Publicado por: mvmportugues | abril 20, 2017

QUE AS SUAS CONVERSAS SEJAM SEMPRE ADRADÁVEIS – Colossenses 4:6

A fidelidade em nosso comportamento cristão deve ser seguida por consistência no nosso discurso. Paulo não está apenas falando aqui de pregar o evangelho, mas a nossa conversa em geral. O discurso dos crentes deve sempre estar cheios de graça, como foram as palavras de Cristo (Lucas 4:22). 

Seja sofrendo perseguição, estresse, dificuldade ou injustiça, seja com seu cônjuge, filhos, crentes ou incrédulos – em todas as circunstâncias os crentes devem fazer tudo possível para que o seu falar seja sempre agradável.

Conversa agradável, significa dizer o que é espiritual, saudável, apropriado, amável, sensível, gentil, verdadeiro e amoroso. Paulo escreveu em Efésios 4:29, que: “Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem.” Assim que o discurso dos crentes deveria atuar como uma influência purificadora. 

Os crentes também devem saber como responder a cada pessoa. Eles devem saber como dizer a coisa certa no momento certo. Pedro disse que devemos estar “prontos a fazer uma defesa para todo aquele que pede que você dê conta da esperança que está em você, mas com mansidão e reverência” (1 Pedro 3:15). 

O discurso e as ações do novo, nascido de novo homem ou mulher é de vital importância, porque, ao contrário dos ímpios, que dizem: “Somos donos dos nossos lábios; Quem é senhor sobre nós?” (Salmo 12:4), nós, como crentes devem ecoar a oração do salmista do Salmo 141:3, “Ponha uma guarda, ó Senhor, sobre a minha boca; vigia a porta dos meus lábios.” 

Nosso discurso dever ser agradável – e deve ser uma bênção para os outros, com a finalidade de trazê-los a Cristo, porque, a graça de Deus nos mudou. 

No entanto, precisamos entender que nosso discurso não é sempre agradável. Mesmo depois que nos tornamos cristãos, podemos cometer erros na maneira que usamos a nossa língua. Em Tiago 3:9-12, Tiago indicou como alguns cristãos usaram seu discurso para amaldiçoar os outros. Ele escreveu: “Com a língua bendizemos o Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. 10 Da mesma boca procedem bênção e maldição. Meus irmãos, não pode ser assim! 11 Acaso podem sair água doce e água amarga da mesma fonte? 12 Meus irmãos, pode uma figueira produzir azeitonas ou uma videira, figos? Da mesma forma, uma fonte de água salgada não pode produzir água doce.” 

Mesmo que o nosso discurso deve ser cheio da graça, devemos estar cientes porque às vezes, o mal tentará nos esmagar. Em Atos 4, o Sinédrio disse a Pedro e a João que não falassem ou ensinassem em nome de Jesus. Mas eles responderam: “Julguem os senhores mesmos se é justo aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus. 20 Pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos.” (Atos 4:19-20) 

Eles defenderam a verdade e isto é que nós também devemos fazer. Suas palavras ao Sinédrio, ainda que conflituosas, apelavam para os líderes judeus entenderem uma grande verdade que o Antigo Testamento ensinava claramente – que as pessoas deviam obedecer a Deus e não aos homens. Foi confrontacional, mas os dirigiu a uma de suas crenças mais profundamente mantidas. 

Assim que; como Jesus, os apóstolos e todas as pessoas honestas devemos ter a coragem de expor e repreender os hipócritas que estão vivendo vidas pecaminosas e abusivas e destruindo a verdade. “Pois há muitos insubordinados, que não passam de faladores e enganadores, especialmente os do grupo da circuncisão. 11 É necessário que eles sejam silenciados, pois estão arruinando famílias inteiras, ensinando coisas que não devem, e tudo por ganância……  13 Tal testemunho é verdadeiro. Portanto, repreenda-os severamente, para que sejam sadios na fé.” (Tito 1:10-11, 13) 

Sim, devemos ser bondosos, mas precisamos resistir ao mal e falar a verdade de Deus em amor. Nossa intenção é ser uma bênção para aqueles com quem entramos em contato; enquanto o nosso discurso e as ações revelam a nossa benevolência. 

O nosso grande objetivo é ganhar outros para Jesus e para apontá-los à Ele, porque as pessoas precisam de Jesus. Eles não percebem a profundidade de seu pecado e como seu pecado os coloca em perigo do inferno. Eles pensam que eles são bons em si mesmos , e acham que são bons o suficiente. Eles pensam que são dignos do céu. Eles pensam que podem ganhar o seu caminho para o céu; mas eles não podem. Precisamos dizer-lhes sobre Jesus, como Ele veio e morreu em nosso lugar; e que, se crerem Nele, terão a vida eterna. 

Que privilégio Deus nos deu como cristãos para ser uma bênção para os outros, por meio de nossa maneira de falar e atuar. Que poderosa ferramenta nosso discurso é, portanto vamos usá-lo para a glória de Deus.

Publicado por: mvmportugues | abril 13, 2017

A PORTA ESTREITA E A PORTA LARGA – Mateus 7: 13-14

Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. 14 Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram. (Mateus 7:13-14) 

Aqui o Senhor está nos ensinando que há dois caminhos e dois destinos. Um é o céu, e o outro é o inferno. 

No Antigo Testamento, vemos Moisés dizendo ao povo: “Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam” (Deuteronômio 30:19). E Deus disse a Jeremias: “A este povo dirás: Escutem! Eu, o Senhor, deixo que vocês escolham entre o caminho da vida e o caminho da morte.” (Jeremias 21:8) 

Josué, que sucedeu a Moisés, disse: “Escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor” (Josué 24:15). 

Elias, disse ao povo no Monte Carmelo: “Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas, se Baal é Deus, sigam-no,” (1 Reis 18:21). 

Como vemos, a decisão espiritual mais importante que alguém fará na vida, é a decisão sobre o seu destino eterno, que supera os triviais que a maioria das pessoas se concentram em uma base do dia-a-dia. Como a palavra de Deus nos diz, vamos viver para sempre e temos duas opções, o inferno e a punição eterna, ou o céu e alegria eterna. 

Jesus está nos ensinando que há uma escolha muito séria que precisamos fazer, uma escolha que se tornará em uma finalidade eterna. Enquanto lemos as palavras e o ensino do nosso Criador, ainda temos uma chance, mas um dia será tarde demais; portanto, Seu sermão leva a uma escolha que precisamos fazer enquanto ainda há tempo. 

Só há uma possibilidade para o seu destino e há apenas duas opções, não muitas, apenas duas. Há um caminho estreito com uma porta estreita. E há um caminho largo com uma porta larga. Jesus está falando de dois destinos – a vida ou a destruição; e de dois grupos de pessoas, os muitos e os poucos. 

O versículo 13 começa com um comando, “Entrem pela porta estreita”. O evangelho em si é um mandamento, arrepende-se e crê no Senhor Jesus Cristo. O evangelho sempre vem como um comando para obedecer. Não basta estudar sobre a porta estreita e admirar o que Jesus disse, porque o inferno vai estar literalmente cheio de pessoas que admiravam Jesus e Seu ensinamento, mas não o seguiram. 

Você deve ir além de estar fascinado com a obra de Jesus Cristo e de admirá-Lo, você deve entrar pela porta estreita da salvação através da fé Nele. 

Jesus diz: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim” (João 14:6). E em João 10:1 Jesus se refere à porta: “Eu sou a Porta, se alguém tentar vir de qualquer outra maneira, ele é ladrão e assaltante”. 

Em Atos 4:12 lemos: “Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos”. Há somente uma maneira de ser salvo, há apenas uma Pessoa que é o Salvador, por isso, a fé Nele e a obediência é necessária para a salvação. 

Somente Cristo é a porta. Sem Ele não há salvação nem céu. Não há outro caminho; todas as outras formas, embora promovidas por falsos mestres como o céu, acabam no inferno. Qualquer desvio da pessoa de Jesus Cristo, da obra de Jesus Cristo, ou do evangelho de Jesus Cristo pela fé e pela graça te levará ao inferno. Você deve fazer um compromisso de vir a Cristo porque Ele é o único caminho. 

Quando continuamos lendo o capítulo 7 de Mateus, vemos Jesus fazendo a comparação dos discípulos verdadeiros e falsos. Os falsos são aqueles que estão no caminho mais amplo, e que foram desviados por falsos profetas, doutrinas e crenças. Eles dirão a Jesus um dia: “Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’ 23 Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam a iniquidade!” (vs. 22-23). 

Como somos advertidos, quando estes, que são enganados, chegam ao final do caminho, a notícia não é boa como Salmos 1:6 diz: “O caminho dos ímpios perecerá”. 

Portanto, “Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? A não ser que tenham sido reprovados!” (2 Coríntios 13:5) 

Lembrem-se: “É terrível cair nas mãos do Deus vivo” (Hebreus 10:31); a menos que você tenha decidido de passar a eternidade no inferno e à parte Dele.

 

 

Publicado por: mvmportugues | abril 6, 2017

COISAS QUE DEUS DETESTA – Provérbios 6:16-19

Há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta: 17 olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, 18 coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, 19 a testemunha falsa que espalha mentiras e aquele que provoca discórdia entre irmãos. (Provérbios 6:16-19) 

OLHOS ALTIVOS 

A palavra altiva é definida pelo dicionário como ‘orgulhoso’. A palavra é sempre usada na Bíblia no sentido maligno de ‘arrogante, condescendente e colocando-se acima de outros’; e é definido em contraste com ser humilde. 

Olhos altivos são descritos em Provérbios 21:4 como pecado, juntamente com um coração orgulhoso. Ter olhos altivos é ter um comportamento arrogante; é uma atitude geral do coração que faz com que alguém ridicularize ou ‘olhe com desprezo’ sobre outros. A pessoa altiva, assim como Satanás, se coloca acima de outros e, finalmente, acima de Deus. 

Quando somos altivos ou arrogantes, nos tornamos o centro de atenção e tudo gira em torno de nós. Há pouca, se alguma, preocupação com o que os outros pensam e não há consideração por Deus. No orgulho e na soberba, é onde todo pecado começa. 

Quando Jesus, que é co-igual a Deus Pai, e ao Espírito Santo desde a eternidade do passado, encontrou pessoas cuja vida estava em uma confusão absoluta, Ele não olhou para eles com desaprovação. Mas disse: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. 29 Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas(Mateus 11:28-29). 

 E em Isaías 66:2 encontramos estas palavras do Senhor: “Não foram as minhas mãos que fizeram todas essas coisas, e por isso vieram a existir?”, pergunta o Senhor. “A este eu estimo: ao humilde e contrito de espírito, que treme diante da minha palavra.” 

Enquanto o orgulho sempre nos distancia de outros, a humildade aproxima as pessoas. Jesus veio em humildade porque Sua missão envolveu atrair as pessoas de volta à Deus. Porque Deus ama a humildade, Ele odeia olhos altivos. 

A LÍNGUA MENTIROSA 

Mentir envolve fazer declarações intencionalmente falsas. Isso revela falta de piedade, porque os justos odeiam o que é falso, mas os ímpios trazem vergonha e desgraça (Provérbios 13:5). 

A mentira é a marca de uma pessoa infiel, porque a testemunha sincera não engana, mas a falsa transborda em mentiras (Provérbios 14:5) 

Os mentirosos amam a conversa impura e o ímpio dá atenção aos lábios maus;o mentiroso dá ouvidos à língua destruidora. (Provérbios 17:4). Mentirosos tenham cuidado porque; sua parte estará no lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda morte (Apocalipse 21:8). 

Como seguidores de Jesus Cristo, somos chamados a despirar do velho homem com suas práticas, que inclui a mentira (Colossenses 3:9). 

MÃOS QUE DERRAMAM SANGUE INOCENTE 

A definição de derramamento de sangue inocente em referência a esta escritura é assassinar alguém que não tem culpa. Já que fomos criados à imagem de Deus, aqueles que derramaram sangue inocente desprezam não só a vida humana, mas também o próprio Deus, e o Senhor detesta os assassinos e os traiçoeiros (Salmo 5:6). 

O aborto é algo que prevalece no nosso mundo de hoje que se encaixa exatamente na descrição da escritura que fala sobre “a mão que derrama sangue inocente”. Os bebês são inocentes e não fizeram nada digno de morte, mas tantas pessoas sentem que têm o direito de matar uma criança por causa da inconveniência que podem causar. 

A Bíblia nos diz não matarás (Êxodo 20:13) 

O maior exemplo que vemos nas escrituras da perda da vida inocente é Jesus. Quando Ele foi morto, mesmo o homem que o condenou à morte sabia que Jesus não havia feito nada de errado para merecer morrer (Mateus 27:23-24). 

UM CORAÇÃO QUE TRAÇA PLANOS PERVERSOS 

A maldade é definida como algo ‘que é moralmente errado e com intenção deliberada de prejudicar as pessoas’. 

Isto abrange pensar ou tramar mal contra qualquer indivíduo para benefício pessoal ou outras intenções maléficas. Qualquer pecado é um plano perverso, mas o coração de um homem maléfico continuamente esquema para trazer outros à ruína, seja fisicamente ou espiritualmente. 

O coração trama planos maléficos, devido à astúcia e tentações do diabo. Aqueles “que no coração tramam planos perversos e estão sempre provocando guerra. Afiam a língua como a da serpente; veneno de víbora está em seus lábios.  Protege-me, Senhor, das mãos dos ímpios; protege-me dos violentos, que pretendem fazer-me tropeçar” (Salmo 140:2-4). 

Pois, do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, 22 as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. 23 Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem ‘impuro’, (Marcos 7: 21-23). 

“O coração é enganoso acima de todas as coisas, e desesperadamente perverso: quem pode conhecê-lo?” (Jeremias 17:9). Portanto, todas as intenções e reflexões do coração do homem são naturalmente malignas se ele não tem uma relação com seu Criador e Salvador – “Mas se andarmos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros , e o sangue de Jesus, seu Filho, purifica-nos de todo o pecado.” (1 João 1: 7) 

PÉS QUE SE APRESSAM PARA FAZER O MAL 

Aqueles, cujos pés se apressam rapidamente ao mal, não mostram nenhuma resistência ao pecado e perecerão. 

A Palavra nos diz: “Não participem das obras infrutíferas das trevas; antes, exponham-nas à luz.” (Efésios 5:11). 

Devemos viver pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne. (Gálatas 5:16). E não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção” (Efésios 4:30). 

Devemos “resistir ao diabo e ele fugirá de você” (Tiago 4:7). 

A TESTEMUNHA FALSA QUE ESPALHA MENTIRAS 

Já vimos que Deus odeia “a língua mentirosa”. Aqui temos um tipo mais específico de mentira. Deus odeia uma falsa testemunha – alguém que comete perjúrio, acusando uma pessoa inocente de algo que eles não fizeram. 

A proibição de dar testemunho falso é o nono dos Dez Mandamentos, e o Novo Testamento também o condena. Porque, a testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras perecerá. (Provérbios 19:9). 

Os cristãos são novas criações em Cristo (2 Coríntios 5:17), e, como tal, refletimos Sua natureza. Nós fomos liberados de nosso “velho homem” com suas práticas más, tais como mentir e dar testemunho falso. 

AQUELE QUE PROVOCA DISCÓRDIA ENTRE IRMÃOS 

Em muitas situações, conflitos entre irmãos e até mesmo dentro da igreja parece inevitável, mas qualquer um que intencionalmente provoca perturbação da paz no corpo de Cristo desagrada a Deus, já que isto dá razão para que outros pequem e para eles continuarem a pecar (1 João 2: 9-11; 4:19-21). 

As pessoas, que fofocam ou caluniam de outros, geralmente se sentem plenamente justificadas no que estão dizendo. Mas a questão de saber se uma pessoa se sente ou não justificada no que está dizendo não tem nada que ver com o assunto. Deus odeia quando alguém espalha contenda. Isso não significa que não devemos lidar com conflitos ou admoestar uns aos outros. Mas devemos fazê-lo de uma forma que minimiza a contenda. 

Jesus buscou intensamente a unidade entre Seus seguidores. Jesus orou pela unidade entre Seus seguidores (João 17). De fato, Jesus orou para que Seus discípulos tivessem o mesmo grau de unidade e sinceridade que Ele tinha com o Pai. 

Deve haver unidade acima de tudo na família porque: “O homem que se divorcia de sua mulher”, diz o Senhor, o Deus de Israel, “faz violência ao que ele deve proteger”, diz o Senhor dos Exércitos. Tende, pois, cuidado de vós mesmos e não sejais infiéis!(Malaquias 2:16) 

Para finalizar, Deus tem a cura para todos esses pecados se quisermos honrá-Lo. Aqui estão apenas alguns delas. 

“A tristeza segundo Deus não produz remorso, mas sim um arrependimento que leva à salvação, e a tristeza segundo o mundo produz morte.” (2 Coríntios 7:10) 

“Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e lhes darei um coração de carne. 27 Porei o meu Espírito em vocês e os levarei a agirem segundo os meus decretos e a obedecerem fielmente às minhas leis.” (Ezequiel 36:26-27) 

E finalmente: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, e nos perdoará os nossos pecados e nos purificará de toda injustiça” (1 João 1:9).

Publicado por: mvmportugues | março 30, 2017

CARACTERÍSTICAS DE UM FALSO CONVERSO – Atos 8:9-24

Primeiro, precisamos entender que a salvação não depende de uma oração, de um batismo ou do histórico religioso da nossa família. Os verdadeiros conversos se examinam como o apóstolo Paulo escreveu aos coríntios: “Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? A não ser que tenham sido reprovados!” (2 Coríntios 13:5). O Verdadeiro converso tem um grande desejo de estudar a Palavra e aprecia estar com outros crentes que têm um espírito semelhante, e onde Jesus é sempre o centro de atenção. 

Vemos no relato de Atos 8, que o Felipe mencionado foi um dos sete diáconos originais selecionados para servir na igreja de Jerusalém (Atos 6:5). Felipe tinha um coração para o evangelismo e, quando a “grande perseguição” surgiu em Atos 8:1, Filipe deixou Jerusalém para se tornar um evangelista em Samaria (Atos 8:5-12). E vemos que o Senhor o usou muito. 

Ora, em Samaria, encontrou um homem chamado Simão, que praticava a feitiçaria na cidade impressionando todo o povo de Samaria. Ele se vangloriava de ser alguém grande, e todo o povo lhe deu a sua atenção e exclamou: “Este homem é o poder divino conhecido como Grande Poder.” Eles o seguiam, pois ele os havia iludido com sua mágica durante muito tempo. 

Mas quando Filipe chegou, eles começaram a ouvi-lo enquanto proclamava as boas novas do Reino de Deus e do nome de Jesus Cristo; e crendo, eles foram batizados. 

Agora o próprio Simão também ‘creu’ e foi batizado. E ele seguiu Filipe por toda parte, maravilhado com os grandes sinais e milagres que eram realizados. 

Quando os apóstolos de Jerusalém ouviram que Samaria havia aceitado a palavra de Deus, enviaram Pedro e João a Samaria. Quando chegaram, oraram para que eles recebessem o Espírito Santo, pois o Espírito ainda não havia descido sobre nenhum deles; eles tinham apenas sido batizados em nome do Senhor Jesus. Então Pedro e João lhes impuseram as mãos, e eles receberam o Espírito Santo. 

Quando Simão viu que o Espírito foi dado pela imposição das mãos dos apóstolos, ofereceu a Pedro e a João dinheiro e disse: “Dêem-me também este poder, para que a pessoa sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo.” 

Pedro viu suas intenções e respondeu: “Pereça com você o seu dinheiro! Você pensa que pode comprar o dom de Deus com dinheiro? 21 Você não tem parte nem direito algum neste ministério, porque o seu coração não é reto diante de Deus. 22 Arrependa-se dessa maldade e ore ao Senhor. Talvez ele lhe perdoe tal pensamento do seu coração, 23 pois vejo que você está cheio de amargura e preso pelo pecado.” (Atos 8:20-23) 

Os falsos conversos não amam verdadeiramente a Deus e não se importam se Ele recebe a glória; em vez disso, eles estão somente buscando reconhecimento e atenção para si mesmos. Simão não se importava verdadeiramente com Jesus; ele simplesmente queria que Jesus lhe desse os desejos do seu coração carnal. Ele não entendeu a salvação, porque a verdadeira salvação requer uma mudança de coração. Os falsos conversos pensam que é através de suas ações que eles são salvos. Eles podem dizer que a salvação não vem através de obras, mas seus corações declaram algo completamente diferente. 

Simão queria dons espirituais para que ele pudesse ser o centro da atenção e se sentir orgulhoso. Cristo, por outro lado, ensina aos seus discípulos que “Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos.” (Marcos 9:35) 

Pedro expôs as intenções de Simão e ele estava preocupado com as conseqüências de suas ações, mas não porque ele decepcionou o Salvador, mas porque ele não queria o que Pedro disse que lhe ocorresse. Então ele respondeu. “Orem vocês ao Senhor por mim, para que não me aconteça nada do que vocês disseram.” (Atos 8:24) 

Ele não somente estava preocupado com as conseqüências, mas ele também mal interpretou como funciona o arrependimento; que é um constante desejo de ser puro diante de Deus. O arrependimento não precisa de outros para interceder por ele, mas, em vez disso, é o ato de uma pessoa que se humilha diante de seu Pai e pede perdão e deseja mudar. E isso não acontece apenas no momento da conversão; isto é contínuo todos os dias durante a vida do crente. 

O falso converso detesta a exposição e o confronto. Ele se defende ou, melhor ainda, ataca de volta, a fim de manter o confronto e a distância. Ele não acredita que poderia ter pecado de alguma forma. O falso converso é orgulhoso e nunca se responsabiliza pelos pecados que comete. Em outras palavras, ele é cego ao seus pecados. 

Simão teve todos os motivos errados para vir a Cristo, e, embora não fosse evidente no início, seu verdadeiro caráter foi descoberto no devido tempo. 

Os verdadeiros conversos confiam em Cristo e procuram tornar-se mais e mais como Ele todo tempo. Aqueles que afirmam ser cristãos devem demonstrar as características dos verdadeiros cristãos: a sã doutrina, a obediência à Palavra de Deus, e o amor. Eles devem trabalhar diligentemente para divulgar as boas novas do evangelho, como somos chamados a fazer (Mateus 28:19-20), sabendo bem que poderiam ser ridicularizados por muitos nesses tempos cada vez mais seculares. E embora os falsos cristãos às vezes possam nos enganar, certamente não podem enganar a Deus, pois nada em toda a criação está escondido de Sua vista. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem havemos de prestar contas (Hebreus 4:13). No final da era, Seus anjos separarão o verdadeiro dos falsos cristãos, assim como a parábola nos diz que Ele separa o trigo do joio. 

Assim sendo, o verdadeiro crente produz o fruto de um novo estilo de vida, um estilo de vida agradável aos olhos do Deus Todo-Poderoso. Se estamos enraizados e fundamentados em Cristo, isto deve ser evidente. Jesus disse: “Eu sou a videira, vós sois os ramos. Aquele que permanece em Mim e eu nele, este dá muito fruto.”  (João 15:5)

Publicado por: mvmportugues | março 23, 2017

O TRIGO E O JOIO – Mateus 13: 24-30

O reino do céu é como um homem que semeou boa semente na sua terra. 25 Mas naquela noite, enquanto todos estavam dormindo, o seu inimigo veio, semeou joio  no meio do trigo e foi-se embora. 26 Mais tarde, quando as plantas cresceram e se formaram as espigas, o joio também apareceu. 27 Então, os servos do homem aproximaram-se dele e perguntaram-lhe: “O senhor semeou boa semente em sua terra, não é verdade? Então de onde veio este joio?” 28 E o homem lhes respondeu: “Foi algum inimigo que fez isto”. Os servos, então, perguntaram: “O senhor quer que arranquemos o joio?” 29 E o homem respondeu: “Não, pois quando vocês forem arrancar o joio poderão arrancar também o trigo. 30 Deixem que ambos cresçam juntos. Quando chegar a época da colheita eu direi aos ceifeiros: ‘Apanhem primeiro o joio, amarrem-no em feixes e atirem-no ao fogo. Depois, arranquem o trigo e o levem para o celeiro’”. (Mateus 13:24-30)

Aqui Jesus está falando sobre um assunto familiar para Sua audiência. Na sociedade agrícola do tempo de Cristo, muitos agricultores dependiam da qualidade de suas colheitas. Depois de descobrir que seu campo tinha sido sabotado o proprietário nesta parábola sabiamente esperou até a colheita. Depois de colher todo o campo, o joio seria separado e queimado, enquanto que o trigo seria recolhido e salvo no celeiro.

Seus discípulos não puderam entender o significado da parábola, então eles perguntaram a Jesus e Ele lhes disse: Aquele que planta boa semente é o Filho do Homem. 38 O campo é o mundo. A boa semente são as pessoas que pertencem ao reino e o joio são as pessoas que pertencem ao Maligno. 39 O inimigo que semeia o joio é o próprio Diabo. A colheita é o fim dos tempos e os ceifeiros são os anjos. 40 Assim como o joio é arrancado e jogado ao fogo, assim também será no fim dos tempos. (Mateus 13:37-40)

A similaridade na aparência entre estas duas plantas é tão grande que em algumas regiões, o joio é referido como “trigo falso”. É uma relva, relacionada ao centeio, com sementes que produzem um veneno narcótico. 

O alto valor e as propriedades saudáveis do trigo são opostos às propriedades prejudiciais do joio, contudo na parábola de Cristo o proprietário do campo permite que ambos cresçam junto. Uma razão é porque o trigo e o joio são exatos em suas aparências durante o crescimento. Ambas as plantas são exuberantes e podem ser distinguidas apenas quando maduram e produzem frutos.

As bagas de trigo são grandes e douradas, enquanto as bagas de joio são pequenas e cinzentas. Assim, se o fazendeiro tentasse arrancar o joio antes da maturidade, faria dano ao trigo. 

