Mateus 12 vs 31

As palavras mais fatais já ditas por Jesus tinham a ver com a temerosa possibilidade de cometer o pecado imperdoável. Ele disse: “Por esse motivo eu lhes digo: Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito (Santo) não será perdoada. (Mateus 12:31)  

Ninguém pode mal interpretar a mensagem clara destes versos. Há um pecado para a morte. Um homem ou uma mulher pode chegar a um ponto entre a misericórdia de Deus e sua ira. Estas palavras assustadoras do nosso Senhor estão em forte contraste com Suas expressões geralmente benevolentes. Por esta razão, deve ser examinada com muito cuidado.  

O que é este pecado que o céu considera com tal horror? Por que Deus vai lidar de forma tão severa com aqueles que são culpados deste pecado? Para a mente humana muitos atos depravados e cruéis poderiam cair em tal categoria, mas qual deles Deus contaria tão hediondo e horrível que jamais poderia ser perdoado? É a blasfêmia contra o Espírito Santo.  

O conceito de “blasfêmia contra o Espírito” também é mencionado em Marcos 3:22-30, onde os mestres da lei que haviam descido de Jerusalém estavam acusando Jesus de estar possuído por Belzebu e dizendo às pessoas que Ele expulsou os demônios pelo Príncipe de demônios. Eles estavam basicamente dizendo que Jesus Cristo, o Deus encarnado tinha um espírito impuro.  

Assim, vemos que o termo blasfêmia pode ser geralmente definido como “irreverência desafiante”. O termo pode ser aplicado a tais pecados como amaldiçoar a Deus ou degradar deliberadamente coisas relacionadas a Deus. Ele também é atribuir algum mal a Deus, ou negando o bem que devemos atribuir a Ele.  

Este caso de blasfêmia, entretanto, é específico, chamado de “blasfêmia contra o Espírito Santo” que Jesus falou em Mateus 12:31. À medida que continuamos a ler em Mateus 12:32 Jesus diz: “Todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem será perdoado, mas quem falar contra o Espírito Santo não será perdoado, nem nesta era nem na que há de vir.”  

Os fariseus, tendo testemunhado provas irrefutáveis ​​de que Jesus estava fazendo milagres no poder do Espírito Santo, em vez disso alegaram que o Senhor estava possuído pelo demônio “Belzebu” e eles disseram: “É somente por Belzebu, o príncipe dos demônios, que Ele expulsa demônios.” (Mateus 12:24)  

A blasfêmia contra o Espírito hoje, é o mesmo que o pecado imperdoável, e é o estado de incredulidade continua. Não há perdão para uma pessoa que morre na incredulidade. Rejeição contínua dos sussurros do Espírito Santo para confiar em Jesus Cristo é a blasfêmia imperdoável contra Ele. Lembre-se que diz em João 3:16: “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito], para que todo o que Nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” Mais adiante no mesmo capítulo lemos o verso que diz: “Quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre Ele.” (João 3:36)  

A única condição em que alguém não teria o perdão é se ele ouve a verdade do evangelho e mesmo assim rejeita o Filho, como Hebreus 10:26-29 diz: “Se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados, 27 mas tão-somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que consumirá os inimigos de Deus. 28 Quem rejeitava a Lei de Moisés morria sem misericórdia pelo depoimento de duas ou três testemunhas. 29 Quão mais severo castigo, julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés o Filho de Deus, profanou o sangue da aliança pelo qual ele foi santificado, e insultou o Espírito da graça?” 

Lembrem-se do que Jesus disse: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14:6); e não o que muitas falsas religiões e falsos maestros estão ensinando que há vários caminhos para a salvação. Tenham cuidado e sempre busquem a verdade da palavra de Deus na Bíblia.


Publicado por: mvmportugues | setembro 9, 2014

JESUS CRISTO É O ÚNICO CAMINHO – João 14:6

Eu sou o caminho, a verdade e a vida

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.” (João 14:6)  

Este é certamente um dos versos mais importantes, mais claros, mais profundos da Bíblia. Não há outra maneira de chegar a Deus a não ser através de Cristo, nenhuma outra verdade do que aquela que se funda e está centrada em Cristo, e nenhuma outra vida eterna, exceto a vida de Cristo concedida ao crente, através da fé em Cristo. Todas as outras formas são falsas e enganosas.  

  • Quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele.” (João 3:36)  

Os dois destinos são claros. Ou acreditamos em Jesus como o Filho de Deus e recebemos a vida, ou nos recusamos a acreditar e obedecer o Filho e continuamos sob a ira de Deus por causa de nossos pecados.  

  • “Não há salvação em nenhum outro, pois não há nenhum outro nome debaixo do céu, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4:12)  

A salvação não é encontrada em Buda, Maria, Maomé, Confúcio, Joseph Smith, Zoroastro, ou qualquer outro ser humano. Ela é encontrada somente em Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo.  

  • “Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus” (1 Timóteo 2:5)  

Observe que há apenas um mediador que pode “transpor o abismo” entre o homem pecador e um Deus santo – Ele é Jesus Cristo!  

