Publicado por: mvmportugues | fevereiro 15, 2018

CLAMANDO A DEUS E FOCANDO EM SUA PALAVRA – Jeremias 29:12-14

“Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei. 13 Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração. 14 Eu me deixarei ser encontrado por vocês’, declara o Senhor, ‘e os trarei de volta do cativeiro… ” (Jeremias 29: 12-14) 

Deus vê o nosso amanhã antes que se torne o nosso ‘hoje.’ “Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro” (Jeremias 29:11). 

Ele vê o início da nossa vida e Ele vê o fim e tudo entre o começo e o fim. O Salmo 139:16 diz: “Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda nenhum deles existia.” 

O Senhor conhece os planos que Ele tem para nós e Ele está esperando pacientemente que venhamos a Ele (vs. 12-14), e quando o obedecemos, Ele nos traz de volta do cativeiro de nossos pecados e nos torna saudáveis de novo. 

Como crentes precisamos entender que Deus não é apenas nosso Criador, mas que Ele também precisa ser o Senhor da nossa vida. Portanto, quando tiramos os olhos do nosso Salvador, começamos a perder-Lo de vista e começamos a orientar nossa vida na direção do pecado, de provas, de oportunidades e bênçãos perdidas. 

Ao longo da história, Satanás sempre planejou esquemas e diversões para que nós tiremos nossos olhos do Senhor. Portanto, é muito importante ser bem consciente e alerta dos desvios que o diabo planeja para cada um de nós todos os dias. 

Muitas vezes somos consumidos pelo trabalho, pelas coisas mundanas e pela tecnologia durante todo o dia e só reconhecemos a Deus antes de ir dormir com uma oração rápida de 20 segundos. Que terrível falta de respeito e de agradecimento por tudo que nosso Senhor faz por nós! 

Quando permitimos que as coisas mundanas consumam nossas vidas, nós nos afastamos de Deus é quando Satanás reivindica a vitória para nos alienar de nosso Pai celestial. Precisamos lembrar que a Escritura nos diz para “não se amoldar ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2). 

Deus não nos criou para viver uma vida distraída, Ele nos criou para viver uma vida cheia de Jesus. Embora vivamos em um mundo imperfeito, a Bíblia nos diz que “não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele mesmo lhes providenciará um escape, para que o possam suportar” (1 Coríntios 10:13); para que nosso foco sempre seja redirecionado em direção a Ele. 

É extremamente importante manter-se focado em Cristo “olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” (Hebreus 12:2); porque, se não o fizermos, seremos como Pedro que se distraiu com o vento e o mar rugindo, perdeu a fé e começou a afundar (Mateus 14:28-31). 

Devemos seguir o exemplo de Maria, que se sentou fielmente aos pés do Mestre e ouviu o que Ele estava ensinando, em vez de Marta, que estava muito distraída por todas as exigências que ela colocou em si mesma em vez de curtir a visita de Jesus, seu Criador e Salvador, que estava lá só por um curto período de tempo antes de ser crucificado (Lucas 10:38-42). 

Como vemos, Satanás procura distrair-nos de qualquer maneira possível, é por isso que está escrito: “Estejam alertas e vigiem. O Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar” (1 Pedro 5: 8). Mas nós temos o antídoto perfeito porque quando nós nos “submetemos a Deus, resistimos ao Diabo, ele fugirá” (Tiago 4:7). 

Temos que priorizar nosso tempo. Deve haver um tempo para a oração diária. Quando as coisas ficam agitadas, a coisa mais sábia a fazer é tomar um tempo e ir a um lugar calmo para ouvir Deus, assim como Jesus fez tantas vezes. A Escritura nos diz que se você se aproximar de Deus, Ele se aproximará de você (Tiago 4:8). 

Precisamos nos concentrar no Senhor para orientação diária meditando nas Escrituras porque Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre. E, como disse Josué: “Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem-sucedido” (1:8). 

Quando caminhamos com o Senhor e nos aproximamos Dele com todo nosso coração, Ele se torna nosso foco. Nosso coração anseia por Ele e busca Sua presença. Nosso desejo de ter comunhão com Cristo e ser como Ele crescerá enquanto nossos desejos mundanos diminuirão. 

Quando caminhamos com o Senhor, crescemos em nosso reconhecimento do pecado e nossa necessidade de um Salvador. Seremos alertados imediatamente pelo Espírito Santo da nossa transgressão; e o Senhor com o Seu amor infinito, se confessarmos os nossos pecados, é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça (1 João 1:9). 

Nós fomos criados por Deus, para Deus e nossas vidas nunca realizarão seu verdadeiro potencial até que possamos totalmente pertencer a Ele em rendição incondicional ao Seu Senhorio.

Anúncios
Publicado por: mvmportugues | fevereiro 8, 2018

NOSSO CHAMADO CELESTIAL – 1 Coríntios 15:45-49

Pois, como dizem as Escrituras: “O primeiro homem, Adão, se tornou um ser vivente”. Mas o último Adão, a saber, Cristo, se tornou como espírito que dá a vida. 46 O homem espiritual não veio primeiro, mas sim o homem material; depois o espiritual. 47 O primeiro homem é formado do pó da terra. O segundo homem, o Senhor, é do céu. 48 As pessoas que pertencem à terra são como o primeiro homem, que foi formado do pó da terra. Mas aquelas pessoas que pertencem ao céu são como o homem do céu. 49 Assim como somos semelhantes ao homem que foi formado do pó da terra, também seremos semelhantes ao homem do céu. (1 Coríntios 15:45-49) 

Aqui Paulo escreve sobre o primeiro Adão e o último Adão, Jesus; e ele cita Gênesis 2:7, “E o Senhor Deus formou o homem do pó da terra, e soprou nas narinas o sopro da vida; e o homem se tornou um ser vivente”. 

A alma e o espírito estão conectados, mas separáveis ​​(Hebreus 4:12). A alma é a essência do ser da humanidade; é quem somos, enquanto o espírito é o elemento da humanidade que nos dá a capacidade de ter uma relação íntima com Deus. Sempre que a palavra espírito é usada, ela se refere à parte imaterial da humanidade que “se conecta” com Deus, que é espírito, “Deus é espírito, os que adoram a Deus têm de adorar em espírito e em verdade” (João 4:24). 

O próprio Deus, respirou a vida no primeiro Adão, e a junção de espírito e corpo produziu outro fenômeno chamado  de “alma”, que é a personalidade. É a presença de um espírito em um corpo que cria a alma e permite que uma pessoa funcione como um ser humano com mente, emoção e vontade. Foi o que era o primeiro Adão. 

Quando Adão pecou, o Espírito Santo que habitou no espírito humano de Adão foi retirado, e o espírito humano era como se fosse inanimado e morto. O homem, portanto, era governado por sua alma, a parte mais alta de seu ser, que pode sentir, tocar, provar, raciocinar e pensar, mas não tem contato com nada celestial. Esta “morto em transgressões e pecados” (Efésios 2: 1). Todos nós nascemos assim. Todo ser humano, quando nascido, é filho do primeiro Adão por natureza. 

Então veio o último Adão; Jesus, um Espírito vivificante, e como Espírito Ele habita, pela fé, nosso espírito humano quando o recebemos e abrimos a nossa vida para obedecer e amá-Lo como nosso Senhor e Salvador. Ele regenera nosso espírito humano, e Ele agora vive em nós e começa a conferir novamente a vida à alma, a recuperar a mente, as emoções e a vontade e trazê-las de volta sob sujeição à Seu Senhorio. Então, começamos a experimentar em nossa vida, a alegria de estar mais uma vez em comunhão com Deus que nos fez e anseia ter um relacionamento conosco, como era no início antes da queda no Jardim de Edem. 

Como cristãos verdadeiramente nascidos de novo, estamos somente passando por este mundo em nossa jornada para a casa permanente que nos espera no céu (Filipenses 3: 20-21). Cristo nos preparou um “lugar” (João 14: 2), e é lá que temos “uma herança que é incorruptível, pura, e que nunca perde o seu valor. Esta herança está guardada nos céus para vocês” (1 Pedro 1:4). 

Em vista de um futuro tão glorioso, não devemos viver como “as pessoas que pertencem à terra”, mas como, “pessoas que pertencem ao céu”. Nós, de fato, fomos “participantes do chamado celestial” e devemos sempre, em tudo o que fazemos, “considerar Jesus, o Apóstolo e Sumo Sacerdote da fé que professamos” (Hebreus 3:1), pois Ele nos representa mesmo agora nos lugares celestiais. “Ele entrou no próprio céu, para agora comparecer diante de Deus por nós” (Hebreus 9:24), e nós, de fato, já fomos feitos para “assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” (Efésios 2:6). 

Podemos não parecer muito celestiais agora, nesses pobres corpos feitos com o pó da Terra, mas “assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial” (1 Coríntios 15:49). 

No entanto, Paulo expressa vivamente os desejos dos verdadeiros cristãos, “pois a nossa cidadania está no céu, da qual também aguardamos ansiosamente um Salvador, o Senhor Jesus Cristo; que transformará o corpo do nosso estado humilde em conformidade com o corpo de Sua glória, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a Si todas as coisas” (Filipenses 3:20-21). E lembrando que “num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados” (1 Coríntios 15:52). 

Os cristãos, de fato, são um povo celestial com um chamado celestial, mesmo que ainda na Terra. “Louvado seja o Deus e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo. Em Cristo, Deus nos tem abençoado com todo o tipo de bênçãos espirituais dos céus” (Efésios 1:3). 

Você está a caminho do céu? Você abriu seu coração para Ele? Você já recebeu o Senhor Jesus Cristo em sua alma humana para que você tenha a esperança expressa aqui de se tornar o corpo, alma e espírito, que Deus te destina a ser? 

Se você tiver alguma dúvida sobre sua salvação ou como ser salvo, temos ótima notícia para você. Deus quer remover todas as suas dúvidas e dar-lhe uma certeza absoluta! Deus tem a intenção que todos os crentes tenham uma segurança perfeita em seu relacionamento com Ele. As seguintes Escrituras provam isso. 

  • “Eu estou escrevendo estas coisas a vocês que crêem no Filho de Deus para que saibam que têm a vida eterna” (1 João 5:13).

Aqui Encontramos Indicadores Bíblicos da Salvação: 

Os verdadeiros cristãos são atraídos por Deus e Jesus quando começam a ver a Santidade e a dignidade de Deus. 

  1. Cristãos genuínos testemunham um relacionamento real e pessoal com Cristo.
  • “Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3).

A verdadeira salvação é muito mais do que fatos de crença mental “sobre” Deus. Na verdade, é conhecer Deus em um relacionamento pessoal que muda a vida. 

  1. As pessoas salvas experimentaram uma verdadeira convicção do pecado e confiam somente em Cristo para a vida eterna.
  • “Quando Ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16:8).
  • “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus” (Efésios 2:8).

Ninguém é salvo pelo intelecto. Nem alguém pode ser salvo apenas por estar na igreja ou em torno de pessoas cristãs. Ninguém é salvo por ser uma boa pessoa. Você deve ser pessoalmente convencido pelo pecado e atraído a Cristo pelo Espírito Santo. Deve haver um momento em que você pessoalmente orou e confiou em Cristo como seu Senhor e Salvador. As pessoas que são salvas podem facilmente testemunhar essa realidade em suas vidas. 

  1. Um cristão genuíno possui uma garantia sobrenatural de que são salvos e perdoados de seus pecados.
  • “O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus” (Romanos 8:16).

Isso não significa que você nunca tenha dúvidas, mas significa que uma paz prevalecente irá ofuscar quaisquer dúvidas momentâneas. 

  1. Os filhos de Deus exibem um anseio pelo crescimento espiritual e um forte desejo de se afastar do pecado.
  • “Todo aquele que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, assim como Ele é puro” (1 João 3:3).
  • “Todo aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, porque a semente de Deus permanece nele; ele não pode estar no pecado, porque é nascido de Deus” (1 João 3:9).

A Bíblia descreve a salvação como uma experiência que muda a vida. Simplificando, se alguém pode viver consistentemente no pecado sem uma tristeza profunda, eles não são salvos. Ao contrário, quando pessoas salvas cometem um pecado intencional, elas se sentem totalmente miseráveis. 

  1. Os cristãos genuínos sentem a presença de Deus e ouvem Sua voz em suas vidas.
  • “As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem” (João 10:27).

Porque a salvação é um relacionamento pessoal, os verdadeiros crentes experimentam regularmente a voz de Cristo em sua vida. Se Deus nunca fala, você tem motivos para se preocupar profundamente. Se você não tem desejo de orar e a Bíblia faz pouco sentido para você, é muito possível que você não conheça o Salvador. 

  1. Os verdadeiros cristãos têm amor pela igreja e pelo povo de Deus.
  • “Sabemos que já passamos da morte para a vida porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte” (1 João 3:14).

Talvez a maior marca de uma pessoa salva é de ter um espírito amoroso e compassivo. Se você consistentemente não tem vontade de adorar e estar com o povo de Deus, há uma razão forte para questionar sua salvação (1 João 2:19). 

  1. A maioria das pessoas salvas pode descrever um “antes e depois” em termos de salvação.
  • “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2 Coríntios 5:17).

Nascer de novo é a mais poderosa transformação da experiência humana. Simplificando, é muito duvidoso que as coisas antigas possam passar e as coisas se tornem novas e você não o saber! 

Saiba, que mesmo que não conhecemos você pessoalmente, Deus te conhece e estamos orando por você.

Muitas pessoas acreditam em Jesus Cristo como sendo Aquele que veio do céu para salvar o homem do pecado e uma eternidade no lago de fogo. O problema que muitos enfrentam, é que eles não O fazem o Senhor de sua vida. 

Precisamos entender que aceitar Cristo como nosso Salvador também requer que o reconhecemos como o Senhor da nossa vida e que o nosso desejo é de agradá-Lo em tudo o que fazemos. 

As Escrituras ensinam que o comportamento é um importante teste de fé. A obediência é a evidência de que a fé de alguém é genuína; porque se uma pessoa não tem vontade de obedecer a Cristo, ela fornece provas de que sua “fé” é apenas em nome: “Esta é a maneira pela qual podemos ter certeza de que conhecemos a Deus: obedecendo aos seus mandamentos. Aquele que diz: “Eu o conheço” mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso e a verdade não está nele” (1 João 2:3-4). Uma pessoa pode reivindicar Jesus como Salvador e fingir obedecer por um tempo, mas, se não houver mudança de coração, sua verdadeira natureza acabará manifestando-se. Este foi o caso de Judas Iscariot. 

Pode um pecador rejeitar o senhorio de Cristo e ainda reivindicar-Lo como Salvador? Alguém pode recitar a “oração do pecador” e seguir sua vida como se nada acontecesse e ainda se chamar de “cristão”? A resposta é “não”, porque é impossível ser cristão e viver na carnalidade de toda a vida, desfrutando os prazeres do pecado e nunca buscar glorificar Jesus Cristo como Senhor. Portanto, é trágico dar a falsas esperanças aos pecadores não arrependidos; em vez disso, devemos declarar todo o conselho de Deus como Jesus disse a Nicodemos: “Você tem de nascer de novo” (João 3:7). 

O pecador não deve apenas se arrepender de seu pecado, mas precisa ceder à autoridade de Cristo. Um pecador que rejeita a autoridade de Cristo em sua vida não tem fé salvadora, porque a verdadeira fé engloba uma entrega total a Deus. Assim, o evangelho exige mais do que tomar uma decisão intelectual ou fazer uma oração; porque o evangelho é um chamado ao discipulado. As ovelhas seguirão seu Pastor em obediência submissa. 

Se uma pessoa está realmente seguindo o Senhor, ela obedecerá as instruções do Senhor. Uma pessoa que está vivendo em pecado intencional e obviamente não escolheu seguir a Cristo, porque Cristo nos chama do pecado a justiça. “Portanto, se alguém está em Cristo, é uma nova criatura. As coisas velhas já passaram; tudo é novo!” (2 Coríntios 5:17). 

O objeto da fé é o próprio Jesus, não uma promessa, uma oração ou um credo. A fé deve envolver um compromisso pessoal com Cristo, e não devemos viver para nós mesmos, mas para Cristo que morreu por nós e ressuscitou (2 Coríntios 5:15). É mais do que ser convencido da verdade do evangelho; é um abandono deste mundo e um seguimento do Mestre. O Senhor Jesus disse: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz. Eu as conheço e elas me seguem” (João 10:27). 

A fé verdadeira sempre produz uma vida modificada e o interior da pessoa é transformada pelo Espírito Santo:    “Estou crucificado com Cristo; portanto, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. E essa vida que agora vivo no meu corpo, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gálatas 2:20), e “sabemos que a nossa maneira antiga de viver morreu com Cristo na cruz, para que a nossa natureza pecadora não tenha mais poder sobre nós e, assim, não sejamos mais escravos do pecado” (Romanos 6:6). 

Aqueles que se entregaram ao senhorio de Cristo – seguem Jesus (João 10:27). Eles obedecem os mandamentos de Deus (1 João 2:3, João 15:14), fazem a vontade de Deus (Mateus 12:50), permanecem na Palavra de Deus (João 8:31), mantem a Palavra de Deus (João 17: 6) fazem boas obras (Efésios 2:10) e continuam na fé (Colossenses 1:21-23). 

A Escritura ensina que Jesus é o Senhor de todos. Cristo exige uma rendição incondicional à Sua vontade: “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo e ele fugirá de vocês. Aproximem-se de Deus e Ele se aproximará de vocês” (Tiago 4:7-8). Aqueles que vivem em rebelião contra a vontade de Deus não têm a vida eterna, porque “Deus se opõe aos orgulhosos, mas revela a sua graça aos humildes” (Tiago 4:6). 

Jesus advertiu quando disse: “Por que vocês me chamam: “Senhor, Senhor” e não fazem o que eu digo?” (Lucas 6:46). Ele também advertiu severamente aqueles que afirmam obedecer-Lo e fazer o Seu trabalho de seu destino final: “Nem todo o que me diz: “Senhor, Senhor” entrará no reino do céu, mas somente aquele que faz a vontade de meu Pai que está no céu! Quando aquele Dia chegar, muitas pessoas me dirão: “Senhor, Senhor! Não foi em seu nome que nós profetizamos? Também não foi em seu nome que expulsamos demônios? Não foi em seu nome, ainda, que fizemos muitos milagres?” Eu, porém, lhes direi abertamente: “Eu nunca os conheci! Afastem-se de mim, seus malfeitores!”” (Mateus 7:21-23) 

Chegará um dia em que cada pessoa que já tenha vivido se curvará e reconhecerá que Jesus Cristo é Rei dos reis e Senhor dos senhores. Mas enquanto estiver neste corpo e neste mundo, um verdadeiro cristão deve viver momento a momento na submissão fiel ao senhorio de Jesus Cristo. 

Aqueles que realmente aceitaram Jesus Cristo como seu Salvador O amarão e O obedecerão como seu Senhor, porque aqueles que amamos desejamos agradar (João 14:15).

Vamos ver duas passagens bíblicas muito importantes hoje, que lidam com o que acontece depois que morremos e quando o Senhor vem para aqueles que o aceitaram como seu Salvador. Portanto, para compreender isso melhor, precisamos estar familiarizados com essas passagens das Escrituras e entender o que elas dizem. 

“Irmãos, queremos que vocês saibam o que acontece com os que já dormem. Assim não vão se entristecer como aqueles que não têm qualquer esperança.14 Pois se nós cremos que Jesus morreu e ressuscitou, podemos estar certos de que Deus vai trazer de volta, junto com Jesus, aqueles que em Jesus dormem. 15 O que agora vamos lhes dizer foi o Senhor que nos disse: Nós, os que estivermos vivos quando o Senhor vier, de maneira nenhuma iremos nos encontrar com Ele antes daqueles que já morreram. 16 Pois, quando for dada a ordem pela voz do arcanjo, e quando a trombeta de Deus ressoar, o próprio Senhor descerá dos céus. E então, aqueles que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. 17 Depois disso, nós, os que estivermos vivos naquele tempo, seremos levados juntamente com eles entre as nuvens, a fim de nos encontrarmos com o Senhor no ar. E assim nós estaremos para sempre com o Senhor” (1 Tessalonicenses 4:13-17). 

1 Coríntios 15:50-54 também descreve os crentes que ressuscitarão e os seus corpos glorificados – “Agora digo-lhes isto, irmãos: O corpo material de carne e sangue não pode ter parte no reino de Deus. Nem o que é mortal pode ter a imortalidade. 51 Mas ouçam, eu vou contar um segredo para vocês: Nem todos nós morreremos, mas todos seremos transformados. 52 Seremos transformados num segundo, num abrir e fechar de olhos, quando a última trombeta tocar. A trombeta tocará, os mortos ressuscitarão para a imortalidade e nós, que ainda estamos vivos, seremos transformados. 53 Pois é necessário que este corpo que é mortal vista-se com o que é imortal, e que o corpo que morre vista-se com o que não morre. 54 E quando este corpo que é mortal vestir-se com o que é imortal, e o corpo que morre vestir-se com o que não morre, então se cumprirá o que as Escrituras dizem:“A morte é devorada pela vitória. 

Para os crentes em Jesus Cristo, a Bíblia nos diz que após a morte, suas almas / espíritos são levados para o céu, porque seus pecados foram perdoados. Paulo nos diz que quando um crente morre, ele está “ausente do corpo e presente com o Senhor” (2 Coríntios 5:6-8, Filipenses 1:23). Isso só é possível para aqueles que aceitaram Jesus Cristo como seu Salvador e O fizeram Senhor de sua vida. Paulo explica que, à medida que o corpo físico permanece no túmulo “dormindo” (v.15-16), suas almas / espíritos irão estar com Cristo imediatamente após a morte. 

Na ressurreição dos crentes, para aqueles que adormeceram, seu corpo físico é ressuscitado, glorificado e depois se reúne com a alma / espírito que já estava em casa com o Senhor. Este espírito reunido e glorificado do corpo-alma será a posse dos crentes para a eternidade no novo céu e na nova terra (Apocalipse 21-22). E aqueles que estão vivos naquele momento e são arrebatados sem ter testemunhado a morte serão instantaneamente mudados de perecíveis para imperecíveis e sempre estarão com o Senhor. 

Quando Jesus morreu e ressuscitou, assim também os que morreram crendo Nele ressuscitam para que possam ser levados ao céu para estar com o Senhor. Aqueles que morreram antes desse tempo (são chamados de “aqueles que dormem”) serão reunidos e levados para o céu com o Senhor. Aqueles que estão vivos e permanecem referem-se a cristãos vivos no momento em que Jesus vem para Sua Igreja, eles são os cristãos que vivem nesta terra e experimentarão a vinda do Senhor para os Seus. 

E então, o que acontece para os que não recebem ou rejeitam Jesus Cristo como Salvador? Semelhante ao destino dos crentes, as almas / espíritos dos incrédulos também devem ser enviadas imediatamente para um lugar temporário, esperando sua ressurreição final, julgamento e sentença para seu destino eterno. Em Lucas 16:22-23, Jesus descreve um homem rico sendo atormentado imediatamente após a morte. E Apocalipse 20:11-15 descreve que os incrédulos que estão mortos serão ressuscitados, julgados no Grande Trono Branco, e então serão lançados no lago de fogo para toda eternidade. Os incrédulos, então, não são enviados para o lago de fogo, imediatamente após a morte, mas sim estão em um campo temporário de julgamento e condenação. No entanto, mesmo que os incrédulos não sejam imediatamente enviados para o lago de fogo, seu destino imediato após a morte não é agradável. O homem rico gritou: “Estou em agonia neste fogo” (Lucas 16:24). 

Como vemos, depois da morte, uma pessoa reside em um céu ou inferno “temporário”, até que nosso Senhor Jesus Cristo faça todas as coisas novas (Apocalipse 21: 5). Depois de estar neste reino temporário, na ressurreição final, o destino eterno de uma pessoa não mudará. A “localização” precisa desse destino eterno é o que muda. Os crentes terão finalmente acesso ao novo céu e à nova terra (Apocalipse 21:1); enquanto os incrédulos serão, no final, enviados para o lago de fogo (Apocalipse 20:11-15). Estes são os destinos finais e eternos de todas as pessoas – baseados inteiramente em se sim ou não confiaram em Jesus Cristo somente para a salvação (Mateus 25:46; João 3:36). 

Jesus disse: “Digo a verdade a vocês: Quem ouve o que eu digo e acredita naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será julgado; ele já passou da morte para a vida…. porque está chegando a hora em que todos os mortos ouvirão a sua voz e sairão dos túmulos. Aqueles que fizeram o bem, vão ressuscitar para a vida eterna. Mas aqueles que fizeram o mal, vão ressuscitar para ser condenados” (João 5:24, 28-29). 

Nosso Senhor nos advertiu ao longo de Seu ministério para ter: “cuidado com os falsos profetas! Eles se aproximam de vocês disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos selvagens” (Mateus 7:15). 

A razão pela qual estamos abordando estas declarações de Cristo é que existe uma visão popular em muitos cultos e seus seguidores de que há esperança para aqueles que não aceitaram Cristo nesta vida. Eles ensinam sobre uma ‘segunda chance’ após a morte – como pagar por seus pecados no purgatório e serem aperfeiçoados antes de chegar ao céu; que é uma mentira do próprio Satanás, ou talvez pela reencarnação, outra mentira do pai da mentira. 

Muitos falsos profetas também ensinam que existem muitos caminhos ao céu, enquanto Jesus disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém pode chegar até o Pai se não for por mim” (João 14:6). Outra resposta é encontrada em Hebreus 9:27, que declara que “o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo”. Assim, como aprendemos, não há suporte bíblico para a noção de ‘segunda chance’ depois de morrer. A única oportunidade que você terá para estar com Deus é a oportunidade que Deus oferece agora mesmo enquanto você ainda respira; porque uma vez que você está morto seu destino já foi resolvido para a eternidade. 

Lembremo-nos das palavras reconfortantes que Jesus assegurou aos Seus discípulos antes de ir para a cruz: “Na casa do meu Pai há muitas moradas, e eu vou preparar um lugar para vocês. Se não fosse assim, eu já lhes teria dito. E, depois que eu for e preparar um lugar para vocês, voltarei e os levarei comigo para que onde eu estiver vocês estejam também” (João 14:2-3). 

Se você conhece Jesus, não tem nada a temer quando a morte toca à sua porta. A morte vem para todos nós – virá para você e para mim um desses dias. Você conhece Jesus? Se assim for, então você não precisa viver com medo. 

A morte não é o fim da estrada, é apenas o começo. Para o crente, a morte é a porta ao céu. Para o incrédulo, é uma passagem para um sofrimento horrível e para sempre. 

Lembre-se que o que acontece quando você morre depende do que acontece antes de morrer. Portanto, certifique-se de estar pronto, para que, quando chegar a hora, você não ficará surpreso com o que acontece depois. Depende de você. Deus te oferece a escolha. Deus te convida vir a Ele. É a sua decisão. 

Estamos orando para que você aceite o dom gratuito da salvação que Jesus oferece, antes de que seja tarde demais.

Publicado por: mvmportugues | janeiro 18, 2018

APRENDENDO SOBRE A NATUREZA DE DEUS – Salmo 86:15

Mas tu, Senhor, és Deus compassivo e misericordioso, muito paciente, rico em amor e em fidelidade. (Salmo 86:15) 

A Bíblia ensina que Deus é rico em amor, muito paciente, compassivo e misericordioso conforme descrito em (Salmos 86:15), e o apóstolo João escreveu que: “Deus é amor” (1 João 4:8). 

Há muitas passagens bíblicas em que lemos sobre como Deus cuida de nós. “Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido. Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês” (1 Pedro 5:6-7). Esse é um pensamento muito reconfortante. 

Outra passagem escrita pelo profeta Jeremias nos diz: “Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a sua fidelidade!  Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança” (Lamentações 3:22-24). 

No entanto, a Bíblia também ensina claramente que há um outro aspecto do caráter de Deus que é crucialmente importante, que é Sua Santidade. Levítico 11:44; Isaías 6:3; 1 Pedro 1:16 todos falam, “sejam santos, porque eu sou santo”, e é isso que Satanás quer que nós ignoramos. 

A Bíblia ensina que Deus é perfeitamente Santo. Por causa desse atributo de Seu caráter, Ele não pode tolerar o pecado: “O Senhor é muito paciente e grande em fidelidade, e perdoa a iniqüidade e a rebelião, se bem que não deixa o pecado sem punição… “ (Números 14:18). A Bíblia nos diz que Deus deve lidar com o pecado, e Ele faz isso de duas maneiras: ou pela graça ou pela ira. 

João 3:16 diz: “Porque Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Mas poucos parecem tomar nota das palavras registradas alguns versos depois: “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna, mas aquele que não obedece ao Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece nele” (João 3:36). 

Nós estamos sob a graça de Deus colocando nossa fé em Jesus e apropriando Seu sacrifício expiatório para nossas vidas (1 João 1:7). Não há salvação além de Jesus (Atos 4:10-12). Aqueles que rejeitaram o dom livre de graça de Deus em Jesus estão sob a ira de Deus (João 3:36), e eles não tem ninguém para culpar além de si mesmos. 

Precisamos entender que Deus não muda e Seus mandamentos devem ser obedecidos para que possamos ter um relacionamento amoroso e puro com Ele. No Antigo Testamento lemos: “De fato, eu, o Senhor, não mudo…” (Malaquias 3:6). E no Novo Testamento: “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre” (Hebreus 13:8). 

Além de ser um Deus amoroso, Sua palavra também nos diz que Deus é um Deus de ira. O profeta Naum o resumiu de forma muito excelente. Escrevendo sobre o amor de Deus, ele disse: “O Senhor é bom, um refúgio em tempos de angústia. Ele protege os que nele confiam” (Naum 1:7). Mas alguns versos anteriores Naum fala sobre a santidade e a ira de Deus (Naum 1:2-3): “O Senhor é Deus zeloso e vingador! O Senhor é vingador! Seu furor é terrível! O Senhor executa vingança contra os seus adversários, e manifesta o seu furor contra os seus inimigos. O Senhor é muito paciente, mas o seu poder é imenso; o Senhor não deixará impune o culpado…. “ 

Deus quer uma pessoa se arrependa, é por isso que Ele enviou Seu Filho para conciliar-nos com Ele. Ao longo da Bíblia, Deus demonstra a Sua misericórdia, nunca derramando Sua ira sem aviso. Ele advertiu o mundo através da pregação de Noé por 120 anos. Ele tentou avisar Sodoma e Gomorra através de Abraão. Ele enviou Jonas e Naum para avisar a cidade pagã de Nínive. 

Ele enviou profeta após o profeta para chamar as nações de Israel e Judá para se arrependerem: “O Senhor, o Deus dos seus antepassados, advertiu-os várias vezes por meio de seus mensageiros, pois ele tinha compaixão de seu povo e do lugar de sua habitação. Mas eles zombaram dos mensageiros de Deus, desprezaram as palavras dele e expuseram ao ridículo os seus profetas, até que a ira do Senhor se levantou contra o seu povo, e já não houve remédio” (2 Crônicas 36:15-16). 

Ao estudarmos o livro de Apocalipse, lemos sobre a misericórdia de Deus em relação à Tribulação. Em vez de simplesmente derramar Sua ira sobre as nações rebeldes do mundo, destruindo-as em um instante com uma catástrofe esmagadora, Ele sujeita o mundo a uma série de julgamentos que aumentam sequencialmente em alcance e intensidade (Apocalipse 6, Apocalipse 8 e 9 e Apocalipse 16). 

Precisamos entender que não há nenhuma razão para qualquer filho de Deus temer a ira de Deus. Paulo escreveu que, como somos justificados pelo sangue de Cristo, “seremos salvos da ira de Deus através dele” (Romanos 5:9); e que “Deus não nos destinou para a ira, mas para recebermos a salvação por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tessalonicenses 5:9). 

Por favor, pergunte a si mesmo se você está sob a graça de Deus ou está sob Sua ira. Seria bom para você se juntar a um bom estudo bíblico onde a verdade da Palavra de Deus está sendo ensinada. Jesus está chegando em breve e quando Ele aparece, ou seu tempo acaba nesta Terra, você estará ausente do corpo e presente com o Senhor, ou você estará expulso para sempre da Sua presença? 

Você está sob graça ou ira? A escolha é sua. Esperamos que “ninguém os engane com palavras tolas, pois é por causa dessas coisas que a ira de Deus vem sobre os que vivem na desobediência” (Efésios 5:6). 

Deus é um Deus de grande Santidade e dignidade; Ele é digno de nossa humilde adoração, admiração e vida santa. Por favor “não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna” (Gálatas 6:7-8).

Publicado por: mvmportugues | janeiro 11, 2018

EIS QUE FAÇO NOVAS TODAS AS COISAS – Apocalipse 21:5

“E aquele que estava sentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve, porque estas palavras são verdadeiras e fiéis.” (Apocalipse 21:5) 

Quando começamos um Ano Novo, é um bom momento para considerar esse tempo glorioso que um dia acontecerá quando Cristo tornará tudo novo novamente. Na era presente, todas as coisas “envelhecerão como uma peça de vestuário” (Salmo 102:26), porque estamos sob a servidão da lei universal da decadência e da morte; mas o verdadeiro cristão nunca deve perder a esperança porque: “de acordo com a promessa de Deus, esperamos por novo céu e nova terra, nos quais habita justiça” (2 Pedro 3:13). Ali, na “nova Jerusalém”, cada um terá “um novo nome” e cantará “uma nova canção” (Apocalipse 2:17; 5:9). 

Já que “a nossa pátria está nos céus, de onde também estamos esperando o nosso Salvador, o Senhor Jesus Cristo. Ele transformará nossos corpos fracos e mortais, para serem iguais ao seu próprio corpo glorioso. Ele fará isso pelo poder que tem de dominar todas as coisas” (Filipenses 3:21), devemos nos alegrar das maravilhosas promessas que o Senhor nos deu. 

Cristo nos disse que: “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu já lhes teria dito, pois vou preparar um lugar para vocês” (João 14:2). 

Ele nos deu a gloriosa promessa de que todas as coisas antigas e moribundas dissolverão completamente e para sempre. “Não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas” (Apocalipse 21:4). 