O trigo espiritual e o joio crescem da mesma maneira dentro da igreja de Deus, idênticos na aparência, e tentar arrancar o joio também resultaria em arrancar parte do trigo. Assim como a diferença qualitativa entre o fruto maduro do trigo e joio é diferente, somente pelo fruto pode o verdadeiro crente ser conhecido (Mateus 7:15-20). Mesmo depois da maturidade, somente Deus, e ninguém mais, terá o joio removido e os destruirá no fogo (Mateus 13:30). 

A parábola de Cristo contém pelo menos duas advertências que são importantes para a forma como lidamos com o possível joio dentro da igreja de Deus. Primeiro, precisamos estar cientes de que o joio é um falso “cristão”. E em segundo lugar que eles são uma realidade. Os crentes falsos existem e estão em ação dentro da igreja de Deus; o próprio Cristo diz isso. O fato de que eles estão presentes exige que estejamos vigilantes, apegados à verdade da Palavra de Deus, para que não sejamos enganados. 

Além de falsos “crentes”, o joio, em muitos casos, são também falsos ministros e falsos líderes da igreja, ensinando falsas doutrinas de demônios. O joio na igreja espalha atitudes e idéias destrutivas que podem influenciar crentes verdadeiros mais fracos para a negatividade, a suspeita, o cinismo, o sarcasmo, e a dúvida. Cristo nos adverte de tal decepção em Mateus 24:24, “Porque falsos cristos e falsos profetas se levantarão e mostrarão grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, até os eleitos”.

A parábola de Cristo nos adverte não apenas para ter grande cuidado em evitar a falsa instrução e atitudes do joio, mas também para sermos conscientes de como tratamos o “trigo” jovem e imaturo que podemos confundir com o joio. Devemos ser lentos para julgar, lembrando que os membros da igreja estão em diferentes estágios de sua caminhada com Cristo. Embora possam ser puros de coração, até o trigo pode as vezes não agir corretamente. Da mesma forma, alguns dos citados “crentes” podem agir corretamente, podem parecer sempre estar fazendo as coisas certas, mas seus corações permanecem inconversos e corruptos, mas Deus sabe quem pertence a Ele e quem não (2 Timóteo 2:19), e Ele permite que ambos cresçam juntos.  

Além de fornecer a instrução em Sua parábola, Jesus Cristo fornece o exemplo perfeito de como tratar e interagir com um joio. Ele teve que lidar com um joio perto Dele durante todo o Seu ministério. João escreve: “Jesus respondeu: ‘Eu não escolhi vocês, os doze, e um de vocês é um demônio?’ Ele falou de Judas Iscariotes,  filho de Simão, porque era ele quem o trairia, sendo um dos doze. (João 6:70-71) 

Como Cristo lidou com Judas dá o exemplo de como devemos lidar com o joio reconhecido; devemos orar para que eles vejam a luz e tenham uma mudança de coração. Jesus conhecia Judas; Ele conhecia seu caráter e seu coração. No entanto, Judas foi dado deveres como foi dado para os outros discípulos. Judas aparentou ser tão religioso quanto os outros onze, mas Judas era apenas como eles em aparência, não em caráter. 

Jesus nunca revelou aos outros discípulos que Judas era um joio. Mesmo em João 6:70-71, especificamente identificando quem Ele quis expor, Cristo menciona apenas a presença de um joio, forçando os discípulos a olhar para dentro e avaliar seus próprios corações. É claro que os discípulos não estavam conscientes do caráter corrupto de Judas, mesmo depois de passar mais de três anos com ele. Na Páscoa final, os discípulos não tinham idéia de quem trairia o Mestre. Cada um deles começou a dizer a Cristo: “Senhor, sou eu?” (Mateus 26:22). Se Ele tivesse revelado a natureza de Judas para eles, ou os discípulos tivessem sido sábios suficiente para adivinhar, eles não teriam necessidade de fazer esta pergunta. 

Em vez de distinguir Judas e tratá-lo mal, Jesus mostrou-lhe amor e bondade, Seu próprio discípulo, que o trairia. Cristo mostrou ao inimigo cortesia, respeito e humildade e, até em posição de servidão, lavou os pés de Judas. Ele nunca revelou o joio entre eles, mas permitiu Judas expor seu próprio caráter através de suas ações finais.  

Apesar de que devemos por à prova e confrontar e expor os falsos mestres (1 João 1:4; 2 Coríntios 11:12-15), Deus, em Sua sabedoria infinitamente maior que a nossa, será O que separará o trigo do joio; pois somente o Segador pode fazer a colheita – Apocalipse 14:14-19. 

Como trigo, nossa responsabilidade é crescer em conhecimento bíblico, bondade, paciência e amor divino, produzindo frutos saudáveis e bons. Estudando as Escrituras e compartilhando Sua Palavra. Isso requer uma atitude de serviço meigo, humilde e piedoso. Mais importante ainda, temos a responsabilidade de tornarmos a imagem perfeita de nosso Salvador, Jesus Cristo, lembrando-nos de buscar a paz com todas as pessoas e a santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor. (Hebreus 12:14)

 

Publicado por: mvmportugues | março 16, 2017

HONRANDO A DEUS EM SEU RELACIONAMENTO – 2 Coríntios 6:14

“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?” (2 Coríntios 6:14) 

O que significa ter um jugo desigual e que tipo de diretriz devo ter? 

O conceito de “jugo” dá-lhe a chave. O jugo era uma peça feita em madeira e utilizada para prender os bois à carroça ou ao arado. 

Paulo está dizendo que os crentes não devem ser unidos com os incrédulos. E ele compara o crente e o incrédulo como uma parceria entre justiça e a injustiça? E continua dizendo que a luz e a escuridão não tem comunhão. Nos próximos versículos Paulo faz a pergunta: que acordo tem Cristo com Belial? Ou que parte tem um crente com um incrédulo? 16 E que acordo tem o templo de Deus com ídolos? Porque tu és o templo do Deus vivo. (2 Coríntios 6:15-16)

O ponto é que se você está no mesmo jugo, puxando o arado na mesma trincheira, ou seja, se você está trabalhando lado a lado no mesmo projeto e tendo parceria com um incrédulo…você tem um problema. 

Na situação de namoro, você pode perguntar qual caminho honra o Senhor. Pergunte-se objetivamente; há concordância na fé, na família e nos valores neste relacionamento? Onde há perguntas sinceras feitas os casais se conhecem melhor, questões de fé e família são discutidas e preparam o casal para um relacionamento que tem sucesso e agrada a Deus. 

Quem namora sabiamente aguarda o melhor de Deus e não é subitamente ferido por sentimentos superficiais, sabendo que se estiver “apaixonado” por alguém que não pratica a fé em Jesus Cristo, as probabilidades de uma relação de sucesso a longo prazo são extremamente baixas e provavelmente inexistentes.  

É suficiente difícil para trabalhar através de diferenças de personalidade, origens familiares diversas, sem acrescentar discordância na questão fundamental da fé em Deus e obediência a Ele. 

Você deve começar com a crença em Jesus Cristo e amor por Ele como seu ponto de partida para estar juntos em um relacionamento de namoro, e quando você consegue isso, você tem uma boa base para começar a construir. 

Os relacionamentos cristãos comprometidos não são perfeitos, mas perseveram porque têm um objetivo comum de honrar o Senhor Jesus Cristo.

Tenha cuidado para não deixar que o sentimento de ‘estar apaixonado’ obscureça a realidade de que a outra pessoa seja um cristão genuíno. 

As emoções podem acelerar a tomada de decisões más, se não forem moderadas pela sabedoria e responsabilidade. É por isso que jovens sábios envolvem a sabedoria e o conselho de seus pais e seguem as palavras de Deus. Escolher alguém para namorar não é como espontaneamente fazer compras do que está à venda; é um processo prudente e de muita oração. 

É muito melhor parar uma relação imprudente no seu inicio, do que mais tarde ter que desenredar uma complexa teia de emoções e possíveis indiscrições físicas. Seja sábio e namore em grupos; não fiquem sozinhos em situações comprometedoras. 

Por fim, o namoro sábio honra o Senhor por honrando seu corpo com pureza. O amor verdadeiro não se prova na intimidade sexual, porque “o amor é paciente” (1 Coríntios 13: 3). Quando você espera até o dia do seu casamento; estará honrando o seu matrimônio e o Senhor. 

Se você focalizar sua energia e emoção em crescimento espiritual, você não terá remorsos. O namoro sábio reconhece em oração um objetivo maior que é proposto em Cristo. 

A Bíblia também diz: “Não vos enganeis: “A má companhia corrompe o bom caráter” (1 Coríntios 15:33). Ter qualquer tipo de relacionamento íntimo com um incrédulo pode rapidamente se transformar em algo que é um obstáculo para sua caminhada com Cristo. 