  • “É por isso que Eu lhes disse que vocês morrerão em seus pecados. Se vocês não crerem que Eu Sou, de fato morrerão em seus pecados.” (João 8:24)  

Se alguém morre em seus pecados, ele só pode esperar receber a separação eterna de Deus no lago de fogo. Somente crendo em Jesus Cristo e fazendo dele o Senhor da nossa vida podemos escapar desse destino terrível!  

  • “… quando o Senhor Jesus for revelado lá dos céus, com os seus anjos poderosos, em meio a chamas flamejantes. Ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão a pena de destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder.” (2 Tessalonicenses 1:7-9)  

A retribuição de Deus e da destruição eterna virá sobre aqueles que não têm uma relação viva com o verdadeiro Deus e contra os que não respondem à mensagem salvadora de Jesus Cristo.  

  • “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que Nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna…. mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus.” (João 3:16, 18)  

As alternativas são claras. Somente aqueles que crêem em Jesus Cristo recebem a vida eterna; aqueles que não crêem Nele estão sob o julgamento de Deus.  

  • “Deus nos deu a vida eterna, e essa vida está em seu Filho. Quem tem o Filho, tem a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida.” (1 João 5:11-12)  

A verdade é simples: aqueles que estão em Jesus, o Filho de Deus, recebem a vida eterna, enquanto que aqueles que não têm uma relação salvadora com Cristo não tem a vida eterna. Independentemente de quão “bom” e “religioso” podemos ser, o nosso destino eterno está em Cristo!  

  • “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Romanos 6:23)  

Todo aquele que está em pecado morrerá espiritualmente e sofrerá a morte eterna do inferno; apenas aqueles que estão em uma relação salvadora com Jesus Cristo receberão a vida eterna com Deus. 

  • “Eu sou a porta; quem entra por Mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem.” (João 10:9)  

Jesus nos diz que Ele é a única porta de segurança e de salvação; Ele não é uma porta entre muitas.

  • Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores. Como agora fomos justificados por Seu sangue, muito mais ainda, por meio dele, seremos salvos da ira de Deus.” (Romanos 5:8-9) 

Todos nós, por causa do nosso pecado, merecemos a justa ira de Deus expressa no julgamento, mas Jesus Cristo morreu para nos salvar da punição. Cristo é o único meio de salvação. 

  • “… lembre-se que naquela época vocês estavam sem Cristo… sem esperança e sem Deus no mundo. Mas agora, em Cristo Jesus, vocês, que antes estavam longe, foram aproximados mediante o sangue de Cristo.” (Efésios 2:12-13) 

Quando a pessoa não tem Cristo, ela não tem esperança, pois ela está separada de Deus. Nós só podemos ter um relacionamento com Deus por meio de Jesus Cristo e Sua morte redentora por nossos pecados.  

  • “Todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus.” (Mateus 10:32-33)  

Não importa quão religiosa uma pessoa pode ser, se ela se recusa a reconhecer Jesus Cristo será negada no dia do julgamento.  

  • “Jesus Cristo tornou-se a fonte da salvação eterna para todos os que lhe obedecem.” (Hebreus 5:9) 

Jesus Cristo oferece a salvação eterna somente para aqueles que vêm a Ele na verdade e na obediência da fé.  

Quando Deus criou Adão e Eva estavam sem pecado, eles eram pessoas normais, quando pecaram e se rebelaram contra Deus, eles se tornaram pecadores e anormal; porque já não tinham comunhão ininterrupta e um relacionamento com Deus.  

2 Coríntios 5:21 maravilhosamente e eternamente define a nossa posição como crentes no Salvador: “Deus tornou pecado por nós Aquele que não tinha pecado, para que Nele nos tornássemos justiça de Deus.”  

Jesus Cristo restaurou a nossa comunhão e relacionamento de família com Deus quando Ele se tornou sacrifício pelos pecados que cometemos.

 

 

Deuteronomio 6 vs 1-7 (P)

“Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os preceitos que o Senhor teu Deus mandou ensinar-te, para que vocês os cumpram na terra para a qual estão indo para dela tomar posse. Desse modo vocês, seus filhos e seus netos temerão o Senhor, o seu Deus, e obedecerão a todos os seus decretos e mandamentos, que eu lhes ordeno, todos os dias da sua vida, para que tenham vida longa. Ouça e obedeça, ó Israel! Assim tudo lhe irá bem e você será muito numeroso numa terra onde manam leite e mel, como lhe prometeu o Senhor, o Deus dos seus antepassados. “Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.”  (Deuteronômio 6:1-7)

Esses versículos em Deuteronômio são um chamado à obediência para a glória de Deus. Eles são a prova do nosso amor por Deus através da perpetuação da fé no Senhor de geração em geração.  

O Senhor ordenou a Moisés para ensinar as pessoas a temer (respeitar) o Senhor seu Deus pelos decretos e mandamentos que Ele estava dando a eles, para que eles pudessem desfrutar de uma vida longa. Eles deveriam ter cuidado e obedecer para que tudo corresse bem com eles. 

Estes princípios do Antigo Testamento, avisos e exortações são dadas a nós hoje como exemplos, e para nosso ensino, “pois tudo o que foi escrito no passado, foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança.” (Romanos 15:4)  

Nos versículos 3 e 4, vemos que o fundamento da obediência começa com a escuta e mesmo que estes versos são dirigidas à nação de Israel, eles são particularmente destinados a pais – especialmente para pais e avós por causa do seu papel de liderança de acordo com a Escrituras e por causa da responsabilidade dos pais na perpetuação da fé em seus filhos.  

A coisa mais importante que os pais podem fazer para si e sua família é fazer-los ouvir a Palavra de Deus a maior prioridade de sua vida e das vidas de seus filhos. As crianças devem aprender a importância de ouvir e conhecer a Palavra de Deus, pois é fundamental para o seu crescimento espiritual e seu caminhar com Deus, como é para nós.  

O objetivo de ouvir a Palavra é conhecer o Senhor intimamente e pessoalmente, para compreender as verdades da Escritura, de modo que elas se tornam os meios e guia para um relacionamento pessoal com o Senhor. Nós precisamos “entender que o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor,” (Deuteronômio 8:3). Precisamos viver pela Palavra de Deus para que possamos conhecer pessoalmente a Deus e colocar nossa confiança Nele. 

Temos que aprender a nos avaliar, não pelo nosso conhecimento sobre Deus, ou por quantos versos podemos recitar de memória, e não por nossos dons e talentos ou ministério, mas pela forma como oramos, pela forma como nos comunicamos com o Senhor em Sua Palavra, pelo que passa em nossos corações, e pelo nosso nível de obediência ao que conhecemos.  

“Ouça”, no versículo 4 inclui a idéia de “ouvir e obedecer.” O ponto é que nós realmente não ouvimos a menos que estejamos seguindo com obediência e agindo sobre os preceitos das Escrituras. Devemos agir de acordo com as Escrituras com o coração, a partir de uma compreensão íntima e relacionamento com Deus ou não temos verdadeiramente ouvido. 

O conhecimento sem obediência é apenas um conhecimento parcial, porque é conhecimento sem compreensão. Constitui informação sem entendimento e sem discernimento espiritual.

Para conhecer verdadeiramente o Senhor é o desejo de obedecer e mudar, caso contrário, temos apenas um encontro com nós mesmos religiosamente e emocionalmente.  

Os pais que se recusam a obedecer a Deus estão ensinando seus filhos a desobediência. As palavras mais claras e mais fortes que os nossos filhos ouvem são as do nosso próprio exemplo. Se somos críticos, eles aprendem a ser críticos. As crianças cujos pais encontram todos os tipos de desculpas para não ir à igreja ou estudos bíblicos vão achar mais fácil fazer o mesmo. As crianças, de pais que não estão envolvidos e preocupados com os outros, provavelmente serão também indiferente às necessidades ao seu redor.  

À medida que continuamos em o versículo 5 e 6, lemos que devemos amar a Deus. “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.” Devemos amar o Senhor totalmente, “com todo o coração”, e entregar-nos a Ele incondicionalmente.  

O segredo para amar o Senhor é conhecê-Lo. E o segredo para conhecê-Lo é o estudo da Bíblia e a oração. Se não amamos o Senhor e O fazemos a prioridade suprema de nossas vidas, as chances são muito elevadas que tampouco vão os nossos filhos. E só o nosso amor pelo Senhor fará com que a educação de nossos filhos seja uma prioridade em nossas vidas.  Caso contrário, teremos a tendência de negligenciar-los para os nossos próprios prazeres, ou negócios, ou outras atividades pessoais.  

Precisamos ensinar e modelar a Palavra como lemos nos versículos 7: “Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.” Isto é tão importante que Moisés também menciona a mesma coisa em Deuteronômio 4:9.  

Persistentemente ou diligentemente significa obedecer a ordem de Deus, ensinando as escrituras consistentemente. Deve ser claro e preciso, e não em generalidades vagas, e deve ser ensinado a todo o tempo. O segredo para a aprendizagem é a repetição e é para ser feito quando sentamos, andamos, deitamos e levantamos. Em outras palavras, estamos à procura de oportunidades de ensinar pela Palavra e pelo exemplo, através de actividades da vida diária.  

O que nossos filhos aprendem na escola dominical e igreja é importante, mas não podemos contar somente com isso. Esta passagem está falando com os pais, não a igreja. A formação é antes de tudo a responsabilidade dos pais como a Bíblia ensina: “E você, pais. . . crie os seus filhos na disciplina e na admoestação do Senhor” – (Efésios 6:4). Novamente, isso enfatiza o exemplo. O que se diz é raramente tão influente como o que se faz.  

Quando os pais ouvem, obedecem e amam o Senhor, eles fornecem um modelo para as crianças que reforça o que é dito em casa. Portanto, a chave para ensinar nossos filhos a amar a Deus é afirmado de forma simples e claramente nesses versículos. Se queremos que nossos filhos sigam a Deus, devemos fazer de Deus uma parte de nossas experiências diárias. Devemos ensinar nossos filhos diligentemente para ver Deus em todos os aspectos da vida, não apenas os que estão associados com a igreja. 

“Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos  não se desviará deles.” (Provérbios 22:6)

 

Publicado por: mvmportugues | agosto 25, 2014

LIBERDADE EM CRISTO – Gálatas 5:1

A Liberdade em Cristo

“Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.” – Gálatas 5:1  

Cristo morreu para nos libertar do pecado e de uma longa lista de leis e regulamentos. Cristo veio para nos libertar, não somos livre para fazer o que queremos, porque isso nos levaria de volta à escravidão e aos nossos desejos egoístas. Em vez disso, graças a Cristo, somos agora livres e capazes de fazer o que era impossível antes – viver sem egoísmo. Aqueles que exigem a sua liberdade, para que possam ter a sua própria maneira, ou de saciar seu próprio desejo estão regressando ao pecado. Mas também é errado colocar um fardo de manter a lei sobre cristãos como os Gálatas estavam fazendo na época de Paulo. Devemos manter-nos firmes contra aqueles que querem nos escravizar com as regras, métodos ou condições especiais para ser salvo, ou crescer em Cristo.  

Somos salvos pela fé e não por obras. O amor para Deus e por outros é a resposta daqueles a quem Deus perdoou. O perdão de Deus é completo, e Jesus disse que aqueles que são perdoados muito, amam muito (Lucas 7:42-43). Porque a fé se expressa através do amor, podemos verificar o nosso amor por outros como uma forma de monitorar nossa fé.  

A Bíblia nos diz que seremos perseguidos por causa da nossa fé. Muitas pessoas não querem ouvir a verdade e somente querem ouvir o que eles querem ouvir. “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos.” (2 Timóteo 4:3) 

Paulo foi perseguido porque ele estava pregando o verdadeiro evangelho. Se ele tivesse ensinado o que os falsos mestres estavam ensinando, ninguém estaria ofendido. Mas porque ele estava ensinando a verdade, ele foi perseguido pelos judeus e judaizantes (aqueles que adotaram práticas religiosas judaicas ou tentaram influenciar os outros a fazê-lo).  

Tua família ou amigos te rejeitam, porque você tomou uma posição por Cristo? Jesus disse para não ficarmos surpreso se o mundo nos odeia, porque odiaram a Ele primeiro (João 15:18-19).  

Assim como Paulo continua a proclamar fielmente a mensagem de Cristo, devemos continuar trabalhando no ministério que Deus deu a cada um de nós; apesar dos obstáculos que outros podem colocar em nosso caminho. 

Devemos ter a liberdade em Cristo e não devemos ser escravos do pecado, porque os crentes são livres para fazer o certo e para glorificar a Deus através de servir outros com amor.  

Quando um crente perde a motivação do amor, e se torna crítico de outros, para de olhar para o lado bom das pessoas e só vê seus defeitos. Logo a unidade está perdida. Será que algum de nós focamos em deficiências de outros em vez de seus pontos fortes?  

Nós precisamos nos lembrar do mandamento de Jesus de amar uns aos outros como você ama a você mesmo (Mateus 22:39). Quando começamos a sentir crítica de alguém, devemos fazer uma lista das qualidades positivas dessa pessoa. Quando os problemas necessitam ser abordados, devemos confrontar em amor, em vez de fofocas. 

No entanto, haverá momentos em que será necessário enfrentar hipócritas e as pessoas que vivem em pecado, para que a honra de Deus não seja blasfemado e a igreja cristã pode ser purificada e fortalecida. 

Foi isto o que Jesus fez: “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês limpam o exterior do copo e do prato, mas por dentro eles estão cheios de ganância e cobiça.  Fariseu cego! Limpe primeiro o interior do copo e do prato, para que o exterior também fique limpo.” (Mateus 23:25-26)  

Se desejamos ter as qualidades definidas e expressadas em Gálatas 5:22-23, que são “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio”, então saberemos que o Espírito Santo está nos guiando.  

Nós também precisamos ter cuidado para não confundir nossos sentimentos subjetivos com a liderança do Espírito. Ser guiado pelo Espírito Santo envolve o desejo de ouvir, a prontidão para obedecer a Palavra de Deus, e a sensibilidade para discernir entre o nosso sentimento e Seus sussurros.  

Necessitamos viver cada dia controlado e guiado pelo Espírito Santo. Em seguida, as palavras de Cristo estarão em nossa mente, o amor de Cristo vai estar por trás de nossas ações e o poder de Cristo nos ajudará a controlar os nossos desejos egoístas.  

Lembre-se de que uma pessoa nascida de novo tem a liberdade em Cristo, porque as Escrituras nos dizem: “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.” (Romanos 8:1-2)

Publicado por: mvmportugues | agosto 18, 2014

PORQUE CRISTO MORREU POR NÓS? – Tito 2:11-14

Tito 2 vs 11-14 (P)

Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. 12 Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente, 13 enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo. 14 Ele se entregou por nós a fim de nos remir de toda a maldade e purificar para si mesmo um povo particularmente seu, dedicado à prática de boas obras. (Tito 2:11-14)  

Se alguém pergunta por que Jesus morreu, uma grande porcentagem dos membros da Igreja geralmente diria que Ele morreu para nos salvar dos nossos pecados. É verdade que “Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras” (1 Coríntios 15:3), mas esta não é a completa resposta. Muitos cristãos pensam da morte de Cristo só em termos do que significa para eles, e não o que significou para Jesus.  