Que “Feliz Ano Novo” este será! Enquanto isso, nós temos a Sua “nova aliança” e cada um foi feito “uma nova criação” em Cristo (Hebreus 12:24; Gálatas 6:15). Como todas as Suas palavras “são verdadeiras e fiéis”, nós sabemos que suas promessas são seguras. “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2 Coríntios 5:17). 

Você pode estar perguntando: ‘Como posso saber que sou uma nova criação?’ A resposta está na primeira parte do versículo: ‘Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação’ apenas aqueles que são salvos, os que estão em Cristo são nova criação. Se você realmente acreditou em Jesus Cristo para ser seu Salvador e O fez Senhor de sua vida, você se tornou uma nova criação. 

Antes de termos sido salvos, fomos controlados por nossa natureza antiga, e todos fomos escravos do pecado. O pecado dominava nossos pensamentos e ações como um capataz duro e cruel e nós estávamos impotentes sob seu controle. 

Nós servimos o pecado e sofremos todos os efeitos desagradáveis ​​que vieram com ele: ódio, amargura, engano, conflitos, ciúmes, rebelião, orgulho e luxúria. Mas tudo isso mudou para aqueles que estão em Cristo. Através do Seu poder, somos liberado do poder do pecado. Embora o pecado ainda esteja presente em nossas vidas, seu poder sobre nós agora está quebrado. 

Aqueles que ainda não estão em Cristo, não podem desfrutar dessa liberdade do poder do pecado. A velha natureza pecadora ainda está muito viva neles e não conseguem viver a nova vida cristã, por mais que tentem, porque ainda estão sob o poder do pecado. 

Portanto, como o apóstolo Paulo disse à Igreja de Corinto, também precisamos: “Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? A não ser que tenham sido reprovados!” (2 Coríntios 13:5) 

Por favor, examine-se e faça esta pergunta: você ainda se encontra impotente sob o poder do pecado? Sua vida ainda é controlada pelo pecado? Se a sua resposta a ambas as questões é “sim”, então você ainda não é uma nova criação, e não fará parte do novo céu e da nova terra. 

Andar numa vida nova é exibir uma nova qualidade de vida. A Bíblia ensina que “fomos sepultados com Ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova” (Romanos 6:4). Quando você anda numa vida nova, você viverá para coisas celestiais e não para coisas terrestres.

 Você estará mais preocupado com as coisas de Deus do que com as coisas do mundo e com coisas que são eternas, e não com coisas temporárias, e com coisas que estão acima, e não com coisas que estão na Terra. 

Se você está realmente andando em uma vida nova, você responderá à Palavra de Deus. Você ouvirá Deus quando Ele fala com você através da Sua Palavra. Você estará pronto para fazer Sua vontade e levar Sua Palavra a sério. Aqueles que caminham numa vida nova serão movidos pela Palavra de Deus. E respondem a essa Palavra com oração, confiança e obediência. Eles não são apenas ouvintes da Palavra, mas também praticantes da Palavra. 

Se a Palavra de Deus que você recebeu tem feito pouco ou nenhum impacto em sua vida, isso indica que você não está caminhando numa vida nova. E se você ainda está vivendo em pecado e está sob seu poder, então isso é uma forte indicação de que você não é salvo. 

Jesus está esperando, para que você aceite o seu presente gratuito de salvação; e cabe a você deixar que Ele faça esse trabalho transformador em sua vida. Então, você pode realmente aguardar o dia em que o Senhor fará todas as coisas novas, o grande e maravilhoso dia em que você vai habitar para sempre no novo céu e na nova terra. 

Então, ao iniciar o Ano Novo, que nosso coração se concentre nas palavras que Deus nos disse em Apocalipse 21:5

Eis que faço novas todas as coisas!” 

Esperamos e oramos para que você faça parte deste dia glorioso!

Publicado por: mvmportugues | janeiro 4, 2018

AMOR – 1 João 3:1

Vejam como é grande o amor que o Pai nos concedeu: sermos chamados filhos de Deus, o que de fato somos! Por isso o mundo não nos conhece, porque não o conheceu. (1 João 3:1) 

A Lisa, de seis anos, estava sentada no sofá ao lado de Maria, sua mãe, enquanto ela estava lendo uma história da Bíblia. 

Lisa notou que as mãos de sua mãe estavam cheias de cicatrizes e não pareciam normais. Então, Lisa perguntou a sua mãe, “por que suas mãos estão tão cicatrizadas e feias? 

Maria explicou muito carinhosamente que há cinco anos, havia uma mãe que colocou sua filha no berço para uma soneca, depois que ela terminou de alimentar seu bebê. 

Esta mãe atravessou a rua para ajudar uma senhora idosa que estava se recuperando de uma operação. Enquanto aí, ela olhou pela janela e notou que fumaça estava vindo de sua casa; ela correu e entrou na casa. 

Quando ela chegou, viu que o quarto da filha estava cheio de fumaça e chamas. A mãe rapidamente alcançou a sua filha e durante o processo suas mãos foram queimadas. As queimaduras foram extremamente dolorosas, mas ela estava feliz porque sua filha não pereceu no fogo. 

Neste momento a Lisa realizou que ela era a menina que foi resgatada de ser queimada e morrer. Com lágrimas nos olhos, ela olhou para a mãe e disse: “Desculpe-me, mamãe; suas mãos não são feias, suas mãos são as mãos mais bonitas que já vi.” 

Há Alguém cujas mãos e pés foram cicatrizados quando Ele foi pregado a uma cruel cruz romana e torturado até a morte para pagar a dívida do pecado de toda a humanidade, para salvar um mundo perdido do pecado e do inferno. 

Um dia, quando veremos o Salvador no céu, nos inclinaremos perante Ele e Suas mãos e pés perfurados, e seremos eternamente agradecidos pelo tremendo sacrifício que Ele fez para nos dar a vida eterna e escapar uma eternidade no Lago de Fogo. 

Se um dos nossos vizinhos sacrificasse sua vida para nos resgatar de um edifício em chamas, provavelmente viveríamos em profunda apreciação de seu sacrifício altruísta e pensariamos nisso todos os dias. 

Estamos expressando diariamente nossa apreciação e gratidão a Deus e a Jesus por nos resgatar da horrível realidade do pecado e do inferno? 

Estamos honrando o grande sacrifício que Jesus providenciou ao nos esforçar para viver uma vida de santidade, humildade e amor ao Salvador? Com o início deste Ano Novo, você compartilhará a maravilhosa mensagem de liberdade e salvação com outros e expressará sua apreciação pelo precioso dom da comunhão restaurada com Deus e a vida eterna. 

Não é de admirar que homens sábios, mulheres e crianças ainda O buscam, amam, obedecem e O adoram?

 

Publicado por: mvmportugues | dezembro 28, 2017

O MODO DE DEUS DE INTERAGIR COM OS PERDIDOS – Lucas 19:10

Quem quiser aprender maneiras úteis de envolver pessoas com o Evangelho não encontrará um professor melhor do que o Salvador. Nos Evangelhos vemos que Ele usou uma variedade de estratégias diferentes quando encontrou pessoas perdidas, e Ele nunca usou a mesma maneira duas vezes. Ele personalizou Sua abordagem às circunstâncias de cada indivíduo. 

Ele era focado: “Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lucas 19:10). 

Ele era instrutivo: a Nicodemos, ele disse: “Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus” (João 3:3). Ele também ensinou que: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus” (Mateus 7:21). 

Ele foi compassivo: Jesus andava visitando todas as cidades e povoados. Ele ensinava nas sinagogas, anunciava a boa notícia sobre o Reino e curava todo tipo de enfermidades e doenças graves das pessoas. Quando Jesus viu a multidão, ficou com muita pena daquela gente porque eles estavam aflitos e abandonados, como ovelhas sem pastor (Mateus 9:35-36). 

Ele advertiu sobre o perigo e os falsos professores: Ele disse: “Cuidado com os falsos profetas! Eles chegam disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos selvagens” (Mateus 7:15). Os falsos professores não se preocupam com os perdidos porque são gananciosos e eles mesmos estão perdidos. 

Ele era misericordioso: Jesus disse ao homem que foi possuído por demônios: “Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez e como teve misericórdia de ti” (Marcos 5:19). 

Ele era amoroso: Ele encorajou as pessoas a: “amem os seus inimigos e façam o bem a eles. Emprestem e não esperem receber de volta o que emprestaram, pois assim a sua recompensa será grande e vocês serão chamados filhos do Altíssimo. Façam isto porque Deus também é bom para com os ingratos e maus” (Lucas 6:35). 

Ele era sensível: depois da morte de Lázaro, quando Jesus viu as pessoas chorando: “Ele se sentiu profundamente emocionado no espírito e ficou comovido… e Jesus chorou” (João 11:33, 35). 

Ele moveu conversas do físico para o espiritual: Para a mulher pecadora no poço, Ele disse: “Se você soubesse o que Deus pode dar e quem é que está lhe pedindo água, você pediria, e ele lhe daria a água da vida” (João 4:10). 

Ele era conflituoso: Para pessoas teimosas que foram cegadas pelo orgulho religioso, Ele disse: “Vocês são filhos do Diabo e querem fazer o que o pai de vocês quer. Desde a criação do mundo ele foi assassino e nunca esteve do lado da verdade porque nele não existe verdade” (João 8:44). 

Ele ensinou que a salvação é o maior presente para perseguir: Seus ensinamentos sobre as parábolas da pérola e do tesouro escondido instruem o homem da sua maior necessidade. Na parábola do tesouro escondido, ele ensina: “O Reino do Céu é como um tesouro escondido num campo, que certo homem acha e esconde de novo. Fica tão feliz, que vende tudo o que tem, e depois volta, e compra o campo.” 

E Jesus continua com a Parábola da Pérola, afirmando: “O Reino do Céu é também como um comerciante que anda procurando pérolas finas. Quando encontra uma pérola que é mesmo de grande valor, ele vai, vende tudo o que tem e compra a pérola” (Mateus 13: 44-46). 

Ele ensinou que a santidade é o nosso chamado: “Portanto, sejam perfeitos, assim como é perfeito o Pai de vocês, que está no céu” (Mateus 5:48). E Pedro escreve o que aprendeu do Senhor: “sejam santos em tudo o que fizerem, assim como Deus, que os chamou, é santo. Porque as Escrituras Sagradas dizem: “Sejam santos porque eu sou santo” (1 Pedro 1:15-16). 

Quando nosso Senhor Jesus Cristo subiu ao céu, Ele deu a Sua Igreja a grande responsabilidade de ser Suas testemunhas (Atos 1:8). Portanto, todo cristão recebeu o ministério da reconciliação para chamar pessoas perdidas para se reconciliar com Deus. “Tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, ou seja, que Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo, não levando em conta os pecados dos homens, e nos confiou a mensagem da reconciliação. Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: Reconciliem-se com Deus. Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:18-21). 

Como embaixadores do Rei dos reis, aproveitemos o privilégio real que Ele nos deu para interargir com os perdidos que Ele põem em nosso caminho. 

Que você seja testigo daquilo que Jesus nos ordenou: “Vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mateus 28:19-20) 

FELIZ ANO NOVO!

Que tipo de música é apropriada para o culto na igreja? Aqui estão alguns pensamentos antes de abordar algumas perguntas e respostas abaixo. 

As igrejas podem homenagear Deus na música que eles usam? Para responder corretamente a esta pergunta, devemos começar observando os princípios da Palavra de Deus. Nenhuma preferência pessoal ou tendência cultural pode ser nosso guia. Mesmo na área da música, a Escritura deve ser nossa autoridade. 

Abaixo estão as perguntas que pastores e líderes da igreja, juntamente com toda a congregação, devem perguntar sobre a música de adoração que é usada em sua igreja. Tomados diretamente dos princípios bíblicos, essas questões podem não responder a cada caso específico, mas fornecem uma lista de verificação teológica para examinar a música da igreja. 

  • A música em sua igreja está focada em Deus? Sem dúvida, a verdadeira adoração deve ser centrada em Deus (Êxodo 20:3-6), porque Ele é o único digno de louvor (Salmo 148:13). Ele é o nosso Rei exaltado e Ele deve ser o centro da nossa devoção. 

Como o propósito da música da igreja é fornecer um veículo para a adoração, ela deve estar focada em Deus em vez de se concentrar no homem. 

Porque o culto bíblico exige uma abordagem centrada em Deus, a música da igreja deve começar e acabar com Ele. 

  • A música em sua igreja promove uma alta perspectiva de Deus? A música que é digna deve promover uma perspectiva correta e exaltada de quem Ele é (veja Isaías 40:12-26). Através da Escritura, todos os que conheceram o Deus vivo foram radicalmente mudados. Não há nada comum sobre o Deus que viram ou a resposta tremenda do culto completo que eles deram. Nossa música então deve transmitir claramente a majestade, a glória e a honra de Deus (Romanos 11:33-36, Apocalipse 14: 7). 
  • A música em sua Igreja é feita de maneira ordenada? O Deus que servimos é um Deus de ordem. Isto é visto mais claramente em Sua criação do mundo, quando Ele deu forma e função (Gênesis 1). Portanto, não é surpreendente que o apóstolo Paulo enviasse aos coríntios a diretiva de que, na igreja, “todas as coisas sejam feitas decentemente e em ordem” (1 Coríntios 14:40). 

O emocionalismo sem sentido e acelerado pela repetição torna-se em um ritual pagão, assim como Mateus 6:7 nos adverte a não usar repetições vãs como os pagãos fazem. 

  • O conteúdo da música em sua igreja soa bíblico? Uma música que seja biblicamente imprecisa, fora do contexto só irá dificultar o crescimento espiritual daqueles que a cantam. 

Embora a música instrumental seja certamente apropriada durante o culto (2 Crônicas 5:13), deixe que ela não domine as vozes e se torne o centro das atenções e um show. Precisamos ter em mente que a música de adoração tem o propósito de aprofundar a compreensão bíblica e teológica da congregação. 

  • A música em sua igreja promove a unidade? O objetivo principal da música na igreja é adorar a Deus. Se tivermos unidade com Deus, teremos unidade uns com os outros (Filipenses 2:1-2). 
  • A música de sua igreja é realizada com excelência? A música da igreja, juntamente com tudo o que fazemos, deve ser feita para a glória e honra de Deus (1 Coríntios 10:31). Como nosso perfeito Professor e Pai amoroso, Ele certamente merece o melhor que podemos oferecer a Ele. 

A música que não é sincera e é um desempenho de auto-busca, não é adoração, e Deus a vê como puro ruído (Amós 5:23). 

  • Você prepara a música de sua igreja para a pregação da Palavra de Deus? É somente através da Palavra de Deus que podemos aprender sobre Ele; é somente através da Bíblia que Deus se revela a nós mesmos. A Escritura, então, deve ser a peça central do nosso culto corporal, fornecendo Sua mensagem para nós na letra da música. 
  •  A música de sua igreja inclui o evangelho de Jesus Cristo? A igreja, como uma assembléia de cristãos, deve dar um bom testemunho para ser visto pelo mundo. Pedro nos exorta a “proclamar as excelências” de Deus (1 Pedro 2:9). A música da igreja, portanto, deve ser um testemunho maravilhoso da grandeza de nosso Senhor e Salvador; e não deve prejudicar sua reputação ou confundir os não convertidos como ensina o Evangelho. 
  • A música de sua igreja promove um culto cheio do Espírito Santo? Como já foi mencionado anteriormente, a música da igreja deve ser focada em Deus, apresentando-O reverentemente em toda a Sua majestade. Ao mesmo tempo, nunca deve ser aborrecido, pois, como lemos em Apocalipse 4 e 5, o céu, é o lugar mais excitante de todos, onde a principal ocupação é adorar o Senhor. 

Enquanto mantivermos o devido respeito por Deus, a adoração bíblica está sempre transbordando com o entusiasmo pessoal da adoração de Cristo. No entanto, precisamos ter em mente que o nosso entusiasmo deve sempre ser expressado de forma ordenada e com um Espírito controlado. 

Precisamos estar cientes de que, embora existam numerosas opiniões e preferências nas igrejas de hoje, que a verdadeira igreja de Cristo terá sua música baseada em princípios bíblicos. Os líderes da igreja não devem simplesmente manter certos padrões porque isso sempre foi feito dessa maneira. Eles não devem permitir cegamente que algum tipo de música seja tocada nos serviços da igreja. Eles devem ser como os Bereanos (Atos 17:11) e determinar os princípios bíblicos que aderem à música correta na adoração em sua igreja. 

Vinde, cantemos ao Senhor!

Cantemos com júbilo à rocha da nossa salvação!

Apresentemo-nos ante a sua face com louvores e celebremo-lo com salmos.

Porque o Senhor é Deus grande e Rei grande acima de todos os deuses.

Nas suas mãos estão as profundezas da terra,

E as alturas dos montes são suas.

Seu é o mar, pois ele o fez, e as suas mãos formaram a terra seca.

Ó, vinde, adoremos e prostremo-nos!

Ajoelhemos diante do Senhor que nos criou.

Salmos 95:1-6

Publicado por: mvmportugues | dezembro 13, 2017

AS AÇÕES DO CORAÇÃO – Provérbios 23:7

A Bíblia fala muito sobre nossos pensamentos. Na verdade, a maioria das instruções de Jesus e de Paulo não se concentraram nas aparências externas ou nas coisas que as pessoas fizeram, mas nos pensamentos de sua mente e nas atitudes de seus corações. 

Jesus disse: “O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque da abundância do coração a sua boca fala” (Lucas 6:45). 

Os pensamentos do coração dos homens evidenciam o que é seu estado espiritual. O que você pensa em sua mente, você é. Em outras palavras, nossa mente é poderosa e nos tornamos o que pensamos. Uma pessoa é conhecida por suas ações, e precisamos realizar que as ações começam com nossos pensamentos. 

O caráter dos pensamentos de uma pessoa determina o caráter de sua vida. Suas ações são inspiradas de dentro. Todo produto da alma, seja uma ação ou um propósito, é primeiro um pensamento. 

Porque nós nascemos com uma natureza pecaminosa, o pecado está na alma primeiro em pensamentos e, se o deixarmos enraizar, ele se revelará em ações. 

O sucesso moral da vida consiste em ser focado em Cristo e não deixar que os pensamentos do mal germinem em nossa mente. Em nosso verso, aprendemos que o coração determina nosso destino eterno, porque um coração sem santidade nunca verá o Senhor (Hebreus 12:14). 

Paulo nos instrui a nos concentrar em: tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, o que for de boa fama… pensar nessas coisas (Filipenses 4:8) , e levar cativo todo entendimento à obediência de Cristo (2 Coríntios 10:5). 

O coração como a Bíblia descreve, literalmente funciona como uma consciência; ele nos dá um suave empurre ou uma sensação de aviso. E, como lemos nos versículos seguintes, a Palavra de Deus muitas vezes se refere aos “pensamentos do coração”. 

Tenha cuidado com o que você pensa, pois a sua vida é dirigida pelos seus pensamentos. (Provérbios 4:23) 

Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento. (Provérbios 3:5) 

Pois do coração saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias. (Mateus 15:19) 

O Senhor nos conhece muito bem e nos diz que: “Naquele dia virão pensamentos à sua cabeça e você maquinará um plano maligno.” (Ezequiel 38:1) 

Conhecendo Jesus seus pensamentos, disse-lhes: “Por que vocês pensam maldosamente em seu coração?” (Mateus 9:4) 

Nunca devemos esquecer que: “A palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração” (Hebreus 4:12). 

Temos que lembrar que nosso comportamento segue nossos pensamentos, e não o contrário. Os pensamentos que entretemos são processados ​​pelos nossos corações e saem da nossa boca e em nossas ações. Analisar e abordar nossos pensamentos são componentes-chave da conquista dos hábitos e comportamentos que parecem nos manter refém, e cabe a nós levar cativo todo entendimento à obediência de Cristo (2 Coríntios 10:5). 

A melhor maneira de fazer isso é reconhecer a necessidade de mudar e de se aproximar a Deus e Ele se aproximará de você (Tiago 4:8). Porque sem Cristo, fomos incapazes de pensar corretamente porque Jesus é o único purificador do coração; e para não se amoldar ao padrão deste mundo, mas transformar-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Romanos 12:2). 

Lembre-se que: Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz (Romanos 8:5-6). 

Algumas pessoas em voz alta proclamam com a boca que Jesus é seu salvador, mas suas vidas são enganosas e pecaminosas porque não o permitiram ser o Senhor de sua vida. A Bíblia chama essas pessoas de hipócritas; eles dizem uma coisa, mas vivem em rebelião aos mandamentos de Deus e da Bíblia. Por isso, a Bíblia nos informa que o tolo diz em seu coração que “Deus não existe” (Salmo 14:1) 

Nós, como o salmista, deveríamos pedir a Deus para criar em mim um coração puro. . . e renova dentro de mim um espírito estável (Salmo 51:10).

Older Posts »

Categorias