Publicado por: mvmportugues | março 22, 2018

ENTREGUEM-SE A DEUS – Tiago 4:1-3

De onde vêm as lutas e as brigas entre vocês? Elas vêm dos maus desejos que estão sempre lutando dentro de vocês. Vocês querem muitas coisas; mas, como não podem tê-las, estão prontos até para matar a fim de consegui-las. Vocês as desejam ardentemente; mas, como não conseguem possuí-las, brigam e lutam. Não conseguem o que querem porque não pedem a Deus. E, quando pedem, não recebem porque os seus motivos são maus. Vocês pedem coisas a fim de usá-las para os seus próprios prazeres. (Tiago 4:1-3) 

A nossa vida de oração ou falta dela revela o foco do nosso coração. Tiago é intensamente prático e aborda o tema da oração respondida com clareza e visão realista. Quando você não recebe aquilo pelo qual você ora, não se surpreenda, olhe para seus maus motivos e a razão pela qual seu pedido permanece inaudito. Quando você  faz isto, o motivo se torna dolorosamente óbvio, que você é egocêntrico e ganancioso, e esse comportamento, obviamente não garante o cumprimento de tais pedidos egoístas. 

Muitas vezes, quando estamos num conflito de relacionamento, planejamos, contamos aos nossos amigos o nosso lado da história, vamos para aconselhamento, lemos livros de auto-ajuda sobre como lidar com pessoas difíceis, em vez de levar o problema a Deus em oração fiel. Talvez um dos motivos que deixamos de orar é que é difícil orar por alguém e estar chateado com eles ao mesmo tempo. Como pecadores, queremos justificar nosso ressentimento fazendo com que a outra pessoa pague; e não queremos deixá-lo ir. Mas Jesus claramente ensinou que a oração não é para fazer a nossa vontade, mas para fazer a vontade de Deus, “Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mateus 6:10). A oração não é para que possamos usar Deus; é para que Deus possa nos mudar e nos usar para o Seu reino. 

Jesus também ensinou: “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta” (Mateus 7:7). Ele não disse: “Peça e será dado imediatamente a você.” Deus pode ter boas razões para adiar a resposta. Muitas vezes, os atrasos fortalecem e testam nossa fé. Ele sabe o momento certo de responder. Nossa responsabilidade é de pedir, e com motivos corretos. 

Nossa principal razão para pedir a Deus para trazer paz para nossa casa ou a algum relacionamento difícil é para que Deus seja glorificado. Cristo não é enaltecido por constante conflito, mas Ele é glorificado quando as pessoas se crucificam e permitem que Seu amor flua através deles, mesmo para aqueles que os tratam injustamente. Peça a Deus para que Ele seja glorificado em seus relacionamentos, e você obterá as respostas mais surpreendentes para as suas orações. 

Precisamos realizar que o primeiro passo para resolver conflitos com os outros é julgar nossos próprios motivos egoístas. Onde quer que aconteça, em casa, no trabalho ou na igreja, se não colocarmos a morte nosso pecado pecaminosos e egoístas, teremos guerra. As pessoas que se comportam de forma inadequada vivem na carne e não pelo Espírito. Então, quem queremos agradar, a nós mesmos ou a Deus? 

A decisão de julgar nossas próprias tendências egoístas não é opcional para os crentes, porque Jesus disse: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me” (Lucas 9:23). 

É um requerimento diário de tomar nossa cruz porque, “quem quiser salvar a sua vida, a perderá; mas quem perder a sua vida por minha causa, este a salvará” (Lucas 9:24). Então, para o verdadeiro crente, realmente não há escolha entre agradar a si mesmo ou agradar a Deus. Quando vivemos para agradar a Deus negando a si mesmo, não ganharemos somente nossa vida, mas também a alegria, a paz e a liberdade. 

Então, “de onde vêm as lutas e as brigas entre vocês? Elas vêm dos maus desejos que estão sempre lutando dentro de vocês” (Tiago 4:1). A maneira de resolver o conflito com os outros não é ganhar a guerra. Em vez disso, é para fazer guerra contra as forças poderosas que estão travando a guerra na nossa alma! Precisamos julgar nossos motivos egoístas, colocar-nos diariamente na cruz, e nos moveremos na direção de paz em nossos relacionamentos. 

O salmista escreveu: “Se eu considerar a iniqüidade no meu coração, o Senhor não ouvirá” (Salmo 66:18); portanto, precisamos aprender a permanecer em Cristo e a submeter nossa vontade e nossos desejos ao Seu Senhorio para poder saber como e para que orar. Se desejamos conhecer a vontade de Deus e orar de acordo com os Seus propósitos e em submissão à vontade Dele, veremos as nossas orações respondidas. “Mas certamente Deus me ouviu; Ele deu atenção à oração que lhe dirigi. Louvado seja Deus, que não rejeitou a minha oração nem afastou de mim o seu amor!” (Salmo 66:19-20)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: