Publicado por: mvmportugues | junho 1, 2017

A ESCRITA NA PAREDE, UMA MENSAGEM PARA HOJE – Daniel 5

O declínio dos valores morais na América e no mundo inteiro significa tragédia inevitável hoje, como aconteceu no tempo de Daniel. 

Em Daniel capítulo 5 da Bíblia, está registrado que no auge de uma festa tremenda Belsazar ordenou que as taças de ouro e prata que foram tirados do Templo em Jerusalém fossem levados para o palácio, para que o rei e os seus nobres, as suas mulheres e as suas concubinas bebessem delas. 

Belsazar os usou como copos do vinho durante esta festa extravagante e em sua orgia ele louva os seus deuses. Este foi um desafio aberto ao Deus vivo de Israel, cujas exigências morais eram conhecidas em todo o mundo. 

De repente, os dedos de uma mão humana apareceram na frente de todos e começaram a escrever na parede do salão de banquetes do palácio. Era uma mensagem de julgamento para um povo que era ímpio, não tinha moral e tinha um comportamento desprezível. 

Como eles profanaram as taças de ouro dedicadas ao serviço de Deus, seu julgamento foi pronunciado sobre eles como a mão escrevendo sobre a parede, que era a mensagem de Deus para eles e dizia: “MENE, MENE, TEQUEL, PARSIM”, significando: Mene, MeneDeus contou os dias do teu reinado e determinou o seu fim. Tequelquer dizer que o senhor foi pesado na balança e pesou muito pouco. E finalmente ParsimTeu reino foi dividido e entregue aos medos e persas. 

Antes que aquela mesma noite terminasse, o rei Ciro da Pérsia atacaria Babilônia; Belsazar seria morto, e Dário o rei do país da Média, que tinha sessenta e dois anos de idade, começou a reinar no seu lugar. 

Os navios do Templo que Belsazar profamou, não eram simplesmente artefatos; eles foram santificados a Deus. 

A verdade desta história é auto-evidente para o nosso próprio tempo, porque mostrar desrespeito a Deus, que é soberano sobre as nações, é convidar o desastre. 

Um sinal seguro de um julgamento vindouro para um país é quando o que é dedicado a Deus e reservado para o uso sagrado está cheio de venalidade e vício. É prejudicial para qualquer nação quando a verdadeira religião é usada em nome de práticas idólatras. 

Belsazar, a Bíblia diz, chamou alguém para ler a escritura na parede, mas só Daniel, o profeta de Deus, poderia lê-lo. Precedendo o julgamento de uma nação, aqueles que realmente conhecem o Senhor, aqueles que entendem os Seus comandos não serão muitos ou populares, mas eles ainda estarão em demanda. Somente eles podem realmente discernir os tempos proféticos porque são servos fiéis de Deus. 

Todos nós ouvimos o velho ditado: “Aqueles que não aprendem com a história estão destinados a repeti-la”. Mas, obviamente, Belsazar não tinha aprendido essa lição. 

Seu avô, Nabucodonosor, tinha sido um homem orgulhoso e ignorou Deus. Por isso ele sofreu de insanidade por sete anos antes de finalmente confessar, “Agora, eu, o rei Nabucodonosor, agradeço ao Rei do céu e lhe dou louvor e glória. Tudo o que ele faz é certo e justo, e ele pode humilhar qualquer pessoa orgulhosa” (Daniel 4:37). 

Belsazar sabia de tudo isso, mas recusou-se a aprender dele (Daniel 5:17-22). 

A história nos diz que vinte e duas grandes civilizações subiram e caíram, e as razões de sua destruição são surpreendentemente semelhantes. 

  • Abandonaram suas convicções religiosas, rejeitando inteiramente os princípios básicos da moralidade. 
  • Eles estavam obcecados com o sexo e suas perversões. 
  • Reduziram a qualidade e o valor intrínseco do seu dinheiro, ao mesmo tempo que aumentaram o nível geral dos preços dos bens e serviços. 
  • Já não viam o trabalho honesto como uma virtude necessária. 
  • Permitiram que o respeito à lei diminuísse seriamente e a violência se tornasse um meio aceito para alcançar as necessidades individuais e de grupo. 

Vamos aprender com a história? Estas cinco razões para a destruição de civilizações poderosas anteriores estão atualmente desenfreadas na América e em todo o mundo. 

Estamos vendo a caligrafia na parede? Definitivamente! Parece que o julgamento é iminente! 

Hoje, as pessoas muitas vezes argumentam que têm as suas próprios balanças para julgar os problemas da vida, e como a história se repete a Bíblia diz que: “cada homem fazia o que bem queria” (Juízes 17:6). Mas um dia todos vão enfrentar Deus como Ele realmente é, e seremos julgado pelos padrões de Sua Palavra. 

Quando olhamos para o verso inteiro, ele diz: “Naquele tempo não havia rei em Israel, e cada um fazia o que bem queria.” Eles tinham um Rei, é claro, mas eles O recusaram. 

Isso é essencialmente o que as pessoas estão fazendo hoje. “Não há temor de Deus diante de seus olhos”, e são “amantes dos prazeres mais do que amantes de Deus” (Romanos 3:18; 2 Timóteo 3: 4). 

Quando todo homem acredita no que é confortável e faz o que lhe agrada, torna-se, de fato, seu próprio deus, e isso não passa de ser humanismo. Mas, assim como este antigo humanismo estava vazio e o povo logo desejou um rei humano, o humanismo ateísta moderno também voltará ao panteísmo e o mundo se renderá a um rei humanista para conduzi-los a um confronto mortal final com o verdadeiro Rei dos reis. 

Cristo morreu na Cruz para resgatar as pessoas de todos os tipos, língua, e nação. Assim não somente na América, mas o mundo inteiro tem uma escolha a fazer. Ou voltarmos pela fé em Jesus Cristo, ou nos uniremos ao destino de outras nações que já há muito tempo foram esquecidas. 

Por que somos tão tolos para acreditar que podemos escapar do julgamento de Deus? Por que continuamos ignorando a escrita na parede? Por que os pregadores não declarão isso dos telhados? 

Nós iremos ajoelhar-nos em arrependimento e fé ou sermos levados aos nossos joelhos em derrota. 

Você confiará em Cristo como seu Salvador hoje? Se você é um cristão, você caiu no pecado e na necessidade de acertar as coisas com seu Senhor? 

Prestemos atenção ao chamado de Jeremias 18:8 antes que seja tarde demais: “Se essa nação que eu adverti converter-se da sua perversidade, então eu me arrependerei e não trarei sobre ela a desgraça que eu tinha planejado.” 

Assim como Ezra também escreveu em 2 Crônicas 7:14: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra.”

Publicado por: mvmportugues | maio 25, 2017

CARACTERÍSTICAS DO ESPÍRITO DE JEZABEL – Apocalipse 2:20-23

O espírito de Jezabel é uma das autoridades dominantes sobre o nosso mundo. A nossa sociedade, a igreja, famílias e indivíduos pessoalmente foram atacados, infiltrados, sabotados e roubados por Jezabel. Este espírito opera em mulheres e homens e não faz distinção de pessoas. 

Existem dois tipos de pessoas: Primeiro, aqueles que são atacados por Jezabel e segundo, aqueles com o espírito de Jezabel que sempre estão procuramos ser o centro das atenções. 

Uma das últimas cartas às igrejas dirigiu fortemente o assunto de tolerar o espírito Jezabel. Apocalipse 2:20-23 dá uma imagem clara que desvia o melhor dos servos em falso ensino e imoralidade. Jesus, através de João no Livro de Apocalipse, dá uma forte advertência de julgamento sobre o espírito Jezabel. 

A razão para o aviso é que o espírito Jezabel procura destruir a verdadeira adoração. Ele engana e corrompe a igreja e procura neutralizar a vida de líderes designados por Deus, pastores e outras autoridades masculinas, por qualquer meio de sedução sexual, desânimo, etc. Jezabel está disposta para destruir as famílias, a harmonia e a autoridade ordenada por Deus. É o espírito por trás da desordem nas igrejas e nas famílias, no movimento do feminismo, nos estilos de vida sexualmente imorais e no movimento do aborto. 

O OBJETIVO FINAL DE JEZABEL É SEMPRE CONTROLE E A DESTRUIÇÃO DA VERDADEIRA ADORAÇÃO, HUMILDE E CENTRADA EM CRISTO. 

O espírito Jezabel procura o controle através da manipulação. Ele tem um profundo ódio à verdadeira autoridade espiritual, e usa a pressão emocional e a sensualidade em sua busca de poder. Usa persuasão sutil para ganhar influência e aproximar-se dos que estão no controle, e em seguida, usa essa posição para dominar gradualmente. 

O espírito Jezabel é sempre motivado por sua própria agenda e orgulho e persegue implacavelmente o reconhecimento egoísta. Ele tem a intenção de obter o que deseja. Pode haver um em cada ministério da igreja e em cada família, tentando dominar e controlar egoisticamente a todos. 

Jezabel gosta de ser vista perto de líderes e usar sua influência. Ela gosta de usar o poder e a influência de outras pessoas para realizar seus objetivos e controlar seu ambiente. Em 1 Reis 21:8 diz que “Jezabel escreveu cartas em nome de Acabe, pôs nelas o selo do rei, e as enviou às autoridades e aos nobres da cidade.” Isso é típico de Jezabel, pois ela prefere ficar escondida no fundo, enquanto lida com situações e líderes. 

Este espírito demoníaco é muito astuto, esperto e sedutor; mais do que muitos dos outros tipos de demônios são. Portanto, ele vai ser capaz de jogar mais do que um tipo de jogo com você. 

Há um poder carismático e dominador na pessoa que possui o espírito de Jezabel. 

As pessoas com um espírito de Jezabel nunca nasceram de novo e nunca tiveram suas vidas transformadas pelo sangue purificador de Cristo e pelo Espírito Santo que habita em nós. Eles são religiosos, mas não são justos. 

O objetivo final é sempre o controle das pessoas, da igreja e de corromper o ministério. 

Ele atacam a liderança, abertamente e atrás das costas. 

Ele tem inveja dos líderes piedosos da igreja; e reclama quando ele não é o centro das atenções e as coisas não são feitas da maneira que ele querem fazer. 

Ele causa medo, desânimo e desarmonia; e tenta ser um líder dominante e o centro das atenções. 

Ele é enganoso, sutil, manipulativo, orgulhoso, independente, rebelde e egocêntrico. 

Ele têm um espírito orgulhoso, religioso; sua vida familiar está fora de ordem, sua casa não é um lugar de paz, humildade e vida santa. 

Um líder fraco como Acabe permitirá que Jezabel esteja no controle e domine a igreja e outros. 

Se uma pessoa com um espírito de Jezabel se infiltra em um grupo de oração, um grupo de música ou em uma classe de estudo bíblico, ela vai tentar chegar ao topo para que ela possa ser o líder do grupo e executá-lo à sua maneira, ensinando falsidades e fazendo muito dano onde quer que ela se infiltra. 

Tenham cuidado porque as advertências são severas em Apocalipse 2:20-23.

Publicado por: mvmportugues | maio 17, 2017

DESPERTA, Ó TU QUE DORMES – Efésios 5:14

As Sagradas Escritas dizem: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo resplandecerá sobre ti.” (Efésios 5:14)

O apóstolo Paulo está constantemente exortando as igrejas a despertar. Na carta aos romanos ele escreve: “Chegou a hora de vocês despertarem do sono, porque agora a nossa salvação está mais próxima do que quando cremos” (Romanos 13:11). Ele ordena que os coríntios despertem e comecem a viver uma vida piedosa. Ele diz aos tessalonicenses: “Portanto, não durmamos como os demais, mas estejamos atentos e sejamos sóbrios” (1 Tessalonicenses 5:6); e ele escreve sobre o mesmo tema para a igreja em Éfeso. 

Aqui Paulo oferece um convite, um apelo para que aqueles que não são filhos da luz venham à luz e sejam salvos. As palavras são adaptadas de Isaías 60:1, que diz: “Levante-se, refulja! Porque chegou a sua luz, e a glória do Senhor raia sobre você.” Paulo mostra o significado profético desses textos ao declarar que “a glória do Senhor (que) ressuscitou” é o Senhor Jesus Cristo, o Messias que Isaías e cada judeu piedoso tanto desejava.  

Desperta, ó tu que dormes descreve o pecador que está dormindo na escuridão do pecado e inconsciente de sua condição perdida e destino trágico. Levante-te dos mortos é uma convocação para o arrependimento, um apelo para se afastar dos caminhos do pecado que te levam a morte.  

À medida que analisamos mais este versículo, chegamos também à conclusão de que “desperta, ó tu que dormes” significa levantar de um estado de sono e falsa segurança. “O sono e a morte” são representações impressionantes do estado em que as pessoas se encontram. No “sono” estamos, embora vivos, insensíveis a qualquer perigo que possa estar próximo; estamos inconscientes do que pode acontecer ao nosso redor. Assim é com o pecador, apesar de sua mente estar dormindo e ele não ouve nem conhece Deus, e não tem senso de perigo, espiritualmente ele está morto. 

Deus através de Sua Palavra está dizendo à igreja: ‘Acorde! Você está dormindo! A morte está ao seu redor. A escuridão te envolveu. Acorde e deixe o Espírito Santo expor as coisas que estão erradas em sua vida. Então Jesus poderá brilhar através de você e dissipar a escuridão porque é Sua luz que remove a escuridão que representa o pecado em sua vida. 

Enquanto nós, como cristãos, devemos estar sempre dispostos a trazer a mensagem salvífica da graça de Deus ao pecador, não devemos ser “participantes com eles” (v.7) nos seus pecados e, de fato, “não ter comunhão com as obras infrutíferas das trevas” (V.11). Em vez disso, devemos “repreendê-los” (v.11), apontando as conseqüências de suas ações e concentrando sua atenção em Cristo que “nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus” (v.2) em pagamento por nossa penalidade. Tudo o que deve ser feito é aceitar este perdão. Ao fazê-lo, nós que somos a “luz no Senhor” (v.8) derramaremos luz em suas trevas, “pois a luz torna visíveis todas as coisas” (v.13). 

Como filhos da luz (v. 8), nossas vidas devem exibir o “fruto da luz que consiste em toda bondade, justiça e verdade” (v.9). Devemos discernir “o que é aceitável ao Senhor” (v.10), “andando com circunspecção, não como tolos, mas como sábios” (v.15), “aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus “ (v.16). 

Precisamos realizar que estamos nos movendo ou em direção a piedade, ou estamos nos afastando dela. Cada momento é uma nova oportunidade para continuar avançando na direção certa, sempre com nossos olhos enfocados em Jesus. Nele está a luz, e para conhecê-Lo, devemos buscá-Lo através da Sua palavra. Não deve haver estagnação em nossa caminhada em direção ao nosso lar eterno. 

Aquele que dorme em nosso texto, seja ele um incrédulo ou um que professa ser cristão, está “adormecido”, cercado pela escuridão; portanto, Jesus os advertiu: “a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. 20 Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz e não vem para a luz para que as suas obras não sejam reprovadas. 21 Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus” (João 3:19-21). 

Assim que, quando somos salvo, somos espiritualmente despertos para uma nova vida com Cristo e Jesus disse: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus” (Mateus 5:16).

 

Publicado por: mvmportugues | maio 11, 2017

A BÍBLIA FALA SOBRE DANÇAR NA IGREJA?

Em muitas igrejas cristãs, a dança foi incorporada ao culto de adoração. Para justificar tal ação, eles enfocam sua atenção na dança dos tempos do Antigo Testamento. Surpreendentemente, eles não fazem uma análise séria das passagens onde a dança foi usada pelos israelitas. Eles ignoram que a dança NUNCA foi permitida nos serviços religiosos do santuário, templo, sinagoga e nem sequer fazia parte do culto da igreja primitiva. É somente fazendo uma análise dos versos onde a dança aparece na Bíblia que o papel desempenhado por Israel nos tempos do Velho Testamento pode ser compreendido. 

A primeira ocasião em que a dança é mencionada na Bíblia foi quando os israelitas atravessaram o Mar Vermelho. Êxodo 15:20-21 diz: Então Miriã, a profetisa, irmã de Arão, pegou um tamborim e todas as mulheres a seguiram, tocando tamborins e dançando. 21 E Miriã lhes respondia, cantando: “Cantem ao Senhor, pois triunfou gloriosamente. Lançou ao mar o cavalo e o seu cavaleiro.” É interessante notar que esta atividade ocorreu ao ar livre, como uma celebração para a destruição total do exército egípcio no Mar Vermelho. 

Em todas as passagens do A.T. a dança estava relacionada com uma expressão social e natural dentro da cultura do povo. Na história de Israel a dança aparece como uma expressão aprendida dentro da cultura egípcia, e isso também podemos ver quando Moisés desceu da montanha depois de receber as tabelas dos 10 mandamentos: “Quando Moisés chegou perto do acampamento, viu o bezerro de ouro e o povo, que estava dançando, e ficou furioso. Ali, ao pé do monte, ele jogou no chão as placas de pedra que estava carregando e quebrou-as. 20 Então pegou o bezerro de ouro que eles haviam feito, queimou-o no fogo e o moeu até virar pó e espalhou o pó na água. Em seguida mandou que o povo de Israel bebesse daquela água (Êxodo 32: 19-20). Nesse caso, era uma dança idólatra, o que enfureceu Moisés. 

Quase todos os textos que falam de dança se referem a uma expressão de festa, felicidade e alegria ligada à cultura hebraica, que possivelmente foi aprendida no Egito, já que em Gênesis não há ações ou referências a ela como uma prática pelos patriarcas. 

A Bíblia nos dá muitas referências nos convidando a louvar a Deus. Por exemplo, Salmo 105:1-2 diz: “Louvai ao Senhor e invocai 0o seu nome; fazei conhecidas as suas obras entre os povos. Cantai-lhe, cantai-lhe salmos; falai de todas as suas maravilhas.” É importante notar que há muitas tais referências nos Salmos, o hinário de Israel, sobre cantar ao Senhor e proclamar Seu nome, mas as referências à dança antes Dele ou a Ele nos Salmos são limitadas a apenas dois versos em todos os 150 Salmos, e essas referências no contexto das celebrações especiais de Israel. 

No Novo Testamento somos encorajados a conversar entre nós com salmos, hinos e com canções espirituais, mas nada é dito sobre a dança. Somente Salmos 149:3 e Salmo 150:4 exortam a louvar a Deus com a dança. São os únicos dois versículos encontrados na vasta Palavra de Deus que mencionam o louvor a Deus com a dança e foram dados no contexto de ser uma ordem ou um comando da forma de louvor, mas o ênfase do salmo está em exortar a louvar ao Senhor com alegria. Ele menciona a dança porque era a maneira cultural da comunidade de expressar a alegria em alguns dos feriados judaicos. Em contraste, a dança desempenhou um papel proeminente em muitos cultos pagãos, como o culto orgiástico de Dionísio. 

Então a pergunta para nós é esta: É normal aonde vivemos que nós saímos às ruas para dançar toda vez que celebramos alguma coisa? É esta uma expressão comum da nossa cultura? Certamente em muitos setores e regiões do mundo isto ainda permanece, mas tende a ser associado com celebrações com álcool e imoralidade. É precisamente por isso que, quando as pessoas vêm a Cristo, deixam de assistir às celebrações e festas de que participaram antes, por convicção e motivo de consciência. 

Em 2 Samuel 6, Davi reuniu homens escolhidos de Israel com o propósito de mover a Arca da Aliança da casa de Abinadabe, para Jerusalém. O versículo cinco diz: “E Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o Senhor, com toda sorte de instrumentos de madeira de faia, com harpas, e com saltérios, e com tamboris, e com pandeiros, e com címbalos.” 

No Salmo 68:24-27 é apresentada a imagem de uma procissão que estava indo para o santuário. “À frente estão os cantores, depois os músicos; com eles vão as jovens tocando tamborins.” No Salmo 42:4, uma imagem semelhante é apresentada: “Quando me lembro destas coisas choro angustiado. Pois eu costumava ir com a multidão, conduzindo a procissão à casa de Deus, com cantos de alegria e de ação de graças entre a multidão que festejava.” Estas duas passagens estão em consonância com o fato de que essas procissões festivas onde as pessoas dançavam e cantavam, aconteciam ao ar livre e não no templo. No templo, apenas os levitas cantavam os elogios e tocavam instrumentos musicais (1 Crônicas 15:16, 19-24, 16:4, 25:6-7, 2 Crônicas 7:6, 29:25, Esdras 3:10-11). 

Em nenhum desses casos a dança era realizada no santuário, ou no templo. A dança foi sempre ao ar livre e foi associada com a vitória de Israel sobre seus inimigos e com as celebrações de festivais culturais e religiosos de Israel. 

Nunca houve qualquer agitação frenética de lenços e fitas ou serpentinas durante a adoração no templo nas igrejas do Novo Testamento. Como o comando irreversível de Deus afirma: “Mas tudo deve ser feito de maneira honrosa e ordenada” (1 Coríntios 14:40). 

O fato de que o Rei Davi não incluiu a dança no culto dentro do santuário implica que ele distinguiu entre a música secular tocada em suas celebrações festivas; tais como cantar e dançar quando Saul e David voltaram depois de derrotar Golias, e a música do Templo. 

Israel era uma teocracia, um governo estabelecido por Deus. Toda a sua vida girava em torno de Deus. Suas canções e suas celebrações culturais foram centradas em Jeová, mas suas danças por ocasião de festivais anuais nunca foram feitas dentro do templo. 

A propósito, os instrumentos de percussão que foram usados ​​nas danças, não foram considerados por David quando a música para adoração foi institucionalizada (2 Crônicas 5:13, Neemias 12:27). É mencionado na Bíblia que os levitas usaram o címbalo (instrumento de percussão) (1 Crônicas 15:19, 25:1, Esdras 3:10, Neemias 12:27). De acordo com a “Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão”, estes foram usados ​​apenas para marcar o tempo (Vol. III, página 2101). 

Instrumentos de percussão, como os tamborins e tambores que eram usados ​​em danças culturais, eram claramente excluídos do culto. Os címbalos eram usados ​​para marcar a transição entre as estrofes dos hinos e não para acompanhar o coro. A lira, ou cítara, que é um tipo de harpa, foi o instrumento que Davi e os levitas consideravam o mais nobre instrumento de todos (O Dicionário do Intérprete da Bíblia (vol. 3, página 474). 

No livro do Apocalipse, quando se menciona o louvor no céu, as harpas são mencionadas (5:8; 14:2; 15:2). Durante a inauguração do Templo de Salomão, a percussão não foi usada em louvor (2 Crônicas 29:25) ou durante a inauguração do templo nos dias de Esdras e Neemias (Esdras 3:10, Neemias 12: 27-36). Definitivamente, uma clara distinção deve ser feita entre a música tocada para ocasião dessas celebrações que aconteceram fora do templo e a música tocada no culto no templo. 

É interessante notar que a dança como forma de louvar a Deus não aparece em todo o Novo Testamento. Nós nunca somos exortados no Novo Testamento a dançar. 

O Antigo Testamento refere-se apenas à dança em ocasiões especiais de celebração; e nunca foi parte da adoração padrão semanal de Deus. Nesta pesquisa descobrimos que a dança não fazia parte da adoração na igreja primitiva. A cultura judaica caracterizava a dança em casamentos e a Festa dos Tabernáculos, e é claro que há inúmeras referências a David dançando no Antigo Testamento, mas tal dança era espontânea e comemorativa, não litúrgica. Como resultado, os primeiros cristãos de origem judaica não tinham uma tradição de dança durante a adoração formal. A dança só aparece no Novo Testamento em dois contextos: o banquete de Herodes (Marcos 6:21-22, com resultados desastrosos para João Batista) e a celebração do retorno do Filho Pródigo (Lucas 15:22-27). 

O programa de culto semanal a Deus na sinagoga judaica (do qual Cristo e os apóstolos faziam parte) não incluiu a dança. 

Conclusão: Por 19 séculos da história da igreja cristã não há referências à dança diante de Deus em um culto cristão. Temos milhares de escritos de pastores e escritores cristãos ao longo de 19 séculos de história cristã e não há nenhuma referência à qualquer dança no culto semanal dos crentes. 

Portanto, é importante entender que a dança cristã nas igrejas é um fenômeno recente. É uma prática que começou desde o nascimento da doutrina Pentecostal em 1906, e o movimento carismático em 1960. 

Se a igreja de Cristo adorou o Senhor sem dança durante 19 séculos e o fato de que a dança como um modo de louvar a Deus não aparece em todo o Novo Testamento ou durante os primeiros 19 séculos, nos mostra que biblicamente, a dança não faz parte da expressão da fé cristã dentro do santuário; então por que tantas igrejas fazem isso? 

Jesus nunca ensinou sobre a dança, mas Ele cantou hinos como afirmado em Mateus 26:30. 

Precisamos prestar muita atenção às palavras da Sagrada Escritura porque é muito perigoso adicionar ou tirar da Palavra de Deus e um dia seremos julgados. 

O desrespeito pela Palavra de Deus e a aceitação ou defesa de falsos ensinamentos, lentamente, mas sem dúvida, obscurece a verdade e destrói a capacidade de discernir. Eventualmente, faz com que aqueles que escolhem aceitar algo que gostam ou querem, independentemente da verdade bíblica, incapazes de reconhecer a depravação de sua situação. 

O fato é que as pessoas que não aderem à Palavra de Deus e fazem alegações não fundadas ou apoiadas pela Bíblia, não compreenderam, e acreditam incorretamente. 

Esta é uma típica prática da igreja emergente. É também o que os líderes de culto fazem quando acrescentam ou subtraem da palavra de Deus e então começam a acreditar em suas próprias idéias falsas como autênticas “revelações”. 

Isso é o que aqueles dados a uma mente reprovada fazem, e é isso que esta acontecendo em nossas igrejas. 

Você serviria a sua família uma refeição se você soubesse que o veneno tinha sido polvilhado nele? Então por que você aceitaria as palavras de uma pessoa que provou consistentemente que não são confiáveis ​​e que seu ensino desafia a Bíblia, só porque alguém afirma que há um pouco de bom nela? 

Quando você se entregar a um professor e seus ensinamentos, ou um autor e seus livros através de seu investimento de tempo, dinheiro e emoções sem permitir que a Palavra de Deus seja sempre o juiz, e você defende a mensagem mesmo que seja contrária à de Deus Palavra, então, você permitiu a Satanás a dominar. Mas, a menos que haja arrependimento, isto não pára por aí, logo se torna numa fortaleza, e em pouco tempo você se torna incapaz de decidir o que é certo e o que está errado. 

Igreja, pare de defender o ensino indefensável e venha a seus sentidos antes que seja tarde demais! “Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Publicado por: mvmportugues | maio 4, 2017

O JULGAMENTO COMEÇA PELA CASA DE DEUS – 1 Pedro 4:17-18

Pois chegou a hora de começar o julgamento pela casa de Deus; e, se começa primeiro conosco, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? 18 E, “se ao justo é difícil ser salvo, que será do ímpio e pecador?” – 1 Pedro 4:17-18

A maioria das pessoas considera o julgamento como algo que ocorre apenas no final da idade. No entanto, a Bíblia mostra que os cristãos estão sendo julgados hoje. Como em um tribunal humano, o julgamento é um processo. Os juízes não tomam decisões sem obter os fatos e refletir sobre toda a evidência. Hoje, Deus está colocando cristãos através de provações e testes para ver se eles serão fiéis a Ele e ao Seu modo de vida. 

Você está disposto a seguir a Cristo quando é difícil? Você o seguirá quando for perigoso? Você o seguirá se causar dor, sofrimento e até mesmo a morte? 

É tão fácil se acostumar com a escuridão. O pecado e a escuridão invadiram sua vida? Sua consciência é sensível o suficiente para reconhecer o pecado em sua vida e na sua igreja? “Este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram as trevas, e não a luz, porque as suas obras eram más” (João 3:19). 

Pedro adverte que um tempo está chegando quando os cristãos serão julgados. Por isso, ele está se referindo a perseguições severas que irão testar a fé daqueles que estão sendo julgados. Claramente, em tais provas, nem todo mundo vai passar o teste. Jesus advertiu que poucos alcançariam o objetivo. “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. 14 Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram” (Mateus 7:13-14). Paulo usou a ilustração dos israelitas deixando o Egito para fazer a mesma analogia (1 Coríntios 10:1-14). Milhões de pessoas deixaram a terra idólatra do Egito; no entanto, apenas dois adultos que saíram de lá entraram na Terra Prometida. 

Pedro então pergunta; se é tão difícil de alcançar o objetivo por pessoas que querem ir para o céu, o que acontece com os ímpios e aqueles que nem se importam? A resposta é que eles não vão chegar ao céu. Se o julgamento vier ao povo de Deus aqui neste mundo pelas mãos dos ímpios, o que acontecerá com os ímpios quando enfrentarem o julgamento final diante do Deus Todo-Poderoso? 

É por isso que precisamos estar constantemente atentos: “Sede sóbrios, vigiai, porque o vosso adversário, o diabo, anda como um leão rugindo, procurando a quem possa devorar; ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo” (1 Pedro 5:8-9). 

E precisamos ser: “firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1 Coríntios 15:58). 

Se os santos mal chegam ao céu, o que acontece com os ímpios? O que podem fazer os que não conhecem a Deus? O que podem fazer os que não conhecem o Salvador? O que podem fazer os que não tem o Espírito de Deus? O que podem fazer sem a oração, a Palavra e a promessa de Deus? 

O julgamento começa na Casa de Deus, que significa a igreja, e aqueles que estão brincando com o pecado precisam parar antes que seja tarde demais. 

Qualquer um que se chame de ministro do evangelho de Jesus Cristo não pode abraçar o pecado e permitir o pecado em sua igreja e esperar que não haja conseqüências. Nosso Deus é um Deus santo e terrível, e a única maneira que qualquer um de nós vai poder suportar o que está por vir, é viver em santidade. As Escrituras nos dizem que o temor de Deus é o início da sabedoria, e não há muito medo de Deus em nossas igrejas hoje em dia, mas de acordo com a Palavra de Deus, haverá em breve. 

Desculpas estão sendo feitas para quase todas as formas de imoralidade sexual que você pode imaginar, e em cima disso, muitos pregadores estão adotando a doutrina de que ninguém vai para o inferno. 

Deus não pode abençoar aqueles que são infiéis em suas relações com Ele. As pessoas precisam se humilhar enquanto ainda há tempo, mas em vez de se tornarem humildes e se arrependerem, tornam-se agressivas e defendem seu comportamento baseado em coisas contrárias à Palavra de Deus. Como o Antigo Testamento diz: “Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo!” (Isaías 5:20). Vivemos em um mundo retorcido onde os pecados se tornaram direitos, as iniquidades se tornaram virtudes e o mal é considerado liberdade pessoal. 

Há uma forte necessidade de arrependimento e de buscar um relacionamento correto com o Senhor. Você está em grande perigo porque você não está baixo da proteção de Deus. Não tente misturar sua fé no Senhor com outros sistemas de crenças. Não abrace a aceitação social com estilos de vida imorais. A paciência do Senhor vai acabar um dia, arrependa-se agora e peça perdão a Ele, porque “se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9). 

Temos um Deus misericordioso, mas Ele tem limites. Em Gênesis 6, antes do dilúvio, Deus disse isto: “O meu Espírito não continuará a ser desonrado pelo homem.” E então Ele afogou o mundo inteiro exceto oito pessoas. O Senhor estava advertindo Israel, e Deus ainda está nos advertindo, advertindo a todos que ouvem para não ir nem perto dos limites da paciência de Deus. Se seu coração ainda está sensível ao evangelho, se você está sentindo a atração de Deus para crer em Jesus Cristo, confesse-O como Senhor, se desvie do seu pecado, arrependa-se de seu pecado e siga-O. Se você está sentindo isso, então agora é o dia da salvação, 2 Coríntios 6:2, agora é a hora de acreditar, porque não podemos garantir quanto tempo você estará vivo. 

Disse-lhes então Jesus: “Por mais um pouco de tempo a luz estará entre vocês. Andem enquanto vocês têm a luz, para que as trevas não os surpreendam, pois aquele que anda nas trevas não sabe para onde está indo. 36 Creiam na luz enquanto vocês a têm, para que se tornem filhos da luz (João 12:35-36). 

Deus é paciente, mas Ele tem Seus limites. Seu Espírito nem sempre vai lutar com você, e porque você não quer acreditar, o dia virá quando você não pode acreditar. Isso é um pensamento terrível. Por favor, pense nisso enquanto ainda há tempo. 

“Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus.” (Mateus 5:8)

“Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor.” (Hebreus 12:14)

 

Publicado por: mvmportugues | abril 27, 2017

NÃO HÁ NADA ESCONDIDO QUE NÃO SERÁ DESCOBERTO – Lucas 12:2-3

Não há nada escondido que não venha a ser descoberto, ou oculto que não venha a ser conhecido. O que vocês disseram nas trevas será ouvido à luz do dia, e o que vocês sussurraram aos ouvidos dentro de casa, será proclamado dos telhados. (Lucas 12:2-3) 

Nestes versículos, Jesus está claramente nos dizendo que nada do que fazemos está escondido de Deus e tudo será revelado. Mesmo as coisas que fazemos em segredo e que só nós sabemos, e que pensamos que estão bem ocultas serão divulgadas. 

Paulo diz em 2 Coríntios 5:10 que “todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más.” E Romanos 2:6 nos diz que Deus dará a cada homem de acordo com suas ações. 

Há muitas pessoas na igreja hoje em dia que estão pretendendo ser um seguidor de Jesus, mas que estão escondendo os seus pecados secretos. Eles aparentam ser bons no exterior e têm a aparência de um cristão, mas quando estão sozinhos estão envolvidos em coisas que são pecaminosas e incorretas. Muitos pensam que podem escapar com coisas enquanto ninguém descobre delas. Entretanto, mesmo que o pecado pode passar despercebido pelo homem, podemos ter certeza de que ele não passa despercebido por nosso Soberano Deus e um dia seremos julgados de acordo, ou perante o Tribunal de Cristo ou no Grande Julgamento do Trono Branco. 

No versículo 3 lemos: O que vocês disseram nas trevas será ouvido à luz do dia, e o que vocês sussurraram aos ouvidos dentro de casa, será proclamado dos telhados. 

Você sabia que cada palavra que você diz está sendo registrada no céu? A Bíblia claramente ensina que os mentirosos terão sua parte no lago que queima com fogo e enxofre. Suas mentiras estão sendo ouvidas e registradas no céu. 

Toda vez que você diz algo cruel é gravado. Toda vez que você fofoca é ouvido e gravado. Jesus disse em Mateus 12:36-37, “eu lhes digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado. 37 Pois por suas palavras vocês serão absolvidos, e por suas palavras serão condenados”. 

Onde você estará no Dia do Juízo? Você será condenado por suas palavras? Ou será absolvido por elas? A verdade é que, quer você acredite ou não, cada uma de suas palavras sussurradas, aquelas que você acha que ninguém ouve, mas a quem você está se dirigindo, serão ecoadas em voz alta na sala do julgamento de Deus. 

O Senhor sabe exatamente o que estamos pensando a cada momento de cada dia, porque, “O Senhor sonda todos os corações e conhece a motivação dos pensamentos” (1 Crônicas 28:9). No Salmo 94:11 lemos que o Senhor conhece os pensamentos dos homens. E Jesus nos ensina em Mateus 5:28 que “qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.” 

Você será mantido responsável um dia, então tenha cuidado com o que você permite que entre em sua mente. Tenha cuidado com o que você assiste. Tenha cuidado com o que você ouve. Cuidado com o que você lê. Cuidado com o que você olha. Tenha cuidado como você se expõe e tenha cuidado com o que você diz. 

Paulo nos diz em Filipenses 4:8 para pensar sobre tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas. Se protegemos o que permitimos que entre em nossa mente, nossa vida será muito melhor e, o mais importante, nossa vida será pura e agradável ​​a Deus. 

Hoje somos julgados por outros simplesmente de acordo com o que fazemos. Pelas palavras que saem da nossa boca, aos lugares que vamos; pelas ações que as pessoas nos vêem fazer. Mas chegará um dia em que todo pensamento privado será exposto. Cada desejo oculto, cada luxúria, cada paixão, cada motivo, cada rebelião, cada atitude, cada pensamento do coração será revelado. 

Não é de admirar que Paulo nos diga para colocar nossas mentes nas coisas lá do alto; porque não só o nosso caráter e nossas ações decorrem de nossos motivos e desejos do nosso coração, mas chegará um dia em que o julgamento de Deus alcançará os recessos secretos do coração. Por isso, “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor.” (Hebreus 12:14) 

Neste ministério queremos que nossos pensamentos, motivos, atitudes e desejos sejam puros. E você, o que você quer fazer? 

Não há nada coberto que não seja revelado, no entanto, há boas notícias, porque Jesus disse em João 3:17, Eu não vim para condenar o mundo. Se você está vivendo em pecado você já está condenado, mas Jesus veio para trazer salvação e perdão. 

A fé em Jesus Cristo como o Salvador é o único “passo” para a salvação. A mensagem da Bíblia é abundantemente clara. Todos nós pecamos contra Deus (Romanos 3:23). Devido ao nosso pecado, merecemos estar eternamente separados de Deus (Romanos 6:23). Por causa do Seu amor por nós (João 3:16), Deus tomou forma humana e morreu em nosso lugar, levando o castigo que merecemos (Romanos 5:8; 2 Coríntios 5:21). Deus promete perdão dos pecados e vida eterna no céu a todos os que recebem, pela graça através da fé Jesus Cristo como Salvador (João 1:12, 3:16, 5:24, Atos 16:31), e fazem Dele o Senhor de sua vida. 

Se você precisa ser purificado de seus pecados, por que você não inclina sua cabeça e permite que Deus faça esta obra em você hoje?

Publicado por: mvmportugues | abril 20, 2017

QUE AS SUAS CONVERSAS SEJAM SEMPRE ADRADÁVEIS – Colossenses 4:6

A fidelidade em nosso comportamento cristão deve ser seguida por consistência no nosso discurso. Paulo não está apenas falando aqui de pregar o evangelho, mas a nossa conversa em geral. O discurso dos crentes deve sempre estar cheios de graça, como foram as palavras de Cristo (Lucas 4:22). 

Seja sofrendo perseguição, estresse, dificuldade ou injustiça, seja com seu cônjuge, filhos, crentes ou incrédulos – em todas as circunstâncias os crentes devem fazer tudo possível para que o seu falar seja sempre agradável.

Conversa agradável, significa dizer o que é espiritual, saudável, apropriado, amável, sensível, gentil, verdadeiro e amoroso. Paulo escreveu em Efésios 4:29, que: “Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem.” Assim que o discurso dos crentes deveria atuar como uma influência purificadora. 

Os crentes também devem saber como responder a cada pessoa. Eles devem saber como dizer a coisa certa no momento certo. Pedro disse que devemos estar “prontos a fazer uma defesa para todo aquele que pede que você dê conta da esperança que está em você, mas com mansidão e reverência” (1 Pedro 3:15). 

O discurso e as ações do novo, nascido de novo homem ou mulher é de vital importância, porque, ao contrário dos ímpios, que dizem: “Somos donos dos nossos lábios; Quem é senhor sobre nós?” (Salmo 12:4), nós, como crentes devem ecoar a oração do salmista do Salmo 141:3, “Ponha uma guarda, ó Senhor, sobre a minha boca; vigia a porta dos meus lábios.” 

Nosso discurso dever ser agradável – e deve ser uma bênção para os outros, com a finalidade de trazê-los a Cristo, porque, a graça de Deus nos mudou. 

No entanto, precisamos entender que nosso discurso não é sempre agradável. Mesmo depois que nos tornamos cristãos, podemos cometer erros na maneira que usamos a nossa língua. Em Tiago 3:9-12, Tiago indicou como alguns cristãos usaram seu discurso para amaldiçoar os outros. Ele escreveu: “Com a língua bendizemos o Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. 10 Da mesma boca procedem bênção e maldição. Meus irmãos, não pode ser assim! 11 Acaso podem sair água doce e água amarga da mesma fonte? 12 Meus irmãos, pode uma figueira produzir azeitonas ou uma videira, figos? Da mesma forma, uma fonte de água salgada não pode produzir água doce.” 

Mesmo que o nosso discurso deve ser cheio da graça, devemos estar cientes porque às vezes, o mal tentará nos esmagar. Em Atos 4, o Sinédrio disse a Pedro e a João que não falassem ou ensinassem em nome de Jesus. Mas eles responderam: “Julguem os senhores mesmos se é justo aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus. 20 Pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos.” (Atos 4:19-20) 

Eles defenderam a verdade e isto é que nós também devemos fazer. Suas palavras ao Sinédrio, ainda que conflituosas, apelavam para os líderes judeus entenderem uma grande verdade que o Antigo Testamento ensinava claramente – que as pessoas deviam obedecer a Deus e não aos homens. Foi confrontacional, mas os dirigiu a uma de suas crenças mais profundamente mantidas. 

Assim que; como Jesus, os apóstolos e todas as pessoas honestas devemos ter a coragem de expor e repreender os hipócritas que estão vivendo vidas pecaminosas e abusivas e destruindo a verdade. “Pois há muitos insubordinados, que não passam de faladores e enganadores, especialmente os do grupo da circuncisão. 11 É necessário que eles sejam silenciados, pois estão arruinando famílias inteiras, ensinando coisas que não devem, e tudo por ganância……  13 Tal testemunho é verdadeiro. Portanto, repreenda-os severamente, para que sejam sadios na fé.” (Tito 1:10-11, 13) 

Sim, devemos ser bondosos, mas precisamos resistir ao mal e falar a verdade de Deus em amor. Nossa intenção é ser uma bênção para aqueles com quem entramos em contato; enquanto o nosso discurso e as ações revelam a nossa benevolência. 

O nosso grande objetivo é ganhar outros para Jesus e para apontá-los à Ele, porque as pessoas precisam de Jesus. Eles não percebem a profundidade de seu pecado e como seu pecado os coloca em perigo do inferno. Eles pensam que eles são bons em si mesmos , e acham que são bons o suficiente. Eles pensam que são dignos do céu. Eles pensam que podem ganhar o seu caminho para o céu; mas eles não podem. Precisamos dizer-lhes sobre Jesus, como Ele veio e morreu em nosso lugar; e que, se crerem Nele, terão a vida eterna. 

Que privilégio Deus nos deu como cristãos para ser uma bênção para os outros, por meio de nossa maneira de falar e atuar. Que poderosa ferramenta nosso discurso é, portanto vamos usá-lo para a glória de Deus.

Publicado por: mvmportugues | abril 13, 2017

A PORTA ESTREITA E A PORTA LARGA – Mateus 7: 13-14

Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. 14 Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram. (Mateus 7:13-14) 

Aqui o Senhor está nos ensinando que há dois caminhos e dois destinos. Um é o céu, e o outro é o inferno. 

No Antigo Testamento, vemos Moisés dizendo ao povo: “Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam” (Deuteronômio 30:19). E Deus disse a Jeremias: “A este povo dirás: Escutem! Eu, o Senhor, deixo que vocês escolham entre o caminho da vida e o caminho da morte.” (Jeremias 21:8) 

Josué, que sucedeu a Moisés, disse: “Escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor” (Josué 24:15). 

Elias, disse ao povo no Monte Carmelo: “Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas, se Baal é Deus, sigam-no,” (1 Reis 18:21). 

Como vemos, a decisão espiritual mais importante que alguém fará na vida, é a decisão sobre o seu destino eterno, que supera os triviais que a maioria das pessoas se concentram em uma base do dia-a-dia. Como a palavra de Deus nos diz, vamos viver para sempre e temos duas opções, o inferno e a punição eterna, ou o céu e alegria eterna. 

Jesus está nos ensinando que há uma escolha muito séria que precisamos fazer, uma escolha que se tornará em uma finalidade eterna. Enquanto lemos as palavras e o ensino do nosso Criador, ainda temos uma chance, mas um dia será tarde demais; portanto, Seu sermão leva a uma escolha que precisamos fazer enquanto ainda há tempo. 

Só há uma possibilidade para o seu destino e há apenas duas opções, não muitas, apenas duas. Há um caminho estreito com uma porta estreita. E há um caminho largo com uma porta larga. Jesus está falando de dois destinos – a vida ou a destruição; e de dois grupos de pessoas, os muitos e os poucos. 

O versículo 13 começa com um comando, “Entrem pela porta estreita”. O evangelho em si é um mandamento, arrepende-se e crê no Senhor Jesus Cristo. O evangelho sempre vem como um comando para obedecer. Não basta estudar sobre a porta estreita e admirar o que Jesus disse, porque o inferno vai estar literalmente cheio de pessoas que admiravam Jesus e Seu ensinamento, mas não o seguiram. 

Você deve ir além de estar fascinado com a obra de Jesus Cristo e de admirá-Lo, você deve entrar pela porta estreita da salvação através da fé Nele. 

Jesus diz: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim” (João 14:6). E em João 10:1 Jesus se refere à porta: “Eu sou a Porta, se alguém tentar vir de qualquer outra maneira, ele é ladrão e assaltante”. 

Em Atos 4:12 lemos: “Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos”. Há somente uma maneira de ser salvo, há apenas uma Pessoa que é o Salvador, por isso, a fé Nele e a obediência é necessária para a salvação. 

Somente Cristo é a porta. Sem Ele não há salvação nem céu. Não há outro caminho; todas as outras formas, embora promovidas por falsos mestres como o céu, acabam no inferno. Qualquer desvio da pessoa de Jesus Cristo, da obra de Jesus Cristo, ou do evangelho de Jesus Cristo pela fé e pela graça te levará ao inferno. Você deve fazer um compromisso de vir a Cristo porque Ele é o único caminho. 

Quando continuamos lendo o capítulo 7 de Mateus, vemos Jesus fazendo a comparação dos discípulos verdadeiros e falsos. Os falsos são aqueles que estão no caminho mais amplo, e que foram desviados por falsos profetas, doutrinas e crenças. Eles dirão a Jesus um dia: “Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’ 23 Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam a iniquidade!” (vs. 22-23). 

Como somos advertidos, quando estes, que são enganados, chegam ao final do caminho, a notícia não é boa como Salmos 1:6 diz: “O caminho dos ímpios perecerá”. 

Portanto, “Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? A não ser que tenham sido reprovados!” (2 Coríntios 13:5) 

Lembrem-se: “É terrível cair nas mãos do Deus vivo” (Hebreus 10:31); a menos que você tenha decidido de passar a eternidade no inferno e à parte Dele.

 

 

Publicado por: mvmportugues | abril 6, 2017

COISAS QUE DEUS DETESTA – Provérbios 6:16-19

Há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta: 17 olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, 18 coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, 19 a testemunha falsa que espalha mentiras e aquele que provoca discórdia entre irmãos. (Provérbios 6:16-19) 

OLHOS ALTIVOS 

A palavra altiva é definida pelo dicionário como ‘orgulhoso’. A palavra é sempre usada na Bíblia no sentido maligno de ‘arrogante, condescendente e colocando-se acima de outros’; e é definido em contraste com ser humilde. 

Olhos altivos são descritos em Provérbios 21:4 como pecado, juntamente com um coração orgulhoso. Ter olhos altivos é ter um comportamento arrogante; é uma atitude geral do coração que faz com que alguém ridicularize ou ‘olhe com desprezo’ sobre outros. A pessoa altiva, assim como Satanás, se coloca acima de outros e, finalmente, acima de Deus. 

Quando somos altivos ou arrogantes, nos tornamos o centro de atenção e tudo gira em torno de nós. Há pouca, se alguma, preocupação com o que os outros pensam e não há consideração por Deus. No orgulho e na soberba, é onde todo pecado começa. 

Quando Jesus, que é co-igual a Deus Pai, e ao Espírito Santo desde a eternidade do passado, encontrou pessoas cuja vida estava em uma confusão absoluta, Ele não olhou para eles com desaprovação. Mas disse: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. 29 Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas(Mateus 11:28-29). 

 E em Isaías 66:2 encontramos estas palavras do Senhor: “Não foram as minhas mãos que fizeram todas essas coisas, e por isso vieram a existir?”, pergunta o Senhor. “A este eu estimo: ao humilde e contrito de espírito, que treme diante da minha palavra.” 

Enquanto o orgulho sempre nos distancia de outros, a humildade aproxima as pessoas. Jesus veio em humildade porque Sua missão envolveu atrair as pessoas de volta à Deus. Porque Deus ama a humildade, Ele odeia olhos altivos. 

A LÍNGUA MENTIROSA 

Mentir envolve fazer declarações intencionalmente falsas. Isso revela falta de piedade, porque os justos odeiam o que é falso, mas os ímpios trazem vergonha e desgraça (Provérbios 13:5). 

A mentira é a marca de uma pessoa infiel, porque a testemunha sincera não engana, mas a falsa transborda em mentiras (Provérbios 14:5) 

Os mentirosos amam a conversa impura e o ímpio dá atenção aos lábios maus;o mentiroso dá ouvidos à língua destruidora. (Provérbios 17:4). Mentirosos tenham cuidado porque; sua parte estará no lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda morte (Apocalipse 21:8). 

Como seguidores de Jesus Cristo, somos chamados a despirar do velho homem com suas práticas, que inclui a mentira (Colossenses 3:9). 

MÃOS QUE DERRAMAM SANGUE INOCENTE 

A definição de derramamento de sangue inocente em referência a esta escritura é assassinar alguém que não tem culpa. Já que fomos criados à imagem de Deus, aqueles que derramaram sangue inocente desprezam não só a vida humana, mas também o próprio Deus, e o Senhor detesta os assassinos e os traiçoeiros (Salmo 5:6). 

O aborto é algo que prevalece no nosso mundo de hoje que se encaixa exatamente na descrição da escritura que fala sobre “a mão que derrama sangue inocente”. Os bebês são inocentes e não fizeram nada digno de morte, mas tantas pessoas sentem que têm o direito de matar uma criança por causa da inconveniência que podem causar. 

A Bíblia nos diz não matarás (Êxodo 20:13) 

O maior exemplo que vemos nas escrituras da perda da vida inocente é Jesus. Quando Ele foi morto, mesmo o homem que o condenou à morte sabia que Jesus não havia feito nada de errado para merecer morrer (Mateus 27:23-24). 

UM CORAÇÃO QUE TRAÇA PLANOS PERVERSOS 

A maldade é definida como algo ‘que é moralmente errado e com intenção deliberada de prejudicar as pessoas’. 

Isto abrange pensar ou tramar mal contra qualquer indivíduo para benefício pessoal ou outras intenções maléficas. Qualquer pecado é um plano perverso, mas o coração de um homem maléfico continuamente esquema para trazer outros à ruína, seja fisicamente ou espiritualmente. 

O coração trama planos maléficos, devido à astúcia e tentações do diabo. Aqueles “que no coração tramam planos perversos e estão sempre provocando guerra. Afiam a língua como a da serpente; veneno de víbora está em seus lábios.  Protege-me, Senhor, das mãos dos ímpios; protege-me dos violentos, que pretendem fazer-me tropeçar” (Salmo 140:2-4). 

Pois, do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, 22 as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. 23 Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem ‘impuro’, (Marcos 7: 21-23). 

“O coração é enganoso acima de todas as coisas, e desesperadamente perverso: quem pode conhecê-lo?” (Jeremias 17:9). Portanto, todas as intenções e reflexões do coração do homem são naturalmente malignas se ele não tem uma relação com seu Criador e Salvador – “Mas se andarmos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros , e o sangue de Jesus, seu Filho, purifica-nos de todo o pecado.” (1 João 1: 7) 

PÉS QUE SE APRESSAM PARA FAZER O MAL 

Aqueles, cujos pés se apressam rapidamente ao mal, não mostram nenhuma resistência ao pecado e perecerão. 

A Palavra nos diz: “Não participem das obras infrutíferas das trevas; antes, exponham-nas à luz.” (Efésios 5:11). 

Devemos viver pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne. (Gálatas 5:16). E não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção” (Efésios 4:30). 

Devemos “resistir ao diabo e ele fugirá de você” (Tiago 4:7). 

A TESTEMUNHA FALSA QUE ESPALHA MENTIRAS 

Já vimos que Deus odeia “a língua mentirosa”. Aqui temos um tipo mais específico de mentira. Deus odeia uma falsa testemunha – alguém que comete perjúrio, acusando uma pessoa inocente de algo que eles não fizeram. 

A proibição de dar testemunho falso é o nono dos Dez Mandamentos, e o Novo Testamento também o condena. Porque, a testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras perecerá. (Provérbios 19:9). 

Os cristãos são novas criações em Cristo (2 Coríntios 5:17), e, como tal, refletimos Sua natureza. Nós fomos liberados de nosso “velho homem” com suas práticas más, tais como mentir e dar testemunho falso. 

AQUELE QUE PROVOCA DISCÓRDIA ENTRE IRMÃOS 

Em muitas situações, conflitos entre irmãos e até mesmo dentro da igreja parece inevitável, mas qualquer um que intencionalmente provoca perturbação da paz no corpo de Cristo desagrada a Deus, já que isto dá razão para que outros pequem e para eles continuarem a pecar (1 João 2: 9-11; 4:19-21). 

