Publicado por: mvmportugues | novembro 7, 2019

O SEMEADOR E OS DIFERENTES TIPOS DE SOLOS – Lucas 8:4-15

Jesus lhes falou muitas coisas em parábolas, dizendo: “O semeador saiu a semear. Enquanto lançava a semente, parte dela caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram. Parte dela caiu sobre pedras e, quando germinou, as plantas secaram, porque não havia umidade. Outra parte caiu entre espinhos, que cresceram com ela e sufocaram as plantas. Outra ainda caiu em boa terra. Cresceu e deu boa colheita, a cem por um.” Tendo dito isso, exclamou: “Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça!” (Lucas 8:5-8)

A primeira coisa a notar é que Jesus estava ensinando sobre um assunto que era muito familiar ao povo judeu. Nos tempos antigos, as pessoas passavam pelo campo, caminhando ou montando em um animal por todos os lugares aonde passavam, e tinham que passar por campos que estavam sendo preparados para produzir uma colheita. Essas áreas se tornaram os caminhos que as pessoas costumavam usar para ir ao seu destino.

 

Os historiadores nos dizem que os caminhos normalmente tinham apenas um metro ou um poco mais de largura, de modo que não era desperdiçada uma quantidade excessiva de terra nestas veredas. Como resultado, os caminhos se tornaram duros, espancado pelo sol, pelo vento, pelos cascos de animais e pelos pés de pessoas que andavam por eles todos os dias, dificultando muito a semente de ter a oportunidade de penetrar no solo e crescer.

Como vemos na parábola de Jesus, as sementes que caíram nesses caminhos permanecem ali até que os pássaros viessem e os comessem.

Depois Jesus fala da semente que caiu em lugares rochosos onde elas não tinham muito solo. O que isso significa não é que houvesse pedras no solo. Quando um fazendeiro arava um campo, ele lavrava as pedras tão fundo quanto o arado, e ele tirava todas as pedras; mas em Israel há grandes placas de pedra calcária que ficam embaixo da superfície e por onde o arado não podia alcançar. Assim, o fazendeiro fez o possível para arar o campo e não sabia o que havia além do que havia preparado. Isto é o que Jesus chamou de solo rochoso.

Portanto, quando a semente caía sobre esse tipo de solo, ela criava raízes e brotava rapidamente como qualquer outra semente. O problema é que, por causa do leito rochoso abaixo, as raízes não alcançavam a água de que uma planta precisa. Assim, à medida que cresciam e o sol quente surgia, a planta secava e morria porque precisava de umidade e não conseguia obtê-la.

O terceiro tipo de solo é aquele em que a semente caiu entre as ervas daninhas. Precisamos entender que o agricultor preparou esse solo com muito cuidado; no entanto, as ervas daninhas que haviam crescido lá antes deixaram suas sementes para trás. Uma vez que o agricultor semeou seu campo, o sol apareceu e as ervas daninhas começaram a crescer em um ritmo muito mais rápido do que as boas sementes. Elas sugaram toda a umidade e os nutrientes que estão no solo, não deixando nada para a planta frágil que estava tentando crescer. As plantas daninhas cresceram muito mais rápido e lançaram sombras sobre as boas sementes, para que o sol não pudesse atingi-las e elas finalmente morreram.

Agora, as últimas sementes sobre as quais Jesus fala caíram no solo bom, e não tiveram nenhuma interferência. Esse solo é profundo, rico e limpo. Dependendo da quantidade de nutrientes e o tamanho do campo, as sementes produziram uma colheita de trinta, sessenta a cem vezes.

Então Jesus termina a parábola dizendo: “Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça!”

Depois, quando Ele estava sozinho, Seus discípulos perguntaram a Ele o que essa parábola significava e Ele disse: “A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino de Deus, mas aos outros falo por parábolas, para que vendo, não vejam; e ouvindo, não entendam.” (Lucas 8:9-10)

Deus é quem revela verdades espirituais para aqueles que estão dispostos a aceitá-las; no entanto, aqueles que não querem aprender não entenderão. Quão abençoados são aqueles que compreendem as parábolas de Jesus; porque eles não apenas obtêm o benefício da verdade espiritual ilustrada; eles também expõem uma sensibilidade ao Espírito Santo.

“Este é o significado da parábola: A semente é a palavra de Deus.” Cada conversão verdadeira é o resultado de plantar o evangelho dentro de um coração puro. A palavra gera (Tiago 1:18), salva (Tiago 1:21), regenera (1 Pedro 1:23), liberta (João 8:32), produz fé (Romanos 10:17), santifica (João 17:17) e nos atrai a Deus (João 6:44-45). Os solos são as pessoas diferentes; e o coração humano é quem toma a decisão sobre a mensagem.

As que caíram à beira do caminho são os que ouvem, e então vem o Diabo e tira a palavra do seu coração, para que não creiam e não sejam salvos. Representando aqueles que ouvem a verdade, mas como os caminhos endurecidos, eles não a deixam penetrar e, em pouco tempo, Satanás tira a verdade. Se as pessoas não receberem e responderem à palavra com fé, sua oportunidade será roubada pelo maligno. Jesus chamou as pessoas a se arrependerem e realmente começarem a viver; eles se rebelaram e se recusaram a ouvir Suas advertências; “eles se recusaram a ouvir – então eles não puderam ouvir”, porque seus corações e consciência estavam endurecidos e cauterizados.

Precisamos entender que uma das principais obras de Satanás é manter os homens nas trevas com relação ao entendimento do evangelho, como 2 Coríntios 4:4 nos diz: “O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.”

Aparentemente, Satanás está trabalhando durante o ensino e a pregação da palavra de Deus. Satanás sabe que, quando a palavra é ensinada ou pregada, ele precisa estar ocupado fazendo tudo para distrair e manter a pessoa longe da verdade da Palavra de Deus.

Jesus continua explicando a parábola para eles. “As que caíram sobre as pedras são os que recebem a palavra com alegria quando a ouvem, mas não têm raiz. Crêem durante algum tempo, mas desistem na hora da provação.”

O solo pedregoso retrata uma pessoa que professa prazer com a Palavra; no entanto, seu coração não muda e, quando surgem problemas, sua “chamada fé” desaparece rapidamente. O sol é simbólico das tribulações e provações que enfrentamos na vida, e aqueles que não têm profundidade e a necessária confiança na palavra de Deus, murcham facilmente.

Eles estavam externamente entusiasmados com Jesus, mas interiormente não levam o compromisso a sério. Infelizmente, existem muitas dessas pessoas nas igrejas.

“As que caíram entre espinhos são os que ouvem, mas, ao seguirem seu caminho, são sufocados pelas preocupações, pelas riquezas e pelos prazeres desta vida, e não amadurecem.”

A terra espinhosa mostra alguém que parece receber a Palavra, mas cujo coração está cheio de riquezas, prazeres e concupiscências; as coisas deste mundo desviam seu tempo e atenção da Palavra e acabam não tendo tempo para ler-las, e assim, são sufocadas pelo mundo. A pessoa permanece no emaranhado de problemas e cuidados da vida. Essas pessoas dão mais importância ao mundo do que as palavras que poderiam lhes dar vida eterna, porque elas teriam que desistir demais das coisas do mundo para assumir um compromisso com Cristo.

“Mas as que caíram em boa terra são os que, com coração bom e generoso, ouvem a palavra, a retêm e dão fruto, com perseverança.”

A boa terra retrata quem ouve, entende e recebe a Palavra; e depois permite que a Palavra realize seu resultado em sua vida. Seus corações recebem a mensagem com fé, e a semente cria raízes. A pessoa representada pela “boa terra” é a única das quatro que é verdadeiramente salva, porque a prova da salvação é por seus frutos (Mateus 7:15-20).

Para eles, as verdadeiras riquezas estão no reino de Deus, pois são eternas, enquanto as riquezas deste mundo são perecíveis e podem ser facilmente roubadas.

Lembre-se de que a recepção da Palavra de Deus por uma pessoa é determinada pela condição de seu coração, representada pelo solo. E como a semente que cai em bom solo, nossa responsabilidade é de crescer em conhecimento das escrituras, bondade, paciência e amor divino, produzindo frutos saudáveis e bons.

Portanto, como o Semeador-Jesus Cristo, temos a responsabilidade de proclamar a mensagem do reino, o evangelho, para o mundo, que representa a semente. Devemos compartilhar Sua Palavra e Seu amor, com uma atitude de serviço humilde e piedoso. E o mais importante, é que temos a responsabilidade de crescer na imagem perfeita de nosso Salvador, Jesus Cristo, lembrando-nos de buscar a paz com todas as pessoas e a santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor. (Hebreus 12:14)

Que a nossa fé e a nossa vida exemplifiquem o “bom solo” ensinado nesta parábola.

*******


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: