entanto, enquanto os pais devem ser os agentes primários para ensinar seus filhos a Palavra de Deus, também precisamos orar por mentores tementes a Deus para as nossos filhos, tais como Paulo foi a Timóteo; homens e mulheres de Deus para influenciar nossos filhos para a justiça. 

A principal maneira que nossos filhos vão crescer para amar e servir a Deus é através da Sua Palavra. A verdade da Palavra de Deus é poderosa para salvar (Tiago 1:18) e para santificar (João 17:17) Seu povo. A melhor coisa que pais podem fazer para seus filhos é incutir neles desde cedo a importância de ler, estudar, memorizar e obedecer a Palavra de Deus. 

Uma mãe dedicada a Deus usará a Palavra de Deus para levar seus filhos à fé salvadora em Cristo. “E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas, as quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em Cristo Jesus.”  (2 Timóteo 3:15) 

A salvação é construída sobre o conhecimento da verdade revelada nas Escrituras. As crianças precisam saber mais do que “Jesus quer ser seu amigo, por isso você precisa convidá-Lo para entrar no seu coração.” Eles precisam saber o que a Palavra de Deus revela sobre a condição de seus corações, que eles são rebeldes e desobedientes à Deus. Eles precisa de saber várias coisas. Primeiro que Deus é um Deus de amor, mas que Ele também é Santo e justo, e que Ele trará a terrível, eterna punição àqueles que não saem dos seus pecados e confiam em Cristo. Eles precisam saber o que Cristo fez na cruz, morrendo como nosso substituto. Eles precisam entender que Deus perdoa os nossos pecados por causa de Sua bondade, à parte de nossas boas obras. Eles precisam saber o que é a fé salvadora, ao contrário de uma profissão vazia que não resulta em salvação. 

Precisamos ter cuidado para não assumir que apenas porque o nosso filho “pediu para Jesus entrar em seu coração” que são verdadeiramente salvos. Eles podem ser, ou não podem ser salvos. Precisamos olhar para a evidência da verdadeira conversão: Eles estão realmente arrepentidos do seu pecado e tentam manter se longe dele? Eles mostram um crescente amor por Deus e Sua Palavra? Eles querem falar sobre as coisas de Deus? Eles querem agradar a Deus em sua conduta? Uma mãe piedosa vai treinar seus filhos em como viver pela Palavra de Deus.    

A Palavra de Deus é poderoso para salvar, (2 Pedro 1:3-4), e é rentável para ensinar-nos os caminhos de Deus, como Deus quer que vivamos (2 Timóteo 3:16). Ela revela os pensamentos e intenções dos nossos corações (Hebreus 4:12). Ela nos repreende, o que significa, que nos convence do nosso pecado, rebelião e orgulho. 

Ela nos corrige, mostrando-nos como se acertar com Deus e outros. Ela nos treina na justiça, nos mostrando como manter no caminho da obediência e bênção. A Escritura é para ser rentável para o modo como vivemos, para nos corrigir e manter-nos no caminho da santidade de Deus. Nossos filhos devem ver-nos aplicar as escritura e os pais devem ensiná-los a aplicá-lo para as coisas que eles enfrentam à medida que crescem até o vencimento. Se usarmos a Palavra de Deus para levar nossos filhos à fé salvadora e para treiná-los nos caminhos de Deus, eles serão abençoados. 

Mães piedosas têm grande influência sobre seus filhos; Lóide e Eunice deram ao jovem Timóteo uma forte fundação espiritual e moral que durou durante toda a sua vida. Timóteo se tornou um grande testemunho e guerreiro de Deus e a Sua verdade eterna. Sim, ele foi grandemente fortalecido através de seu relacionamento com Paulo, mas a fundação foi colocada por sua mãe e avó piedosa. Quando olhamos para a Bíblia e a história do mundo, é evidente que uma casa é moldada através de mães e pais piedosos. 

Aqui estão algumas palavras pessoais de encorajamento. Se você não teve uma mãe piedosa e você luta para saber onde ir e como começar, dirija-se a Deus e peça ajuda e comece a obedecê-Lo. Você também pode pedir-Lhe para lhe enviar professores temente a Deus, cheios do Espírito que irão ajudá-la a crescer em sua fé e seu amor por Deus e o Salvador. Mesmo se seus filhos estão crescidos, Deus honrará o seu arrependimento. Fale com eles e peça perdão por não ter sido um exemplo de piedade ou por não treiná-los nos caminhos de Deus. 

Deus podem usar você como ele usou a Lóide e Eunice na vida de Timóteo. Caminhe com Deus na fé sincera. Use Sua Palavra para guiar seus filhos e netos para a mesma fé sincera e treiná-los nos caminhos de Deus. 

Seja um exemplo piedoso para eles, seguindo os próximos pontos-chave: 

  • Seja dedicada a Deus
  • Seja dedicada ao seu marido
  • Seja dedicada aos seus filhos
  • Seja dedicada ao seu lar

Mães piedosas instruem seus filhos nas verdades de Deus. Provérbios 1:8 diz, “Meu filho, escute o que o seu pai ensina e preste atenção no que a sua mãe diz.” Provérbios 6:20 acrescenta, “Filho, faça o que o seu pai diz e nunca esqueça o que a sua mãe ensinou.” O Rei Lemuel em Provérbios 31:1 disse que foi sua mãe quem lhe ensinou sobre como reconhecer uma mulher temente a Deus, que seria uma mãe dedicada a Deus para seus filhos. A herança piedosa de Timóteo foi um resultado da obediência à palavra de Deus por sua mãe e de sua avó. (2 Timóteo 1:5) 

As mães nunca devem subestimar o papel que elas desempenham no ensino de seus filhos sobre Deus, sobre a Sua Palavra, e sobre a salvação. De tão cedo quanto possível, Deus deve ser central na instrução de uma mãe. Mesmo no caso de um pai ausente ou não salvo como no caso de Timóteo, mães ainda podem alcançar seus filhos pela fé (1 Coríntios 7:14). Ensinar as crianças sobre a Bíblia é uma enorme vocação com ramificações eternas, e as mães piedosos são honradas em aceitar o desafio. 

FELIZ DIA DAS MÃES!

 

Publicado por: mvmportugues | maio 4, 2015

SEDE SANTOS, PORQUE EU SOU SANTO – 1 Pedro 1:15-16

1 Pedro vs 15-16 (P)

“Mas, como é santo Aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, 16 porquanto escrito está: Sede santos, porque Eu sou santo.” (1 Pedro 1:15-16) 

A escritura nos ordena, como cristãos, para ser como nosso Senhor e Salvador em “todo o tipo de conversa”, e em nossa conduta diária. Nós somos Suas testemunhas terrenas, e devemos viver nossas vidas para que sejamos um reflexo adequado Dele. 

A nossa vida e caminhada diária deve ser modelada após Ele. “Quem diz que vive unido com Deus deve viver como Jesus Cristo viveu.” (1 João 2:6). Porque, “se vivemos na luz, como Deus está na luz, então estamos unidos uns com os outros, e o sangue de Jesus, o seu Filho, nos limpa de todo pecado.” (1 João 1:7). 

As Escrituras dizem que devemos ser como Ele na pureza de nossas vidas. “Sede santos, porque eu sou santo.” Portanto, “todo aquele que tem essa esperança em Cristo purifica-se a si mesmo, assim como Cristo é puro” (1 João 3:3). Devemos “procurar ter paz com todos e nos esforçar para viver uma vida completamente dedicada ao Senhor, pois sem isso ninguém o verá.” (Hebreus 12:14) 

Também devemos ser como Ele da maneira que “amemos uns aos outros porque o amor vem de Deus. Quem ama é filho de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não o conhece, pois Deus é amor” (1 João 4:7-8). Devemos estar dispostos a sofrer injustamente, sem vingança, “porque Cristo sofreu por nós, deixando-nos um exemplo que devemos seguir Seus passos. Jesus não cometeu pecado, e nenhum engano foi encontrado em sua boca.” (1 Pedro 2:21-22) 

Ser como Ele também envolve uma vida de serviço a Deus e aos outros; isto flui de um coração humilde e santo. O Senhor tomou o lugar de um servo quando Ele lavou os pés dos discípulos e Ele lhes disse “pois eu dei o exemplo para que vocês façam o que eu fiz.” (João 13:15) 

Cristo perdoou cada um de nós, muitas vezes, apesar de que nossos pecados O entristecem profundamente. Ele sempre está pronto para perdoar e restaurar a comunhão, e nós também devemos o mesmo. Com a Sua ajuda, podemos imitá-Lo, mesmo quando somos injustiçados. “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.” (Efésios 4:32) 

Precisamos lembrar que somente Cristo pode fazer-nos verdadeiramente santo. Paulo disse que aqueles que foram ressuscitados para a vida eterna em Cristo “se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador.” (Colossenses 3:10) 

Cristo nos transforma em pessoas novas Nele, as pessoas com um coração novo, que terão um profundo desejo de andar em santidade e ser santos porque Ele é santo. É vital que nós humildemente permitimos que o Espírito Santo tenha controle incondicional de nossas vidas a cada momento do dia, para “ser conformes à imagem de Jesus Cristo.”  (Romanos 8:29) 

Nossas vidas estão cheias de opções; no entanto, como cristãos devemos aprender que não podemos ser as pessoas que Deus quer que sejamos em nossa própria força. Precisamos fazer uma escolha entre este mundo e a eternidade, entre Deus e tudo que tentaria tomar Seu lugar. 

Como pais estamos levando nossos filhos nos caminhos da santidade, ou estamos levando-os no caminho largo que leva à destruição e uma eternidade no lago de fogo. 

Quando você entrar em uma casa, como é que você sabe que você esta com pessoas que profundamente desejam viver uma vida santa? 

  • As virtudes da humildade, a paz, a pureza, a honestidade, a alegria, a integridade, o auto-controle, a auto-disciplina e a obediência e esses comandos supremos e vitais que Deus nos deu em Sua Santa Palavra são exibidos.
  • A beleza da auto-disciplina é exibida nestas casas. O Espírito Santo vai trazer grande disciplina em nossas vidas quando obedecemos e adoramos a Deus “em espírito e em verdade.”
  • A auto-disciplina é simplesmente obedecer a Deus e à liderança do Espírito Santo. Ter disciplina é fazer a coisa certa no momento certo.
  • Todos os tipos de pecado e o mal vai estar presente na casa quando as crianças não são ensinadas os mandamentos de Deus da Bíblia; elas somente podem receber uma fundação para suas vidas de Sua Santa Palavra.
  • Na verdade, a Bíblia nos informa que os pais realmente não amam seus filhos se eles se recusam a ter um tempo para o estudo da Bíblia com a família diariamente em sua casa. Deuteronomy 4:9
  • A vida nunca é inativa; ou estamos crescendo mais santo e mais semelhantes a Cristo, ou estamos nos tornando mais maus e mais como o diabo; Jesus disse; O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir; Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância.” (João 10:10)
  • Qualquer pessoa com uma consciência sã jamais escolheria para servir uma personalidade má, destrutiva como esta; no entanto, desde o início dos tempos, milhares de milhões de pessoas venderam suas almas ao diabo.
  • Sabemos que somos de Deus e que o mundo todo está debaixo do poder do maligno.” (1 João 5:19). O grego original afirma que todas as pessoas do mundo se prostituíram ao diabo.
  • “Mas, se vocês não querem ser servos do Senhor, decidam hoje a quem vão servir. … Porém eu e a minha família serviremos a Deus, o Senhor. (Josué 24:15)
  • A vida que não é disciplinada não vale a pena viver!

As escolhas que fazemos hoje vão fazer a diferença para a eternidade, então vamos escolher para sermos santos, porque nosso Pai Celestial deseja isto de nós. 

“Queridos amigos, desde que temos estas promessas, devemos nos livrar de tudo o que contamina tanto o corpo como a alma. Devemos tentar ser completamente dedicados a Deus, por causa da reverência que temos por Ele.” (2 Coríntios 7:1)

Colosense 4 (P)

” Sejam sábios na maneira de agir com aqueles que não pertencem à igreja, e aproveitem as oportunidades. Que as suas palavras sejam sempre agradáveis e de bom gosto, pois assim vocês saberão dar a cada um a resposta certa..” Colossenses 4: 5-6 

Paulo usou o termo “aqueles que não pertencem” para as pessoas que estavam fora da igreja (1 Coríntios 5: 12-13). Poderíamos dizer “infiéis”, “não-cristãos” ou “não-salvos.” Nós devemos nos conduzir com sabedoria para com aqueles que ainda não chegaram à fé em Jesus Cristo. 

Paulo escreveu que devemos ser sábios. Agora, para ser sábio devemos aplicar corretamente a sabedoria. A Bíblia diz que a sabedoria vem pelo temor do Senhor (Provérbios 9:10), de acordo com a Palavra de Deus. Porque os que ouvem as palavras de Deus e as colocam em prática são como um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha. (Mateus 7:24) 

Assim, a Escritura nos diz para nos conduzir com sabedoria, a andar em sabedoria, para ser sábio na maneira como agimos quando estamos sendo vistos e ouvidos pelo incrédulo ou qualquer outra pessoa. 

A Bíblia nos ensina que: Devemos deixar a nossa ambição e esforcar-nos para ter uma vida tranqüila. Devemos cuidar dos nossos próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos…, a fim de que andem decentemente aos olhos dos que são de fora e não dependam de ninguém. (1 Tessalonicenses 4:11-12) 

Pessoas de fora estão constantemente examinando os cristãos, e precisamos ter certeza de que estamos vivendo nossas vidas de acordo com os padrões de Deus. É por isso que Paulo disse a Timóteo que para um homem tornar-se um ancião na igreja, ele deve ter uma boa reputação com os que estão fora da igreja … (1 Timóteo 3:7) 

Paulo está ensinando a todos nós sobre como ser sábio em nossa caminhada, sobre como demonstrar bom comportamento. Mesmo os cristãos adolescentes devem estar pensando nisto: “Da mesma maneira, encoraje os jovens a serem prudentes. Em tudo seja você mesmo um exemplo para eles, fazendo boas obras. Em seu ensino, mostre integridade e seriedade; use linguagem sadia, contra a qual nada se possa dizer, para que aqueles que se opõem a você fiquem envergonhados por não poderem falar mal de nós.” (Tito 2: 6-8) 

Pedro disse: Vivam entre os pagãos de maneira exemplar para que, mesmo que eles os acusem de praticarem o mal, observem as boas obras que vocês praticam e glorifiquem a Deus (1 Pedro 2:12). Para silenciar a ignorância dos homens insensatos, pela prática do bem (1 Pedro 2:15), e para manter uma boa consciência de forma que os que falam maldosamente contra o bom procedimento de vocês, porque estão em Cristo, fiquem envergonhados de suas calúnias. (1 Pedro 3:16) 

Necessitamos testemunhar pelo nosso comportamento e para Cristo quando estamos em volta de não-crentes. Devemos nos focar no fato de que cada momento é uma oportunidade de testemunhar sobre o nosso Salvador para um mundo perdido. Portanto, “tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, 16 aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus.” (Efésios 5:15-16) 

Jesus disse: “… resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” (Mateus 5:16)  

Um crente nascido de novo, deve ser bondoso, gentil, honesto, carinhoso, amoroso e verdadeiro. E a medida que fazemos isso, nos tornamos em uma luz que brilha neste mundo de trevas em que vivemos hoje. 

Mesmo que às vezes encontraremos resistência e hostilidade, “o servo do Senhor não convém brigar mas, sim, ser amável para com todos, apto para ensinar, paciente. 25 Deve corrigir com mansidão os que se lhe opõem, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento, levando-os ao conhecimento da verdade, 26 para que assim voltem à sobriedade e escapem da armadilha do Diabo, que os aprisionou para fazerem a sua vontade.” (2 Timóteo 2: 24-26) 

No entanto; Deus também nos ordenou para expor e repreender fortemente rebeldes, divisionistas e pessoas más. 

“Pois há muitos insubordinados, que não passam de faladores e enganadores, especialmente os do grupo da circuncisão. 11 É necessário que eles sejam silenciados, pois estão arruinando famílias inteiras, ensinando coisas que não devem, e tudo por ganância. 12 Um dos seus próprios profetas chegou a dizer: “Cretenses, sempre mentirosos, feras malignas, glutões preguiçosos”. 13 Tal testemunho é verdadeiro. Portanto, repreenda-os severamente, para que sejam sadios na fé 14 e não dêem atenção a lendas judaicas nem a mandamentos de homens que rejeitam a verdade. 15 Para os puros, todas as coisas são puras; mas para os impuros e descrentes, nada é puro. De fato, tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas. 16 Eles afirmam que conhecem a Deus, mas por seus atos o negam; são detestáveis, desobedientes e desqualificados para qualquer boa obra.” (Tito 1:10-16) 

Além de sabedoria, nossa conversa precisa ser sempre cheia de graça, temperada com sal, para que possamos saber como responder a todos. Portanto, “não deixe que nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem.” (Efésios 4:29) 

Quando andamos em sabedoria e graça, mediante a orientação do Espírito Santo, este abre portas para que possamos testemunhar aos perdidos.

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 227 outros seguidores