As pessoas, que fofocam ou caluniam de outros, geralmente se sentem plenamente justificadas no que estão dizendo. Mas a questão de saber se uma pessoa se sente ou não justificada no que está dizendo não tem nada que ver com o assunto. Deus odeia quando alguém espalha contenda. Isso não significa que não devemos lidar com conflitos ou admoestar uns aos outros. Mas devemos fazê-lo de uma forma que minimiza a contenda. 

Jesus buscou intensamente a unidade entre Seus seguidores. Jesus orou pela unidade entre Seus seguidores (João 17). De fato, Jesus orou para que Seus discípulos tivessem o mesmo grau de unidade e sinceridade que Ele tinha com o Pai. 

Deve haver unidade acima de tudo na família porque: “O homem que se divorcia de sua mulher”, diz o Senhor, o Deus de Israel, “faz violência ao que ele deve proteger”, diz o Senhor dos Exércitos. Tende, pois, cuidado de vós mesmos e não sejais infiéis!(Malaquias 2:16) 

Para finalizar, Deus tem a cura para todos esses pecados se quisermos honrá-Lo. Aqui estão apenas alguns delas. 

“A tristeza segundo Deus não produz remorso, mas sim um arrependimento que leva à salvação, e a tristeza segundo o mundo produz morte.” (2 Coríntios 7:10) 

“Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e lhes darei um coração de carne. 27 Porei o meu Espírito em vocês e os levarei a agirem segundo os meus decretos e a obedecerem fielmente às minhas leis.” (Ezequiel 36:26-27) 

E finalmente: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, e nos perdoará os nossos pecados e nos purificará de toda injustiça” (1 João 1:9).

Publicado por: mvmportugues | março 30, 2017

CARACTERÍSTICAS DE UM FALSO CONVERSO – Atos 8:9-24

Primeiro, precisamos entender que a salvação não depende de uma oração, de um batismo ou do histórico religioso da nossa família. Os verdadeiros conversos se examinam como o apóstolo Paulo escreveu aos coríntios: “Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? A não ser que tenham sido reprovados!” (2 Coríntios 13:5). O Verdadeiro converso tem um grande desejo de estudar a Palavra e aprecia estar com outros crentes que têm um espírito semelhante, e onde Jesus é sempre o centro de atenção. 

Vemos no relato de Atos 8, que o Felipe mencionado foi um dos sete diáconos originais selecionados para servir na igreja de Jerusalém (Atos 6:5). Felipe tinha um coração para o evangelismo e, quando a “grande perseguição” surgiu em Atos 8:1, Filipe deixou Jerusalém para se tornar um evangelista em Samaria (Atos 8:5-12). E vemos que o Senhor o usou muito. 

Ora, em Samaria, encontrou um homem chamado Simão, que praticava a feitiçaria na cidade impressionando todo o povo de Samaria. Ele se vangloriava de ser alguém grande, e todo o povo lhe deu a sua atenção e exclamou: “Este homem é o poder divino conhecido como Grande Poder.” Eles o seguiam, pois ele os havia iludido com sua mágica durante muito tempo. 

Mas quando Filipe chegou, eles começaram a ouvi-lo enquanto proclamava as boas novas do Reino de Deus e do nome de Jesus Cristo; e crendo, eles foram batizados. 

Agora o próprio Simão também ‘creu’ e foi batizado. E ele seguiu Filipe por toda parte, maravilhado com os grandes sinais e milagres que eram realizados. 

Quando os apóstolos de Jerusalém ouviram que Samaria havia aceitado a palavra de Deus, enviaram Pedro e João a Samaria. Quando chegaram, oraram para que eles recebessem o Espírito Santo, pois o Espírito ainda não havia descido sobre nenhum deles; eles tinham apenas sido batizados em nome do Senhor Jesus. Então Pedro e João lhes impuseram as mãos, e eles receberam o Espírito Santo. 

Quando Simão viu que o Espírito foi dado pela imposição das mãos dos apóstolos, ofereceu a Pedro e a João dinheiro e disse: “Dêem-me também este poder, para que a pessoa sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo.” 

Pedro viu suas intenções e respondeu: “Pereça com você o seu dinheiro! Você pensa que pode comprar o dom de Deus com dinheiro? 21 Você não tem parte nem direito algum neste ministério, porque o seu coração não é reto diante de Deus. 22 Arrependa-se dessa maldade e ore ao Senhor. Talvez ele lhe perdoe tal pensamento do seu coração, 23 pois vejo que você está cheio de amargura e preso pelo pecado.” (Atos 8:20-23) 

Os falsos conversos não amam verdadeiramente a Deus e não se importam se Ele recebe a glória; em vez disso, eles estão somente buscando reconhecimento e atenção para si mesmos. Simão não se importava verdadeiramente com Jesus; ele simplesmente queria que Jesus lhe desse os desejos do seu coração carnal. Ele não entendeu a salvação, porque a verdadeira salvação requer uma mudança de coração. Os falsos conversos pensam que é através de suas ações que eles são salvos. Eles podem dizer que a salvação não vem através de obras, mas seus corações declaram algo completamente diferente. 

Simão queria dons espirituais para que ele pudesse ser o centro da atenção e se sentir orgulhoso. Cristo, por outro lado, ensina aos seus discípulos que “Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos.” (Marcos 9:35) 

Pedro expôs as intenções de Simão e ele estava preocupado com as conseqüências de suas ações, mas não porque ele decepcionou o Salvador, mas porque ele não queria o que Pedro disse que lhe ocorresse. Então ele respondeu. “Orem vocês ao Senhor por mim, para que não me aconteça nada do que vocês disseram.” (Atos 8:24) 

Ele não somente estava preocupado com as conseqüências, mas ele também mal interpretou como funciona o arrependimento; que é um constante desejo de ser puro diante de Deus. O arrependimento não precisa de outros para interceder por ele, mas, em vez disso, é o ato de uma pessoa que se humilha diante de seu Pai e pede perdão e deseja mudar. E isso não acontece apenas no momento da conversão; isto é contínuo todos os dias durante a vida do crente. 

O falso converso detesta a exposição e o confronto. Ele se defende ou, melhor ainda, ataca de volta, a fim de manter o confronto e a distância. Ele não acredita que poderia ter pecado de alguma forma. O falso converso é orgulhoso e nunca se responsabiliza pelos pecados que comete. Em outras palavras, ele é cego ao seus pecados. 

Simão teve todos os motivos errados para vir a Cristo, e, embora não fosse evidente no início, seu verdadeiro caráter foi descoberto no devido tempo. 

Os verdadeiros conversos confiam em Cristo e procuram tornar-se mais e mais como Ele todo tempo. Aqueles que afirmam ser cristãos devem demonstrar as características dos verdadeiros cristãos: a sã doutrina, a obediência à Palavra de Deus, e o amor. Eles devem trabalhar diligentemente para divulgar as boas novas do evangelho, como somos chamados a fazer (Mateus 28:19-20), sabendo bem que poderiam ser ridicularizados por muitos nesses tempos cada vez mais seculares. E embora os falsos cristãos às vezes possam nos enganar, certamente não podem enganar a Deus, pois nada em toda a criação está escondido de Sua vista. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem havemos de prestar contas (Hebreus 4:13). No final da era, Seus anjos separarão o verdadeiro dos falsos cristãos, assim como a parábola nos diz que Ele separa o trigo do joio. 

Assim sendo, o verdadeiro crente produz o fruto de um novo estilo de vida, um estilo de vida agradável aos olhos do Deus Todo-Poderoso. Se estamos enraizados e fundamentados em Cristo, isto deve ser evidente. Jesus disse: “Eu sou a videira, vós sois os ramos. Aquele que permanece em Mim e eu nele, este dá muito fruto.”  (João 15:5)

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias