Publicado por: mvmportugues | setembro 14, 2017

ESTÁ DEUS TENTANDO OBTER SUA ATENÇÃO? – Hebreus 12:11

Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza. Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados. (Hebreus 12:11) 

A disciplina e o castigo de Deus é um tema que todos os cristãos devem aprender, porque, mais cedo ou mais, a maioria provavelmente descobrirá o que significa ser disciplinado pelo Senhor. 

De acordo com a Bíblia, o castigo do Senhor geralmente é considerado doloroso e desagradável (Hebreus 12:11), destinado a ser uma “repreensão” para mudar o comportamento de alguém. No Antigo Testamento, os sofrimentos dos filhos de Israel, incluindo a derrota por exércitos inimigos, foram muitas vezes referidos como castigo para o pecado e a rebelião (Deuteronômio 11:2). Mas o propósito de castigar não é destruir (Salmo 118: 18), mas trazer arrependimento (Jeremias 31:18-19) e restaurar a benção de Deus (Salmo 94:12). 

O castigo não é uma coisa ruim. Embora desagradável, a disciplina é vital na vida de um verdadeiro crente que está em rebelião contra Deus e aos comandos da Bíblia. É a correção e disciplina de um Pai celestial amoroso para com os Seus filhos. Deus nos ama como pai; portanto, nosso comportamento pecaminoso torna necessário que Deus nos disciplina com dores espirituais, mentais, físicas e com perdas financeiras. A Bíblia diz: “Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor, nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho” (Hebreus 12:5-6). 

À medida que envelhecemos, reconhecemos que a disciplina de nossos pais era um meio necessário para nos manter fora de problemas; e começamos a entender que eles não nos corrigiram, porque eles gostavam, mas porque eles nos amavam. 

A Bíblia diz: “… tínhamos pais humanos que nos disciplinavam, e nós os respeitávamos. Quanto mais devemos submeter-nos ao Pai dos espíritos, para assim vivermos! 10 Nossos pais nos disciplinavam por curto período, segundo lhes parecia melhor; mas Deus nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua santidade” (Hebreus 12: 9-10). 

Deus quer o melhor para nós. Por este motivo, Ele nos disciplinará se persistimos no pecado e administrará a correção se desonrarmos O seu nome e as Suas ordens que estão na Bíblia. Ele diz: “Eu corrijo e castigo todos os que amo. Portanto, levem as coisas a sério e se arrependam” (Apocalipse 3:19). 

Você pode perguntar: como é que Deus castiga Seus filhos? Este é um assunto pessoal com cada indivíduo. Muitas vezes Ele levantará a mão de benção e permitirá dificuldades, a dor física e que outros problemas ocorram, para não nos destruir, mas para humildemente nos levar de joelhos ao arrependimento. 

Algumas pessoas tendem a exibir um espírito continuamente desobediente e rebelde; portanto, essas pessoas podem ter que ser constantemente castigadas com perdas e às vezes dor crônica para evitar que arruinem suas vidas e causem mais desonra ao nosso Santo Deus. 

Quando o castigo vier, será acompanhado pela convicção de nosso pecado e rebelião. Deus nos convida a chegar a Ele com arrependimento e humildade, para que Ele possa restaurar Suas bênçãos. Como está sabiamente escrito: “Quem tenta esconder os seus pecados não terá sucesso na vida, mas Deus tem misericórdia de quem confessa os seus pecados e os abandona” (Provérbios 28:13). 

Deus está tentando chamar sua atenção? Quanta dor e perda você terá que suportar até que você abandone totalmente seu espírito desobediente a Ele e comece a obedecer Sua Santa Palavra? 

Quando começamos a vagar do caminho que Deus estabeleceu para nós, Ele tomará todos os tipos de passos para captar nossa atenção e nos proteger de danos. Ele tem uma variedade de maneiras de nos ajudar a prestar atenção, e aqui estão algumas delas: 

Um Espírito Agitado – Às vezes, Deus capta nossa atenção, deixando-nos inquietos – Provérbios 15:16 nos diz: “É melhor ser pobre e temer a Deus, o Senhor, do que ser rico e infeliz.” Se você sente inquietação e as coisas não estão indo certo, então pare e ore: “Senhor, você está tentando me dizer algo?” 

Convicção que Vem Diretamente da Bíblia – Deus chama nossa atenção quando lemos atentamente a Bíblia porque ela é nosso guia e modelo para viver uma vida de paz, liberdade e vitória. Devemos ser sensíveis ao Espírito Santo quando lemos a Bíblia, para que Ele possa nos guiar quando queremos ser mais como Cristo. 

Uma Palavra Falada – Deus também capta nossa atenção usando palavras de outros. O Senhor deu uma mensagem ao jovem Samuel para o velho sacerdote, Eli, através deste método (1 Samuel 3:4-18). Se várias pessoas em um curto espaço de tempo começam a dizer a mesma coisa, então pergunte ao Senhor se Ele está tentando falar algo para você através deles.

Ou de Uma Maneira Incomum – Deus pode chamar nossa atenção de uma série de maneiras muito incomuns, dependendo da gravidade de nossa teimosia e da pessoa excessivamente auto-suficiente que possamos ser. 

Mas lembre-se que não importa qual método que Ele usa, Deus está tentando chamar nossa atenção porque Ele nos ama. 

O Pai sempre sabe exatamente onde estamos em nossa jornada de fé e precisamente o que é necessário para chamar nossa atenção. Então fique atento e quando as coisas começam a acontecer, pergunte o que Ele está tentando dizer, e então ouça … e não apenas escute, mas obedeça. E não seja como Isaías falou no capítulo 29:13, onde:  O Senhor diz: “Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. A adoração que me prestam é feita só de regras ensinadas por homens.

Anúncios
Publicado por: mvmportugues | setembro 7, 2017

O QUE SIGNIFICA OBEDECER A DEUS? – Filipenses 2:8

E sendo encontrado em aparência como homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. (Filipenses 2:8) 

A obediência a Deus é uma parte essencial da fé cristã. O próprio Jesus foi obediente até à morte, a morte numa cruz. 

A Bíblia diz que mostramos nosso amor por Jesus, obedecendo a Ele em todas as coisas: “Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos” (João 14:15). E para aqueles que não obedeceram, Ele perguntou: “Por que vocês me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que eu digo?” (Lucas 6:46). 

A obediência é definida como “cumprimento respeitoso ou submisso aos comandos de um em autoridade”. E quando examinamos essa definição em maior detalhe, vemos os elementos da obediência bíblica. 

  • Cumprimento Respeitoso – significa que é nossa obrigação obedecer a Deus, assim como Jesus cumpriu Seu dever ao Pai, morrendo na cruz por nossos pecados.
  • Submisso – indica que cedemos nossas vontades a de Deus.
  • Comandos – fala das Escrituras em que Deus claramente delineou Suas instruções e, finalmente,
  • De um em autoridade, que é o próprio Deus, cuja autoridade é total e indiscutível.

Portanto, para o cristão, a obediência significa cumprir tudo o que Deus ordenou. É nosso dever fazê-lo; no entanto, é importante lembrar que nossa obediência a Deus não é apenas uma questão de dever; nós o obedecemos porque o amamos (João 14:23). 

Devemos ter cuidado em refletir uma aparência de obediência para mascarar um coração pecaminoso. Viver a vida cristã não é tudo sobre regras. Os fariseus no tempo de Jesus seguiram implacavelmente atos de obediência à Lei, mas se tornaram hipócritas, acreditando que mereciam o céu por causa do que tinham feito. Eles se consideravam dignos diante de Deus, que lhes devia uma recompensa; no entanto, a Bíblia nos diz que, sem Cristo, até as nossas obras mais justas são como “trapos imundos” (Isaías 64:6). 

Isaías também menciona as leis feitas pelo homem onde ele escreve: “O Senhor diz: Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. A adoração que me prestam é feita só de regras ensinadas por homens” (Isaías 29:13). 

A obediência externa dos fariseus carecia de uma verdadeira submissão, e Jesus expôs sua atitude de coração. Sua hipocrisia foi em obedecer a “letra da lei”, enquanto violavam o espírito da lei, e Jesus os repreendeu bruscamente: “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundice. 28 Assim são vocês: por fora parecem justos ao povo, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e maldade. (Mateus 23: 27-28). Os fariseus eram obedientes em alguns aspectos, mas “negligenciaram os assuntos mais importantes da lei” (Mateus 23:23). 

Hoje, não somos chamados a obedecer a Lei de Moisés, que foi cumprida em Cristo (Mateus 5:17). Devemos obedecer a “lei de Cristo”, que é uma lei do amor (Gálatas 6:2, João 13:34). Jesus declarou os maiores mandamentos de todos: “Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento’. 38 Este é o primeiro e maior mandamento. 39 E o segundo é semelhante a ele: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’ 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas. (Mateus 22:37-40). 

Se amamos a Deus, vamos obedecer-Lo. Não seremos perfeitos em nossa obediência, mas nosso desejo é submeter-nos ao Senhor e exibir boas obras. Quando amamos a Deus e obedecemos a Ele, naturalmente temos amor um pelo outro. A obediência aos mandamentos de Deus nos farão luz e sal em um mundo escuro, insípido e malvado (Mateus 5:13-16). 

Você pode perguntar: “Por que a obediência a Deus é tão importante?” 

Porque é absurdo desobedecer a Deus e é uma loucura adorar qualquer deus senão o Deus Todo-Poderoso. 

A obediência prova nosso amor por Deus (1 João 5: 2-3), demonstra nossa fidelidade a Ele (1 João 2:3-6), glorifica-O no mundo (1 Pedro 2:12) e abre avenidas de benção para nós (João 13:17). 

A fé é necessária para agradar a Deus (Hebreus 11:6), e se a nossa fé é genuína e verdadeira, viveremos um estilo de vida caracterizado pela justiça, modelando o exemplo que Jesus criou. Nós obedecemos Seus comandos, não porque precisamos, mas porque queremos, porque o amamos. Nós somos capazes de obedecer porque, uma vez que acreditamos em Cristo e somos salvos, somos feitos novos. Nós não somos as mesmas pessoas que já fomos: “Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2 Coríntios 5:17). 

Quando obedecemos ao Senhor, podemos viver uma vida de alegria, sem vergonha, enraizada profundamente Nele e confiante em nossa esperança eterna. “Onde está o Espírito do Senhor, ali há liberdade” (2 Coríntios 3:17). Nossa obediência é realmente parte da nossa garantia de que realmente conhecemos a Deus (1 João 2:3). 

Quando os filhos de Deus obedecem ao Pai Celestial, Ele é glorificado. Jesus nos disse que o plano é que os outros “vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus” (Mateus 5:16). Mas é claro, que realizar “boas ações” requer obediência a Aquele que nos chama a boas ações. O testemunho de santidade de um cristão é um forte testemunho de que Deus está trabalhando no mundo. 

“Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos!” (Salmo 128:1). A Bíblia muitas vezes nos diz que Deus abençoa e recompensa a obediência. Tiago 1:22-25 diz: “Não se enganem; não sejam apenas ouvintes dessa mensagem, mas a ponham em prática….25 O evangelho é a lei perfeita que dá liberdade às pessoas. Se alguém examina bem essa lei e não a esquece, mas a põe em prática, Deus vai abençoar tudo o que essa pessoa fizer. 

Deus é perdoador. Se não estamos vivendo para Ele, se não estamos seguindo Seus mandamentos, se estamos vivendo para o mundo, podemos ser transformados pelo sangue de Jesus Cristo. Podemos pedir a Deus o perdão, e Ele o dará, e esquecerá o nosso pecado, como se nunca o tivéssemos cometido. Deus é glorificado quando Ele concede o perdão, porque está escrito: “Porei as minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos… E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.” (Hebreus 10:16-17).

Publicado por: mvmportugues | agosto 30, 2017

AVISOS DE PAULO PARA OS ÚLTIMOS DIAS – 2 Timóteo 3:1-4

Lembre-se disto: Nos últimos dias haverá tempos difíceis.As pessoas serão egoístas, avarentas, orgulhosas e arrogantes. Elas falarão mal de Deus, desobedecerão aos pais, serão ingratas e não se incomodarão com as coisas de Deus. Elas não terão amor pelos outros, não perdoarão a ninguém, serão caluniadoras, não terão domínio próprio, serão cruéis e inimigas do bem. Elas também serão traidoras, atrevidas, estarão cheias de orgulho e amarão mais os prazeres do que a Deus. 2 Timóteo 3:1-4

Observando as pessoas e a juventude de hoje, e considerando o lado obscuro da sua cativação com a tecnologia e mídia digital, podemos nos perguntar se estamos chegando perto da geração que Paulo descreve nestes versículos. Na verdade, devemos perguntar – já estamos lá?

O crescimento da tecnologia que causa mudanças rápidas em nossa cultura poderia ter sido um tema abordado por Jesus há milhares de anos, quando falou com seus discípulos sobre sinais do fim da era (Mateus 24:15; Apocalipse 13:14). Em Marcos 13:12, Ele também profetizou sobre um momento em que as crianças se rebelariam contra seus pais, até o ponto de causar a morte.

A mensagem de Paul foi que Deus é Soberano; dando aviso a uma geração futura do crescimento do conhecimento, ciência e tecnologia ainda por vir.

As pessoas serão egoístas. O amor próprio é orgulho e é a raiz de toda maldade. É um desprezo total por Deus. Está bem se amamos a nós mesmos como a criação de Deus, mas esta escritura está falando sobre pessoas que amam seus estilos de vida pecaminosos e estão, na verdade, venerando a si mesmos, em vez de adorar humildemente o nosso Criador e Deus Todo-Poderoso.

Nunca na história do mundo a sociedade esteve tão motivada pela auto-gratificação. Esta é a geração do “que há para mim”; seja no trabalho, na igreja ou onde quer que a oportunidade possa se apresentar.

As pessoas serão avarentas ou “amantes do dinheiro”. A recusa de negar-se a si mesmo já aumentou uma dívida enorme à nossa sociedade. Os cristãos lamentam que eles “não podem dar” dízimos para a igreja ou dar às missões. A razão é que eles são amantes de si mesmo e do dinheiro, e compram coisas demais com credito que nem podem pagar.

As pessoas serão orgulhosas e arrogantes“. Elas são auto-suficientes e arrogantes, elas não precisam de ninguém, e especialmente não precisam de Deus em sua vida!

As pessoas desobedecerão aos pais, serão ingratas e não se incomodarão com as coisas de Deus. O Senhor revelou a Paul um futuro, quando a unidade familiar iria desmoronar.

Olhando para o futuro, o apóstolo Paulo escreveu sobre os dias em que uma geração como zumbis cresceria para ser absorvida por si mesma, sem carinho natural e desdenhosos com os pais. Ele advertiu sobre “tempos terríveis” nos últimos dias.

A desagregação da disciplina na família, o comportamento ingrato de crianças malcriadas e indisciplinadas que inevitavelmente segue, e a grande maldade que inevitavelmente deriva de tais condições são características da história atual do nosso tempo.

Paulo continua com o colapso total da sociedade: as pessoas não terão amor pelos outros, não perdoarão a ninguém, serão caluniadoras, não terão domínio próprio, serão cruéis e inimigas do bem. Elas também serão traidoras, atrevidas, estarão cheias de orgulho e amarão mais os prazeres do que a Deus.

Finalmente, não haverá regras, nem absolutos morais, nem restrições de qualquer tipo. Todo homem faz o que está certo em seus próprios olhos e ai da pessoa que se atreve a questionar sua “escolha de estilo de vida”.

O ensino de Paulo é que a intensificação e a proliferação destas coisas marcarão a apostasia final.

Qual deve ser a nossa resposta quando lemos e consideramos esses versículos? Realize que nosso tempo é curto. O que fazemos por Cristo deve ser feito agora! Não podemos descansar e pensar que temos muito tempo. Estamos vivendo em tempos perigosos. As pessoas estão atadas ao pecado e precisamos ensinar aqueles que querem ouvir sobre Jesus antes que seja tarde demais.

Paulo nos desafia a ser sábio e não ser orgulhoso e rebelde… mas entendendo os tempos … aproveitar ao máximo e fazer tudo o que pudermos, para trazer as pessoas a um conhecimento salvífico de Cristo. Então que podemos fazer?

Olhando para o resto deste capítulo, Paulo adverte Timóteo para viver uma vida piedosa no meio de um mundo escurecido. Devemos ser luz! Devemos resplandecer para que outros possam ver nossas boas obras e glorificar a Deus.

Pais preocupados deveriam olhar para a sabedoria divina do Rei Salomão, que ensina sobre a influência que eles têm na formação das vidas de seus filhos, especialmente daqueles que ainda vivem em casa. Nestes primeiros anos, os pais ainda têm o poder de ditar o relacionamento da criança com a tecnologia e a freqüência com que pode e como deve ser usada.

Lembre-se: “Instrui a criança no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele.” Provérbios 22:6

Publicado por: mvmportugues | agosto 23, 2017

VOCÊ REALMENTE AMA DEUS E O SALVADOR? – 1 João 2:15-16

“Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. 16 Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo.” 1 João 2:15-16 

Quando nos dizem para não amamos o mundo, a Bíblia está se referindo ao sistema de valores corruptos do mundo. Satanás é o deus deste mundo, e ele tem seu próprio sistema de valores contrário ao de Deus (2 Coríntios 4:4). Primeiro de João 2:16 detalha exatamente o que o sistema de Satanás promove: a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens. Todo pecado imaginável pode ser resumido nesses três males; a inveja, o adultério, o orgulho, a mentira, o egoísmo e muito mais surge a partir dessas três raízes. 

O mundo é o que deixamos quando nos acercamos a Cristo. Isaías 55:7 diz:“Que o ímpio abandone o seu caminho, e o homem mau, os seus pensamentos. Volte-se ele para o Senhor, que terá misericórdia dele; volte-se para o nosso Deus, pois ele dá de bom grado o seu perdão.” 

Amar o mundo significa dedicar-se aos tesouros, filosofias e prioridades do mundo. Deus diz a Seus filhos que definam suas prioridades de acordo com o Seu sistema de valores eterno. Nós devemos “procurar primeir” o reino e a justiça de Deus (Mateus 6:33). Ninguém pode servir dois mestres (Mateus 6:24), e não podemos estar dedicados a Deus e ao mundo ao mesmo tempo. 

Quando entramos na família de Deus através da fé em Cristo, Deus nos dá a capacidade de deixar os desejos do mundo – “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2 Coríntios 5:17). Nós nos tornamos cidadãos de outro reino, “porque a nossa cidadania, está nos céus, de onde esperamos ansiosamente o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Filipenses 3:20). Nosso desejo se torna em conhecer Deus, e realizamos que o eterno é realmente importante – não o temporal, e deixamos de amar o mundo. 

Quando experimentamos a presença do nosso Deus e Salvador, temos um profundo anseio de conhecê-Lo melhor e de nos tornar santos em nossos desejos, pensamentos e conduta. 

Se continuamos amando o mundo do jeito dos incrédulos, isto irá prejudicar nosso crescimento espiritual e nos tornará infrutíferos para o reino de Deus. Jesus nos dá dois exemplos sobre isso. Um é encontrado em Lucas 6:43-45: “Porque não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto. 44 Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos. 45 O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração, tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.” 

E o outro é encontrado em João 15:1-8 “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, ele corta; e todo que dá fruto ele poda, para que dê mais fruto ainda. Vocês já estão limpos, pela palavra que lhes tenho falado. Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim. “Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma. Se alguém não permanecer em mim, será como o ramo que é jogado fora e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados. Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido. Meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos. 

Em João 12:25, Jesus levou esse pensamento um passo adiante quando disse: “Aquele que ama a sua vida, a perderá; ao passo que aquele que odeia a sua vida neste mundo, a conservará para a vida eterna.” Jesus disse que se amamos algo mais do que Ele, não somos dignos dele (Mateus 10:37-38). 

Em resumo, o termo mundo na Bíblia refere-se ao sistema do mal, controlado por Satanás que nos afasta da adoração de Deus. Portanto, não podemos receber a vida de Deus se estamos à procura de vida em outro lugar. 

O aviso em nossa passagem (1 João 2: 15-16) corresponde muito bem ao último verso de 1 João 5, que diz: “Filhinhos, guardem-se dos ídolos”. Um ídolo é qualquer coisa que substitui Deus, qualquer coisa que fazemos maior do que Ele. Portanto, precisamos lembrar que a idolatria é quando Deus é removido do trono e outra coisa é colocada no Seu lugar. É por isso que devemos examinar nossos corações e nos colocar de joelhos diante do Senhor. Precisamos buscar Seu perdão e pedir-Lhe que nos avise através de Seu Espírito Santo quando começamos a desviar na direção errada. 

Lembre-se de “manter o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas”  (Colossenses 3:2). E,  façam tudo para a glória de Deus” (1 Coríntios 10:31).

Publicado por: mvmportugues | agosto 17, 2017

HONORANDO A CEIA DO SENHOR EM COMUNHÃO – 1 Coríntios 11:27-29

“Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. 28 Examine-se cada um a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. 29 Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação.” (1 Coríntios 11: 27-29) 

Quando estudamos a profundidade do significado da Ceia do Senhor, começamos a entender a intensidade espiritual do seu significado. 

Durante a sua última celebração da Páscoa nesta terra, na véspera da sua morte, Jesus instituiu uma participação significativa do pão ázimo e o fruto da videira que observamos até hoje. É parte integrante do culto cristão que nos faz refletir sobre a morte e a ressurreição de nosso Senhor. 

A Páscoa foi a festa mais sagrada do ano religioso judaico. Comemorou a praga final no Egito, quando o primogênito dos egípcios morreu e os israelitas foram poupados por causa do sangue de um cordeiro que foi espalhado nos postes da porta. O cordeiro foi então assado e comido com pães ázimos. O comando de Deus era que, durante as gerações vindouras, a festa seria sempre celebrada. A história é registrada em Êxodo 12.

Durante a Última Ceia, ao celebrar a Páscoa, Jesus tomou um pedaço de pão ázimo e deu graças a Deus. Quando Ele o quebrou e deu a Seus discípulos, Ele disse: “Tomando o pão, deu graças, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: “Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”. 20 Da mesma forma, depois da ceia, tomou o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês(Lucas 22: 19-20) . Ele concluiu a festa cantando um hino (Mateus 26:30), e eles saíram a noite para o Monte das Oliveiras. Foi lá que Jesus foi traído por Judas e foi crucificado na manhã seguinte tornando-se “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29)

Os relatos da Ceia do Senhor são encontrados nos Evangelhos (Mateus 26:26-29, Marcos 14:17-25, Lucas 22:7-22 e João 13:21-30). 

O apóstolo Paulo também escreveu sobre a Ceia do Senhor em 1 Coríntios 11:23-29; e incorpora uma declaração não encontrada nos Evangelhos: “Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. 28 Examine-se cada um a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. 29 Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação” (1 Coríntios 11: 27-29). 

Todo cristão deve perguntar o que significa participar do pão e do copo “de maneira indigna”, significando que, se você tratar desta ordenação sagrada de um modo comum, você se torna literalmente responsável ou culpado, pelo corpo e sangue do Senhor .

Em muitas religiões, a comunhão tornou-se um ritual morto e formal onde as pessoas vem à Ceia do Senhor com pecado não confessado. Muitos tratam a Ceia do Senhor indignamente, tornando-a um desempenho em vez de algo significativo, apenas participando da cerimônia em vez de compreendê-la. 

Os pregadores precisam instruir seu rebanho sobre a Santa Comunhão porque aqueles que não são verdadeiramente nascidos de novo e não estão buscando a santidade não têm direito de participar da Ceia do Senhor. 

Pessoas nascidas de novo são aquelas que se arrependeram de seus pecados e se dirigiram a Cristo para sua salvação e, como resultado, tornaram-se para sempre parte da família de Deus. Uma vez que isso acontece, o nascido de novo, o cristão busca a santidade, o que significa que ele reflecte cada dia como ele se comporta em relação ao Senhor por meio de sua atitude, o que ele diz, como ele se veste, em que ele participa, o que ele assiste, escuta e lê. Em resumo, é parar de pecar intencionalmente e de ter um coração perdoador. 

Precisamos estar constantemente sondando o nosso coração enquanto caminhamos todos os dias à vista de nosso Senhor. Precisamos lembrar que o Senhor disse: “Sede santo, porque sou santo” (1 Pedro 1:16), e que “… sem santidade ninguém verá o Senhor”  (Hebreus 12:14). 

Pessoas que não são verdadeiramente nascida de novo e perseguidores de santidade não tem direito de participar da comunhão. Para entender quem não é indigno de participar da Ceia do Senhor, adicionamos alguns exemplos:

  • Você trata da Santa Ceia apenas como uma cerimônia e realmente não entende o significado do que Jesus fez por você na cruz.
  • Você não entende que a Santa Ceia é uma comunhão santa e sagrada e uma experiência de um relacionamento restaurador com seu Criador.
  • Você trata a cerimônia apenas como um ritual, em vez de tratá-la seriamente.
  • Você vem a esta Ceia com amargura em relação a outra pessoa e
  • Você continua vivendo em pecado de que você não vai se arrepender, deixar ou mudar.

Se você vem a Ceia sem ter o mais alto respeito por Deus, Cristo, o Espírito Santo e a Palavra de Deus, se você vier sem amor total pelos irmãos e irmãs no corpo de Cristo, você virá a esta comunhão indignamente e não deve participar até você se arrepender, mudar de atitude e fazer paz com seu Senhor e Salvador.

De acordo com as instruções de Paulo, é imperativo que nos examinemos antes de participar da Santa Ceia. Se você participar com pecado em sua vida, ou nunca foi salvo do pecado, você é culpado de violar o sangue e o sacrifício de Cristo. 

Os coríntios estavam sendo disciplinados por Deus porque não se examinavam e limparam a sua vida. Eles estavam literalmente tratando Jesus Cristo de uma maneira indigna e tornaram-se culpados desse tipo de desrespeito. 

Alguém que pisoteia o sangue de Cristo com indiferença e um estilo de vida pecaminoso nos elementos da comunhão você é culpado de desonrar-Lo, e está zombando de Jesus Cristo. 

Portanto, é extremamente importante que nos examinemos primeiro antes de participar da Santa Ceia do Senhor, conforme indicado nos versículos 28-29; porque aquele que come e bebe indignamente come e bebe condenação. Se você come e bebe indignamente, você comerá e beberá julgamento para si mesmo porque você não está honrando o corpo do Senhor. Em outras palavras, você não está tratando o sacrifício de Cristo com seriedade, dignidade, pureza e santidade. 

Se você não vê a seriedade e a santidade da Ceia do Senhor, e você a trata com pecado, então você literalmente é culpado de desonrá-Lo; você está sob o juízo de Deus e você será castigado porque desonrou o grande sacrifício que Jesus sofreu para te salvar de teus pecados e de uma eternidade no Lago de Fogo. 

Assim que: “Não despreze a disciplina do Senhor,nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina   a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho.” (Hebreus 12:5-6)

Publicado por: mvmportugues | agosto 10, 2017

DEUS ORDENA A SEUS FILHOS PARA SER SANTOS – 1 Pedro 1: 15-16

A palavra hebraica para santo é “kadosh” e significa “separado, sagrado”. O crente no Senhor Jesus Cristo é separado para Deus pelo Espírito Santo, desfrutando de uma posição santa diante de Deus em Cristo Jesus, com a obrigação de viver uma vida santa. “Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, 16 pois está escrito: “Sejam santos, porque eu sou santo” (1 Pedro 1:15-16). 

Deus tem apenas um intenção destinada para a humanidade – que é a santidade. Seu único objetivo é produzir santos. Infelizmente, essa sagrada confiança foi quebrada no Jardim do Éden; Jesus veio para nos salvar e restabelecer um novo relacionamento com Deus, porque desde o princípio Ele nos criou para ser santo. 

Uma vez que O fazemos Senhor e Salvador da nossa vida e nos tornamos Seus filhos, devemos nos lembrar continuamente que nosso propósito na vida é de viver uma vida santa. A obediência estrita à Palavra de Deus é a única prova de que estamos vivendo uma vida santa e confiando Nele. 

Jesus Cristo morreu para nos tornar santos. O propósito de Deus na morte expiatória de Seu Filho foi para nos salvar da pena do pecado e para nos separar para Deus, para conformar nos à imagem de seu Filho (Romanos 8:29). Nosso destino eterno é ser conformado à imagem de Deus em Cristo Jesus (1 João 3:3). 

Quando Jesus recusou-se a condenar a mulher surpreendida em adultério (João 8:1-11), e a perdoou, Ele ofereceu a ela o mesmo tipo de perdão que Ele oferece a cada um de nós: “Arrependam-se, pois, e voltem-se para Deus, para que os seus pecados sejam cancelados” (Atos 3:19). Esta mulher não poderia viver em vitória sobre seus pecados e passado pecaminoso até que ela aceitou Jesus Cristo como o Senhor absoluto de sua vida. 

Ao dizer: “Vá e não peque mais!”, Jesus não estava falando de perfeição sem pecado. Ele a estava prevenindo a retornar a escolha do estilo de vida pecaminosa. As Suas palavras ofereceram a misericórdia e exigiram a santidade.  

Com o perdão vem a expectativa de que não continuaremos no mesmo caminho da rebeldia. Aqueles que conhecem o amor de Deus, querem naturalmente obedecer-Le (João 14:15). 

Um passo em direção a Deus é uma modificação em direção a retidão, pureza, e uma vida sagrada (1 Pedro 1:16; Romanos 8:29). Não podemos experimentar o poder transformador da santidade sem ser mudado para sempre. 

Depois que a mulher conheceu Jesus, ela não seria perfeita. Ninguém é. Mas ela mudou para sempre. Seus olhos foram abertos à depravação do que estava fazendo. O pecado já não reteve o apelo que tinha antes. Quando nos encontramos com Jesus, o pecado já não contém sua atração fatal. A graça de Deus muda as coisas. “Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?” (Romanos 6:1-2). Quando nascemos de novo (João 3:3), o poder do Espírito Santo quebra o poder que o pecado já teve sobre nós (Romanos 6:6). Antes vivíamos apenas para nos agradar, mas quando fomos perdoados, nossa motivação muda. Agora vivemos para honrar a Deus (Gálatas 2:20). 

Deve ser o objetivo de todo cristão de “não pecar mais”, embora reconheçamos que, enquanto estivermos na carne, ainda tropeçaremos (1 João 1:8). O desejo de Deus para cada um de nós é de ser santo como Ele é santo (1 Pedro 1:16). Nós ainda pecamos, mas o pecado deixa de ser uma escolha do nosso estilo de vida (1 João 3:9-10). Quando falharmos, podemos ir a Deus e pedir perdão (1 João 1:9; 1 Pedro 4:1-2). Deus nos corrigirá, disciplinando-nos quando precisarmos (Hebreus 12:6-11) – pois Seu trabalho é conformar-nos à imagem de Seu Filho (Romanos 8:29). 

Uma vez mais, a única evidência solida de que somos verdadeiros filhos de Deus é um estilo de vida sagrado. “Todo aquele que nele permanece não está no pecado. Todo aquele que está no pecado não o viu nem o conheceu” (1 João 3:6). Como verdadeiros crentes nascidos de novo, nós não podemos continuar a pecar porque agora temos a própria natureza de Deus em nós, e o Espírito de Deus nos leva a uma vida santa porque Ele não nos conduzirá ao pecado e à desobediência. Se o Espírito nos conduz, viveremos uma vida santa. “Todo aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, porque a semente de Deus permanece nele; ele não pode estar no pecado, porque é nascido de Deus” (1 João 3:9). Portanto, o novo nascimento envolve uma purificação completa do pecado. 

Precisamos lembrar que não podemos andar com o Senhor e o mundo ao mesmo tempo. “Pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho” (Hebreus 12:6), e Ele nos disciplina para o nosso bem, para que possamos participar da Sua santidade (Hebreus 12:9-10). 

“Ele nos salvou e nos chamou para vivermos uma vida dedicada a Ele. Não foi por causa das nossas obras que Ele nos chamou, mas sim pela sua própria vontade e pela graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes do início dos tempos” (2 Timóteo 1:9). É nossa responsabilidade de esforçar-nos para ser santo: “Assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem” (1 Pedro 1:15). Se quisermos desfrutar de um relacionamento íntimo com Ele, devemos manter nossas vidas livres de todo o pecado. Jesus disse: “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus” (Mateus 5: 8). 

As Escrituras nos dizem: “Sem santidade, ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14). E o apóstolo João escreve: “E agora, filhinhos, permaneçam nele para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos envergonhados diante dele na sua vinda” (1 João 2:28). As mudanças físicas de nossa redenção acontecerão quando Cristo retornar e nosso corpo será glorificado porque “sabemos que, quando Ele aparecer, seremos como Ele” (Filipenses 3: 20-21; 1 Coríntios 15: 52-54). Teremos novos corpos glorificados feitos para viver no céu porque Jesus Cristo retornará. Portanto, devemos manter nossa vida pura e viver uma vida santa. 

A única prova da verdadeira dedicação ao nosso Senhor e Salvador é um desejo profundo de viver uma vida disciplinada e santa que honra a Deus. Se uma pessoa não está vivendo uma vida santa, ela não têm o direito de reivindicar as promessas de Deus que Ele deu a Seus filhos verdadeiros e redimidos. 

“Meus queridos amigos, todas essas promessas são para nós. Por isso purifiquemos a nós mesmos de tudo o que torna impuro o nosso corpo e a nossa alma. E, temendo a Deus, vivamos uma vida completamente dedicada a ele.” (2 Coríntios 7:1).

Publicado por: mvmportugues | agosto 3, 2017

MODÉSTIA A ETERNA REVERÊNCIA PARA DEUS – 1 Pedro 3:3-4

Ao descrever para as mulheres na igreja o modo apropriado de se vestir, o apóstolo Paulo exorta-as a se vestirem “modestamente”, com “decência e discrição.” As mulheres cristãs devem ser notadas por serem gentis e boas, não pela maneira como elas penteiam seu cabelo ou por causa de suas jóias ou roupas extravagantes e mundanas (1 Timóteo 2:9-10). Embora a Bíblia apenas especifica a necessidade das mulheres vestir-se modestamente, o mesmo ensino se aplicaria aos homens, porque tanto os homens quanto as mulheres devem trazer glória a Deus em sua maneira de vestir. 

A modéstia no modo de se vestir não é apenas para ir a igreja; é para ser o padrão para todos os cristãos em todas as ocasiões. A chave para entender o que constitui a modéstia no vestir é examinar as atitudes e intenções do coração. Aqueles cujos corações estão dirigidos a Deus se esforçarão para se vestir modestamente, com decência e de forma adequada. Aqueles cujos corações estão inclinados em direção a si mesmos e desejos pecaminosos vão se vestir de uma maneira para chamar a atenção para si, com pouca ou nenhuma consideração pelas consequências para si mesmos ou para outros. Seus pensamentos estão somente na última moda e não em Deus. 

Uma mulher piedosa se esforça para fazer tudo com uma perspectiva divina. Ela sabe que Deus quer que ela se preocupe com a Sua glória e com o estado espiritual de outros. Se uma mulher professa ser cristã, mas ainda se veste de uma maneira que irá indevidamente chamar a atenção para o seu corpo, ela é uma horrível testemunha Daquele que comprou a sua alma morrendo por ela na cruz. Ela está ignorando de que o seu corpo foi redimido por Cristo e que agora deveria ser o templo do Espírito Santo (1 Coríntios 6:19-20). Ela está dizendo ao mundo que vê o seu próprio valor como puramente físico e que a sua atractividade depende de quanto do seu corpo é revelado publicamente. Além disso, ao se vestir de forma indecente, exibindo o seu corpo para que os homens a cobiçam, ela faz com que eles pequem que é algo condenado por Deus (Mateus 5:27-29). Provérbios 7:10 menciona uma mulher “com vestes de prostituta e astuta de coração.” Aqui vemos a descrição de alguém cuja condição do coração é apresentada por seu modo de vestir. 

 A Escritura diz que uma mulher deve se vestir modestamente, mas o que é que exatamente isso significa nesta sociedade moderna? Será que uma mulher tem que se cobrir da cabeça aos pés? Há seitas e religiões no mundo que exigem isso das mulheres. Mas será que esse é o significado bíblico da modéstia? Mais uma vez, temos que voltar para a questão das atitudes do coração. Se o coração de uma mulher estiver inclinado à piedade, ela vai usar roupas que não são nem provocadoras nem reveladoras em público; roupas que não reflectem negativamente sobre o seu testemunho pessoal como filha de Deus. Mesmo quando todo mundo está se vestindo imodestamente, ela resiste à tentação de seguir a multidão. Ela sabe que esses tipos de roupas são projetadas com a intenção de chamar a atenção para o seu corpo e fazer com que os homens a cobiçam, mas ela é sábia o suficiente para saber que esse tipo de atenção só diminui o seu valor. A ideia de provocar os homens a pecarem contra Deus por causa da sua maneira de vestir é repugnante para ela, porque o seu objetivo é amar e honrar a Deus para que outros façam o mesmo também.  

A modéstia no vestir revela humildade e a santidade de coração, e é uma atitudes que devem ser o desejo de todas as mulheres (e homens) que vivem para agradar e honrar a Deus. 

Aqui está um exemplo do que realmente aconteceu numa igreja: 

Uma amiga depois de voltar de uma viagem no fim de semana perguntou a seu marido o que tinha ocorrido na igreja naquele domingo, provavelmente esperando ouvir sobre a lição do dia ou sobre o sermão. O que ela obteve foi uma surpresa. Seu marido confessou que uma mulher tinha vindo visitar a congregação, e sua roupa tinha deixado os homens se sentindo … agitados. 

Ele disse que, o mais interessante de tudo é que depois que a mulher se foi, nenhum dos homens se lembrou do seu rosto, mas todos se lembraram de suas calças de couro bem apertadas, seu decote enorme revelando uma grande parte dos seios pela blusa transparente que revelava sua roupa íntima sexy.  

Como vemos, Satanás usa a exposição sexual para destruir a atmosfera de adoração sagrada e verdadeira a Deus. 

As mulheres precisam ser mais conscientes sobre como se vestem na igreja. Afinal, quando vamos a igreja deve ser um momento em que os cristãos devem se sentir seguros da tentação, sem se preocupar se ela vai se sentar ao lado deles, na frente deles ou será exibida antes deles na “equipe de adoração”. 

Precisamos realizar que há um enorme dano causado ao corpo de Cristo por roupas imodestas. Sim, isso fará com que outros lutem com a luxúria, mas pior ainda, roubam a glória de Deus. 

Como mulheres cristãs, nosso maior desejo deve ser o de agradar a Deus em tudo o que fazemos. Primeira de Pedro 3:3-4 nos lembra: “A beleza de vocês não deve estar nos enfeites exteriores, …… Ao contrário, esteja no ser interior, que não perece, beleza demonstrada num espírito dócil e tranqüilo, o que é de grande valor para Deus.” Mas mulheres estão se preparando para ir à igreja e se vestindo de modos que não agradam a Deus. 

Por favor, pense nisso: as roupas que escolhemos fazem com que todos os olhos – especialmente os olhos dos homens – estejam em nós? 

Se você é uma verdadeira cristã, tome um tempo para se olhar no espelho antes de sair da casa todos os dias; e veja se você está realmente honrando o Senhor e Salvador Jesus Cristo pela forma como você está vestida. Se você não estiver vestida modestamente, você estará desrespeitando a Deus, a outros e a você mesma, se você sair desse jeito.  

Você deveria se perguntar: Estou representando a Deus, a quem eu devo honrar, da maneira certa?  

Aqui estão algumas dicas para ajudar você a verificar o seu nível de modéstia.

 

A área do seu peito está coberta? Tenha cuidado com o decote. Se necessário, adicione uma pequena amostra de tecido debaixo de sua blusa ou vestido para cobrir seus seios. Incline-se e veja o que o espelho revela antes de sair da casa.

 

Você está mostrando parte da sua barriga por causa da moda? Os seus calções são curtos demais? Sua saia está demasiadamente acima do seu joelho? Se assim for, escolha algo diferente e apropriado para uma mulher cristã vestir.

 

Cubra seus ombros se você usar blusa, vestido ou camisa espaguete, ou sem alças como um meio de mostrar respeito nos cultos da igreja. Leve um lenço ou um suéter com você para esse propósito – além disso, mesmo em dias quentes os edifícios com excesso de ar condicionado podem estar bem frios.

 

Suas roupas se ajustam bem em geral? Se você subiu de peso, não tente se espremer em um tamanho muito pequeno. Em primeiro lugar, você parece ridícula, e em segundo lugar as pessoas vão olhar para você.

 

Mesmo se você usar uma blusa de manga comprida sem decote – sendo revelado como tal – mas é feita de um material transparente que não deixa nada para a imaginação, você falhou o teste da modéstia. 

Os homens também precisam ver o ajuste da sua roupa. Calças e camisas que são muito apertadas não são apropriadas! 

Precisamos estar conscientes da forma de como nos vestimos e nos comportamos, na nossa representação de ser filhos de Deus. Se nos vestimos de forma imodesta, mas falamos sobre a pureza e princípios bíblicos, somos culpados de um duplo padrão e de fato somos hipócritas. 

Lembre-se que, sem santidade ninguém verá o Senhor. (Hebreus 12:14)

Jesus virá do céu com os seus poderosos anjos e com chamas de fogo; Ele castigará aos que não conhecem a Deus e que não obedecem à mensagem das Boas Novas a respeito de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão o castigo da destruição eterna, e serão separados da presença do Senhor e do seu glorioso poder. (2 Tessalonicenses 1:7-9) 

Deve um Deus santo permitir que as pessoas continuem a pecar, zombar Dele, amaldiçoá-Lo e abandoná-Lo? Deus não faz ninguém ir para o inferno – as pessoas escolhem ir para o inferno. Muitas religiões, literalmente, querem tirar o inferno da Bíblia, mas, só porque as pessoas não gostam desta realidade, não deixa de ser a verdade. Ninguém pensa que vai para o inferno até encontrarem-se lá. 

Existem muitos diferentes pontos de vista e concepções errôneas sobre o inferno. É um tema que a maioria de nós provavelmente tentamos evitar ensinar aos nossos filhos, porque temos receio de causar-lhes medo. Nós os amamos demais para deixar-los nervosos, certo? Mas não estamos compreendendo algo muito importante, que é exatamente isso o que Satanás quer. Ele quer que mantemos o pensamento sobe o inferno silencioso e escondido. 

Pense nisso assim, se seu filho estivesse em perigo, você faria tudo para detê-lo, certo! Então, por que nós, como pais, não fazemos tudo o que podemos para alertar nossas crianças sobre o perigo de ir para o inferno? 

É importante estudar e compreender esta realidade muito importante na Bíblia e poder explicá-la aos nossos filhos e a outros. 

A primeira pergunta que seus filhos podem lhe fazer é: “Se Deus nos ama, por que Ele quer que alguém vá para o inferno?” 

Por isso, é importante ensinar seus filhos que Deus não quer que ninguém vá para o inferno. Este lugar está preparado para Satanás e seus maus anjos que se rebelaram contra Deus no céu. O inferno nunca foi feito para nós. Mas desde que Adão e Eva desobedeceram a Deus ao ouvir Satanás, o pecado veio ao mundo e agora muitas pessoas optam por não obedecer a Deus e seguir a Satanás. Então o inferno é a horrível recompensa que Satanás, o diabo, oferece aos que pecam, se rebelam, desobedecem e são seus servos. 

