Publicado por: mvmportugues | agosto 16, 2018

A ERA DA APOSTASIA – 1 Timóteo 4:1

Apostasia significa o abandono de uma lealdade anterior; é uma deserção consciente, em termos bíblicos, é um ato de se recusar a continuar a obedecer à Palavra de Deus.

Ao longo da história da Igreja, temos visto uma partida contínua de pessoas e de igrejas da fé dos apóstolos. Por mais trágico que isso tenha sido, não deveria nos surpreender, porque Paulo nos advertiu que: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé. Eles seguirão espíritos enganadores e ensinos de demônios” (1 Timóteo 4:1).

Pouco depois de nosso Senhor começar a edificar Sua Igreja, o apóstolo João registra uma das primeiras ocorrências de apostasia. Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós (1 João 2:19). Desde então, muitos outros cristãos professos, igrejas, denominações e seminários, que uma vez defenderam a verdade e a autoridade da Palavra de Deus, derivaram para a apostasia. Uma das características interessantes da apostasia é que ela não acontece da noite para o dia e, na verdade, se desenvolve ao longo de um período de tempo. No entanto, aumentou de forma constante a um ritmo alarmante nos últimos 120 anos.

Vamos nos concentrar em alguns sinais bíblicos que mostram claramente que a apostasia está ocorrendo.

Primeiro – A palavra de Deus é negligenciada como a autoridade suprema de nossa fé. As palavras e a sabedoria do homem tornam-se tão importantes quanto a Palavra de Deus. As pessoas começam a seguir personalidades “cristãs” em vez da Palavra de Deus. Os líderes religiosos descartam os planos do Senhor para construir Sua igreja e criam sua própria estratégia. O poder do Evangelho é enfraquecido e está sendo comprometido por líderes religiosos que estão mais preocupado com o crescimento de sua igreja e conquistar um número maior de seguidores do que em pregar a verdade. O evangelismo bíblico é substituído pelos métodos de conversão do homem e, levando falsamente as pessoas a acreditar que, por terem realizado algum ritual, ou dito uma oração, são salvas. As igrejas dão às pessoas o que elas querem em vez do que elas precisam. A busca da santidade e santificação é negligenciada quando Deus diz claramente: “Sede santos porque eu sou santo” (1 Pedro 1:16). Advertências bíblicas para expor os falsos mestres são ignoradas. Os contendores da fé são rotulados como divisivos e intolerantes. As mulheres podem ensinar homens.

Segundo – A Sagrada Escritura é torcida e alterada para agendas de interesse próprio. A verdade se torna subjetiva e relativa. O erro doutrinal e o pecado são tolerados pelos líderes religiosos que negligenciam sua responsabilidade de proteger as ovelhas. Satanás semeia o joio com pouca resistência. O Evangelho se torna mais abrangente para atrair mais pessoas. A pregação expositiva é substituída por mensagens atraentes e piadas.

A ignorância bíblica daqueles que estão sentados nos bancos da igreja oferece um terreno fértil para que os falsos mestres prosperem. A exortação para lutar fervorosamente pela fé é ignorada (Judas 1:3). As pessoas honram a Deus com palavras, mas seus corações estão distantes Dele (Mateus 15:8). Homens “infalíveis” afirmam ser sucessores dos apóstolos e são abraçados como irmãos em Cristo. Homens ímpios entraram sem ser notados e transformam a graça de nosso Deus em licenciosidade (Judas 1:4). Os defensores da fé são expulsos.

Terceiro – O entretenimento ímpio, as apresentações teatrais, a dança e as atividades distrativas substituíram o Senhor Jesus do foco central da adoração. Os líderes religiosos estão mais interessados ​​em entreter as cabras do que alimentar as ovelhas. Mensagens que agradam seus ouvido dão às pessoas o que elas querem em vez do que precisam (2 Timóteo 4:3). A sã doutrina e a verdade são suprimidas em prol da unidade “universal” ecumênica. Corações tornam-se endurecidos e o amor a Deus se esfria (Mateus 24:12). O erro doutrinário floresce e é abraçado com orgulho obstinado. Não há amor pela verdade e não há discernimento. As pessoas não apoiam nada e se apaixonam por tudo. Existe uma aparência de piedade, mas negando a eficácia dela (2 Timóteo 3:5). A idolatria é praticada e encorajada. O pecado e estilos de vida imorais são tolerados. As mulheres são ordenadas como líderes religiosas.

Quarto – O ensino é fortemente influenciado por doutrinas de demônios (1 Timóteo 4:1). Jesus foi removido da igreja. A decepção está completa. Sinais mentirosos e maravilhas, incluindo aparições, são abraçados como mensagens celestiais quando de fato vêm de Satanás. A idolatria e as orações aos mortos são encorajadas. Aqueles que proclamam a verdade do Evangelho são condenados com anátema ou à morte. A graça é transformada em licença para pecar. Não há mais evidência do fruto do Espírito que é amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, e domínio próprio (Gálatas 5:22-23). A graça e o perdão de Deus são vendidos por um preço. O candelabro da igreja foi removido e um certo julgamento aterrador é inevitável.

Talvez você esteja em uma igreja ou denominação que está caindo em apostasia. Jesus Cristo usará você para lutar fervorosamente pela fé e proteger a santidade de Sua Igreja? Nestes últimos dias de crescente apostasia e decepção, todos nós precisamos dar ouvidos ao aviso de Pedro e encorajar a outros a fazerem o mesmo: Portanto, queridos amigos, desde que vocês já sabem destas coisas de antemão, tomem cuidado para não serem levados pelo erro desses homens maus, caindo assim da sua posição segura (2 Pedro 3:17).

A apostasia está ao nosso redor em vários graus. Como cristãos, precisamos ter certeza de que estamos nos apegando à verdade da palavra de Deus e resistindo à Igreja Emergente, à Nova Era, ao Ecumenismo e ao secularismo que está ao nosso redor. Precisamos permanecer firmes na palavra de Deus e nunca nos envergonharmos da verdade do Evangelho: Pois não me envergonho das boas-novas a respeito de Cristo, que são o poder de Deus em ação para salvar todos os que creem, primeiro os judeus, e também os gentios (Romanos 1:16).

Precisamos alertar as pessoas contra a apostasia e a necessidade de avançar na fé, a dar frutos como ramos ligados à videira. Hebreus 3:12-13 nos incita a ter: cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês jamais chegue a ter um coração mau, que se recuse a crer, e que os leve, assim, a se afastar do Deus vivo. Ao contrário, encorajem uns aos outros todos os dias…, a fim de que nenhum de vocês seja enganado pelo pecado, afastando, assim, seu coração de Deus.

A apostasia é um desafio contra Deus porque é uma rebelião contra a verdade; assim defenderás a glória e a honra do nosso grande Deus e Salvador e protegerá a pureza do Seu Evangelho? Que a Palavra de Deus nos exorte e encoraje a combater o bom combate da fé (1 Timóteo 6:12), porque a Bíblia nos adverte que “nos últimos dias virão tempos de dificuldade” (2 Timóteo 3: 1) e muitos terão “a aparência de piedade, mas negando seu poder” (2 Timóteo 3:5). A melhor maneira de evitar a apostasia e rejeitar os ensinamentos dos apóstatas é ler a Palavra de Deus e estudá-la, porque a melhor maneira de identificar a falsificação é conhecer a verdade genuína da Escritura.

Anúncios

As palavras mais terríveis que um cristão professo poderia ouvir seria Jesus dizendo: “Eu nunca os conheci; apartai-vos de Mim, vocês que praticam a iniquidade” (Mateus 7:21-23). O Senhor Jesus declarará essas palavras horríveis para muitos, não poucos, que se gabam das muitas obras que fizeram em Seu nome. Eles o chamaram de Senhor, mas não obedeceram ao Seu primeiro mandamento de “arrepender-se e crer no Evangelho” (Marcos 1:15).

Quem são os “muitos” que serão rejeitados no Dia do Julgamento? Eles são aqueles que achavam que podiam ganhar a vida eterna pelas obras que estavam fazendo, em vez de confiar na obra que Cristo fez. Eles também nunca se afastaram de seus pecados para seguir a Jesus Cristo com fé. Então, porque eles nunca obedeceram ao Evangelho de Cristo, eles pagarão a penalidade da destruição eterna, longe da presença do Senhor (2 Tessalonicenses 1:9). Tragicamente, quando Jesus declara a eles, “apartai-vos de Mim”, não haverá uma segunda chance, nem desculpas, nem a oportunidade de culpar qualquer falso mestre que os enganaram.

O Senhor Jesus também se referiu aos “muitos” quando falou dos dois caminhos para a eternidade. Muitos viajarão pela estrada larga para a destruição, em vez do caminho estreito para a vida eterna (Mateus 7:13-14). Em vez de se esforçarem para entrar no portão estreito, testando os ensinamentos de todo homem, eles tolamente seguem falsos mestres, que são lobos disfarçados em roupas de ovelhas (Mateus 7:15).

É triste ver que muitos professam fé em Cristo, mas poucos mostram evidências de nascer de novo como novas criaturas em Cristo. Muitos que se chamam de cristãos não podem nem sequer comunicar o Evangelho que tem o poder de salvar almas. Parte da culpa deve ser colocada nos métodos de evangelismo centrados no homem, tais como tomar a decisão de “aceitar” a Cristo repetindo uma oração, ou indo ao altar para receber a salvação, ou sendo “uma boa pessoa” e fazendo boas obras. Nenhum desses métodos é encontrado na Bíblia. A única resposta salvadora ao Evangelho da Graça é se arrepender e crer no Senhor Jesus Cristo (Marcos 1:15). Parte da culpa também pode ser atribuída àqueles que comprometem o Evangelho para torná-lo mais palatável e menos ofensivo (Gálatas 1:6-10).

Com tantos falsos convertidos, a igreja se tornou um campo missionário. Muitos que professam a Cristo não são realmente obedientes a Cristo! Eles não entendem o novo nascimento. Eles nunca passaram da morte para a vida. Eles permanecem condenados porque não foram justificados. Eles permanecem inimigos de Deus, apesar de professarem ser Seus amigos! Eles continuam escravos do pecado porque nunca foram libertados. Eles professam o Salvador com palavras, mas o coração está longe Dele (Mateus 15:8). Eles enganam outras pessoas com sua justiça externa, mas não podem enganar a Deus porque de Deus não se zomba (Gálatas 6:7). Eles não estão conscientes do perigo pendente, porque nunca se examinaram para ver se sua fé é genuína: “Examinem a si mesmos. Verifiquem se estão praticando o que afirmam crer. Assim, poderão ser aprovados. Certamente sabem que Jesus Cristo está entre vocês; do contrário, já foram reprovados” (2 Coríntios 13:5).

A melhor maneira de provarmos que nossa fé é genuína é examiná-la pelas lentes da Escritura. O apóstolo João escreveu sua primeira epístola para que aqueles que crêem no Senhor Jesus possam saber que eles têm a vida eterna (1 João 5:13). Também vemos muitas características de falsos convertidos na Palavra de Deus. Alguns deles estão listados abaixo:

  • Você pensa que é uma boa pessoa, quando a Palavra diz: “Não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer” (Romanos 3:12).
  • Você tem conhecimento de Deus, mas não O obedece. “Eles afirmam que conhecem a Deus, mas por seus atos o negam; são detestáveis, desobedientes e desqualificados para qualquer boa obra” (Tito 1:16).
  • Você não busca a santificação quando a Bíblia diz: Esforcem-se para viver em paz com todos e viver uma vida santa; pois sem a santidade ninguém verá o Senhor (Hebreus 12:14).
  • Você é hipócrita sem arrependimento (Lucas 18:9-14).
  • Você procura estabelecer sua própria justiça. Porquanto, ignorando a justiça que vem de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se submeteram à justiça de Deus (Romanos 10:3).
  • Você não está disposto a perdoar os outros. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas (Mateus 6:15).
  • Você não tem vontade de seguir a Jesus, quando Jesus disse: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me(Lucas 9:23).
  • Você chama Jesus de Senhor, mas não faz o que Ele diz (Lucas 6:46).
  • Você ama seu pecado. “E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más” (João 3:19).
  • Você não se afastou da iniqüidade. “Todo aquele que citar o nome de Cristo aparte-se da iniquidade” (2 Timóteo 2:19).
  • Você tolera ou promove coisas que Deus odeia (Provérbios 6:16-19).
  • Você é um mero ouvinte da Palavra, não um fazedor, enganando a si mesmo (Tiago 1:22).
  • Você está cheio de orgulho sem humildade (Tiago 4:6).
  • Você anda na escuridão. “Se dissermos que temos comunhão com Ele e andarmos em trevas, mentimos e não praticamos a verdade” (1 João 1:6).
  • Você vive de acordo com sua natureza pecaminosa (Romanos 8:5).
  • Você não ama a verdade … para que sejam julgados todos os que não creram a verdade; antes, tiveram prazer na iniquidade (2 Tessalonicenses 2:10-12).
  • Você diz que Jesus é o seu Salvador, mas não O faz o Senhor da sua vida (Lucas 4:46).

Como a Bíblia nos diz, a certeza de que somos verdadeiramente salvos não se baseia em uma decisão passada, mas em uma realidade presente. Então, o que acontece se não tivermos certeza sobre nossa fé e nossa salvação? Encontramos a resposta na Palavra de Deus: 

  • Permaneça na Palavra de Deus – então você conhecerá a verdade que o libertará do engano religioso (João 8: 31-32).
  • Arrependa-se – com tristeza piedosa tristeza por seus pecados e clame a Deus por misericórdia (Lucas 18:13). “Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento que conduz à salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo produz a morte” (2 Coríntios 7:10).
  • Creia no Evangelho – siga o Senhor Jesus Cristo com fé (Romanos 10:9-10).
  • Ame a Deus – com todo seu coração, alma e mente (Mateus 22:37). “Se alguém não amar o Senhor Jesus Cristo, seja anátema” (1 Coríntios 16:22).

O que devemos fazer se conhecermos alguém que possa ser um falso convertido? Peça-lhe para compartilhar os eventos que estavam presentes durante sua conversão. Se o seu testemunho de conversão não se alinhar com as Escrituras, faça mais perguntas. Fale a verdade em amor. Deixe-os saber que a eternidade é para sempre! Podemos estar errados sobre muitas coisas nesta vida e ainda sobreviver, mas se estivermos errados sobre nossa fé, nós pagaremos por esse erro por toda eternidade.

Neste momento, há imagens de fogos violentos que estão queimando muitas partes do mundo que são absolutamente aterrorizantes. Milhares de pessoas estão fugindo para um lugar seguro porque sentem o perigo iminente. Por mais doloroso que seja ver esses incêndios devastadores, é muito mais desalentador ver as pessoas rejeitarem a realidade do fogo horripilante que aguarda as pessoas que morrem sem Cristo. Aqueles que morrem em seus pecados irão imediatamente para um lugar de tormentos onde eles conscientemente experimentam dor e sede de um fogo ardente que nunca se extinguirá. O horror e a desesperança são tão grandes que eles vão querer alertar seus entes queridos. Por favor, leia a parábola que Jesus contou aos seus discípulos sobre LÁZARO E O HOMEM RICO; aonde Jesus nos adverte que o estado eterno de punição pelos pecados é irreversível; não há segunda chance e não há escapatória.

Nós, que conhecemos o temor do Senhor, precisamos persuadir homens (2 Coríntios 5:11) e suplicar àqueles que vemos que estão perdidos para fugir para os braços amorosos e misericordiosos de Jesus Cristo, que é sua única esperança de fuga. (Lucas 16:19-31)

Por favor, saiba que em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos (Atos 4:12). Como sacerdotes para Deus, que são todos os verdadeiros crentes nascidos de novo (Apocalipse 1:6), façamos tudo o que pudermos para salvar nossos amados da ira de Deus antes que seja tarde demais!

Publicado por: mvmportugues | agosto 2, 2018

ESCUTE A DEUS PORQUE ELE FALA POR UM SUAVE SUSSURRO – 1 Reis 19:12

Depois do terremoto houve fogo, mas o Senhor não estava no fogo. E, depois do fogo, veio um suave sussurro. (1 Reis 19:12)

Elias correu e se escondeu por sua vida, embora Deus tivesse espectacularmente respondido sua oração com fogo do céu. Jezabel, no entanto, não se intimidou com a vitória de Elias e jurou que ela o mataria. E por causa disso Elias caiu em tal depressão que ele queria morrer. Se Jezabel não pudesse ficar impressionada com o fogo do céu, como é que Elias poderia esperar derrotar-la e seus exércitos? 

Então, o que aconteceu com Elias? 

Em muitas áreas da vida, grandes vitórias são frequentemente seguidas por momentos de dúvida, desânimo e depressão. Estresse emocional, fadiga física e outros fatores podem, às vezes, se combinar para causar depressão.

As pessoas comprometidas com Deus não estão imunes ao ser humano, porque as emoções fazem parte da humanidade. É por isso que usar nossas emoções humanas como um guia para nossa condição espiritual é perigoso. Sentir-se bem e ser feliz nem sempre são boas medidas de nosso compromisso com Deus. Da mesma forma, sentir-se deprimido, desanimado, ansioso, duvidoso, não é necessariamente sinal de decadência espiritual.

Elias desistiu. Ele deixou seu país no norte e viajou para o sul. Quando chegou à fronteira de Israel em Berseba, ele deixou seu servo lá e continuou sozinho e, finalmente, depois de andar um dia inteiro no deserto, ele se sentou debaixo de um arbusto e orou a Deus, pedindo para morrer, então exausto ele adormeceu.

Precisamos entender que Deus não desiste de nós tão facilmente como nós desistimos Dele! Deus veio a Elias no deserto, no meio de sua angústia, quando um anjo o tocou, e disse: “Levante-se e coma!”

A palavra traduzida como “anjo” no hebraico significa simplesmente mensageiro (v. 5). Muitas vezes a Bíblia usa mensageiro como uma maneira de descrever a presença do próprio Deus (Juízes 2:1; Isaías 63:9).

Agora, depois de recuperar sua força, enquanto Elias viajava em direção a Horebe, ele ainda não havia se recuperado totalmente de seu estado emocional; mas ele estava se movendo, o que era bom. Nem sempre podemos esperar uma “solução rápida” para nossos desânimos, a cura pode ser lenta, mas iniciar o processo é um bom começo. 

Agora lemos o que aconteceu com Elias e a revelação de Deus para ele nos versos de 1 Reis 19:9-18.

Aqui está o núcleo da história. Nestes versos, a história se move além de Elias e suas necessidades pessoais para o nível mais profundo que aborda a questão de como Deus trabalha. Deus não desistiu de trabalhar com Elias e vemos pelas perguntas persistentes de Deus que Ele estava levando Elias gentilmente a uma resposta fiel.

O monte Horebe, onde Elias se encontrava após sua longa jornada pelo deserto, era a própria montanha onde Moisés havia encontrado Deus no fogo de uma sarça ardente (Êxodo 3:1). Foi naquela montanha, também chamada Monte Sinai, que Deus deu a lei a Moisés em meio a fogo, fumaça e trovão (Êxodo 19:16-18).

Pela divina graça e providência de Deus, Elias foi sustentado por quarenta dias e quarenta noites até que ele alcançou Horeb a montanha de Deus e encontrou abrigo em um caverna. Isso nos lembra que “quarenta” aparece na Bíblia em lugares como os 40 anos no deserto para os judeus; 40 dias de Moisés no monte recebendo a Lei, os 40 dias de Jesus no deserto e Sua tentação por Satanás, e há muitos outros relatos de 40 dias na Bíblia.

Agora, enquanto lá, lemos que “um grande e forte vento” foi enviado e “após o vento um terremoto,” depois do terremoto houve fogo, mas o Senhor não estava no fogo. E, depois do fogo, veio um suave sussurro (1 Reis 19: 11-12). Mas o Senhor não estava no vento nem no terremoto ou no fogo. Deus finalmente chegou a Elias com “um suave sussurro”, e aquela voz assegurou-lhe que Deus estava em controle de todas as circunstâncias. 

Em nossa impaciência humana, acreditamos que Deus deve sempre se mover de maneira imediata e com grande força. A menos que as coisas aconteçam imediatamente, ficamos desanimados, como Elias. Mas muitas vezes Deus fala em voz baixa e trabalha de maneira silenciosa. “Portanto, o Senhor esperará até que voltem para ele, para lhes mostrar seu amor e compaixão…e seus ouvidos o ouvirão. Uma voz atrás de vocês dirá: “Este é o caminho pelo qual devem andar”, quer se voltem para a direita, quer para a esquerda” (Isaías 30:18, 21.) O Espírito Santo nunca nos dirá para fazer algo que viole e desobedeça a Santa Palavra de Deus.

Uma vez que aprendemos a ficar quietos e esperar no Senhor e nosso espírito se aquietou, somos encorajados a conversar com Deus sobre o que está acontecendo em nossas vidas e a ouvir, porque:

  1. A voz de Deus é muitas vezes quieta. Às vezes, a menos que tenhamos a habilidade em reconhecer a voz de Deus, podemos confundi-la com um pensamento passageiro. Eu acredito que Deus gostaria de conversar com a gente frequentemente, mas muitas vezes não estamos ouvindo. Ou há tanto “barulho” e comoção acontecendo em nossa vida e tão pouco tempo de silêncio com Ele, que a voz suave de Deus não é ouvida.

Sabemos que Deus é plenamente capaz de chamar nossa atenção se Ele precisar; mas que Ele preferiria que nós o escutássemos  porque O amamos e sabemos que Ele nos ama e deseja o melhor para nós.

  1. A voz de Deus pode nos guiar no que devemos fazer. Depois de ouvir a Deus, Ele dá a Elias a tarefa de ungir três homens, dois reis e seu sucessor profético.A voz de Deus estava lá para esclarecer a direção de Elias e Ele faz o mesmo por nós.
  2. A voz de Deus pode proporcionar conforto quando estamos ansiosos. Elias estava com medo, exausto, deprimido e sem esperança. Deus o conforta dando-lhe um novo trabalho e uma nova tarefa para fazer. Jesus conforta e restaura Pedro da mesma maneira, restaurou-o apontando gentilmente ao trabalho que tinha que fazer, pedindo-lhe três vezes para cuidar de Seus cordeiros e ovelhas.Deus também tranquiliza Elias apontando-o para um companheiro espiritual, Eliseu, que aprenderá com ele e eventualmente o sucederá para que o trabalho de sua vida continue após sua morte. Que benção!
  3. A voz de Deus pode trazer repreensão. Às vezes, precisamos que Deus nos ilumine, e corrija nossos erros de pensamento. Elias estava reclamando: “Sou o único que restou.” Mas Deus informa a ele que 7.000 pessoas não comprometeram a fé Nele.

Lá estava Eliseu, um jovem que Deus estava preparando e 7.000 outros homens que não nunca haviam se prostraram diante de Baal. Mostrou a Elias que seu ministério não foi em vão e que a Palavra de Deus não retorna vazia, não importa o quão mal as coisas possam parecer para nós. A nação não seria totalmente exterminada e haveria aqueles que continuariam a obra do Senhor.

A Bíblia é chamada a Palavra de Deus porque é a Sua voz, não em sons audíveis, mas em palavras escritas pela inspiração do Espírito Santo. E quando a ouvimos pregar e ensinar em espírito e em verdade, estamos ouvindo a voz de Deus que efetivamente atua naqueles que crêem (1 Tessalonicenses 2:13).

Então, quando estiver com problemas, lembre-se sempre do que a inspiração do Espírito Santo disse ao salmista para escrever: “Aquietem-se e saibam que eu sou Deus! (Salmo 46:10)

Publicado por: mvmportugues | julho 26, 2018

DEUS NOS AJUDA A RESISTIR AO DIABO – 1 Coríntios 10:12-14

Portanto, aquele que pensa que está de pé é melhor ter cuidado para não cair. As tentações que vocês têm de enfrentar são as mesmas que os outros enfrentam; mas Deus cumpre a sua promessa e não deixará que vocês sofram tentações que vocês não têm forças para suportar. Quando uma tentação vier, Deus dará forças a vocês para suportá-la, e assim vocês poderão sair dela. Por isso, meus queridos amigos, fujam da adoração de ídolos. (1 Coríntios 10:12-14) 

Pergunta; no meio das circunstâncias que te cercam, você está vivendo como um verdadeiro cristão? Lembre-se que se Cristo vive em você como Paulo escreve você: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim” (Gálatas 2:20).  

Deus deseja transformar seu caráter e conduta à semelhança do caráter e conduta de Jesus Cristo. E Ele fará isso na medida em que você O permitir. 

Se você diariamente renuncia a toda autoconfiança para depender somente no Senhor, e se você se abster de tomar decisões independentes para aceitar e obedecer a Sua vontade, então a vida gloriosa de Cristo se manifestará em você.

É possível, no entanto, que tenha sido difícil para você colocar em prática o que aprendeu. A razão é que você tem um inimigo que quer atrapalhar. Este inimigo é o diabo. Seu propósito é fazer você pecar e sua arma é a tentação. Mas Deus está com você e, em Sua palavra, Ele mostra a você o caminho a ser superado.