O versículo 14 nos diz que Cristo morreu por nós para nos remir de iniqüidade, e não somente para nos impedir de ir para o inferno, mas “para purificar para si um povo seu próprio, ansioso para fazer o que é bom.” Ele quer pessoas que vão fazer Dele o Senhor de suas vidas que estão ansiosos para fazer o bem e ser santo. A morte de Cristo não foi apenas para nos salvar, mas também para purificar para si um povo todo Seu, zeloso de boas obras.  

“Cristo amou a igreja e entregou-se por ela, … para apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável” (Efésios 5:25, 27). Foi a obra de Cristo na cruz, quando Ele deu a si mesmo para a igreja, que a fez limpa, purificada, e gloriosa, sem mancha nem ruga, e separada para Ele.  

“Ele morreu por todos para que aqueles que vivem já não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Coríntios 5:15). A razão que Cristo morreu como nosso representante, foi para que a nossa velha vida rebelde poderia morrer na cruz com Ele, e seríamos libertados e ressuscitados com Ele para viver uma nova vida – não mais rebelde, não obcecada com a auto, mas agora vivendo para Ele, o verdadeiro Senhor e governante de todos.  

Se vamos unir-nos a Cristo. e assim, receber o benefício de morrer com Cristo na cruz, então nossa antiga vida acabou. Somos uma pessoa completamente nova; e temos um novo Espírito dentro de nós. Queremos viver uma vida completamente nova e, não mais para o nosso ser rebelde, que agora está morto, mas para Cristo que por nós morreu e ressuscitou. “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.” (Gálatas 2:20)  

É por isso que é impensável que vamos para Cristo em arrependimento para o perdão dos nossos pecados … e depois retornamos aos nosso pecados e chafurdamos neles, como se nada tivesse acontecido. A razão que Deus nos resgatou do domínio das trevas, da escravidão e do pecado, e nos transferiu para o reino do seu Filho, é para que possamos viver uma nova vida de piedade e santidade “Nele”.  

Portanto, se vocês estiverem comendo, ou bebendo, ou fazendo qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. (1 Coríntios 10:31)

 

Publicado por: mvmportugues | agosto 11, 2014

CONFIE EM DEUS – Gênesis 15:5

Genesis 15 vs 5 P

O Senhor fez uma promessa a Abrão para dar-lhe um filho e Ele o levou para fora e disse: “Olhe para o céu e conte as estrelas…assim será a sua descendência.” (Gênesis 15:5)  

Quando Deus chamou Abrão, ele tinha 75 anos de idade e foi quando o Senhor prometeu que faria dele uma grande nação, e que Deus o abençoaria. (Gênesis 12:2)  

Abrão está com 85 anos; dez anos se passaram desde que Deus lhe prometeu “que faria dele uma grande nação,” e ele está preocupado que ainda não tinha filhos, assim o Senhor veio a Abrão, numa visão e prometeu-lhe descendentes numerosos demais para imaginar.  

Quando Deus faz uma promessa podemos contar com ela. Ora, Sarai, mulher de Abrão também estava ficando mais velha e ela não tinha filhos, o que naquela cultura era muito vergonhoso e uma deshonra, então ela deu Hagar, sua serva egípcia à Abrão como esposa substituta, que era prática comum naquela época. Uma criança nascida de uma  serva era considerado o filho da esposa. Assim, embora Abrão estivesse agindo de acordo com o costume da época, sua ação mostrou uma falta de fé que Deus cumpriria Sua promessa.  

Deus exige de nós para ser fiel a Ele e a Sua Santa Palavra, independentemente dos costumes pecaminosos que existiram naquela época ou é aceitável na sociedade de hoje como “normal”. O plano perfeito de Deus foi, e é que marido e mulher devem ser fisicamente íntimos somente um com o outro para toda a sua vida. Sempre que uma pessoa casada é fisicamente íntima com outra pessoa; a Bíblia define os atos como – adultério. 

Deus ordenou em Sua Palavra “sede santos, porque Eu sou Santo”. Portanto, a obediência a Santa Palavra de Deus é o único estilo de vida normal – violações de Sua Santa Palavra é pecado e são anormais para os VERDADEIROS crentes e filhos de Deus.  

Sarai como Abrão teve dificuldade em acreditar nas promessas de Deus e tomou o assunto em suas próprias mãos, dando Hagar a Abrão, quando o casamento é um compromisso sagrado e contrato entre Deus; um marido e uma esposa.  

Por causa da desobediência e a falta de fé por parte de Sarai e de Abrão, veio uma série de problemas. Isso invariavelmente acontece quando assumimos a responsabilidade de Deus, tentando fazer com que Sua promessa se ​​torne realidade através de esforços que não estão de acordo com Suas direções específicas. Neste caso, o tempo foi o maior teste de Abrão e Sarai para deixar que a vontade de Deus trabalhasse em suas vidas.  

As vezes nós também devemos simplesmente esperar. Quando pedimos a Deus por algo e temos que esperar, é tentador tomar o assunto em nossas próprias mãos e interferir com os planos de Deus.  

Embora Sarai fez os planos para Hagar ter um filho com Abrão, mais tarde ela culpou Abram pelos resultados. Muitas vezes, é mais fácil de atacar em frustração e acusar a outra pessoa do que admitir a nossa culpa e nosso pecado e pedir perdão. Soa familiar? Adão e Eva fizeram a mesma coisa. (Gênesis 3:12-13)  

Sarai lançou sua raiva contra Abrão e Hagar e seu tratamento foi duro, o suficiente para causar que Hagar fugisse. Raiva, especialmente quando surge da nossa própria incredulidade, pecados e rebelião contra Deus e Sua Palavra é sempre perigosa e destrutiva.  

Hagar estava fugindo de sua senhora e seu problema. O anjo do Senhor lhe deu o conselho para voltar e enfrentar Sarai, a causa de seu problema, e se submeter a ela. Hagar precisava corrigir sua atitude para com Sarai, não importa quão justificado seu pensamento poderia ter sido. Fugir de nossos problemas raramente resolve-los; é sábio voltar para os nossos problemas, enfrentá-los, aceitar a promessa da ajuda de Deus, corrigir nossas atitudes e agir como deveríamos.  

Vimos três pessoas cometerem erros graves. 

  • Sarai, que tomou o assunto em suas próprias mãos. Ela disse a Abrão para ir dormir com sua serva; violando assim a santidade do casamento e fez Abrão cometer adultério com Hagar.
  • Abrão, que concordou com o plano e cometeu adultério; no entanto, quando as circunstâncias começaram a piorar, se recusou a ajudar a resolver o problema.
  • E, Hagar, que fugiu do problema.

Apesar desta situação complicada, Deus demonstrou Sua habilidade de agir em todas as coisas para o bem daqueles que o amam (Romanos 8:28). Sarai e Abrão receberam o filho que tão desesperadamente queriam, e Deus resolveu o problema de Hagar apesar da recusa de Abrão se envolver. Nenhum problema é demasiado complicado para Deus, se estamos dispostos a deixar que Ele nos ajude e esteja em controle.  

O Senhor disse a Abrão. “Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença e sê perfeito,(Gênesis 17:1). Deus tem a mesma mensagem para nós hoje. Devemos obedecer ao Senhor em todos os aspectos, porque Ele é Deus; que é motivo suficiente. Se nós pensamos que os benefícios da obediência não valem a pena, considere quem Deus é – o único com o poder e a capacidade de atender todas as nossas necessidades.  

Deus não esqueceu do filho de Hagar, Ismael; mesmo que ele não era para ser o herdeiro de Abraão, ele também seria o pai de uma grande nação. Portanto, independentemente de nossas circunstâncias, Deus não se esquece de nós. Precisamos obedecer-Lhe e confiar em Seu plano, e lembre-nos de que as bênçãos de Deus são muito numerosas para nós imaginar, e que o Seu tempo é sempre o tempo certo. Portanto: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento;  reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e Ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6)

 

Publicado por: mvmportugues | agosto 5, 2014

RECONHEÇA A SUA CULPA – Jeremias 3:13

Jeremias 3 vs 13

Somente reconhece a sua culpa: que contra o Senhor teu Deus transgrediste… (Jeremias 3:13)  

A menos que uma pessoa reconhece o seu pecado, ela nunca vai se arrepender, ou desviar-se dele. E uma vez ciente disto, e a pessoa se arrepende, ela deve admitir e confessar diante de Deus, contra quem pecou. Isto é o que Jeremias está insistindo. Pedindo a Deus para nos perdoar é a coisa mais libertadora que podemos fazer, e é o que todo pecador sensato fará. E quando isso é realizado o perdão, a graça e misericórdia de Deus é revelada. “Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobri as minhas culpas. Eu disse: Confessarei as minhas transgressõesao Senhor, e tu perdoaste a culpa do meu pecado.” (Salmo 32:5)  

Quando estamos comprometidos a andar em comunhão ininterrupta com o Senhor, precisamos sempre ter em mente que o inimigo está continuamente pronto para nos fazer tropeçar e cair; porque ele anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar (1 Pedro 5:8). Portanto, precisamos pedir a Deus para “criar em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito estável” (Salmo 51:10). Sempre “buscando primeiro o Reino de Deus e a sua justiça.” (Mateus 6:33)  

A experiência mais edificante em nossa vida diária é quando concentramos nossa mente em: “tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, pense nisso.” (Filipenses 4:8) 

Por isso, nosso foco diário deve ser em viver uma vida santa diante de Deus e dos homens. Mas em caso que tropeçamos, e a maioria de nós vamos, devemos lembrar que: “Se confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1:9)

Publicado por: mvmportugues | julho 28, 2014

A LIBERDADE VEM DE UM CORAÇĂO OBEDIENTE – Salmo 119:44-45

LIBERDADE

“Obedecerei constantemente à tua lei, para todo o sempre. Andarei em verdadeira liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos. Salmos 119:44-45  

Obediência cria liberdade, enquanto a desobediência leva à escravidão. Quando buscamos o conselho da Palavra de Deus, estamos caminhando em direção a um caminho libertador. Pelo contrário, quando saímos da pista e vamos contra os caminhos de Deus nos tornamos enredados pelos caminhos do mundo e perdemos a visão do que é certo.  

