Publicado por: mvmportugues | agosto 25, 2014

LIBERDADE EM CRISTO – Gálatas 5:1

A Liberdade em Cristo

“Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.” – Gálatas 5:1  

Cristo morreu para nos libertar do pecado e de uma longa lista de leis e regulamentos. Cristo veio para nos libertar, não somos livre para fazer o que queremos, porque isso nos levaria de volta à escravidão e aos nossos desejos egoístas. Em vez disso, graças a Cristo, somos agora livres e capazes de fazer o que era impossível antes – viver sem egoísmo. Aqueles que exigem a sua liberdade, para que possam ter a sua própria maneira, ou de saciar seu próprio desejo estão regressando ao pecado. Mas também é errado colocar um fardo de manter a lei sobre cristãos como os Gálatas estavam fazendo na época de Paulo. Devemos manter-nos firmes contra aqueles que querem nos escravizar com as regras, métodos ou condições especiais para ser salvo, ou crescer em Cristo.  

Somos salvos pela fé e não por obras. O amor para Deus e por outros é a resposta daqueles a quem Deus perdoou. O perdão de Deus é completo, e Jesus disse que aqueles que são perdoados muito, amam muito (Lucas 7:42-43). Porque a fé se expressa através do amor, podemos verificar o nosso amor por outros como uma forma de monitorar nossa fé.  

A Bíblia nos diz que seremos perseguidos por causa da nossa fé. Muitas pessoas não querem ouvir a verdade e somente querem ouvir o que eles querem ouvir. “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos.” (2 Timóteo 4:3) 

Paulo foi perseguido porque ele estava pregando o verdadeiro evangelho. Se ele tivesse ensinado o que os falsos mestres estavam ensinando, ninguém estaria ofendido. Mas porque ele estava ensinando a verdade, ele foi perseguido pelos judeus e judaizantes (aqueles que adotaram práticas religiosas judaicas ou tentaram influenciar os outros a fazê-lo).  

Tua família ou amigos te rejeitam, porque você tomou uma posição por Cristo? Jesus disse para não ficarmos surpreso se o mundo nos odeia, porque odiaram a Ele primeiro (João 15:18-19).  

Assim como Paulo continua a proclamar fielmente a mensagem de Cristo, devemos continuar trabalhando no ministério que Deus deu a cada um de nós; apesar dos obstáculos que outros podem colocar em nosso caminho. 

Devemos ter a liberdade em Cristo e não devemos ser escravos do pecado, porque os crentes são livres para fazer o certo e para glorificar a Deus através de servir outros com amor.  

Quando um crente perde a motivação do amor, e se torna crítico de outros, para de olhar para o lado bom das pessoas e só vê seus defeitos. Logo a unidade está perdida. Será que algum de nós focamos em deficiências de outros em vez de seus pontos fortes?  

Nós precisamos nos lembrar do mandamento de Jesus de amar uns aos outros como você ama a você mesmo (Mateus 22:39). Quando começamos a sentir crítica de alguém, devemos fazer uma lista das qualidades positivas dessa pessoa. Quando os problemas necessitam ser abordados, devemos confrontar em amor, em vez de fofocas. 

No entanto, haverá momentos em que será necessário enfrentar hipócritas e as pessoas que vivem em pecado, para que a honra de Deus não seja blasfemado e a igreja cristã pode ser purificada e fortalecida. 

Foi isto o que Jesus fez: “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês limpam o exterior do copo e do prato, mas por dentro eles estão cheios de ganância e cobiça.  Fariseu cego! Limpe primeiro o interior do copo e do prato, para que o exterior também fique limpo.” (Mateus 23:25-26)  

Se desejamos ter as qualidades definidas e expressadas em Gálatas 5:22-23, que são “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio”, então saberemos que o Espírito Santo está nos guiando.  

Nós também precisamos ter cuidado para não confundir nossos sentimentos subjetivos com a liderança do Espírito. Ser guiado pelo Espírito Santo envolve o desejo de ouvir, a prontidão para obedecer a Palavra de Deus, e a sensibilidade para discernir entre o nosso sentimento e Seus sussurros.  

Necessitamos viver cada dia controlado e guiado pelo Espírito Santo. Em seguida, as palavras de Cristo estarão em nossa mente, o amor de Cristo vai estar por trás de nossas ações e o poder de Cristo nos ajudará a controlar os nossos desejos egoístas.  

Lembre-se de que uma pessoa nascida de novo tem a liberdade em Cristo, porque as Escrituras nos dizem: “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.” (Romanos 8:1-2)

Publicado por: mvmportugues | agosto 18, 2014

PORQUE CRISTO MORREU POR NÓS? – Tito 2:11-14

Tito 2 vs 11-14 (P)

Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. 12 Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente, 13 enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo. 14 Ele se entregou por nós a fim de nos remir de toda a maldade e purificar para si mesmo um povo particularmente seu, dedicado à prática de boas obras. (Tito 2:11-14)  

Se alguém pergunta por que Jesus morreu, uma grande porcentagem dos membros da Igreja geralmente diria que Ele morreu para nos salvar dos nossos pecados. É verdade que “Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras” (1 Coríntios 15:3), mas esta não é a completa resposta. Muitos cristãos pensam da morte de Cristo só em termos do que significa para eles, e não o que significou para Jesus.  

O versículo 14 nos diz que Cristo morreu por nós para nos remir de iniqüidade, e não somente para nos impedir de ir para o inferno, mas “para purificar para si um povo seu próprio, ansioso para fazer o que é bom.” Ele quer pessoas que vão fazer Dele o Senhor de suas vidas que estão ansiosos para fazer o bem e ser santo. A morte de Cristo não foi apenas para nos salvar, mas também para purificar para si um povo todo Seu, zeloso de boas obras.  

“Cristo amou a igreja e entregou-se por ela, … para apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável” (Efésios 5:25, 27). Foi a obra de Cristo na cruz, quando Ele deu a si mesmo para a igreja, que a fez limpa, purificada, e gloriosa, sem mancha nem ruga, e separada para Ele.  

“Ele morreu por todos para que aqueles que vivem já não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Coríntios 5:15). A razão que Cristo morreu como nosso representante, foi para que a nossa velha vida rebelde poderia morrer na cruz com Ele, e seríamos libertados e ressuscitados com Ele para viver uma nova vida – não mais rebelde, não obcecada com a auto, mas agora vivendo para Ele, o verdadeiro Senhor e governante de todos.  

Se vamos unir-nos a Cristo. e assim, receber o benefício de morrer com Cristo na cruz, então nossa antiga vida acabou. Somos uma pessoa completamente nova; e temos um novo Espírito dentro de nós. Queremos viver uma vida completamente nova e, não mais para o nosso ser rebelde, que agora está morto, mas para Cristo que por nós morreu e ressuscitou. “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.” (Gálatas 2:20)  

É por isso que é impensável que vamos para Cristo em arrependimento para o perdão dos nossos pecados … e depois retornamos aos nosso pecados e chafurdamos neles, como se nada tivesse acontecido. A razão que Deus nos resgatou do domínio das trevas, da escravidão e do pecado, e nos transferiu para o reino do seu Filho, é para que possamos viver uma nova vida de piedade e santidade “Nele”.  

Portanto, se vocês estiverem comendo, ou bebendo, ou fazendo qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. (1 Coríntios 10:31)

 

Publicado por: mvmportugues | agosto 11, 2014

CONFIE EM DEUS – Gênesis 15:5

Genesis 15 vs 5 P

O Senhor fez uma promessa a Abrão para dar-lhe um filho e Ele o levou para fora e disse: “Olhe para o céu e conte as estrelas…assim será a sua descendência.” (Gênesis 15:5)  

Quando Deus chamou Abrão, ele tinha 75 anos de idade e foi quando o Senhor prometeu que faria dele uma grande nação, e que Deus o abençoaria. (Gênesis 12:2)  

Abrão está com 85 anos; dez anos se passaram desde que Deus lhe prometeu “que faria dele uma grande nação,” e ele está preocupado que ainda não tinha filhos, assim o Senhor veio a Abrão, numa visão e prometeu-lhe descendentes numerosos demais para imaginar.  

Quando Deus faz uma promessa podemos contar com ela. Ora, Sarai, mulher de Abrão também estava ficando mais velha e ela não tinha filhos, o que naquela cultura era muito vergonhoso e uma deshonra, então ela deu Hagar, sua serva egípcia à Abrão como esposa substituta, que era prática comum naquela época. Uma criança nascida de uma  serva era considerado o filho da esposa. Assim, embora Abrão estivesse agindo de acordo com o costume da época, sua ação mostrou uma falta de fé que Deus cumpriria Sua promessa.  

Deus exige de nós para ser fiel a Ele e a Sua Santa Palavra, independentemente dos costumes pecaminosos que existiram naquela época ou é aceitável na sociedade de hoje como “normal”. O plano perfeito de Deus foi, e é que marido e mulher devem ser fisicamente íntimos somente um com o outro para toda a sua vida. Sempre que uma pessoa casada é fisicamente íntima com outra pessoa; a Bíblia define os atos como – adultério. 

Deus ordenou em Sua Palavra “sede santos, porque Eu sou Santo”. Portanto, a obediência a Santa Palavra de Deus é o único estilo de vida normal – violações de Sua Santa Palavra é pecado e são anormais para os VERDADEIROS crentes e filhos de Deus.  

Sarai como Abrão teve dificuldade em acreditar nas promessas de Deus e tomou o assunto em suas próprias mãos, dando Hagar a Abrão, quando o casamento é um compromisso sagrado e contrato entre Deus; um marido e uma esposa.  

Por causa da desobediência e a falta de fé por parte de Sarai e de Abrão, veio uma série de problemas. Isso invariavelmente acontece quando assumimos a responsabilidade de Deus, tentando fazer com que Sua promessa se ​​torne realidade através de esforços que não estão de acordo com Suas direções específicas. Neste caso, o tempo foi o maior teste de Abrão e Sarai para deixar que a vontade de Deus trabalhasse em suas vidas.  

As vezes nós também devemos simplesmente esperar. Quando pedimos a Deus por algo e temos que esperar, é tentador tomar o assunto em nossas próprias mãos e interferir com os planos de Deus.  

Embora Sarai fez os planos para Hagar ter um filho com Abrão, mais tarde ela culpou Abram pelos resultados. Muitas vezes, é mais fácil de atacar em frustração e acusar a outra pessoa do que admitir a nossa culpa e nosso pecado e pedir perdão. Soa familiar? Adão e Eva fizeram a mesma coisa. (Gênesis 3:12-13)  

Sarai lançou sua raiva contra Abrão e Hagar e seu tratamento foi duro, o suficiente para causar que Hagar fugisse. Raiva, especialmente quando surge da nossa própria incredulidade, pecados e rebelião contra Deus e Sua Palavra é sempre perigosa e destrutiva.  

Hagar estava fugindo de sua senhora e seu problema. O anjo do Senhor lhe deu o conselho para voltar e enfrentar Sarai, a causa de seu problema, e se submeter a ela. Hagar precisava corrigir sua atitude para com Sarai, não importa quão justificado seu pensamento poderia ter sido. Fugir de nossos problemas raramente resolve-los; é sábio voltar para os nossos problemas, enfrentá-los, aceitar a promessa da ajuda de Deus, corrigir nossas atitudes e agir como deveríamos.  

Vimos três pessoas cometerem erros graves. 

  • Sarai, que tomou o assunto em suas próprias mãos. Ela disse a Abrão para ir dormir com sua serva; violando assim a santidade do casamento e fez Abrão cometer adultério com Hagar.
  • Abrão, que concordou com o plano e cometeu adultério; no entanto, quando as circunstâncias começaram a piorar, se recusou a ajudar a resolver o problema.
  • E, Hagar, que fugiu do problema.

Apesar desta situação complicada, Deus demonstrou Sua habilidade de agir em todas as coisas para o bem daqueles que o amam (Romanos 8:28). Sarai e Abrão receberam o filho que tão desesperadamente queriam, e Deus resolveu o problema de Hagar apesar da recusa de Abrão se envolver. Nenhum problema é demasiado complicado para Deus, se estamos dispostos a deixar que Ele nos ajude e esteja em controle.  

O Senhor disse a Abrão. “Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença e sê perfeito,(Gênesis 17:1). Deus tem a mesma mensagem para nós hoje. Devemos obedecer ao Senhor em todos os aspectos, porque Ele é Deus; que é motivo suficiente. Se nós pensamos que os benefícios da obediência não valem a pena, considere quem Deus é – o único com o poder e a capacidade de atender todas as nossas necessidades.  

Deus não esqueceu do filho de Hagar, Ismael; mesmo que ele não era para ser o herdeiro de Abraão, ele também seria o pai de uma grande nação. Portanto, independentemente de nossas circunstâncias, Deus não se esquece de nós. Precisamos obedecer-Lhe e confiar em Seu plano, e lembre-nos de que as bênçãos de Deus são muito numerosas para nós imaginar, e que o Seu tempo é sempre o tempo certo. Portanto: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento;  reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e Ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6)

 

Publicado por: mvmportugues | agosto 5, 2014

RECONHEÇA A SUA CULPA – Jeremias 3:13

Jeremias 3 vs 13

Somente reconhece a sua culpa: que contra o Senhor teu Deus transgrediste… (Jeremias 3:13)  

A menos que uma pessoa reconhece o seu pecado, ela nunca vai se arrepender, ou desviar-se dele. E uma vez ciente disto, e a pessoa se arrepende, ela deve admitir e confessar diante de Deus, contra quem pecou. Isto é o que Jeremias está insistindo. Pedindo a Deus para nos perdoar é a coisa mais libertadora que podemos fazer, e é o que todo pecador sensato fará. E quando isso é realizado o perdão, a graça e misericórdia de Deus é revelada. “Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobri as minhas culpas. Eu disse: Confessarei as minhas transgressõesao Senhor, e tu perdoaste a culpa do meu pecado.” (Salmo 32:5)  

Quando estamos comprometidos a andar em comunhão ininterrupta com o Senhor, precisamos sempre ter em mente que o inimigo está continuamente pronto para nos fazer tropeçar e cair; porque ele anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar (1 Pedro 5:8). Portanto, precisamos pedir a Deus para “criar em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito estável” (Salmo 51:10). Sempre “buscando primeiro o Reino de Deus e a sua justiça.” (Mateus 6:33)  

A experiência mais edificante em nossa vida diária é quando concentramos nossa mente em: “tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, pense nisso.” (Filipenses 4:8) 

Por isso, nosso foco diário deve ser em viver uma vida santa diante de Deus e dos homens. Mas em caso que tropeçamos, e a maioria de nós vamos, devemos lembrar que: “Se confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1:9)

Publicado por: mvmportugues | julho 28, 2014

A LIBERDADE VEM DE UM CORAÇĂO OBEDIENTE – Salmo 119:44-45

LIBERDADE

“Obedecerei constantemente à tua lei, para todo o sempre. Andarei em verdadeira liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos. Salmos 119:44-45  

Obediência cria liberdade, enquanto a desobediência leva à escravidão. Quando buscamos o conselho da Palavra de Deus, estamos caminhando em direção a um caminho libertador. Pelo contrário, quando saímos da pista e vamos contra os caminhos de Deus nos tornamos enredados pelos caminhos do mundo e perdemos a visão do que é certo.  

Verdadeiros cristãos nascidos de novo têm um desejo de obedecer, a fim de tornar-se como o seu Mestre! Cristo não só nos chamou para saber a verdade, para amar-Lo, confiar Nele e servi-Lo; Ele também nos chamou para obedecê-Lo. O tema bíblico da salvação não pode ser separado da chamada de Deus para a obediência. Embora as boas obras não nos salvam, somos salvos para as boas obras. Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie. 10 Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos.” (Efésios 2:8-10)  

A razão para a nossa obediência é a nossa resposta à ação da graça de Deus em Cristo. A raiz da nossa obediência é agradar a Deus por amor a fim de que Deus seja glorificado em todas as coisas. Somente uma pessoa regenerada pelo Espírito é capaz de tal obediência. Aquele que obedece os mandamentos de Cristo é aquele que verdadeiramente ama a Cristo (João 14:21) e, assim provando ser Seu discípulo.  

À medida que aprendemos a obedecer a Deus mais e mais, estamos cada vez mais libertos do poder do pecado em nossas vidas. O amor de Deus por nós é o que permite o nosso amor a Deus: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” (1 João 4:19); e nosso amor por Deus permite a nossa obediência a Ele.  

Ser controlado pelo Espírito “ser cheio do Espírito” (Efésios 5:18) é essencial, se nós vamos desenvolver o auto-controle que nos permite obedecer a Deus. A liberdade moral – o poder de fazer o que devemos – está diretamente relacionado à obediência: “Então você vai saber a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32).  

O processo de aprender a obedecer a Deus é um processo longo da vida e o resultado desse processo é que nos seremos conformados ao caráter e a conduta de Jesus Cristo. Viver uma vida cristã obediente significa estar em contato com a realidade em todos os momentos e experimentar toda a bênção associada a ela (João 13:17).  

A medida que nós nos comprometemos a obedecer a Deus, estamos permitindo que Ele faça de nossas vidas o que Ele deseja que nos tornemos. Ao fazê-lo estamos vivendo ao potencial que Deus tem para nós. Assim que quando temos um relacionamento de amor com o nosso Senhor, os Seus mandamentos não são pesados ​​(1 João 5:3).  

A obediência é o ponto de partida e a meta da nossa vida cristã. e é o que nos restaura para o nosso destino original. 

  • A obediência é um dos traços do caráter cristão – 1 João 2:4
  • É o verdadeiro teste de nosso amor por Cristo – João 14:21
  • A obediência é o caminho para a bênção – João 13:17
  • A obediência é o que significa amar a Deus – 1 João 5:3
  • A obediência é a porta de entrada para a liberdade – João 8:32-36
  • E é a marca de um verdadeiro discípulo de Cristo – João 8:32
  • A obediência é uma grande fonte de alegria – João 15:11
  • A obediência é o resultado de profunda humildade e submissão – Filipenses 2:5-8
  • A obediência é estudar a Palavra de Deus – Tiago 1:22
  • E é um pré-requisito para conhecer a vontade de Deus – João 7:17

A obediência é mais do que uma ação específica; é compromisso com um modo de viver, e só é possível quando nos submetemos ao poder do Espírito Santo.

Publicado por: mvmportugues | julho 21, 2014

ESCOLHA O CAMINHO DA VERDADE – João 8:32

João 8 vs 32

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” – João 8:32  

Cada vez que o inimigo nos bombardeia com mentiras, temos de aprender a aconselhar os nossos corações de acordo com a verdade da Palavra de Deus e de agir sobre a Sua Verdade, independentemente do que a nossa razão humana ou os nossos sentimentos nos dizem.  

Quando nos encontramos cedendo ao cansaço, a frustração, ou a nossa carne; quando a nossa mente e emoções estão girando com coisas que sabemos que não são verdadeiras, devemos parar e tentar de identificar a Verdade que contradiz essas mentiras.  

Devemos dizer a verdade a nós mesmos; às vezes em voz alta, e se for necessário mais que uma vez, até que a Verdade desloca e substitui as mentiras que estamos acreditando. Devemos clamar a Deus por graça para agir sobre o que sabemos ser verdade e quando o fazemos, ficamos impressionados com o poder da Verdade para acalmar nossas emoções turbulentas e restaurar a sanidade de nossos pensamentos confusos.  

Às vezes, o inimigo começa a causar danos em nossas mentes e emoções e tudo o que podemos pensar é quão errada a outra pessoa tem sido, e quão profundamente magoado estamos. Começamos deixar pensamentos rancorosos e vingativos se enraizar em nossas mentes e reviver outros eventos do passado que pensávamos que já tínhamos esquecido. Temos a tendência de ser obcecado com a tentativa de encontrar uma maneira de nos justificar e provar a nossa inocência. Quando isso acontece, as nossas emoções começam a girar fora do controle e entramos em um ciclo de raiva e auto-piedade acreditando em uma série de mentiras do inimigo. Isso só leva a horas ou dias de tumulto e lutas internas.  

Quando deixamos este tumulto e brigas internas e começamos a concentrar nos em Deus, temos uma confrontação com a verdade:  

Bem-aventurados os mansos. . .

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. . .

Bem-aventurados os pacificadores. . .

Mateus 5:5, 7, 9 

Digo-vos que não resistais ao homem mal. Se alguém te bater na face direita, oferece-lhes também a outra. . . amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. . .

Mateus 5:39, 44 

Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós;  se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.

Mateus 6:14-15 

Agora nós temos uma escolha. Devemos continuar a acreditar nas mentiras, ou vamos abraçar a Verdade? Neste momento é quando a batalha realmente começa. Nossas emoções querem segurar a ofensa e queremos continuar alimentando o ressentimento e a raiva. Queremos justificação pessoal, mas, em nosso coração, sabemos que este tipo de escolha só vai levar à escravidão.  

Quando nos ajoelhamos diante do Senhor, com a Bíblia aberta, e lidamos com a Verdade, sabemos que temos de perdoar, e que devemos liberar o ofensor e a ofensa. Realizamos que a questão não é que nós não podemos perdoar; mas que não queremos perdoar. À medida que deixamos o Espírito Santo guiar-nos, sabemos que temos que renunciar qualquer direito de vingança ou de reter o amor daqueles que nos magoaram.  

Quando deixamos que a nossa mente continue sento aberta pelo Espírito Santo, somos lembrados das conseqüências de se recusar a perdoar; da misericórdia que perdemos se nos recusarmos a estender compaixão para outros, e das bênçãos que receberíamos se estamos dispostos a obedecer Seus mandamentos. Em nosso orgulho e teimosia, é difícil deixar ir, mas devemos – para poder estar em comunhão com o Senhor.  

Temos que continuar procurando e dizendo a verdade em nossos corações e fazer a escolha de agir sobre a Verdade. Ao fazê-lo nossas emoções gradualmente se tranquilizam e nosso espírito é liberado.  

Com o tempo, Deus nos dá uma melhor compreensão da situação original; Ele lança luz sobre por que reagimos desta forma e nos mostra alguns problemas mais profundos que não realizamos que precisavam ser abordados.  

Devemos ser gratos que o Senhor nos ama o suficiente para orquestrar as circunstâncias para trazer essas questões a superfície e devemos agradecê-Lo por usar essas experiências para tornar-nos mais semelhantes a Jesus. 

 

FONTE  

Nancy Leigh DeMoss

Publicado por: mvmportugues | julho 14, 2014

AGRADECENDO A DEUS POR SUA BONDADE – 1 Crônicas 29:11-13

Agradecendo a Deus

“Teus, ó Senhor, são a grandeza, o poder, a glória, a majestade e o esplendor, pois tudo o que há nos céus e na terra é teu. Teu, ó Senhor, é o reino; tu estás acima de tudo.  A riqueza e a honra vêm de ti; tu dominas sobre todas as coisas. Nas tuas mãos estão a força e o poder para exaltar e dar força a todos. Agora, nosso Deus, damos-te graças, e louvamos o teu glorioso nome. 1 Crônicas 29:11-13  

Quando temos gratidão a Deus em nosso coração isto elimina todos os tipos de sentimentos negativos. O descontentamento, a auto-piedade, a inveja e o orgulho não são páreo para a gratidão divina. Gratidão a Deus está enraizada na percepção de quem é Deus e o que Ele fez por nós. Tudo é de Deus, e tudo vem de Deus. Sua criação majestosa O adora como um reflexo de Sua glória. Nações e governantes, consciente ou inconscientemente, estão sob Sua autoridade e temos que realizar que Deus é o dono de todas as coisas.  

Porque Ele é dono de tudo, Ele é o responsável e, portanto, é Nele que vamos colocar a nossa confiança. Quando depositamos nossa confiança Nele desfrutamos de Sua presença, Sua criação, Seus recursos, Sua liberdade e uns aos outros. Existe uma gratidão gloriosa quando refletimos sobre as gloriosas riquezas de Deus. “O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:19) 

Gratidão a Deus é um dos maiores segredos para viver a vida cristã. Gratidão significa que nunca esquecemos do que Ele fez por nós, o que Ele está fazendo por nós, e o que Ele vai fazer por nós. É lembrar da Sua fidelidade passada, presente e futura. A gratidão é transformadora, pois é centrada em Deus. As preocupações deste mundo se dissiparam quando focamos nossa mente em gratidão ao Senhor. Nosso apreço pelo nosso Pai celestial será expressado em humilde adoração e louvor a Ele, além de nossa determinação de viver em comunhão ininterrupta e obediência com Ele. Jesus nos prometeu: “Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus.” (Mateus 5:8) 

Não importa onde estamos na vida. Não importa qual seja a nossa situação ou circunstância, temos algo que podemos dar graças a Deus todos os dias da nossa vida e devemos ter sempre uma atitude de ação de graças ao nosso Criador.  

Quando vemos e reconhecemos o fato de que Ele está sempre conosco; sempre proporcionando para nós, e nos protegendo; a intimidade que compartilhamos com Ele vai aumentar, e os nosso medo vai diminuir. “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6)  

Gratidão entende o que poderia ter acontecido a nós, se não fosse pela graça de Deus. Mas, pela intervenção do Senhor, Ele nos libertou e nos deu a vida eterna, por Jesus Cristo. Deus está sempre lá para nós e Ele deseja comunhão com cada um de nós, se nós apenas O reconhecemos e O deixamos.   

O Senhor é digno de louvor, gratidão e adoração. Que grande e poderoso Deus que servimos!  

“Damos-te graças, ó Deus, damos-te graças, pois perto está o teu nome; todos falam dos teus feitos maravilhosos.” (Salmo 75:1)

Publicado por: mvmportugues | junho 24, 2014

A ORAÇĂO PODEROSA E EFICAZ – Tiago 5:16-18

elijah-prays P

“Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz. 17 Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio. 18 Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu os seus frutos.” (Tiago 5:16-18)

Aqui, somos instruídos a orar uns pelos outros, especialmente para aqueles que estão lutando fisicamente e espiritualmente. E à medida que continuamos lendo, Tiago nos lembra que Elias era um homem como nós, que foi capaz de orar e cumprir os propósitos de Deus, como nós devemos. Ele orou com fervor e paixão. A Palavra de Deus nos diz que ele orou “fervorosamente” e buscou a Deus com todo o seu ser.  

O que motivou Elias a orar com tanta paixão? Em primeiro lugar, o seu entendimento de Deus o moveu a orar com fervor. Elias sabia a quem ele estava orando. Ele sabia que Deus tem todo o poder. Ele entendeu que o Senhor poderia fazer o impossível. Elias orou fervorosamente, porque sua fé era em Deus e não em sua oração.  

A compreensão de cada pessoa sobre Deus vai determinar a sua força e perseverança na oração. Deus nos deu o Seu poderoso Espírito Santo para nos guiar na oração e nos ensinar como devemos orar. “Da mesma forma, o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza. Nós não sabemos o que devemos orar, mas o próprio Espírito intercede por nós quando nós não sabemos como colocar os nossos desejos em palavras.” (Romanos 8:26)  

Para muitos, Deus é “muito pequeno” e duvidam de Seu poder e habilidade. Eles não têm fé e suas orações não são respondidas. Por outro lado, aqueles que crescem em conhecimento e compreensão de Deus Todo-Poderoso, a Sua grandeza, a Sua soberania e santidade; aprendem a orar fervorosamente e eficaz.  

A situação em que Elias viveu e estava sendo confrontado, o levou a procurar a orientação e direção de Deus; portanto, esperou em Deus para falar e responder às suas orações. Devemos fazer o mesmo. Quando olhamos ao redor e vemos os que estão perdidos, magoados e feridos, isso deve levar-nos a orar fervorosamente. Quando vemos pessoas que negam a vontade e a Palavra de Deus, isto deve nos desafiar e mover-nos a orar com todo o nosso coração. Quando vemos a igreja impotente e ineficaz, devemos acelerar nossa busca por Deus.  

Devemos no entanto, não deixe que as condições ao nosso redor nos oprimem; precisamos buscar a Deus e descansar Nele. Seria fácil ficar sobrecarregado quando olhamos para as condições que nos rodeiam. As necessidades são enormes e podem nos desanimar. No entanto, é por isso que devemos buscar a Deus. É por isso que nós temos que correr para Ele e descansar à sombra do Todo-Poderoso. É somente quando corremos a Ele, descansamos Nele, e derramamos nossos corações a Ele que podemos enfrentar e lidar com as condições que nos rodeiam e ser fortalecido para fazer a Sua vontade, e alcançar os perdidos.  

Jesus nos ensinou a orar com fé: “Portanto, eu lhes digo: Tudo o que vocês pedirem em oração, creiam que já o receberam, e assim lhes sucederá” (Marcos 11:24). Então, quando oramos de acordo com a vontade de Deus e com fé em Suas promessas, precisamos continuar perseverando e não perder de vista do que foi pedido até que Deus cumpre Sua promessa. (1 Reis 18:43-44)  

Precisamos perseverar em nossas orações. No entanto, existem obstáculos que impedem o cumprimento da promessa; o pecado não confessado nos separa de Deus, por isso Ele não nos ouve, (Isaías 59:1-2). Também vemos Satanás, e sua constante oposição aos planos de Deus, como vemos em (Daniel 10:12-13). Pode ser também que o nosso coração precisa ser purificado, porque quem fecha os ouvidos ao clamor dos pobres também clamará e não terá resposta (Provérbios 21:13). Seja o que for, temos que acertar as coisas com Deus e em seguida, devemos perseverar até obter a resposta. 

No Monte Carmelo, Elias orou sete vezes; o amigo persistente à meia-noite implorou até que ele recebeu (Lucas 11:5-8), e a viúva, que se dirigia continuamente ao juiz injusto, suplicando-lhe: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário’, (Lucas 18:1-5). Estes são exemplos de perseverança na busca de respostas. Então, nós, os que cremos na promessa de Deus, sem duvidar, devemos orar até recebermos a resposta, lembrando que só a perseverança na oração pode triunfar. 

Tenha em mente que Elias teve a mesma natureza que nós temos, mas ele orou com poder e de forma positiva. Nós podemos fazer o mesmo. Se aprendermos a perseverar na oração, o seu fruto será sempre mais abundante, sempre mais evidente, e vamos obter, como Jesus obteve, o que trará honra e glória ao Pai.  

O verdadeiro poder em nossas vidas começa com humildade. Humilhando-nos diante de Deus Todo-Poderoso pode resultar em Sua Santidade ser transmitida para nós. Consequentemente, a santidade trará a cura, a felicidade, a saúde, a alegria, a coragem, a paz e a vida eterna.  

“Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido.” (1 Pedro 5:6)

 

 

1 Corinthian 15 vs 33 P

Não se deixe enganar: “Más companhias destroem os bons costumes.” (1 Coríntios 15:33 ) 

Em sua primeira carta aos coríntios, o apóstolo Paulo escreveu sobre os falsos mestres que se encontravam na igreja em Corinto ensinando que a ressurreição de Jesus Cristo não era verdade. Essas pessoas, como os saduceus negavam a vida após a morte e a ressurreição (Lucas 20:27). Como resultado, sua visão moral e distorcida sobre a vida influenciou o resto dos crentes de Corinto.  

Paulo está nos dizendo que, em associação com os falsos mestres, pessoas fracas e desinformadas serão influenciadas negativamente por eles. É importante entender que falsos ensinamentos não levam à santidade. Por isso, é fundamental que temos cuidado com quem estabelecemos relações e com quem escolhemos adorar. Igrejas e pessoas que não estão fundadas sobre a verdade da Palavra de Deus farão com que aqueles que não estão firmemente enraizados nas Escrituras a vacilar em sua fé e afetarão negativamente sua caminhada com Cristo e seu testemunho para o mundo. É por isso que Paulo nos diz: “Não se deixe enganar.”  

Esta é a sua segunda advertência aos coríntios a não ser “enganado”. No início da sua carta Paul já os tinha avisado: “Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas” (1 Coríntios 6:9). Ele os alertou para não assumir o estilo de vida destas pessoas corruptas que não herdarão o reino de Deus. Paulo sabia como é fácil para as pessoas serem influenciadas por tais ensinamentos adversos, assim como eles são hoje. Se as pessoas não construem a sua casa sobre a rocha sólida – Jesus Cristo (Mateus 7:24-25); eles vão começar a adotar as idéias pervertidas e seu comportamentos como normal. Por esta razão, Paulo cita este provérbio bem conhecido pelo poeta grego Menandro: “As más companhias corrompem o bom caráter.” Que, sem dúvida, era bem conhecido entre os gregos naquela época.  

A mensagem que Paulo está dando, é pertinente a todas as pessoas em todas as idades. Quando aqueles que não são fundamentados na Palavra, se associam com, ou tem prazer na companhia de pessoas com costumes mundanos, eles correm o risco de imitar os seus comportamentos, sua linguagem e seus hábitos. Em pouco tempo eles já não estão seguindo a Cristo, porque sua casa foi construída sobre a areia e não tinha uma base sólida. (Mateus 7:26-27)  

Quando isso acontece, as pessoas voltam novamente para o caminho do mundo negando e rejeitando a Bíblia como a Palavra de Deus. Isto é especialmente pertinente para os jovens que geralmente são facilmente influenciados por seus companheiros. Pessoas de todas as idades podem ser muito fracas e facilmente influenciável por falsos mestres, entidades demoníacas e por cristãos fracos e mal informados que não desenvolveram um estilo de vida baseado na Bíblia.  

Por isso é vital que os pais de crianças e adolescentes estejam especialmente em guarda contra a influência de más companhias, falsos mestres nas seitas, igrejas chamadas “cristãs”; que irão destruir a sua fé em Jesus Cristo, e explorá-los em sua ganância e com doutrinas e idéias más.  

Então, o que devemos fazer? Paulo nos dá a resposta em 1 Coríntios 15:58: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” 

Como pais e guardiães, devemos expor esses falsos mestres, (lobos em pele de cordeiro). E, é vital que permanecemos  firmes contra as influências ímpias que podem corromper nossas crianças e crentes fracos e imaturos. Como crentes nascidos de novo, devemos estar firmes contra aqueles que poderia corromper a nossa caminhada com Cristo. E, devemos defender nossa posição contra o falso ensino e uma apresentação diluída do evangelho que levam outros a se desviarem da verdade. Em todas as coisas, devemos estar alertos e vigiando, porque “o Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar.” (1 Pedro 5:8)  

Paulo também nos disse que “não é de admirar, pois até mesmo Satanás finge ser um anjo de luz. Por isso não nos surpreende o fato de que os próprios servos de Satanás também finjam ser servos da justiça.” (2 Coríntios 11:14-15)  

Você escolhe amigos e uma igreja com base em quanto dinheiro eles têm, ou como eles são populares? Ou você escolher a sua igreja e seus amigos com base em seu caráter, lealdade, honestidade e capacidade de ensinar e incentivar as pessoas a crescerem em Cristo? Este último é o tipo de igreja e amigo que Deus quer que tenhamos. Por isso; Não se deixe enganar, tome tempo para orar e deixar o Espírito Santo levá-lo na escolha de seus amigos e da igreja, onde Deus é honrado e adorado com o respeito que Ele merece. “Ao Rei eterno, o Deus único, imortal e invisível, sejam honra e glória para todo o sempre. Amém.” (1 Timóteo 1:17) 

Temos que lembrar que: “Deus é um juiz justo, um Deus que manifesta cada dia o seu furor.” (Salmo 7:11)

Portanto, devemos nos esforçar para viver em paz com todos e ter uma vida santa; pois sem a santidade ninguém verá o Senhor.  (Hebreus 12:14)

Publicado por: mvmportugues | junho 9, 2014

A REALIDADE DA IRA DE DEUS – Romanos 1:18-20

A ira de Deus - Romanos 1 vs 18-20

Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, 19 pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. 20 Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis. (Romanos 1:18-20) 

Paulo nos diz que “a ira de Deus é revelada dos céus….” Então vamos nos focar e ver o que a “ira de Deus,” significa. A Bíblia ensina claramente que o nosso Pai celestial é um Deus de amor. Por isso, algumas pessoas estão perturbados com a idéia de um Deus de amor que possui ira. Eles vêem esses atributos como estando em conflito. Mas os atributos de Deus são equilibrados. Deus é perfeito em Seu amor e Ele também é perfeito em Sua santidade e Sua justiça. Habacuque escreveu: “Tu és tão puro de olhos para contemplar o mal, e não pode olhar sobre a maldade” (1:13). 

Deus ama a todos nós: “Porque Deus amou o mundo que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16), mas a ira de Deus é contra o pecado. Portanto, a justiça de Deus reage com ira contra o pecado. Esta ira cresce por causa da Sua santidade, porque um Deus santo não pode tolerar o pecado. “Amas a justiça e odeias a iniqüidade.” (Hebreus 1:9) 

A ira de Deus é diferente da ira humana. A Bíblia declara que Ele é tardio em irar. Sua ira não explode rapidamente, ou de forma imprevisível; há uma série de advertências e Ele geralmente contem a Sua ira para nos dar mais tempo para se arrepender. “O Senhor é longânimo para convosco …, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2 Pedro 3:9). Mas à medida que a humanidade continua a pecar, e continua a rejeitá-Lo, podemos ter certeza de que Sua ira esta escalando a tal ponto que um dia Ele irrompera contra este mundo ímpio, tão claramente descrito no livro do Apocalipse. 

Não devemos ser enganados e pensar que Deus não vai eventualmente nos fazer responsáveis pelos nossos pecados. Portanto, é prudente acreditar na realidade da ira de Deus, porque uma pessoa ou nação que ignora os avisos de Deus está em grave perigo. 

Se alguém acredita que o único e verdadeiro Deus não é um Deus de ira, então eles estão indo contra o que Deus tem claramente revelado sobre Si mesmo. Quando o Dia do Juízo Final chegar nenhuma reivindicação de ignorância vai servir como uma desculpa. 

A Palavra do Senhor “mostram que as exigências da Lei estão gravadas em seu coração. Disso dão testemunho também a sua consciência e os pensamentos deles, ou os acusam, ou os defendem” (Romanos 2:15). Portanto, como está escrito, a consciência das pessoas  as convencem de que elas pecaram contra o Todo-Poderoso, Santo Deus; e este fato deve levar a um sentimento de culpa e tristeza e um desejo de se reconciliar com Ele. 

No entanto; a Palavra de Deus nos adverte que muitas pessoas se tornaram tão rebelde e perversas que já não tem uma consciência – “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos, que têm a consciência cauterizada.” (1 Timóteo 4:1-2) 

Por exemplo: muitas pessoas más na Igreja Católica Romana, chamados de sacerdotes, bispos, cardeais, freiras e papas criminalmente molestaram, violaram, torturaram e assassinaram centenas de milhares de preciosas crianças inocentes, mulheres e homens através de existência desta má instituição, em nome de Jesus. 

Deus nos advertiu sobre essas pessoas más, e o julgamento que seus crimes merecem; pois “eles difamam o que desconhecem e são como criaturas irracionais, guiadas pelo instinto, nascidas para serem capturadas e destruídas; serão corrompidos pela sua própria corrupção!” (2 Pedro 2:12) 

Esses criminosos malignos e milhões de pessoas como eles são possuídos por demônios e “têm a consciência cauterizada” (1 Timóteo 4:2). O aviso de Deus para estes mentirosos cheios de doutrinas de demônios; é que o julgamento de Deus está chegando a cada um de vocês – rápido e seguro. 

A ira de Deus é contra pessoas como estas “que suprimem a verdade pela injustiça ” (v18), porque eles não querem se submeter a sua vontade à vontade de Deus, mesmo que “o que se pode saber sobre Deus é manifesto entre eles, porque Deus fez isso claro para eles.” (v19) 

No Dia do Juízo, ninguém pode afirmar que eles eram ignorantes de Deus e ignorantes de sua responsabilidade de buscá-Lo, adorá-Lo e obedecê-Lo, porque “desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis.” (v20) 

Precisamos lembrar o que Jesus ensinou e disse: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’ 23 Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!” (Mateus 7:21-23) 

Há, porém, um antídoto para a ira de Deus. É por isso que Deus, em Seu imenso amor por nós enviou Seu Filho para pagar o preço da ira para nós. Ninguém tem que viver mais um dia em perigo da ira de Deus, que Ele tem claramente revelado do céu, porque, “aquele que crê no Filho tem a vida eterna, e aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece” (João 3:36). E lembrando mais uma vez o versículo anterior, “nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.” (Mateus 7:21) 

A verdade da ira de Deus deve motivar o crente nascido de novo para compartilhar o Evangelho. Deve encorajar-nos a orar pelos perdidos. “Pois todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más.” (2 Coríntios 5:10-11) 

Que Deus nos dê o desejo de alcançar as almas e proclamar a verdade da Sua palavra fielmente para os que estão perecendo; visto que a Escritura está cheia de advertências da ira de Deus por aqueles que continuam em seu pecado sem se arrepender, e “a ira de Deus vem sobre os filhos da desobediência.” (Colossenses 3:6)

 

 

 

 

 

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 173 outros seguidores