Em 1 Pedro 5:8 lemos estas palavras: “Estejam alertos e de mente sóbria. Seu inimigo, o diabo, anda por aí como um leão rugindo à procura de alguém para devorar.” O diabo está bravo com você porque uma vez que você se torna um filho de Deus, ele te perdeu. Antes de sua conversão a Cristo, como diz em 2 Timóteo 2:26, ​​o diabo o manteve cativo para fazer a vontade dele. Mas se você é nascido de novo, não é mais assim; e de acordo com Colossenses 1:13 Deus te libertou do poder das trevas e te transferiu para o reino do Seu amado Filho. Em outras palavras, você mudou de cidadania; antes você pertencia ao reino das trevas, e o diabo exerceu autoridade sobre você. Mas agora você é um cidadão do reino de Cristo, e o diabo está zangado com você.

Mas o diabo também está zangado com o fato de que agora Deus pretende usar você como testemunha de Seu poder libertador. Se você permitir diariamente que Cristo viva a Sua vida em você, então você será um instrumento eficaz nas mãos de Deus para que outras pessoas possam ser salvas.

Para evitar que isso aconteça, o diabo te ataca. Seu propósito é fazer você pecar. Ele sabe que qualquer pecado quebra sua íntima comunhão com Deus; “Mas as suas iniqüidades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto Dele, de modo que Ele não os ouvirá” (Isaías 59:2), e lemos em Salmo 66:18 que, se eu tivesse guardado maus pensamentos no coração, o Senhor não teria me ouvido. O diabo também sabe que quando você se afasta do Senhor, você não pode dar frutos para Ele, como ensina João 15:5. Então, para enfraquecer seu testemunho cristão, o diabo tenta fazer você pecar. A arma que ele usa para isso é a tentação.

Agora, temos que entender que ser tentado é perigoso, mas não é o ato de cometer um pecado. Como Hebreus 4:15 ensina que o Senhor Jesus foi tentado do mesmo modo que nós, mas não pecou.O pecado não consiste em ser tentado, mas em ceder à tentação.

Agora, Deus pode transformar a tentação do diabo em um meio de bênção. Tiago 1:12 diz: Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. Isso significa que, quando a tentação é vencida, o crente vitorioso é fortalecido para lutar melhor contra futuras tentações.

A terceira coisa encorajadora é que Deus se oferece para ajudá-lo a superar. Sua oferta está em 1 Coríntios 10: 12-14, que é o nosso verso de hoje. Portanto, aquele que pensa que está de pé é melhor ter cuidado para não cair. As tentações que vocês têm de enfrentar são as mesmas que os outros enfrentam; mas Deus cumpre a sua promessa e não deixará que vocês sofram tentações que vocês não têm forças para suportar. Quando uma tentação vier, Deus dará forças a vocês para suportá-la, e assim vocês poderão sair dela. Por isso, meus queridos amigos, fujam da adoração de ídolos.

Neste importante trecho, versículos doze e catorze são mandamentos, versículo treze contém duas promessas. As promessas estão entre os mandamentos. Isso indica que eles estão intimamente relacionados entre si. Deus cumprirá fielmente as duas promessas quando você for igualmente fiel em obedecer aos dois mandamentos.

O primeiro mandamento é que você não confia em si mesmo. “Aquele que pensa que está de pé é melhor ter cuidado para não cair.” Lembre-se do caso de Pedro. Ele confiantemente disse a Jesus: Ainda que todos te abandonem, eu nunca te abandonarei; … Mesmo que seja preciso que eu morra contigo, nunca te negarei” (Mateus 26:33, 35). E todos nós sabemos o triste resultado. Portanto, a primeira coisa que você tem que fazer para vencer a tentação é desconfiar de si mesmo e depender totalmente do Senhor.

O segundo é: “fugir da idolatria”. Um ídolo não é apenas uma imagem ou figura. Qualquer coisa que o separe de uma suprema fidelidade a Deus é um ídolo para você. Então, quando você sabe que algo te tenta a pecar, você deve fugir disso.

Agora, se você obedeceu a estes dois comandos, então você pode confirmar completamente que Deus cumprirá as duas promessas. Primeiro, Ele irá parar seu inimigo. Ele não permitirá que você enfrente qualquer tentação que você não possa superar. E em segundo lugar, juntamente com a tentação permitida, Ele lhe fornecerá uma saída para que você não caia na armadilha.

Portanto, “resista ao diabo e ele fugirá de você” (Tiago 4:7), e podemos fazê-lo mantendo constantemente a sobriedade e a vigilância contra suas seduções, tendo cuidado para permanecer “firmes na fé”. Caso contrário, o pseudo-intelectualismo e a pressão social a que estamos sujeitos diariamente poderiam rapidamente nos persuadir a comprometer a fé, ou mesmo a afastar-se dela.

Somos ordenados a não desistir e não comprometer. Em vez disso, devemos “vestir toda a armadura de Deus, para podermos ficar firmes contra as ciladas do Diabo. E nós temos que tomar o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno, e usar o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus (Efésios 6:11; 16-17).

Este foi o instrumento com o qual o próprio Senhor Jesus resistiu ao diabo, rejeitando toda tentação com a palavra de Deus. O resultado então, como será conosco, foi que o diabo “se afastou Dele por algum tempo” (Lucas 4:13).

Nossa vitória está em Cristo. Hebreus 2:18 diz: Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados. Então, quanto mais perto estivermos do Senhor e da Sua palavra, mais seguros estaremos.

Satanás não tem poder sobre um verdadeiro filho de Deus; porque o poder de Satanás foi quebrado e completamente destruído quando Jesus ressuscitou da sepultura.

“Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.” (1 Coríntios 15:57)

“Pois o Senhor, nosso Deus, está com vocês para lutar ao seu lado e salvá-los do inimigo.” (Deuteronômio 20:4)

Para informações adicionais, clique no seguinte link: REALIDADES DA GUERRA ESPIRITUAL E DA VIDA VITORIOSA

Publicado por: mvmportugues | julho 19, 2018

SENDO UM BARNABÉ E ENCORAJANDO AS PESSOAS – João 7:38

Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.” (João 7:38)

O nome de Barnabé era na verdade José, mas ele era uma pessoa tão edificante que os líderes da igreja cristã primitiva mudaram seu nome para Barnabé, que significa “filho de encorajamento.”

Barnabé estava disposto a assumir riscos para dar a outros um novo começo na vida e foi isso que ele fez por Saulo. Saulo havia destruído a igreja, entrando em todas as casas e arrastando homens e mulheres, entregando-os à prisão. Agora, enquanto estava em uma viagem para a cidade de Damasco, onde ele estava planejando fazer o mesmo, ele teve um encontro que mudou sua vida. Ele ouviu a voz de Jesus e viu uma luz brilhante. A voz disse: “Saulo, Saulo, por que você me persegue? (Atos 9:4)

Não reconhecendo a voz, Saulo perguntou a quem a voz pertencia e foi dito “Eu sou Jesus, a quem você persegue” (Atos 9:5). O brilho da luz de Jesus cegou Saulo por três dias. A voz de Jesus, o qual Saulo tinha certeza que estava morto, removeu sua cegueira espiritual e permitiu que ele visse que Jesus era o Messias, assim como os cristãos que ele vinha perseguindo tinham dito.

Agora, Saulo não queria ter nada a ver com a sua antiga vida, tudo o que ele queria era seguir e ensinar a todos sobre Jesus. Ele começou a compartilhar sua fé recém-encontrada com as pessoas e foi muito eficaz em conduzir os não-cristãos para Cristo. Mas ele foi menos que eficaz em convencer os líderes cristãos de que ele era autêntico em seu amor por Jesus.

Foi quando Barnabé interveio: Então Barnabé o levou aos apóstolos e lhes contou como Saulo tinha visto o Senhor no caminho para Damasco e como ele lhe havia falado. Contou também que, em Damasco, Saulo havia pregado corajosamente em nome de Jesus (Atos 9:27).

Como vemos, Barnabé não apenas “o levou”, mas andou com ele até onde estavam os apóstolos e garantiu sua experiência. Nós podemos ser como Barnabé. Devemos ser discípulos generosos, que ajudam a “levar as pessoas” ao seu chamado e à sua vocação.

Paulo, formalmente, Saulo era o mais baixo dos baixos aos olhos dos líderes cristãos. Barnabé estendeu a mão e ergueu Paul aos olhos dos outros. A partir desse momento, Paulo foi autorizado a pregar sobre Jesus e se tornou um dos maiores mestres cristãos da igreja primitiva. Mas nada disso teria sido possível sem Barnabé, o filho do encorajamento.

Como vemos, Barnabé obviamente teve influência com a liderança da igreja cristã primitiva. Eles ouviram respeitosamente enquanto contava a história do que aconteceu com Paulo e como ele havia sido mudado.

Permanecer na brecha faz com que os que duvidam suspendam o julgamento por um momento enquanto tentam racionalizar: “Por que você apostaria sua reputação nessa pessoa?”

Uma vez que você convence os outros a dar uma nova chance à esta pessoa, você precisa apoiá-la e incentivá-la! Barnabé modelou isso bem com Paulo. Ele viajou e pregou com Paulo por um par de anos, depois seguiu em frente, para encorajar o próximo jovem líder.

Somente a confiança torna esse tipo de encorajamento possível. Paulo confiou em Barnabé e Barnabé confiava em Paulo para continuar da maneira que ele havia sido treinado. Ambos se moveram para novas esferas de influência, pois permitiram que a distância física se estabelecesse entre eles.

Você tem um Barnabé em sua vida? Você tem um amigo que vem ao seu lado e diz: ‘estou aqui para você?’ Ou ‘Eu te amo.’  Ou ‘Eu sei que com a ajuda de Deus você pode fazer isso!’ – Porque: “Tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4:13). 

Mais importante, você é um Barnabé? Se você tem um relacionamento pessoal com Cristo, você tem os mesmos recursos que Barnabé tinha. Ele ouviu a mensagem de salvação de Jesus e da gloriosa vida através do poder de Deus.

A razão pela qual Barnabé poderia ser um encorajador para os outros é que ele acreditava no maior Encorajador! Deus é “o Pai das misericórdias e o Deus de toda consolação” (2 Coríntios 1:3). A graça de Jesus transformou Barnabé em filho do Pai do encorajamento! Então Barnabé aprendeu a tratar os outros como Deus o tratou. Ele conhecia a Fonte de encorajamento e tornou-se um maravilhoso imitador de seu Senhor.

A Palavra de Deus nos diz que nós também podemos ser como Jesus (Efésios 5:1). Como você está nessa área de refletir a Cristo? Você procura encorajar os outros? Como você está incentivando seus amigos? Você está se ocupando no ministério de encorajamento? Se as pessoas fossem convidadas a lhe dar um apelido, como fizeram com Barnabé, “Encorajador” se aplicaria a você?

Então, como podemos nos tornar em um Barnabé? Vamos considerar especificamente como nossas palavras podem encorajar outras pessoas, assim como Barnabé o fez. Considere Provérbios 18:21: “A língua tem poder sobre a vida e sobre a morte; os que gostam de usá-la comerão do seu fruto.” Esse é um verso surpreendente. Diz que temos o poder, através das palavras, para elevar ou subjugar um espírito; por isso devemos ter o cuidado de elevar e não fazer com que as pessoas se sintam piores, quando precisam de encorajamento.

Como cristãos, Deus quer que sejamos encorajadores para os outros, ou seja, para dar esperança e inspirar os outros, abrindo os olhos para o potencial dado por Deus. Há um ditado que diz: “Dê a um homem um peixe e você o alimentará por um dia, ensiná-lo a pescar e você o alimentará por toda a vida”.

Incentivar os outros é uma das habilidades da vida mais negligenciadas e subvalorizados. Nenhuma criança se torna um adulto saudável sem uma dose justa de encorajamento e desafio de um adulto significativo. Sem serem encorajados, os jovens são deixados a chafurdar em atividades sem sentido e vidas irresponsáveis. Somente através do dom de encorajamento, as pessoas realmente podem brilhar.

O Senhor disse a Josué: Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar.” (Josué 1:9)

E Ele encorajou Isaías dizendo-lhe: Por isso não tema, pois estou com você; não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei; eu o segurarei com a minha mão direita vitoriosa. (Isaías 41:10)

Barnabé confiou em Deus para torná-lo o incentivador que ele se tornou e ele fará o mesmo para todos que estão dispostos a fazer o mesmo.

Lembre-se, as pessoas não se importam com o quanto você sabe – até que eles saibam quanto você se preocupa.

Publicado por: mvmportugues | julho 12, 2018

A IMPORTÂNCIA DE TER UNIDADE NA IGREJA – 1 Coríntios 1:10

A unidade é uma manifestação vital de uma igreja capacitada pelo Espírito Santo. É por isso que Paulo disse aos cristãos de Éfeso para procurar “guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Efésios 4:3). É por isso que ele escreveu aos Coríntios: Irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo suplico a todos vocês que concordem uns com os outros no que falam, para que não haja divisões entre vocês; antes, que todos estejam unidos num só pensamento e num só parecer (1 Coríntios 1:10).

Na unidade há um só corpo, um só Espírito, um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos (Efésios 4:4-6). Os desafios que enfrentamos, as batalhas espirituais que enfrentamos, exigem que nós aceitamos a verdade de que os verdadeiros crentes “são todos um em Cristo Jesus” (Gálatas 3:28).

Paulo pede que os crentes na igreja tenham a mesma opinião, tendo o mesmo amor, sendo um em espírito e propósito (Filipenses 2:2). Essencialmente, ele os chamou para serem unidos, para serem um.

Onde a divisão pode normalmente reinar, a unidade deve levar o amor de Cristo, onde os crentes ouvem e suportam uns aos outros. Jesus disse: Nisto todas as pessoas saberão que vocês são meus discípulos, se vocês amarem uns aos outros (João 13:35).

Devemos entender que Deus fez cada crente único com diferentes funções, e essas diferenças tornam o corpo de Cristo lindo – Romanos 12:4. A unidade, consequentemente, não significa que todos somos iguais, mas que honramos nossas diferenças e trabalhamos juntos, apesar delas – 1 Coríntios 12:12-27.

Embora tenhamos diferentes dons e diferentes chamados, o nosso propósito comum é glorificar a Deus em tudo o que pensamos, dizemos e fazemos (1 Coríntios 10:31). Nós O glorificamos vivendo em obediência aos Seus mandamentos e dando muito fruto (João 15:8, 10). Também O glorificamos quando nos tornamos mais conformes à imagem de Jesus Cristo (2 Coríntios 3:18) e sendo santo porque Ele é santo (1 Pedro 1:16).

A unidade cristã é expressa pela missão comum dos crentes que é para cumprir a Grande Comissão, para fazer discípulos de todas as nações (Mateus 28:19), e regozijar-se que Cristo está sendo proclamado (Filipenses 1:15-18).

Para ser unificado, os cristãos devem desenvolver atitudes corretas, e os crentes devem estar unidos em espírito. Em Filipenses 2:5, Paulo diz que toda pessoa deve ter a mesma “atitude” ou “mente” como Cristo. Estar unidos em espírito significa cuidar uns dos outros como se estivéssemos cuidando de nós mesmos. Isso significa seguir a regra de ouro, amar o próximo como a si mesmo (Marcos 12:31). Assim que quando os cristãos desenvolvem a mente de Cristo, será fácil de ter uma igreja unida. 

A unidade cristã é expressa pela crença comum dos crentes; acreditando na inspiração e autoridade da Escritura; a Trindade; a plena divindade e humanidade de Jesus Cristo; Sua morte substitutiva na cruz; Sua ressurreição corporal; Sua segunda vinda corporal; e salvação pela graça somente pela fé, e não por obras.

Se os crentes querem ser unidos, eles devem ter o espírito correto. Eles devem abandonar a ambição egoísta e a vã glória. Eles devem praticar a santidade e ter a humildade de um servo. 

A unidade cristã é baseada na redenção. É baseada na comunhão que desfrutamos com todos os verdadeiros crentes que, como nós, experimentaram o perdão de Deus e que receberam a vida eterna. E a unidade cristã só pode ser experimentada pelos verdadeiros crentes, aqueles que vieram a conhecer o Pai e o Filho através do Espírito Santo.

A unidade cristã é baseada na verdade, mas também é baseada no comportamento piedoso. No livro de Apocalipse, nas cartas às sete igrejas, Jesus adverte sobre aqueles que toleram a imoralidade na igreja. Paulo também, em sua carta à igreja em Corínto, diz: “… você não deve se associar com qualquer um que se chame irmão em Cristo mas que vivem em imoralidade sexual, ou são avarentos, ou adoram falsos deuses ou são beberrões ou ladrões (1 Coríntios 5:11). Paulo está falando daqueles que se chamam cristãos, mas que não vivem como cristãos. Ele não quer dizer que nunca devemos falar com tais pessoas ou nunca ajuda-las, mas ele está dizendo que não podemos tratá-las como se fossem verdadeiros crentes.

Precisamos entender que a unidade é absolutamente essencial, porque a verdadeira igreja é o “corpo de Cristo” (1 Coríntios 12:27), e um corpo não pode estar em desarmonia consigo mesmo. Se a desunião ocorre, ela essencialmente deixa de ser um corpo e se torna um grupo desarticulado de indivíduos. Só vamos experimentar a unidade quando andamos no Espírito e não na carne, quando nos apegarmos sinceramente à verdade da Palavra de Deus e quando, de coração, procuramos viver uma vida de santidade que agrada a Ele.

Quando uma igreja faz seu trabalho de maneira harmoniosa e unificada, e o faz ano após ano, enquanto toma decisões de acordo com Cristo e realiza ministérios importantes, o mundo nota. O mundo exterior observa e vê, e as pessoas são atraídas a Jesus.

É por isso que Jesus orou fervorosamente, para que Seus seguidores fossem um: “Pai, eu oro para que todos sejam um… para que o mundo creia que Tu me enviaste… .que eles sejam um, assim como nós somos um…” (João 17:20-23). Isso significa que nossa unidade deve estar enraizada na própria unidade de Cristo com o Pai.

Uma igreja unificada, portanto, é uma das evidências mais fortes da verdade do evangelho. E através Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função” (Efésios 4:16).

A humildade é o fundamento para a santidade, e a santidade traz harmonia à igreja, resultando em uma igreja saudável cheia de amor, alegria, paz e unidade no corpo dos crentes.

Publicado por: mvmportugues | julho 5, 2018

LIDANDO COM O PECADO NA IGREJA – Mateus 18:15-17

Livrem-se do fermento velho, para que sejam massa nova, sem fermento…” (1 Coríntios 5:7)

Paulo está ordenando a igreja em Corinto para se livrar do fermento velho, para que eles sejam uma massa nova e sem fermento. O fermento na Bíblia é representado por qualquer tipo de pecado. Se você coloca uma pequena quantidade de fermento na farinha, ela se espalha por toda a massa (1 Coríntios 5:6). Paulo está dizendo simbolicamente que a igreja deve disciplinar o homem pecador e se isso não funciona, eles precisavam expulsar a pessoa má para que a pureza da igreja fosse restaurada e o pecado não se espalhasse mais (vs. 5:13). 

Este princípio pode ser observado em uma família. Se os pais não disciplinarem de forma consistente e imparcial uma criança desafiadora, muito em breve as outras crianças aprenderão que não haverá consequências se desobedecerem a seus pais. O pecado do primeiro filho se estende aos outros. O mesmo acontece na escola com um professor que não impõe disciplina. Logo toda a classe está fora de controle. No nível do governo, se as autoridades não fizerem cumprir as leis, todo o país logo se tornará em anarquia.

Na igreja local, Deus deu autoridade aos anciãos piedosos que estão vivendo uma vida santa (Hebreus 13:17). Parte de sua responsabilidade é defender os padrões de santidade de Deus e fazer tudo o que puderem para manter a igreja pura, do ponto de vista doutrinário e moral. Porque, se nós não defendemos os padrões da santidade de Deus, a igreja logo se tornará como o mundo.

As escrituras são claras de que a igreja deve ser distinta do mundo sendo separada para Deus, que é santo. A igreja precisa estar disposta a se distanciar desse mundo corrupto. Como 1 João 2:15 descreve: Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. ” 

Precisamos entender que a Bíblia é clara que não podemos amar nossos irmãos em Cristo, se não lidamos com os seus pecados da maneira que Deus ordena. Deus nos disciplina para o nosso bem, para que possamos compartilhar sua Santidade… e castiga todo aquele que aceita como filho (Hebreus 12:10, Hebreus 12:6). Precisamos entender que o pecado destrói pessoas e relacionamentos; portanto, ser indiferente a alguém que está pecando é realmente odiar essa pessoa

O pecado é como o fermento, que se espalha. É como uma doença contagiosa que, se não for tratada, infectará outras pessoas. É por isso que Tiago 5:19-20 diz: Meus irmãos, se algum de vocês se desviar da verdade e alguém o trouxer de volta, lembrem-se disso: Quem converte um pecador do erro do seu caminho, salvará a vida dessa pessoa…” O amor cristão procura transformar um pecador aplicando o amor de Deus e Sua Palavra. 

O objetivo na disciplina da igreja nunca é vingativo. Nós não procuramos punir pessoas ou expulsá-las da igreja. Nosso objetivo é restaurar o agressor. Em Gálatas 6:1, Paulo escreve: Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês, que são espirituais, deverão restaurá-lo com mansidão. Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado,” significando que devemos fazê-lo sem ser arrogante, mas gentilmente, lembrando que a humildade não significa fraqueza, mas força sob o controle do Espírito Santo.

Alguns podem perguntar: “E se isso não funciona?” A resposta é que devemos ser obedientes a Deus e deixar os resultados para Ele. Não há garantia bíblica de que sempre funcionará. Jesus disse: Se o seu irmão pecar contra você, vá e, a sós com ele, mostre-lhe o erro. Se ele o ouvir, você ganhou seu irmão (Mateus 18:15). 

O objetivo não é “descarregar nosso descontentamento”, deixando a pessoa pecadora saber o quão errada ela está. O objetivo é levá-los a ouvir o que a Escritura tem a dizer para que eles retornem ao Senhor, porque a Palavra de Deus é a suprema autoridade. 

Jesus diz que se você tem conhecimento do pecado de seu irmão em Cristo, então você é quem deve ir falar com ele. Antes de ir, devemos orar e pedir orientação e discernimento ao nosso Pai celestial. Precisamos verificar nosso próprio coração, para ter certeza de que tiramos a viga do nosso próprio olho (Mateus 7:3-5). E temos que verificar os nossos motivos para garantir que não vamos tentar provar que eles estão errados e que nós estamos certos, porque se esse for o caso, estamos indo pelo motivo errado.

Também devemos nos certificar de que recebemos fatos reais. Se alguém nos fala sobre o pecado de outra pessoa, diga ao informante para ir diretamente para a pessoa que cometeu o pecado seguindo estas diretrizes bíblicas. Não procuramos alguém com base em boatos ou fofocas, a menos que descubramos os fatos pessoalmente. Precisamos ir com humildade e sabedoria recebida através da oração, com o objetivo de restaurar o irmão a Deus e àqueles que ele prejudicou. Se o pecador sabe que realmente nos importamos com ele, estará mais propensos a ouvir e responder positivamente.

Se a pessoa não nos escuta, Jesus diz para tomar duas ou três testemunhas (Mateus 18:16). Estes podem ser outros que sabem do problema ou podem incluir líderes da igreja. O objetivo é fortalecer a repreensão e fazer com que o infrator reconheça a gravidade da situação. O objetivo é levar o pecador ao arrependimento e a restauração. 

E em último recurso, Jesus diz: Se ele se recusar a ouvi-los, conte à igreja; e se ele se recusar a ouvir também a igreja, trate-o como pagão ou publicano” (Mateus 18:17). 

Se o pecado tem que ser exposto publicamente, se o pecado de alguém está prejudicando a reputação da igreja, a pessoa precisa ser exposta e removida da comunhão rapidamente.

Se depois de um tempo, a pessoa expressa arrependimento genuíno, o que envolve remorso sobre o pecado (2 Coríntios 7:10) e se arrepende e volta para Deus e demonstra seu arrependimento por seus atos (Atos 26:20), então a igreja deve ser informada e a pessoa deve ser perdoada e aceita de volta à congregação. O processo de restauração, no entanto, precisa incluir treinamento para ajudar a pessoa a crescer e evitar o pecado no futuro. 

Uma igreja deve ser uma comunidade de pecadores perdoadores que, pela graça de Deus, estão buscando viver uma vida de santidade e obediência ao nosso Senhor. Não ousamos cair no orgulho espiritual pensando que somos melhores do que um membro que caiu em pecado. Paulo diz que nossa resposta ao pecado de um membro da igreja deve ser tristeza (1 Coríntios 5:2).

Precisamos estar conscientes de que, se não lidamos com aqueles que se recusam a arrepender-se do pecado como o Senhor ordena, Sua igreja logo se aliará com o mundo e o sal perderá seu sabor. O Senhor adverte que Ele virá e removerá nosso candelabro (Apocalipse 2: 5). 

Consequentemente, devemos praticar a disciplina bíblica na igreja para aqueles que professam ser cristãos e que persistem no pecado. E, precisamos torná-la santa, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível  (Efésios 5:26-27). 

Portanto, “tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo (Colossenses 2:8).

Publicado por: mvmportugues | junho 28, 2018

O CRISTÃO CHEIO DO ESPÍRITO SANTO – 1 Coríntios 2:15

“Nós que temos o Espírito Santo somos capazes de fazer julgamentos sobre todas essas coisas. Mas qualquer um sem o Espírito Santo não pode fazer julgamentos apropriados sobre nós. ” (1 Coríntios 2:15) 

Uma pessoa cheia do Espírito Santo é alguém que nasceu de novo espiritualmente através da fé em Cristo e do poder regenerador do Espírito Santo, e que tem um grande desejo de seguir a instrução do Espírito que habita em nós e de compreender e obedecer os preceitos da Bíblia escritos por Ele. 

Uma pessoa cheia do Espírito Santo terá “a mente de Cristo” (1 Coríntios 2:16), e é capaz de julgar todas as coisas por padrões espirituais e revelação bíblica. Eles “não vivem segundo a carne, mas segundo o Espírito”, sabendo que “a mentalidade do Espírito é vida e paz” (Romanos 8:4, 6). Como tal, os crentes espirituais tomam decisões em busca da vontade de Deus; eles são “guiados pelo Espírito de Deus” (Romanos 8:14). E visto que eles “vivem pelo Espírito”, eles “de modo nenhum satisfarão os desejos da carne” (Gálatas 5:16). 

Eles serão “cheios do Espírito” (Efésios 5:18) para o serviço cristão. Além disso, eles manifestarão “o fruto do Espírito” em suas vidas e personalidades, que “é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio” (Gálatas 5:22-23). 

Os que não são cristãos não podem entender Deus, e eles não podem entender o conceito de que o Espírito de Deus vive nos crentes. Não espere que a maioria das pessoas aprove ou entenda sua decisão de seguir a Cristo. Tudo parece tão tolo para eles. Assim como uma pessoa surda não pode apreciar a boa música, a pessoa que rejeita a Deus não pode entender a bela mensagem de Deus. E sem linhas de comunicação, eles não serão capazes de ouvir o que Deus está dizendo a eles. Portanto, enquanto “aquele que tem o Espírito Santo habitando neles” é capaz de discernir e avaliar todas as coisas por tais padrões divinos, eles se encontram freqüentemente incompreendidos por seus parentes e conhecidos que não são salvos, porque “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2:14). 

No entanto, não devemos permanecer em silêncio ao compartilhar o evangelho. Não devemos aceitar a desculpa do incrédulo de ler, mas não entender. Precisamos estar disponíveis para abrir os olhos dos incrédulos e precisamos ensinar a verdade da palavra de Deus à medida que as oportunidades se apresentam. A pergunta de alguém pode ser uma evidência de que o Espírito de Deus está atraindo-os ao ponto de fazer uma decisão para Cristo. Precisamos lembrar que ninguém pode compreender a Deus (Romanos 11:34), isso vem somente através da instrução do Espírito Santo, e um relacionamento íntimo com Cristo de passar tempo consistentemente em Sua presença e em Sua Palavra. Essa é a única maneira pela qual um crente pode obter a “mente de Cristo”. 

Filipenses 2:5 declara: “Que esta mente esteja em você, que também estava em Cristo Jesus”. Isso significa que Jesus estava disposto a desistir de seus direitos para obedecer a Deus e servir as pessoas. Como Cristo, devemos ter uma atitude de servo, servindo por amor a Deus e a outros, ensinando-lhes a Sua Palavra. 

Então vamos proclamar aos não crentes: “rejeite as obras das trevas, e vista a armadura da luz” (Romanos 13:12), “e não procurem satisfazer os maus desejos da natureza humana de vocês” (Romanos 13:14). 

Juntamente com isso, devemos “livrar-nos da antiga natureza e do velho modo de viver” e depois “revestir-se do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade” (Efésios 4:22, 24). 

E, finalmente, devemos “colocar toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes contra as ciladas do Diabo” (Efésios 6:11).

Esses itens de roupa espiritual, o poder do Espírito Santo, a luz da presença de Deus, o novo homem em Cristo, a vida da ressurreição do Cristo que habita em nós, Sua justiça e santidade imputadas e toda a nossa armadura espiritual, fornecem a base para belas roupas espirituais. “Vocês já se despiram do velho homem com suas práticas e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador.:. . . Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito” (Colossenses 3:9-10, Colossenses 3:12-14). 

Um estilo de vida de obediência traz um conhecimento da habitação do Espírito Santo (1 João 3:24). E aqueles cheios pelo Espírito Santo mostram por seus atos a quem eles servem (1 João 3:7). “Portanto, pelos seus frutos os conhecereis” (Mateus 7:20). 

Por favor, lembre-se que a fé vem pelo ouvir e ouvir pela palavra de Deus (Romanos 10:17); e que devemos ser praticantes da palavra e não apenas ouvintes, enganando a nós mesmos. (Tiago 1:22) 

A vida preenchida pelo Espírito e o caráter piedoso aguardam aqueles que escolhem a Deus sobre si mesmos.

Publicado por: mvmportugues | junho 21, 2018

JESUS PREGA NA SINAGOGA DE NAZARÉ – Lucas 4:18-19

“O Espírito do Senhor está sobre Mim, porque ele Me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele Me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor.” (Lucas 4:18-19) 

O Senhor leu esse belo versículo escrito pelo profeta Isaías referindo-se a Si mesmo, pregando na sinagoga de Nazaré e proclamando: “Hoje se cumpriu a Escritura que vocês acabaram de ouvir” (Lucas 4:21). Note que Ele veio pregar o evangelho para os humildes e não para os orgulhosos. 

Ele também veio para libertar os oprimidos. Isso nos lembra do ano do Jubileu mencionado em Levítico 25 e é definido como o ano sabático depois de sete ciclos de sete anos (49 anos). O quinquagésimo ano era para ser um tempo de celebração e alegria para os israelitas. 

O Ano do Jubileu envolveu um ano de libertação do endividamento (Levítico 25:23-38) e todos os tipos de escravidão (vs. 39-55). Todos os prisioneiros e oprimidos foram libertados, todos os escravos foram libertados, todas as dívidas foram perdoadas e toda a propriedade foi devolvida aos seus proprietários originais. Além disso, todo o trabalho deveria cessar por um ano, e aquele que estava obrigado por contrato era liberado dele. Um dos benefícios do Jubileu foi que tanto a terra como o povo puderam descansar. 

O Jubileu apresenta uma bela imagem dos temas do Novo Testamento, redenção e perdão. Cristo é o Redentor que veio para libertar os que são escravos e prisioneiros do pecado – “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus, porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte” (Romanos 8:1-2). 

A dívida do pecado que devemos a Deus foi paga na cruz quando Jesus morreu em nosso favor – “Quando vocês estavam mortos em pecados e na incircuncisão da sua carne, Deus os vivificou com Cristo. Ele nos perdoou todas as transgressões, e cancelou a escrita de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz (Colossenses 2:13-14), e somos perdoados da dívida para sempre. Nós não estamos mais em cativeiro, não somos mais escravos do pecado, e tendo sido libertos por Cristo, podemos verdadeiramente entrar no descanso que Deus provê. 

Quando Cristo citou “para proclamar liberdade aos presos”, Ele realmente expandiu e interpretou da seguinte forma: “E a recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos” (Lucas 4:18). 

A “prisão” que Cristo veio abrir é evidentemente uma prisão espiritual, uma cegueira da mente. “Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres” (João 8:36), e livres da escravidão do pecado se traduz em nos tornarmos “um sacerdócio real, … povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2:9). 

Para libertar os oprimidos também tinha um significado adicional, porque depois da Sua crucificação, enquanto o Seu corpo estava na tumba, Seu espírito desceu ao Hades, onde os espíritos de todos que morreram na fé estavam esperando por Ele, e “quando ele subiu em triunfo às alturas, levou cativos muitos prisioneiros,. . . subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas” (Efésios 4:8, 10). 

A boa notícia é que ainda estamos no “ano da graça do Senhor”, que é o ano em que somos restaurados e libertados. É o ano em que aceitamos a Jesus como nosso Messias e reconhecemos a necessidade de um Salvador e decidimos que vamos servi-Lo, louvá-Lo, adorá-Lo, honrá-Lo, buscá-Lo e obedecê-Lo pelo resto de nossa vida. 

Jesus nos ungiu para sermos Seu embaixador, habitado pelo Espírito para levar a mensagem de boas novas, enquanto ajudamos a cumprir a grande comissão de Cristo. O evangelho está sendo pregado aos pobres, os cegos estão vendo e os cativos estão sendo libertados. Você acreditará, receberá e será libertado?

Publicado por: mvmportugues | junho 14, 2018

VERDADEIROS E FALSOS DICÍPULOS – Mateus 7:21-23

“Nem todos que me chamam: ‘Senhor! Senhor!’ entrarão no reino dos céus, mas apenas aqueles que, de fato, fazem a vontade de meu Pai, que está no céu. No dia do juízo, muitos me dirão: ‘Senhor! Senhor! Não profetizamos em teu nome, não expulsamos demônios em teu nome e não realizamos muitos milagres em teu nome?’. Eu, porém, responderei: ‘Nunca os conheci. Afastem-se de mim, vocês que praticam a iniquidade!’” (Mateus 7:21-23) 

De acordo com esses versículos, quem entra no reino? É “… apenas aqueles que, de fato, fazem a vontade de meu Pai.” Agora, o que significa “fazer a vontade de Deus”? 

Jesus advertiu Seus discípulos sobre o caminho amplo que leva à perdição, e seguindo no versículo 15 Ele adverte sobre o perigo dos falsos profetas que conduzem as pessoas por essa estrada larga. Nos versos 16 a 20 Ele explica como distinguir um genuíno profeta de um falso profeta. Jesus diz que você simplesmente os conhecerá pelos seus frutos. Você deve examiná-los muito de perto, porque quanto melhor a falsificação, mais cuidadosamente ela deve ser examinada antes que seja possível determinar que ela é falsa. Jesus está dizendo que as doutrinas que ensinam e o caráter de suas vidas revelam se pertencem a Deus ou não. 

Então, nos versículos 21-23, Jesus reforça sua advertência dizendo que muitos dos falsos profetas farão e dirão coisas maravilhosas e impressionantes – “… Não profetizamos em teu nome, não expulsamos demônios em teu nome e não realizamos muitos milagres em teu nome?” Eles fazem algumas coisas muito impressionantes, mas eles não são de Deus. No versículo 20, Jesus novamente diz: “Portanto, pelos seus frutos vocês os reconhecerão!” 

Então, o contexto dos versos 21-23 está lidando com os falsos profetas. Esses falsos profetas podem dizer: “Senhor, Senhor”, mas eles não são de Deus. 

Uma pessoa pode chamar Jesus de Senhor e não saber quem Ele é. O título “Senhor” não indica que uma pessoa tenha uma crença em Cristo. Antes de Paulo ser convertido na estrada para Damasco, ele chamou Jesus de Senhor, mas não sabia quem Ele era: “Quem és tu, Senhor?” Então o Senhor disse: “Eu sou Jesus, a quem você está perseguindo” (Atos 9:3-5). Como vemos, ele O chama de Senhor, mas não sabe quem Ele é. 

Muitos também poderiam estar chamando Jesus de Senhor em um sentido hipócrita, o que significa que eles estão chamando-O de Senhor, mas eles realmente não acreditam Nele. Jesus os chamou de: “Hipócritas! Bem profetizou Isaías acerca de vocês, dizendo: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens’” (Mateus 15:7-9). Então, o fato de que eles chamam Jesus de Senhor não significa que eles acreditem em quem Ele realmente é. 

Precisamos lembrar o que Jesus disse: “mas apenas aqueles que, de fato, fazem a vontade de meu Pai, que está no céu.” Jesus está claramente dizendo que somente aqueles cuja vida é caracterizada pela obediência a tudo o que o Pai ordenou terão o privilégio de estar com Ele por toda a eternidade. Ele disse a eles: “Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim nunca terá fome; aquele que crê em mim nunca terá sede. Mas, como eu lhes disse, vocês me viram, mas ainda não crêem. Todo aquele que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei. Pois desci dos céus, não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade daquele que me enviou. E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. Porque a vontade de meu Pai é que todo aquele que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia (João 6:35-40). 

Ser cristão é mais do que apenas acreditar nas coisas certas, você deve obedecer, o que significa ouvir a Palavra de Deus e agir de acordo. A obediência bíblica a Deus significa, simplesmente, ouvir, confiar, submeter-se e render-se a Deus e à sua Palavra. “Disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos” (João 8:31). 

O Novo Testamento ensina que a salvação é pela graça através da fé. Fé é o meio instrumental; a graça é o meio efetivo de nossa salvação. Nós somos salvos por Jesus Cristo. Somos salvos pela Sua graça através da fé. Mas precisamos entender que Jesus também disse: “Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos” (João 14:15). Isso significa que precisamos ser obediente. 

Muitas pessoas pensam que ser salvo significa dizer “a oração do pecador” e depois viver a vida como sempre. Eles acreditam que alguma coisa mística acontece ao recitar algumas palavras. 

Precisamos entender que devemos nos arrepender e abandonar nossos pecados e obedecer à palavra de Deus. Ao continuarmos lendo a Bíblia e obedecendo ao que lemos, a palavra nos lavará e, pela graça de Deus, mudanças incríveis ocorrerão. A graça é definida como a influência divina que opera nos seres humanos para regenerar e santificar e para dar força para suportar a prova e resistir à tentação; é uma virtude de origem divina. 

1 Pedro 1:15-16 nos diz: Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, pois está escrito: “Sejam santos, porque eu sou santo”. 

E Paulo escreve ao jovem Timóteo: “Mas o alicerce sólido de Deus permanece firme, com esta inscrição: “O Senhor conhece quem pertence a ele” e “Todos que pertencem ao Senhor devem se afastar do mal” (2 Timóteo 2:19). 

O mundo está cheio de falsos profetas que estão falando por espíritos mentirosos. Estes falsos profetas pretendem falar em nome do Senhor. Mas a mensagem deles não é uma mensagem de arrependimento e obediência. É uma mensagem de prosperidade e bênçãos. Certamente somos abençoados pelo Senhor, mas nossa mensagem sempre deve ser uma mensagem de se afastar do mundo e voltar-se para o Senhor. 

As pessoas dizem: “Eu creio que Jesus é o Senhor”, mas usam linguagem suja, não querem ouvir falar de arrependimento ou de parar o mal, amam tudo que esse mundo iníquo tem a oferecer, não se sentem convictos do pecado e não estão interessado nas coisas de Deus. Você pensa que esta pessoa realmente acredita que está indo para o céu? 

Muitos que se declaram cristãos fazem o que querem, não importa o que – fornicar, assistir todo tipo de maldade e blasfêmia na televisão, ir ao cinema assistir a filmes demoníacos, ler “livros satânicos”, etc., enquanto afirmam ser salvos. 

Pessoas não salvas fazem o que Satanás quer que elas façam. As pessoas salvas estão sob os comandos do Senhor. Aonde você se encontra? Ou somos obedientes ou desobedientes. Aqueles que vivem sem levar em consideração a justiça de Deus, usando a graça de Deus como uma licença para pecar, e confiando na graça para limpar o pecado estão dando às pessoas da igreja um nome falso. Se Jesus não é seu Senhor e Mestre, ele não é seu Salvador. 

A fé salvadora se manifestará em mudança. Se nenhuma mudança ocorre na vida de uma pessoa, temos muitas escrituras para nos informar que a verdadeira conversão nunca ocorreu. 

Nós não somos salvos por nossas obras, mas quando somos salvos; nossa vida certamente reflectirá essa decisão por nossas boas obras. “Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta” (Tiago 2:17). Você obedece a palavra de Deus? 

O reino dos céus não é para aqueles que meramente se dirigem a Jesus como Senhor com suas palavras, mas que reconhecem Jesus como seu Senhor em seu comportamento. Esse contraste é esclarecido na versão de Lucas, onde Jesus diz: “Por que você me chama de ‘Senhor, Senhor’ e não faz o que eu digo?” (Lucas 6:46) 

Se você não faz a vontade do Pai, se você chama Jesus de Senhor, mas não faz o que Ele diz, você precisa examinar seu relacionamento com Ele. Se você suspeita que Jesus não te conhece como esta passagem descreve, você precisa falar com Ele em oração agora mesmo. Peça a Ele para salvá-lo e que você quer que Ele seja o Senhor da sua vida. 

COMO RECEBER A VIDA ETERNA

Older Posts »

Categorias