Verdadeiros cristãos nascidos de novo têm um desejo de obedecer, a fim de tornar-se como o seu Mestre! Cristo não só nos chamou para saber a verdade, para amar-Lo, confiar Nele e servi-Lo; Ele também nos chamou para obedecê-Lo. O tema bíblico da salvação não pode ser separado da chamada de Deus para a obediência. Embora as boas obras não nos salvam, somos salvos para as boas obras. Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie. 10 Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos.” (Efésios 2:8-10)  

A razão para a nossa obediência é a nossa resposta à ação da graça de Deus em Cristo. A raiz da nossa obediência é agradar a Deus por amor a fim de que Deus seja glorificado em todas as coisas. Somente uma pessoa regenerada pelo Espírito é capaz de tal obediência. Aquele que obedece os mandamentos de Cristo é aquele que verdadeiramente ama a Cristo (João 14:21) e, assim provando ser Seu discípulo.  

À medida que aprendemos a obedecer a Deus mais e mais, estamos cada vez mais libertos do poder do pecado em nossas vidas. O amor de Deus por nós é o que permite o nosso amor a Deus: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” (1 João 4:19); e nosso amor por Deus permite a nossa obediência a Ele.  

Ser controlado pelo Espírito “ser cheio do Espírito” (Efésios 5:18) é essencial, se nós vamos desenvolver o auto-controle que nos permite obedecer a Deus. A liberdade moral – o poder de fazer o que devemos – está diretamente relacionado à obediência: “Então você vai saber a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32).  

O processo de aprender a obedecer a Deus é um processo longo da vida e o resultado desse processo é que nos seremos conformados ao caráter e a conduta de Jesus Cristo. Viver uma vida cristã obediente significa estar em contato com a realidade em todos os momentos e experimentar toda a bênção associada a ela (João 13:17).  

A medida que nós nos comprometemos a obedecer a Deus, estamos permitindo que Ele faça de nossas vidas o que Ele deseja que nos tornemos. Ao fazê-lo estamos vivendo ao potencial que Deus tem para nós. Assim que quando temos um relacionamento de amor com o nosso Senhor, os Seus mandamentos não são pesados ​​(1 João 5:3).  

A obediência é o ponto de partida e a meta da nossa vida cristã. e é o que nos restaura para o nosso destino original. 

  • A obediência é um dos traços do caráter cristão – 1 João 2:4
  • É o verdadeiro teste de nosso amor por Cristo – João 14:21
  • A obediência é o caminho para a bênção – João 13:17
  • A obediência é o que significa amar a Deus – 1 João 5:3
  • A obediência é a porta de entrada para a liberdade – João 8:32-36
  • E é a marca de um verdadeiro discípulo de Cristo – João 8:32
  • A obediência é uma grande fonte de alegria – João 15:11
  • A obediência é o resultado de profunda humildade e submissão – Filipenses 2:5-8
  • A obediência é estudar a Palavra de Deus – Tiago 1:22
  • E é um pré-requisito para conhecer a vontade de Deus – João 7:17

A obediência é mais do que uma ação específica; é compromisso com um modo de viver, e só é possível quando nos submetemos ao poder do Espírito Santo.

Publicado por: mvmportugues | julho 21, 2014

ESCOLHA O CAMINHO DA VERDADE – João 8:32

João 8 vs 32

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” – João 8:32  

Cada vez que o inimigo nos bombardeia com mentiras, temos de aprender a aconselhar os nossos corações de acordo com a verdade da Palavra de Deus e de agir sobre a Sua Verdade, independentemente do que a nossa razão humana ou os nossos sentimentos nos dizem.  

Quando nos encontramos cedendo ao cansaço, a frustração, ou a nossa carne; quando a nossa mente e emoções estão girando com coisas que sabemos que não são verdadeiras, devemos parar e tentar de identificar a Verdade que contradiz essas mentiras.  

Devemos dizer a verdade a nós mesmos; às vezes em voz alta, e se for necessário mais que uma vez, até que a Verdade desloca e substitui as mentiras que estamos acreditando. Devemos clamar a Deus por graça para agir sobre o que sabemos ser verdade e quando o fazemos, ficamos impressionados com o poder da Verdade para acalmar nossas emoções turbulentas e restaurar a sanidade de nossos pensamentos confusos.  

Às vezes, o inimigo começa a causar danos em nossas mentes e emoções e tudo o que podemos pensar é quão errada a outra pessoa tem sido, e quão profundamente magoado estamos. Começamos deixar pensamentos rancorosos e vingativos se enraizar em nossas mentes e reviver outros eventos do passado que pensávamos que já tínhamos esquecido. Temos a tendência de ser obcecado com a tentativa de encontrar uma maneira de nos justificar e provar a nossa inocência. Quando isso acontece, as nossas emoções começam a girar fora do controle e entramos em um ciclo de raiva e auto-piedade acreditando em uma série de mentiras do inimigo. Isso só leva a horas ou dias de tumulto e lutas internas.  

Quando deixamos este tumulto e brigas internas e começamos a concentrar nos em Deus, temos uma confrontação com a verdade:  

Bem-aventurados os mansos. . .

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. . .

Bem-aventurados os pacificadores. . .

Mateus 5:5, 7, 9 

Digo-vos que não resistais ao homem mal. Se alguém te bater na face direita, oferece-lhes também a outra. . . amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. . .

Mateus 5:39, 44 

Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós;  se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.

Mateus 6:14-15 

Agora nós temos uma escolha. Devemos continuar a acreditar nas mentiras, ou vamos abraçar a Verdade? Neste momento é quando a batalha realmente começa. Nossas emoções querem segurar a ofensa e queremos continuar alimentando o ressentimento e a raiva. Queremos justificação pessoal, mas, em nosso coração, sabemos que este tipo de escolha só vai levar à escravidão.  

Quando nos ajoelhamos diante do Senhor, com a Bíblia aberta, e lidamos com a Verdade, sabemos que temos de perdoar, e que devemos liberar o ofensor e a ofensa. Realizamos que a questão não é que nós não podemos perdoar; mas que não queremos perdoar. À medida que deixamos o Espírito Santo guiar-nos, sabemos que temos que renunciar qualquer direito de vingança ou de reter o amor daqueles que nos magoaram.  

Quando deixamos que a nossa mente continue sento aberta pelo Espírito Santo, somos lembrados das conseqüências de se recusar a perdoar; da misericórdia que perdemos se nos recusarmos a estender compaixão para outros, e das bênçãos que receberíamos se estamos dispostos a obedecer Seus mandamentos. Em nosso orgulho e teimosia, é difícil deixar ir, mas devemos – para poder estar em comunhão com o Senhor.  

Temos que continuar procurando e dizendo a verdade em nossos corações e fazer a escolha de agir sobre a Verdade. Ao fazê-lo nossas emoções gradualmente se tranquilizam e nosso espírito é liberado.  

Com o tempo, Deus nos dá uma melhor compreensão da situação original; Ele lança luz sobre por que reagimos desta forma e nos mostra alguns problemas mais profundos que não realizamos que precisavam ser abordados.  

Devemos ser gratos que o Senhor nos ama o suficiente para orquestrar as circunstâncias para trazer essas questões a superfície e devemos agradecê-Lo por usar essas experiências para tornar-nos mais semelhantes a Jesus. 

 

FONTE  

Nancy Leigh DeMoss

Publicado por: mvmportugues | julho 14, 2014

AGRADECENDO A DEUS POR SUA BONDADE – 1 Crônicas 29:11-13

Agradecendo a Deus

“Teus, ó Senhor, são a grandeza, o poder, a glória, a majestade e o esplendor, pois tudo o que há nos céus e na terra é teu. Teu, ó Senhor, é o reino; tu estás acima de tudo.  A riqueza e a honra vêm de ti; tu dominas sobre todas as coisas. Nas tuas mãos estão a força e o poder para exaltar e dar força a todos. Agora, nosso Deus, damos-te graças, e louvamos o teu glorioso nome. 1 Crônicas 29:11-13  

Quando temos gratidão a Deus em nosso coração isto elimina todos os tipos de sentimentos negativos. O descontentamento, a auto-piedade, a inveja e o orgulho não são páreo para a gratidão divina. Gratidão a Deus está enraizada na percepção de quem é Deus e o que Ele fez por nós. Tudo é de Deus, e tudo vem de Deus. Sua criação majestosa O adora como um reflexo de Sua glória. Nações e governantes, consciente ou inconscientemente, estão sob Sua autoridade e temos que realizar que Deus é o dono de todas as coisas.  

Porque Ele é dono de tudo, Ele é o responsável e, portanto, é Nele que vamos colocar a nossa confiança. Quando depositamos nossa confiança Nele desfrutamos de Sua presença, Sua criação, Seus recursos, Sua liberdade e uns aos outros. Existe uma gratidão gloriosa quando refletimos sobre as gloriosas riquezas de Deus. “O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:19) 

Gratidão a Deus é um dos maiores segredos para viver a vida cristã. Gratidão significa que nunca esquecemos do que Ele fez por nós, o que Ele está fazendo por nós, e o que Ele vai fazer por nós. É lembrar da Sua fidelidade passada, presente e futura. A gratidão é transformadora, pois é centrada em Deus. As preocupações deste mundo se dissiparam quando focamos nossa mente em gratidão ao Senhor. Nosso apreço pelo nosso Pai celestial será expressado em humilde adoração e louvor a Ele, além de nossa determinação de viver em comunhão ininterrupta e obediência com Ele. Jesus nos prometeu: “Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus.” (Mateus 5:8) 

Não importa onde estamos na vida. Não importa qual seja a nossa situação ou circunstância, temos algo que podemos dar graças a Deus todos os dias da nossa vida e devemos ter sempre uma atitude de ação de graças ao nosso Criador.  

Quando vemos e reconhecemos o fato de que Ele está sempre conosco; sempre proporcionando para nós, e nos protegendo; a intimidade que compartilhamos com Ele vai aumentar, e os nosso medo vai diminuir. “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas.” (Provérbios 3:5-6)  

Gratidão entende o que poderia ter acontecido a nós, se não fosse pela graça de Deus. Mas, pela intervenção do Senhor, Ele nos libertou e nos deu a vida eterna, por Jesus Cristo. Deus está sempre lá para nós e Ele deseja comunhão com cada um de nós, se nós apenas O reconhecemos e O deixamos.   

O Senhor é digno de louvor, gratidão e adoração. Que grande e poderoso Deus que servimos!  

“Damos-te graças, ó Deus, damos-te graças, pois perto está o teu nome; todos falam dos teus feitos maravilhosos.” (Salmo 75:1)

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 172 outros seguidores