Sim, somos chamados a evangelizar os perdidos, mas não ser íntimos com eles. Não há nada errado em ter uma boa amizade com incrédulos, mas isso é tudo que deveria ser. Se você estivesse namorando um incrédulo, qual seria honestamente sua prioridade, romance ou ganhar uma alma para Cristo? Se você fosse casada com um incrédulo, como vocês dois cultivariam uma intimidade espiritual em seu casamento? Como poderia um casamento de qualidade ser construído e mantido se vocês discordam sobre a questão mais crucial do universo; o Senhor Jesus Cristo? 

Tenha em mente que a decisão mais importante na vida é se vamos servir a Deus ou ao diabo. 

A segunda decisão mais importante na vida é quem devemos casar. Um bom casamento pode trazer felicidade, alegria, segurança, verdadeira amizade, companheirismo e honra a Deus. O parceiro de casamento incorreto pode literalmente destruir nossa vida e trazer nada além de miséria, pobreza, estresse, desonra e pode até destruir nossa saúde. 

O casamento é um contrato de aliança entre Deus, um marido e uma esposa. Deus odeia o divórcio, então não se case com alguém com quem você não planeja viver toda a sua vida, Malaquias 2:16.

As pessoas que têm a mente controlada pela natureza humana se tornam inimigas de Deus, pois não obedecem à lei de Deus e, de fato, não podem obedecer a ela. As pessoas que vivem de acordo com a sua natureza humana não podem agradar a Deus. Vocês, porém, não vivem como manda a natureza humana, mas como o Espírito de Deus quer, se é que o Espírito de Deus vive realmente em vocês. Quem não tem o Espírito de Cristo não pertence a ele. 10 Mas, se Cristo vive em vocês, então, embora o corpo de vocês vá morrer por causa do pecado, o Espírito de Deus é vida para vocês porque vocês foram aceitos por Deus. 11 Se em vocês vive o Espírito daquele que ressuscitou Jesus, então aquele que ressuscitou Jesus Cristo dará também vida ao corpo mortal de vocês, por meio do seu Espírito, que vive em vocês. (Romanos 8:7-11) 

Você se preocupa em saber se você realmente é ou não um cristão? Bem, um cristão é uma pessoa que tem o Espírito de Deus vivendo nela. Se você confiou sinceramente em Cristo para sua salvação e o reconheceu como seu Senhor e Salvador e agora está disposto a obedecer a Ele, então o Espírito Santo entrou em sua vida, e agora você é um Cristão nascido de novo. 

Como você sabe com certeza, vamos dar uma olhada: 

  • Quando o Espírito Santo está vivendo dentro de você, você vai acreditar que Jesus Cristo é o Filho de Deus e que a vida eterna só vem por meio Dele (1 João 5:5).
  • Você começará a agir como Cristo dirige: Porque as pessoas que vivem de acordo com a natureza humana têm a sua mente controlada por essa mesma natureza. Mas as que vivem de acordo com o Espírito de Deus têm a sua mente controlada pelo Espírito. (Romanos 8:5)
  • Você encontrará ajuda para seus problemas diários e em sua oração porque: O Espírito de Deus vem nos ajudar na nossa fraqueza. Pois não sabemos como devemos orar, mas o Espírito de Deus, com gemidos que não podem ser explicados por palavras, pede a Deus em nosso favor. 27 E Deus, que vê o que está dentro do coração, sabe qual é o pensamento do Espírito. Porque o Espírito pede em favor do povo de Deus e pede de acordo com a vontade de Deus. (Romanos 8:26-27)
  • Você será capacitado a servir a Deus e fazer Sua vontade porque Jesus disse que, quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra. (Atos 1:8)
  • E você se tornará parte do plano de Deus para edificar Sua igreja (Efésios 4:12-13).

Como vemos no nosso texto (vs. 7-9), Paulo divide as pessoas em duas categorias, aquelas que são dominadas por sua natureza pecaminosa e aquelas que são controladas pelo Espírito Santo. Todos estaríamos na primeira categoria se Jesus não nos tivesse oferecido uma saída. Uma vez que verdadeiramente nascemos de novo, o Espírito vive em nós pela fé e estamos certos de viver com Cristo para sempre. O Espírito Santo é a promessa de Deus e a garantia da vida eterna para aqueles que crêem, confiam e obedecem a Ele.

Os crentes verdadeiros têm um grande zelo para diariamente e conscientemente escolher centrar suas vidas em Deus. Eles usam a Bíblia para descobrir as orientações de Deus, e depois segui-las. Quando surgem situações perplexas, eles perguntam: “O que Jesus quer que eu faça?” E, quando o Espírito Santo aponta o que é certo, eles o fazem ansiosamente e com confiança sabendo que Ele os está guiando. 

A evidência inegável de um verdadeiro cristão é uma vida mudada. Precisamos lembrar que se não mudarmos a maneira como vivemos; nosso destino eterno também nunca mudará. 

Uma vida mudada começa com a obediência a Deus. Quando uma pessoa decide seguir a Deus, uma mudança acontece e há uma tremenda alegria (Gálatas 5:22). Devemos compreender que, embora as dores ocorram na vida de um crente, o Espírito Santo nos dará uma alegria e paz que não podem ser removidas. 

Deus ordenou ao Seu povo para ser santo e viver uma vida santa. Esforcem-se para viver em paz com todos e ter uma vida santa; pois sem a santidade ninguém verá o Senhor. (Hebreus 12:14) 

Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, 16 pois está escrito: “Sejam santos, porque eu sou santo.” (1 Pedro 1:15-16) 

Você está vivendo uma vida santa, ou você está ‘pretendendo’ como os fariseus hipócritas sobre os quais Jesus advertiu os seus discípulos? 

Nunca tome conselhos de quem não está vivendo uma vida humilde, santa, e honrando a Cristo; porque os hipócritas são muito sutis em ensinar-lhe “doutrinas de demônios”; e Deus nos alertou sobre essas pessoas em Sua Santa Palavra. 

O Senhor nos ama e disse aos israelitas por intermédio de Moisés: Vejam que hoje ponho diante de vocês vida e prosperidade, ou morte e destruição. 16 Pois hoje lhes ordeno que amem o Senhor, o seu Deus, andem nos seus caminhos e guardem os seus mandamentos, decretos e ordenanças; então vocês terão vida e aumentarão em número, e o Senhor, o seu Deus, os abençoará na terra em que vocês estão entrando para dela tomar posse. 

17 “Se, todavia, o seu coração se desviar e vocês não forem obedientes, e se deixarem levar, prostrando-se diante de outros deuses para adorá-los, 18 eu hoje lhes declaro que, sem dúvida, vocês serão destruídos. Vocês não viverão muito tempo na terra em que vão entrar e da qual vão tomar posse, depois de atravessarem o Jordão.” 

19 “Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam, 20 e para que vocês amem o Senhor, o seu Deus, ouçam a sua voz e se apeguem firmemente a ele. Pois o Senhor é a sua vida, e ele lhes dará muitos anos na terra que jurou dar aos seus antepassados, Abraão, Isaque e Jacó”. (Deuteronômio 30:15-20)

A escolha entre a vida e a morte também foi enfatizada durante o ministério de Jesus. Leia João 3:14-21, 33-36. 

O que espera aquele que rejeita Jesus? A separação eterna Dele. 

O que espera aquele que recebe Jesus? A vida eterna com Ele. 

O que você escolherá? 

Lembre-se, Deus quer abençoar nossas vidas além de nossa imaginação e Ele o fará se escolhermos obedecer a Ele.

deuteronomio-6-vs-5-7-p

“Ame o Senhor, teu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.” (Deuteronômio 6:5-7) 

Ame o Senhor, teu Deus, de todo o seu coração. Esse é o propósito da vida, e não pode haver maior. Tudo se concentra nisso. Essa é a grande lição que deve ser aprendida em cada lar, amar a Deus. 

O caminho para amar o Senhor com todo o nosso coração é guardar os Seus mandamentos, que significa obedecer a Sua palavra e fazer o que Ele diz (João 14:15). Devemos fazer tudo o que Ele nos diz através de Seu Espírito Santo. Há tantas bênçãos esperando por nós através da obediência e fazendo Sua vontade revelada. Confie que o Espírito Santo irá guiá-lo e orientá-lo em cada passo do caminho e ajudá-lo a realizar o propósito de Deus. Porque fazer a vontade de Deus e obedecer os Seus princípios significa amá-Lo com todo o nosso coração. 

Ame o Senhor, teu Deus, de toda a sua alma. A maneira de fazer isso é conscientemente renovar nossa mente com a palavra de Deus. Quando a negatividade, pensamentos ou ações pecaminosas entram em nós, fazemos a escolha de descartá-los rapidamente e renovar nossa mente, com as Escrituras. Qualquer que seja a nossa batalha, devemos encontrar uma Escritura em relação a esse problema e ir à guerra contra o inimigo. 

Amar a Deus com toda a sua alma também se relaciona com nossa atitude. Se tivermos uma atitude ruim, devemos imediatamente pedir ao Espírito Santo que nos ajude a mudar nossos pensamentos. Lembre-se, se continuarmos a refletir sobre nossos pensamentos, eventualmente eles se tornarão muito poderosos e se tornarão em uma ação real. Podemos encontrar-nos em uma explosão de raiva, discussão desnecessária, luta, ou fazer algo de que vamos mais tarde nos arrepender. Então a chave é reconhecer onde estamos e destruir os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo (2 Coríntios 10:5). Nós destruímos os argumentos e a pretensão de conselhos do mal com a Palavra de Deus e obedecendo ao Espírito Santo. 

O que é a alma? A Bíblia diz: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” (Gênesis 2:7). Como vemos neste versículo, a palavra “alma” significa “vida”. A alma é, em essência, o princípio da vida, o sentimento, o pensamento e ação nos seres humanos, considerado como uma entidade distinta separada do corpo, e comumente considerado como separável na existência do corpo; a parte espiritual dos humanos como distinta da parte física. 

A alma e o espírito estão conectados, mas separáveis (Hebreus 4:12). A alma é a essência do ser da humanidade; é quem somos. O espírito é o aspecto da humanidade que se conecta com Deus. 

Precisamos entender que a alma do homem, isto é, sua vida, nunca é dirigida a Deus até que o espírito se torne regenerado. O homem nunca pode amar a Deus ou às coisas de Deus até que ele nasça do alto. Ele pode ter uma consciência conturbada e se sentir muito mal, e ainda permanecer morto em delitos e pecados. Quando o Espírito de Deus ilumina o espírito de um homem com a luz e a vida divina, esse homem começa a ceder seus afetos e faculdades a Deus. 

O cristão que está desfrutando de comunhão ininterrupta com o Senhor, então, será capaz de dizer: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome” (Salmo 103:1). 

Ame o Senhor, teu Deus, de todas as suas forças. Amar a Deus com “todas as suas forças” fala da expressão final do nosso coração, alma e mente. É a expressão exterior do que está acontecendo dentro de nós para o mundo exterior através de nosso discurso e ações físicas. 

O Apóstolo Paulo nos diz para “fortalecer-se no Senhor e no Seu grande poder” (Efésios 6:10). Ele está nos dizendo que o poder ilimitado e a força de Cristo são a fonte de força para aqueles que pertencem a Ele. 

Como cristãos, devemos ser fortes no poderoso poder de Deus. Isso significa que nossa força não é nossa; não é humana ou carnal. Nossa força não é do mundo, mas nossa força é encontrada em Cristo – em ter um relacionamento vibrante e dinâmico com Ele. Como Paulo nos diz em Filipenses: “Eu posso fazer todas as coisas em Cristo que me fortalece” (Filipenses 4:13). Em outras palavras, não há outra fonte que dê ao homem a força para vencer o mundo com suas provações, suas tentações e a morte. É através da submissão à força de Deus que vencemos o poder de Satanás: “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês” (Tiago 4:7). 

Deus quer que o amemos com todas as nossas forças a cada momento de cada dia. Seu Grande Mandamento para nós é “amar”, que é uma demonstração de Seu próprio amor eminente por nós, a fim de que alinhando-nos com a força de Deus através da nossa submissão total a Ele que somos capazes de resistir o engano de Satanás.  

Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. À medida que crescemos no conhecimento e compreensão de quem é Deus, começamos a amar as características que o definem, tais como a sabedoria, a verdade, a retidão e a pureza (Salmos 11:7; 90:12; Hebreus 1:9; 1 Timóteo 6:11). Passar tempo com Deus faz com que nossos corações tenham desejo de santidade, e achamos satisfação somente em mais dele, porque Ele é a encarnação perfeita de tudo o que desejamos obedecer em Seus mandamentos. 

Ensine-as com persistência a seus filhos. Nossa primeira responsabilidade é manter Suas palavras em nosso coração, e pensar, meditar, e refletir sobre elas. Desde a infância devemos ensinar diligentemente aos nossos filhos. Diligentemente significa com perseverança. Ninguém mais pode fazer isso por nós. O Pastor e os professores da escola dominical podem ajudar, mas a maior responsabilidade é a dos pais, de amar o Senhor com todo seu coração e compartilhar esse amor com seus filhos. 

Nossos filhos estão sempre nos observando e modelando nossas atitudes e comportamentos. Eles estão repetindo nossas atitudes sobre Cristo e Sua igreja. Não podemos educar crianças para amar o Senhor de todo o coração, se não o amamos primeiro. 

O crescimento espiritual tem que acontecer em nossas próprias vidas. Você tem um relacionamento amoroso íntimo com Jesus Cristo? Ele é a prioridade de sua vida? Jesus disse: “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.” (Mateus 6:33) 

Famílias cristãs fortes acreditam, valorizam a Palavra de Deus e a modelam em suas vidas pessoais porque O amam. Moisés admoestou os filhos de Israel a se tornarem modelos deste amor em suas casas. Se você O ama, você O obedecerá e ensinará seus filhos sobre o nosso maravilhoso Deus e Criador. Mas lembre-se que não podemos dar aos nossos filhos o que não possuímos. Portanto, devemos levar este mandamento de Deus muito a sério em nossa própria vida. 

Converse sobre elas quando estiver sentado em casa: A Palavra de Deus deve ser uma parte integrante da nossa vida doméstica. Como podemos fazer isso? Falar sobre assuntos espirituais deve fazer parte da comunicação que ocorre dentro da casa. A oração pode tornar-se um componente da vida diária da família. Quando a família se senta em torno da casa para discutir os assuntos do dia, não há nenhuma razão porque questões espirituais não podem também ser abordadas de forma educacional. A casa pode ser um santuário de fé onde o louvor está continuamente nos lábios de todos os membros da família, começando com o exemplo dos pais. 

Converse sobre elas, quando estiver andando pelo caminho: Isso implica ensinar seus filhos quando você vai a lugares com eles. Talvez seja apenas para o supermercado. Ou talvez seja uma excursão familiar ou uma caminhada. Essas são ótimas oportunidades para falar sobre Deus e o modo como as outras pessoas agem e como os cristãos devem agir. É também uma grande oportunidade para apontar a beleza de Deus através da Sua criação. 

Converse sobre elas quando se deitar: Quando seus filhos estão se preparando para ir para a cama, você tem uma grande oportunidade para acalmá-los através da leitura da palavra de Deus. Você também pode conversar com eles sobre qualquer coisa que está acontecendo em suas vidas e orar com eles e assegurar-lhes que Deus está zelando por eles. 

E converse sobre elas quando se levantar: Isto apresenta outra oportunidade para ensinar nossos filhos. Ensine-os a começar bem o dia com o Senhor. Novamente, nosso exemplo ensina muito. Se as crianças estão sempre mal-humoradas na parte da manhã, seja um exemplo de como começar com um coração alegre. Lembre-os: Eu posso fazer tudo através daquele que me fortalece (Filipenses 4:13). 

CONCLUSÃO: 

Se quisermos criar filhos piedosos, devemos amar a Deus fervorosamente e devemos ensinar diligentemente nossos filhos. 

As crianças são um dom de Deus, e Ele as colocou sob nosso cuidado. Portanto, devemos sempre lembrar os nossos filhos quem Deus é, e não importa onde estamos ou o que estamos fazendo. Podemos conversar com as crianças sobre Deus durante os jogos de futebol, enquanto lavamos a roupa, quando os levamos para a escola, enquanto estão escovando os dentes, durante o jantar, no café da manhã ou em qualquer outro momento. Eles estão sob nosso cuidado, nossa proteção, e devemos ensiná-los como Deus nos ordenou. Devemos ensinar aos nossos filhos respeito e como adorar o único Deus Verdadeiro. 

O Senhor está conosco para nos guiar e nos ajudar através de Seu Espírito Santo a criar filhos piedosos; Portanto: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6)

Publicado por: mvmportugues | fevereiro 23, 2017

DEUS NOS MANDOU EXPOR FALSOS PROFETAS – Mateus 7:15

falsos-profetas-mateus-7-vs-15

Um dos versículos mais usados na Bíblia é: “Não julguem, para que vocês não sejam julgados” (Mateus 7:1). Todo versículo da Escritura deve ser lido em seu contexto, se quisermos entender corretamente seu verdadeiro significado. No versículo 2-5 deste mesmo capítulo é evidente que verso 1 se refere ao julgamento hipócrita. Um irmão que tem uma viga em seu próprio olho não deve estar julgando o irmão que pode ter um cisco em seu olho. A lição é simples; você não pode julgar outro por seu pecado, a menos que você tenha confessado e abandonado esse pecado. 

Aqueles que se apegam a “Não julguem, para que vocês não sejam julgados“, para condenar aqueles que expõem o erro, devem ler todo o capítulo: Jesus disse: “Tenham cuidado com os falsos profetas ! Eles se aproximam de vocês disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos selvagens. 16 Vocês os reconhecerão pelos frutos que eles produzirem” (Mateo 7:15-16). Como podemos conhecer falsos profetas a menos que os julguemos pela Palavra de Deus? O Senhor quis dizer que nós não devemos julgá-los por seu modo de vida e sua doutrina? Certamente não, porque você não pode saber sem julgar, ou seja, verificando-os pelo que a Bíblia ensina. 

Além disso, Jesus nos diz: “Pare de julgar por meras aparências, mas julgue corretamente” (João 7:24). Aqui, nosso Senhor ordena que julgemos com base na Palavra de Deus. Se o julgamento for feito por qualquer outra base, diferente da Palavra de Deus, é uma violação de Mateus 7:1. 

Aqueles que não estão dispostos ou são incapazes de discernir ou julgar entre o bem e o mal, estão desta maneira revelando ou a sua desobediência a Deus, ou a sua falta de conhecimento das Escrituras. A Bíblia nos diz que o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios. (1 Timóteo 4:1) 

Quando permitimos que falsos mestres espalhem livremente suas doutrinas venenosas, porque os cristãos não têm coragem de expô-los como Jesus e Paulo o fizeram; os lobos em vestuário de ovelhas estão então habilitados para devastar o rebanho, destruindo assim muitos e enviando-os para a condenação eterna. 

Jesus disse aos fariseus religiosos: “Raça de víboras, como podem vocês, que são maus, dizer coisas boas? Pois a boca fala do que está cheio o coração” (Mateus 12:34). Para muitos evangélicos e alguns fundamentalistas, hoje, isto seria uma linguagem inaceitável, e dizem que é dito sem amor e cruelmente, mas estas palavras vieram diretamente da boca do Filho de Deus. A coisa mais amorosa que podemos fazer é dizer às pessoas a verdade – e conhecerão a verdade, e a verdade os libertará (João 8:32). 

Nosso Senhor também os chamou de “hipócritas … guias cegos … sepulcros brancos … serpentes … e geração de víboras” (Mateus 23:23-34). No entanto, hoje nos dizem que devemos ter comunhão com homens cujas doutrinas são tão anti-escriturais quanto as dos fariseus. Alguns dizem que esses tipos de pessoas são cristãos crentes na Bíblia, e insistem em trabalhar com esses hereges. E, de acordo com muitos, não devemos repreendê-los por comprometer a palavra de Deus. Lembrem-se de que os fariseus acreditavam em Deus e eram supostamente o grupo mais religioso de todos, e Jesus os repreendeu severamente. 

Hoje em dia, esses falsos mestres entraram nas igrejas com seus livros, música, literatura, filmes, psicologia e seus discursos, e transformaram a casa do Pai em um covil de ladrões. É tempo de que os homens de Deus se levantem e exponham seus erros para que todos os vejam. Jesus agiu e tratou deles quando Ele limpou o templo. Jesus lhes disse: “A minha casa será chamada casa de oração para todas as nações? Mas vocês a transformaram em um ‘covil de ladrões.'” (Marcos 11:17) 

A Bíblia nos diz que devemos poner-los à prova. “Meus queridos amigos, não acreditem em todos os que dizem que têm o Espírito de Deus. Ponham à prova essas pessoas para saber se o espírito que elas têm vem mesmo de Deus; pois muitos falsos profetas já se espalharam por toda parte.” (1 João 4:1). Todo aquele que se chama de cristão precisa ser provado pela Palavra de Deus. 

Devemos afastarmos deles e evitá-los. “Recomendo-lhes, irmãos, que tomem cuidado com aqueles que causam divisões e colocam obstáculos ao ensino que vocês têm recebido. Afastem-se deles” (Romanos 16:17). Aqueles, cuja conduta e ensino contradizem a Palavra de Deus devemos tomar muito cuidado e evitar. 

Não devemos ter nada a ver com eles. “Não participem das obras infrutíferas das trevas; antes, exponham-nas à luz” (Efésios 5:11). Somos ordenados a não ter nada a ver com esses falsos mestres, profetas, apóstolos, etc., mas devemos expô-los. Não devemos ficar calados, mas devemos seguir a advertência de Paulo a Tito, devemos reter firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes (Tito 1:9). Como podemos obedecer às Escrituras a menos que exponhamos falsos mestres pela Palavra de Deus? 

Não devemos recebê-los em nossa casa. “Se alguém chegar a vocês e não trouxer esse ensino, não o recebam em sua casa nem o saúdem. 11Pois quem o saúda torna-se participante das suas obras malignas” (2 João 1:10-11). João está falando sobre aqueles que correm à frente e não continuam no ensino de Cristo. Precisamos lembrar que as falsas doutrinas não são apenas trazidas a nós por falsos ministros, mas também por aqueles que vêm batendo às nossas portas ensinando um falso evangelho, via rádio, TV, música e literatura. Pessoas que estão desinformadas deixam esses falsos professores entrar em sua casa sem reconhecer o perigo que está por vir. 

Devemos ser cautelosos daqueles que pregam outro evangelho. Paulo advertiu sobre aqueles que pregaram “outro Jesus … outro espírito … ou outro evangelho” (2 Coríntios 11:4). Como podemos conhecê-los se não julgarmos seu Jesus, seu espírito e seu evangelho pela Palavra de Deus? Paulo chamou tais pregadores de ” falsos apóstolos obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo” (2 Coríntios 11:13). Ele explica nos vs. 14-15 que esses pregadores são os ministros de Satanás e que seu fim será conforme as suas obras. 

Devemos nos separar deles. “Portanto, “saiam do meio deles e separem-se”, diz o Senhor. “Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei” (2 Coríntios 6:17). Isso se torna bem claro, pois o povo de Deus deve sair da apostasia e do erro religioso. 

Muitos erroneamente acreditam que é errado expor o erro e nomear os professores culpados; mas como vimos até agora, a Bíblia nos ensina o contrário. 

Paulo nomeou Pedro publicamente. Pedro foi culpado de prática não-bíblica, e como resultado, “os demais judeus também se uniram a ele nessa hipocrisia, de modo que até Barnabé se deixou levar” (Gálatas 2:13). Quando a integridade e a pureza do evangelho estão em jogo, então nós, como verdadeiros cristãos, não temos outra escolha senão expor o erro e nomear os culpados. 

Paulo nomeou Demas por amar o mundo. “Pois Demas, amando este mundo, abandonou-me e foi para Tessalônica” (2 Timóteo 4:10). Aqueles que abandonam a causa de Cristo para a vida e os prazeres mundanos devem ser nomeados e expostos. 

Paulo nomeou Himeneu e Fileto. Ele disse a Timóteo, “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade. 16 Evite as conversas inúteis e profanas, pois os que se dão a isso prosseguem cada vez mais para a impiedade. 17 O ensino deles alastra-se como câncer; entre eles estão Himeneu e Fileto. 18 Estes se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição já aconteceu, e assim a alguns pervertem a fé” (2 Timóteo 2:15-18). A falsa doutrina derruba a fé de alguns, por isso os que a proclamam devem ser expostos, se não a mentira se espalha como gangrena. 

Como lemos no Velho Testamento, Natã também identificou e expôs o rei. Havia um homem em um lugar muito alto que era um adúltero secreto. Certamente este homem que ocupava o cargo mais alto na terra não podia ser repreendido por um profeta humilde e impopular. No entanto, Natã entrou na presença de Davi, revelou o pecado em forma de parábola, e então disse ao enfurecido Davi: “Você é esse homem!” (2 Samuel 12:7) 

Há muitos outros exemplos na Bíblia sobre a exposição de falsos profetas, numerosos demais para conter nesta escrita curta. 

O ponto bíblico é que, da mesma forma, precisamos estar prontos e dispostos a nomear aqueles indivíduos, igrejas, escolas e outras organizações que estão negando a autoridade inerrante da Bíblia, comprometendo a doutrina da criação de Deus, exigindo obras humanistas para a salvação ou trazendo outras doutrinas heréticas. 

Nós obviamente precisamos ter certeza de nossos fatos quando fazemos isso e também trazer essas acusações somente se motivadas por uma preocupação genuína para aqueles que podem ser desviados se não falarmos. Devemos ter cuidado com os “falsos mestres … que secretamente trazerem heresias destrutivas.” (2 Pedro 2:1) 

Mensageiros fiéis advertirão as ovelhas desses hereges e os identificarão por nome. Não é suficiente para dar dicas da sua identidade, pois os cordeiros jovens não entenderão e serão destruídos por esses lobos se não tivermos coragem de expô-los. 

Discipline-se no estudo da palavra de Deus para que você possa se proteger contra falsos profetas. Seja como os da cidade de Bereia, eles examinavam as Escrituras todos os dias para ver se o que o apostolo Paulo dizia era realmente verdadeiro. (Atos 17:11)

 

galatas-1-vs-6-9-p

A Bíblia nos adverte freqüentemente sobre os perigos de pregar ou ensinar um evangelho diferente do evangelho bíblico dado por Jesus Cristo e Seus discípulos. Todos os avisos bíblicos são muito fortes. 