Muitas pessoas dizem que não há inferno e que são apenas histórias ou fábulas. Dizem que eles são salvos e estão indo para o céu, – então devemos perguntar – salvos do que? Do inferno? 

Se você acredita na Bíblia, não pode escolher as partes que você gosta ou “concorda” para formular sua própria versão. Sim, Deus é amoroso e misericordioso, mas Ele também fala mais nas Escrituras sobre o inferno do que sobre o céu. Então, por que não estamos nós falando sobre este tema também? E por que não advertimos não somente nossos filhos, mas também a outros? 

Pode ser porque não queremos assustar os nossos filhos. O inferno é assustador porque é uma escuridão espiritual e separação de Deus junto com o tormento eterno. 

Sim, a Escritura fala sobre o inferno, não porque Deus quer nos enviar para lá, mas porque Ele está nos dando um aviso de que existe! Nós advertimos as nossas crianças sobre não tocar o fogão quente ou de correr para a rua movimentada. Então, quanto mais devemos estar dispostos a fazer o que for necessário para mantê-los longe de uma eternidade no inferno? Deus, nosso Pai celestial nos adverte sobre o inferno. Assim sendo; como pais, precisamos dizer aos nossos filhos a verdade sobre a existência do inferno. 

Podemos começar por contar-lhes a história encontrada em Lucas 16:19-31 de LÁZARO E O HOMEM RICO. O homem rico vivia em luxo enquanto Lázaro costumava ficar no portão da casa deste homem, coberto de feridas em todo seu corpo. Ambos morreram. Lázaro foi levado para os braços de Abraão enquanto o homem rico foi enviado ao Hades. Assim que o homem rico realizou seu destino, esta foi a resposta dele: “Então te imploro, pai, manda Lázaro para minha família, pois tenho cinco irmãos. Deixe-o avisá-los, para que eles também não venham a este lugar de tormento”. 

Sua primeira resposta foi querer compartilhar um aviso com aqueles que ele amava. Ele estava experimentando a realidade do tormento e ele não queria que sua família acabasse sofrendo como ele estava. 

Seria maravilhoso se pudéssemos proteger nossos filhos de saber sobre um lugar tão terrível, mas é uma verdade sobre a qual eles devem saber. As crianças precisam entender o que Jesus fez por eles na cruz. Eles precisam entender que se O aceitam como seu Salvador e O obedecem, que poderão estar com Jesus por toda a eternidade quando vão ao céu. Para explicar-lhes mais sobre o céu, clique no seguinte link: VAMOS DESCOBRIR SOBRE O CÉU

Claramente, muitas crianças que pensam sobre o inferno estão preocupadas que irão lá. Mas depois de explicar Sobre a Salvação a eles e deixá-los saber que: Se eles afirmam publicamente que Jesus é o Senhor e crêem no seu coração que Deus ressuscitou Jesus dentre os mortos, eles serão salvos. Porque é com o coração que eles acreditam e são declarados justos; e é declarando abertamente sua fé que eles são salvos.  

Explique-lhes também que se eles fizerem algo errado e eles imediatamente pedirem perdão de que ninguém pode “acidentalmente” perder a salvação e ir para o inferno porque a Bíblia nos diz: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz. Eu as conheço e elas me seguem. 28 Eu lhes dou a vida eterna e elas nunca morrerão. Ninguém poderá roubá-las da minha mão” – João 10:27-28. 

Precisamos lembrar que, se pessoas nos disserem que o inferno não é real, eles estão chamando Deus de mentiroso. A Bíblia nos diz: “Não se enganem: De Deus não se zomba. Pois aquilo que uma pessoa plantar, é o que ela também vai colher” – Gálatas 6:7. 

Lembre-se sempre dessa bela promessa de esperança: “Pois Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna. 17 Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para salvar o mundo por meio dele. . . Quem crê no Filho tem a vida eterna. Mas quem não obedece ao Filho nunca terá essa vida. A ira de Deus permanece sobre ele– João 3:16-17, 36.

 

A Sagrada Escritura nos dá três referências sobre este assunto. O apóstata sobre o qual a Bíblia fala não são simplesmente incrédulos, mas são os professores de doutrinas apóstatas, que propagam suas rejeições destrutivas, como a negação da Trindade, o nascimento virginal, a divindade de Cristo, e a segunda vinda.

PRIMEIRO, lemos em 2 João 7-11 que o crente não deve ter comunhão com tal indivíduo. De fato, muitos enganadores têm saído pelo mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em corpo. Tal é o enganador e o anticristo. Tenham cuidado, para que vocês não destruam o fruto do nosso trabalho, antes sejam recompensados plenamente. Todo aquele que não permanece no ensino de Cristo, mas vai além dele, não tem Deus; quem permanece no ensino tem o Pai e também o Filho. Se alguém chegar a vocês e não trouxer esse ensino, não o recebam em casa nem o saúdem. Porque quem o saúda participa de suas más obras.

Então, se alguém se qualifica na descrição ilustrada aqui, a comunhão é proibida, até mesmo ao ponto de não permitir a pessoa entrar no nosso lar.

A SEGUNDA REFERÊNCIA se trata da igreja local. Se um membro é encontrado proclamando uma negação destrutiva, ele deve ser expulso da igreja, como Paulo declarou em Gálatas 1:8-9: Mas ainda que nós ou um anjo dos céus pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja anátema!

Como lemos no versículo 9, se alguém na sua igreja é descoberto ser um apóstata, esta pessoa deve ser declarada anátema, que significa “amaldiçoado” e deve ser expulsa da igreja. Também encontramos esse conselho em Provérbios 22:10: “Quando se manda embora o zombador, a briga acaba; cessam as contendas e os insultos.”

A TERCEIRA REFERÊNCIA é onde o crente se depara com uma igreja onde os apóstatas estão no controle da liderança da igreja e não podem ser depostos. Neste caso, a obrigação do crente é se separar da apostasia. Em 2 Timóteo 3:5, após caracterizar a apostasia como “tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder “, Timóteo é admoestado a afastar se desse também. Timóteo foi instado a separar-se de tal apostasia.

Também vemos Paulo escrevendo aos Coríntios sobre isso: “Não se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois o que têm em comum a justiça e a maldade? Ou que comunhão pode ter a luz com as trevas? Que harmonia entre Cristo e Belial? Que há de comum entre o crente e o descrente? Que acordo há entre o templo de Deus e os ídolos? Pois somos santuário do Deus vivo. Como disse Deus: “Habitarei com eles e entre eles andarei; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” Portanto, “saiam do meio deles e separem-se”, diz o Senhor. “Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei” “e lhes serei Pai, e vocês serão meus filhos e minhas filhas”, diz o Senhor todo-poderoso. Amados, visto que temos essas promessas, purifiquemo-nos de tudo o que contamina o corpo e o espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus.” – 2 Coríntios 6:14 ao 7:1

Esta é uma passagem importante porque ela adverte o crente a separar-se dos apóstatas e não continuar a adorar com eles na congregação. Como vemos, não pode haver comunhão entre a justiça e a injustiça. Os crentes são parte da justiça, enquanto que os incrédulos fazem parte da iniqüidade, e não pode haver comunhão entre os dois na mesma igreja.

Além disso, não existe comunhão entre a luz e a escuridão. Os crentes são da luz, mas os incrédulos são da escuridão. Não há nada em comum entre os dois. Não pode haver acordo entre Cristo e Satanás, pois eles têm duas áreas distintas de operação e dois programas distintos. Da mesma forma, o crente é parte do programa de Cristo, enquanto o incrédulo faz parte de Satanás. Um deles é destinado ao céu e o outro é destinado ao inferno. E não há acordo entre o templo de Deus e o templo de um ídolo. O crente é habitado pelo Espírito Santo, mas o incrédulo não é. Desde que não há nenhum coleguismo, comunhão ou acordo na área da adoração, com um incrédulo então existe um jugo desigual, por isso, não devemos colocar-nos em uma situação de adoração com incrédulos.

O comando de separação envolve três fases 2 Corintios 6:17

  • Saiam do meio deles
  • Separem-se
  • Não toquem em coisas impuras

E em 2 Corintios 6:18, temos três promessas que são dadas para aqueles que cumprem e se separam:

  • Eu os receberei
  • E lhes serei Pai, e
  • vocês serão meus filhos e minhas filhas, diz o Senhor todo-poderoso

Em 2 Corintios 7:1 Paulo conclui exortando o crente, com base nessas promessas, para proceder na sua separação da apostasia onde necessário.

Quando estudamos o livro de Apocalipse lemos as cartas às sete igrejas, a última sendo escrita à Laodicéia ou igreja apóstata. Dificilmente se pode negar que a maioria das igrejas de hoje tornaram-se parte da apostasia.

Lembre-se: Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. (Tiago 1:22)

Publicado por: mvmportugues | julho 13, 2017

SOBRE DÍZIMOS E OFERTAS – Malaquias 3:8-10

Por que damos dízimos e ofertas? 

Dar o dízimo e ofertas são parte de adorar a Deus. É mais do que dar dinheiro para coisas que parecem ser materiais. No ato de trazer parte do fruto do nosso trabalho para a igreja, um cristão diz: 

  • Meu coração é grato pelo que tenho, eu tenho porque Deus me deu e todas as coisas pertencem a Ele.
  • Dinheiro e riqueza não são um ídolo na minha vida. Para Deus pertence o primeiro lugar no meu coração.
  • Eu reconheço que minha igreja é minha responsabilidade, assim como a necessidade de cuidar do meu próximo. (Mateus 22:36-40)
  • O evangelho é importante para mim e eu quero apoiar a igreja para que outros possam conhecer a verdade. 

Por estas razões, o cristão deve dar com alegria. A Bíblia diz que nossa atitude é muito importante quando damos o dízimo e ofertas. 

Jesus diz em Lucas 11:42 que aqueles que dão o dízimo mas não praticam amor e justiça são hipócritas. E em 2 Coríntios 9:7, Paulo diz que Deus ama o doador alegre. 

O amor e a alegria tornam o dízimo e as ofertas como presentes de adoração ao Senhor. 

As bênçãos que vem ao doador também são incentivos que Deus usa para que os crentes se cuidem um do outro. Muitas vezes, lemos a importância de dar aos necessitados. O melhor exemplo que encontramos é a primeira igreja em Atos 2. 

O que a igreja faz com dízimos e ofertas? 

A igreja é apoiada pelos dízimos e as ofertas dos irmãos. Precisamos entender que a Igreja não é um negócio onde se paga pelos serviços que recebemos. 

Em vez disso, é uma comunidade onde os membros cuidam de si mesmos; contribuem para a sua comunidade e trabalham para levar o evangelho aos outros. 

A igreja tem despesas para pagar como: manter um edifício, pagar serviços públicos, comprar material de escritório, Bíblias, alimentos, etc., e recompensar aqueles que trabalham tempo integral em favor da congregação como o pastor. 

Deus espera que Seu povo se responsabilize por cuidar de Sua Casa e o trabalho que precisa ser realizado. 

Com palavras fortes, Deus disse através do profeta Malaquias: “Pode um homem roubar de Deus? Contudo vocês estão me roubando. E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos?’ Nos dízimos e nas ofertas. Vocês estão debaixo de grande maldição porque estão me roubando; a nação toda está me roubando. 10 Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova”, diz o Senhor dos Exércitos, “e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las (3:8-10). 

De acordo com esta passagem, Deus adverte e abençoa generosamente aqueles que estão comprometidos em cuidar do trabalho de Sua igreja. 

Qual a diferença entre dízimos e ofertas? 

Dízimos: como o nome diz, o dízimo refere-se a deixar de lado 10% do produto total para dar regularmente a Deus. 10 por cento é a soma tradicional e remonta ao Antigo Testamento, mas a Bíblia fala de bênçãos para aqueles que dão generosamente (ou mais do que o necessário), mesmo que sejam pobres. Normalmente, uma pessoa deixa de lado 10% de seu salário semanalmente ou mensalmente para dar para sua igreja. 

Ofertas: É um presente especial. É feito regularmente além do dízimo e com motivos especiais. Por exemplo, se a igreja quiser dar presentes de Natal a famílias carentes, pode pedir uma oferta para cobrir estas despesas. Esta oferta de tempos em tempos não substitui o compromisso de dar o dízimo. 

Existem regras para dízimos e ofertas? 

Absolutamente! Lemos na passagem de Malaquias que a integridade é necessária. O exemplo disso temos em Atos 5 com a infeliz história de Ananias e Safira, um casal que não era sincero ao dar. Eles venderam uma propriedade, mas sabendo que deviam levar toda a oferta para a disposição do trabalho, eles mantiveram parte do dinheiro. Quando o apóstolo Pedro, liderado pelo Espírito Santo, pediu-lhes que explicassem, mentiram e morreram no local. 

Deus não se importa com a quantidade em si, porque nem todos têm a capacidade de dar a mesma quantidade. Cada um trará ofertas, como o Senhor os abençoou, diz Deuteronômio 16:17. O que Deus procura é o ato de amor e reverência por trás da oferta. Esta foi a diferença entre as ofertas de Caín e Abel. Caín deu porque considerou isso uma obrigação, no sentido negativo. Abel, não somente deu sua oferta a Deus com alegria, mas também se assegurou de escolher o melhor. Abel deu com a intenção de agradar seu Criador. 

No Novo Testamento, Jesus usou uma viúva pobre, que só tinha moedas de pouco valor, como um exemplo de oferta justa diante de Deus. Se encontra em Marcos 12:41-44: “Esta viúva pobre colocou na caixa de contribuições mais do que o fizeram todos os outros! Digo isto pois todos deram o que tinham sobrando; ela, porém, na sua pobreza, deu tudo o que tinha para viver.” Uma pessoa não pode dar assim sem ter a convicção de que Deus é fiel àqueles que o amam verdadeiramente. 

Quais são as bênçãos para aqueles que dão o dízimo? 

A matemática de Deus é incrível. Praticamente Deus diz – me dê para que eu possa te dar mais: 

” Dêem, e lhes será dado: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês. Pois a medida que usarem também será usada para medir vocês.” – Lucas 6:38 

Provérbios 19:17 também diz: “Aquele que é misericordioso com um pobre empresta ao Senhor, e ele o pagará por sua boa ação”. 

Para entender mais sobre os dízimos e as ofertas, clique no seguinte link o QUE É O DÍZIMO?

Older Posts »

Categorias