Assim, qualquer pessoa que afirma ser um pregador, um professor ou um ministro do evangelho, deve ser muito cuidadoso porque eles devem pregar apenas a verdade da Palavra de Deus. Não deve haver adições ou subtrações dela. Este é um aviso bíblico, que deve ser dirigido à muitas igrejas neste 21° século: “Declaro a todos os que ouvem as palavras da profecia deste livro: Se alguém lhe acrescentar algo, Deus lhe acrescentará as pragas descritas neste livro. 19 Se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele a sua parte na árvore da vida e na cidade santa, que são descritas neste livro.” (Apocalipse 22:18-19) 

Infelizmente adições e subtrações estão acontecendo em um ritmo alarmante hoje em dia. Paulo nos advertiu que: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios” (1 Timóteo 4:1). Há novas “igrejas” e cultos surgindo e florescendo em todo o mundo. Há pregadores em grandes e pequenas igrejas pregando um evangelho que não tem qualquer semelhança com os ensinamentos de Cristo e as palavras do Novo Testamento. Esteja ciente de que este é outro evangelho, e nas palavras de Paulo esses falsos mestres, pregadores, padres ou o que quer que eles chamem a si mesmos estão sob a maldição de Deus. 

Precisamos estar cientes da decepção séria de Satanás, já que ele é o pai da mentira e o maior falsificador que já existiu. Seus servos têm proclamado um falso evangelho por muito tempo, como vemos na escrita de Paulo aos Gálatas. Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós ou um anjo dos céus pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado! (Gálatas 1:6-9) 

Em contradição com o Evangelho de Cristo, o evangelho de Satanás ensina a salvação pelas obras. Inculca a justificação diante de Deus com base nos méritos humanos. Sua frase sacramental é “seja bom e faça o bem”; mas não consegue reconhecer que na carne não habita coisa boa. Cuidar do homem velho é considerado mais ‘prático’ do que a criação de um novo homem em Cristo Jesus. 

Os obreiros de Satanás são pessoas muito malignas como traficantes de drogas, pedófilos, assassinos; mas também podem ser líderes religiosos ordenados ou auto-nomeados. Milhares daqueles que ocupam nossos púlpitos modernos já não estão ensinando os fundamentos da fé cristã, mas se desviaram da Verdade e prestam atenção a fábulas e “doutrinas de demônios” (2 Timóteo 4:4). 

Em vez de magnificar a enormidade do pecado e suas conseqüências eternas, o minimizam declarando que o pecado é meramente a ignorância ou a ausência do bem. Em vez de alertar seus ouvintes para “fugirem da ira vindoura”, eles fazem de Deus um mentiroso, declarando que Ele é amoroso e misericordioso demais para enviar qualquer de Suas criaturas ao tormento eterno. Em vez de declarar que “sem derramamento de sangue não há remissão”, (Hebreus 9:22), eles simplesmente predicam Cristo como o grande profeta e exortam seus ouvintes a “seguir os Seus passos”. 

Destes, a Bíblia declara: “Porquanto, ignorando a justiça que vem de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se submeteram à justiça de Deus” (Romanos 10:3). Sua mensagem pode parecer muito plausível e seu objetivo parece muito digno de louvor, mas lemos deles: “Pois tais homens são falsos apóstolos, obreiros enganosos, fingindo-se apóstolos de Cristo. 14 Isto não é de admirar, pois o próprio Satanás se disfarça de anjo de luz. 15 Portanto, não é surpresa que os seus servos finjam que são servos da justiça. O fim deles será o que as suas ações merecem.” (2 Coríntios 11:13-15) 

Além do fato de que hoje centenas de igrejas estão sem um líder que fielmente declara todo o conselho de Deus e apresenta Seu caminho de salvação, também temos que enfrentar o fato adicional de que a maioria das pessoas nestas igrejas provavelmente nunca vão aprender a Verdade por si mesmos. 

Atualmente o tempo de partilha da família, onde a Bíblia deve ser lida diariamente e compartilhada, mesmo nas casas dos cristãos nominais, basicamente é coisa do passado. A Bíblia não é exposta no púlpito e não é lida em casa. As exigências desta geração tecnológica são tão numerosas que as multidões têm pouco tempo e ainda menos inclinação para dedicar tempo e passar-lo com o nosso Criador, Senhor e Salvador. Por isso, a maioria, que é preguiçosa demais para examinar as Escrituras por si mesma, ficam à mercê do diabo. 

Em Provérbios 14:12 lemos: “Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte.” Este “caminho” que termina em “morte” é a ilusão do Diabo que estamos ouvindo pregada nas igrejas de hoje; o evangelho de Satanás – um caminho de salvação pela realização humana. É um caminho que “parece certo”, ou seja, é apresentado em linguagem tão credível que apela ao homem natural. Ele é apresentado de uma maneira tão sutil e atraente, que engana aqueles que são demasiado absorvido em si mesmos para questionar seu pastor ou professor ou de pesquisar as Escrituras por si mesmo. Essas pessoas são diferentes dos da cidade de Berea, que examinavam as Escrituras todos os dias para ver se o que o Apóstolo Paulo disse era verdade, Atos 17:11. 

Há um dito que o caminho para o inferno é pavimentado com boas intenções. Haverá muitos no Lago de Fogo que começaram com boas intenções; homens que se orgulhavam de sua integridade, mas que procuravam justificar-se diante de Deus por sua auto-justiça e obras. 

A ilusão do Diabo é que podemos ser salvos por nossas próprias obras, e justificados diante de Deus por nossas próprias ações; enquanto que Deus nos diz em Sua Palavra – “Pela graça sois salvos pela fé … não por obras, para que ninguém se glorie,” (Efésios 2:8-9). E uma vez mais: “Não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, Ele nos salvou…,” (Tito 3:5). 

Onde você se encontra? Você está no caminho que “parece certo”, mas que termina na morte; ou, você está no caminho estreito que leva à vida? (Mateus 7:14). Você realmente abandonou o largo caminho que leva à morte? O amor de Cristo já criou em seu coração um desgosto de tudo o que Lhe desagrada? 

Uma forma ainda mais falsa do evangelho de Satanás é quando os pregadores apresentam o sacrifício expiatório de Cristo e depois dizem a seus ouvintes que tudo o que Deus requer deles é ‘crer’ em Seu Filho. Sim, a Bíblia nos diz isso em Atos 16:31, mas há muito mais coisas que a Palavra nos diz que é necessário que somente crer. Por isso, milhares de almas não arrependidas são iludidas em pensar que foram salvas. Mas Cristo disse: “Mas se não se arrependerem, todos vocês também perecerão” (Lucas 13:3). “Arrepender-se” é odiar o pecado, lamentar o que você fez e abandonar o pecado. É o resultado do Espírito fazer o coração se arrepender diante de Deus. 

Outro ponto; milhares são enganados em supor que eles “aceitaram Cristo” como seu “Salvador pessoal”, mas que nunca O receberam como Senhor de sua vida. Para ser salvo dos pecados, é ser salvo de ignorar e desprezar a autoridade de Deus, é abandonar o curso da auto-vontade e auto-satisfação, é “mudar a sua maneira de viver” (Isaías 55:7). É entregar-se à autoridade de Deus. A pessoa que nunca tomou o “jugo” de Cristo sobre ele, que não procura verdadeiramente e diligentemente agradá-Lo em todos os detalhes de sua vida, e no entanto supõe que ele está “descansando na obra acabada de Cristo” é iludido pelo Diabo. 

A seguinte é uma escritura que fala do Evangelho de Cristo e da falsificação de Satanás. “Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’ 23 Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!” (Mateus 7:22-23) 

Sim, é possível trabalhar “em nome de Cristo”, e até mesmo “pregar em Seu nome”, e embora o mundo os conheça, e a Igreja os conhece, eles são desconhecidos ao Senhor! 

Então quão necessário é descobrir onde uma pessoa realmente se encontra. As pessoas precisam se examinar e ver se estão na fé; e medir-se pela Palavra de Deus e ver se eles estão sendo enganados por nosso inimigo sutil o diabo. As pessoas precisam descobrir se estão construindo uma casa sobre a areia, ou se a casa está sendo erguida na Rocha que é Cristo Jesus. 

Que o Espírito Santo busque cada coração, quebre a nossa vontade teimosa, mate a nossa inimizade contra Deus, trabalhe em nós um verdadeiro coração arrependido e dirija o nosso olhar para o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. 

Lembre-se destas palavras da Bíblia: 

Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.” (Mateus 7:21) 

“Sabemos que O conhecemos, se obedecemos aos seus mandamentos. Aquele que diz: “Eu o conheço”, mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele.” (1 João 2:3-4)

Older Posts »

Categorias